São Paulo, 19 de Abril de 2014.

PATROCÍNIO:

Avon

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player



Venda por catálogo cresce mais de 50% - 14/12/2005
Karla Mendes
Estado de Minas – BH, Economia, 17


Venda por catálogo cresce mais de 50%
 
 
Produtos vendidos por revistas e catálogos estão caindo no gosto do consumidor, como opção de presente para o Natal. O grande atrativo é a comodidade para escolher e receber mercadorias sem sair de casa, numa época em que lojas de rua e shoppings ficam lotados. A professora Andressa Rocon Gottardi, por exemplo, comprou todos os presentes de Natal de Simone Bicalho, que vende produtos da Natura. Ela gastou R$ 780. “É a primeira vez que compro presente dessa forma para todo mundo”, diz. Com 780 clientes, Simone calcula que, no Natal, as vendas crescem mais de 50%. Além da revista, a consultora fez um estoque de produtos para atender os pedidos. “Se ficar só por conta dos clientes, eles deixam para a última hora e não dá tempo de chegar”, explica. Sem paciência para comprar em lojas, a professora aposentada Márcia Efigênia de Faria gastou mais de R$ 600 em produtos da revista da Avon, comercializados por Marília Iolanda Drummond Salgado. “Pela revista, tenho tempo de escolher direito. Como compro durante o ano todo, já conheço os produtos, os preços são acessíveis”, diz. Segundo Marília, as vendas aumentam mais de 50% no Natal. “As novidades dos kits e das embalagens estimulam os negócios”, observa. De janeiro a outubro, o setor de vendas diretas faturou R$ 8,6 bilhões. Segundo Marcelo Pinheiro, diretor de Novos Negócios da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (Abevd), a expectativa é de fechar o ano com receita de R$ 12 bilhões, 20% a mais que os R$ 10,4 bilhões de 2004. “O último trimestre do ano é a época mais forte para as vendas diretas. Há empresas que alcançam metade do seu faturamento nesse período”, diz.
 
Kits
 
Na disputa com a concorrência, a Avon investiu cerca de R$ 5 milhões na divulgação de 18 estojos de Natal. Segundo Silvana Cassol, vice-presidente de Marketing da Avon Brasil, a expectativa é de ampliar em dez vezes o faturamento deste período em relação ao do ano passado. A Natura também lançou 21 estojos para o Natal, com as principais linhas de produtos, além de brindes especiais como bolsas, agendas e mochilas. “Do meio de novembro para a frente, as vendas representam mais de 33% dos negócios do ano”, diz Lázaro do Carmo Júnior, gerente regional da Natura em Minas. Além de ofertas, kits e parcelamento em até dez vezes sem juros, a Hermes, que comercializa de bijuterias e eletrodomésticos, está premiando as vendedoras conforme os valores dos pedidos enviados. “Se vender R$ 159, por exemplo, pode comprar um liquidificador por R$ 29”, diz Sílvio Zveibil, diretor de Vendas da Hermes. Segundo o executivo, o volume de pedidos de novembro aumentou quase 30% em relação a outubro e, em dezembro, a alta deve ser de 20% a 30% em relação ao mês anterior. Maria de Lourdes Lima, por exemplo, envia toda semana mais de R$ 1,5 mil em pedidos. “Nessa época, a procura cresce 40% pelo menos”, afirma. A De Millus também está apostando nos kits de lingeries, acompanhados de algum cosmético ou complemento ligado ao produto, como porta-retrato ou chaveiro. Segundo Eva Goldman, diretora de Marketing da empresa, as vendas por catálogo aumentaram 20% em novembro na comparação com outubro e devem crescer 20% este mês em relação ao mês anterior.