Em um ano houve um aumento 20% no número de mulheres com filhos que trabalham no setor de venda direta

Os números divulgados pela Associação de Vendas Diretas do Reino Unido (DSA) revelaram que mais de 120 mil mães no Reino Unido estão gerando renda por meio da venda direta. Dos 400 mil vendedores diretos no Reino Unido, 30% são mães que trabalham neste mercado. Isso representa um aumento de mais de 20 mil mães no mercado em relação ao ano anterior – um aumento de 20%. E esta tendência já pode ser observada no Brasil.

A pesquisa realizada pela DSA do Reino Unido mostrou que as mães que trabalham estão preferindo a venda direta como uma alternativa ao emprego tradicional. Mulheres já são aproximadamente 76% dos vendedores diretos britânicos. Para Lynda Mills, diretora da DSA, muitos pais ficam na dúvida em relação ao retorno da mãe ao trabalho, pois deixar a criança em uma creche é caro e se ela ficar em casa acaba não gerando renda. “No entanto, a venda direta está oferecendo a muitas mulheres a oportunidade de trabalhar em torno de seus compromissos, dando-lhes a flexibilidade para trabalhar como e quando quiserem, e ainda podem cuidar dos filhos”, disse Lynda.

Esta é uma tendência mundial. A venda direta permite que qualquer pessoa, independentemente da idade, origem ou experiência anterior, possa criar e gerir o seu próprio negócio. É uma opção flexível e possibilita que as pessoas trabalhem as horas que escolher. A flexibilidade torna particularmente atraente para os pais, pois eles podem cuidar dos filhos enquanto trabalham.

A venda direta é o maior fornecedor de trabalho independente e de tempo parcial no Reino Unido. Dados da Associação de Venda Direta também mostra que a receita gerada por suas empresas associadas cresceram 7%, £ 1,5 bilhão para £ 1,6 bilhão no ano passado.