Início/2014/setembro

Empresas de venda por catálogo apostam em plataformas virtuais para aumentar lucro

Diário de Pernambuco – Economia – 28/09/2014
O tradicional modelo de venda direta, ou porta a porta, que chegou ao Brasil na década de 1940 e desde o fim do século 18 cria redes sociais para comercializar produtos e serviços, está inaugurando plataformas virtuais. Os consumidores já podem substituir o tradicional catálogo ou a revista pela página de seu vendedor na internet. O objetivo é ampliar as vendas em todas as redes de negócios. No ano passado, o setor cresceu 7,2% e movimentou no país US$ 14,6 bilhões em negócios.
No modelo digital que começa a tomar forma em grandes empresas do setor, as vendedoras continuam lá, mas o contato com o cliente é feito a distância, ou de tela em tela. Se a ferramenta é o primeiro passo para substituir o relacionamento humano pelo digital ainda é uma questão para o futuro. As empresas dizem que a participação das vendas virtuais ainda é pequena diante dos números do setor, que no Brasil envolve uma rede de 4,5 milhões de pessoas. O país ocupa a 4ª posição mundial no ranking dasvendas diretas, divulgado pela World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA), atrás apenas dos Estados Unidos, Japão e China.
A Natura, que está entre as 10 maiores empresas de vendas diretas do mundo, lançou a Consultora Natura Digital, projeto-piloto em São Paulo para expandir seus negócios no mundo virtual. Lá, as vendedoras podem montar uma página própria na internet para comercializar seus produtos, podendo criar promoções e escolher itens que ficam em destaque. A empresa não precisou quando a plataforma chega a Minas Gerais, mas a expectativa dos vendedores é de que já possam comercializar para outros estados do Sudeste a partir do Natal. Desde julho, a relações-públicas Maria Fernanda Gimenez, de 29 anos, está testando o modelo em Osasco (SP). “Nunca trabalhei com a venda direta, mas a plataforma digital atraiu minha atenção porque tenho pouco tempo livre. Assim, posso vender os produtos sem me preocupar com a cobrança e nem com a entrega, que é feita pela empresa na casa da cliente”, explica.
EXPANSÃO Roberta Kuruzu, diretora-executiva da Associação Brasileira dasEmpresas de Vendas Diretas (ABEVD), diz que o setor está em expansão e vem atraindo grandes empresas. Já aderiram ao segmento redes como Polishop, Marisa e o Grupo Boticário. Segundo a executiva, as plataformas digitais são a novidade no setor, mas não devem substituir o contato pessoal. “A força do relacionamento é muito forte nas vendas diretas, que é desde o seu primórdio uma rede social. Comprar pelo site é uma forma de otimizar as vendas, mas a preferência do consumidor é pelo catálogo”, defende.
Marta Marques de Oliveira mora há 50 anos no mesmo endereço, no Bairro Floresta, em Belo Horizonte. Aos 73 anos, ela já foi vendedora de diversos tipos de vestuário, mas há 18 anos trabalha com produtos de beleza de dois fornecedores líderes no mercado. Marta cultiva uma rede fiel de clientes e, para atendê-los rapidamente, mantém um estoque farto em casa, de mais de 100 produtos. Ela diz que não pretende aderir ao meio digital. “Meus clientes gostam de escolher pelo catálogo, já estão acostumados.” Para fazer os pedidos e organizar a entrega e os pagamentos, que são muitos, Marta conta há mais de cinco anos com a ajuda de Bárbara Saragoça, a neta, estudante universitária. Diferentemente da avó, Bárbara, de 21, já pensa em aderir ao modelo digital de vendas. “É um dinheiro extra, que ajuda, faz a diferença.”
A renda média mensal de dona Marta com suas vendas chega a R$ 500, acima da média nacional, que é de R$ 350 ao mês entre os vendedores do setor, onde as comissões são a partir de 20%, chegando a ultrapassar 50% do valor do produto. Em sua maioria, o brasileiro usa venda direta como ferramenta para complementar a renda. Bárbara Saragoça diz que no futuro pode aderir aos dois modelos. “Manteria o catálogo para os clientes atuais e a plataforma digital para novos consumidores.”
VITRINE A Eudora, empresa do grupo Boticário, informa que além das redes sociais e do catálogo virtual, a empresa tem uma vitrine on-line para apoiar o sistema de venda direta, facilitar o dia a dia das representantes e atrair novas consumidoras para a marca. Com a vitrine, a representante pode criar e gerenciar sua loja on-line. Há 19 anos no Brasil, a Herbalife está entre as 10 maiores empresas do mundo e diz que a ferramenta digital possibilita aos vendedores construir o próprio site. “As vendas digitais têm participação pequena e não substituem o relacionamento pessoal”, diz Jordan Rizetto, diretor sênior de vendas e eventos da Herbalife do Brasil.
Moradora de Osasco (SP), Maria Fernanda conta que divulga a sua página na internet pelas redes sociais e ainda no seu ciclo de relacionamento. Nos primeiros 30 dias, ela conta que fez mais de 50 vendas on-line e gostou do resultado, já que a maioria das compras foi confirmada por desconhecidos. Com parentes em Minas, ela espera a expansão da plataforma para ampliar o negócio. Segundo Daniel Levy, diretor de vendas Sul-Sudeste da Natura, a proposta é evoluir as vendas por relações, expandindo por meio da internet seu poder de alcance. “Nosso propósito é aumentar a capacidade de geração de negócios de nossas consultoras, além de proporcionar aos consumidores possibilidades de utilizar a tecnologia digital da venda direta.”
Mercado de cosméticos é promissor
O Brasil é o quinto mercado mundial para a venda direta e atrai a atenção das maiores empresas do mundo que atuam no setor, além de grupos nacionais que usam a modalidade como forma de expandir os canais de venda. Segundo a AssociaçãoBrasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), o mercado brasileiro é percebido como promissor, já que 90% do faturamento do setor está ligado aos cosméticos.
Jordan Rizetto, diretor sênior de vendas e eventos da Herbalife no Brasil, diz que a empresa global de nutrição registrou crescimento recorde de 34% nas suas vendas líquidas em 2013 em comparação com 2012, e trabalha para chegar aos primeiros lugares do podium brasileiro em faturamento. A Herbalife tem mais de 300 mil distribuidores no país e é um dos grandes grupos que não tem como foco principal os cosméticos. Segundo ele, 50% dos produtos para shakes vendidos pela empresa no Brasil deixaram de ser importados para ser fabricados no país.
Para entrar no setor mais competitivo do segmento, o de cosméticos, o Grupo Boticário, dono da marca Eudora, lançada em 2011, diz que grande parte dos cosméticos brasileiros é consumida por venda direta. O grupo informou em nota que, apesar da grande concorrência do mercado, 20% das mulheres brasileiras formam o público potencial da marca, que vende também por comércio eletrônico e em lojas próprias.
A servidora pública Gisele Caldas vende produtos de beleza há cerca de dois anos. Ela utiliza várias plataformas, desde revista até redes sociais e aplicativos para celular, onde divulga o seu catálogo digital ou as promoções. Gisele conta que está inaugurando agora a modalidade cartão de crédito, onde, por meio de um dispositivo no celular, vai receber de seus clientes. Ela, como a grande maioria dos vendedores brasileiros, tem na venda direta uma renda complementar à sua atividade principal, onde o faturamento mensal varia entre R$ 350 e R$ 500. “É um bom meio para complementar a renda e acho as ferramentas virtuais muito interessantes.”

Dona Marta Marques vende produtos de beleza há 18 anos e conta com a ajuda da neta Bárbara, que pensa em adotar a plataforma digital (Foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)

Dona Marta Marques vende produtos de beleza há 18 anos e conta com a ajuda da neta Bárbara, que pensa em adotar a plataforma digital (Foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)

2019-12-20T13:01:40-02:00setembro 28th, 2014|Categories: ABEVD Clipping|

De porta a porta para de tela em tela

Estado de Minas – 28/09/2014
O tradicional modelo de venda direta, ou porta a porta, que chegou ao Brasil na década de 1940 e desde o fim do século 18 cria redes sociais para comercializar produtos e serviços, está inaugurando plataformas virtuais. Os consumidores já podem substituir o tradicional catálogo ou a revista pela página de seu vendedor na internet. O objetivo é ampliar as vendas em todas as redes de negócios. No ano passado, o setor cresceu 7,2% e movimentou no país US$ 14,6 bilhões em negócios.
No modelo digital que começa a tomar forma em grandes empresas do setor, as vendedoras continuam lá, mas o contato com o cliente é feito a distância, ou de tela em tela. Se a ferramenta é o primeiro passo para substituir o relacionamento humano pelo digital ainda é uma questão para o futuro. As empresas dizem que a participação das vendas virtuais ainda é pequena diante dos números do setor, que no Brasil envolve uma rede de 4,5 milhões de pessoas. O país ocupa a 4ª posição mundial no ranking dasvendas diretas, divulgado pela World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA), atrás apenas dos Estados Unidos, Japão e China.
A Natura, que está entre as 10 maiores empresas de vendas diretas do mundo, lançou a Consultora Natura Digital, projeto-piloto em São Paulo para expandir seus negócios no mundo virtual. Lá, as vendedoras podem montar uma página própria na internet para comercializar seus produtos, podendo criar promoções e escolher itens que ficam em destaque. A empresa não precisou quando a plataforma chega a Minas Gerais, mas a expectativa dos vendedores é de que já possam comercializar para outros estados do Sudeste a partir do Natal. Desde julho, a relações-públicas Maria Fernanda Gimenez, de 29 anos, está testando o modelo em Osasco (SP). “Nunca trabalhei com a venda direta, mas a plataforma digital atraiu minha atenção porque tenho pouco tempo livre. Assim, posso vender os produtos sem me preocupar com a cobrança e nem com a entrega, que é feita pela empresa na casa da cliente”, explica.
EXPANSÃO Roberta Kuruzu, diretora-executiva da Associação Brasileira dasEmpresas de Vendas Diretas (ABEVD), diz que o setor está em expansão e vem atraindo grandes empresas. Já aderiram ao segmento redes como Polishop, Marisa e o Grupo Boticário. Segundo a executiva, as plataformas digitais são a novidade no setor, mas não devem substituir o contato pessoal. “A força do relacionamento é muito forte nas vendas diretas, que é desde o seu primórdio uma rede social. Comprar pelo site é uma forma de otimizar as vendas, mas a preferência do consumidor é pelo catálogo”, defende.
Marta Marques de Oliveira mora há 50 anos no mesmo endereço, no Bairro Floresta, em Belo Horizonte. Aos 73 anos, ela já foi vendedora de diversos tipos de vestuário, mas há 18 anos trabalha com produtos de beleza de dois fornecedores líderes no mercado. Marta cultiva uma rede fiel de clientes e, para atendê-los rapidamente, mantém um estoque farto em casa, de mais de 100 produtos. Ela diz que não pretende aderir ao meio digital. “Meus clientes gostam de escolher pelo catálogo, já estão acostumados.” Para fazer os pedidos e organizar a entrega e os pagamentos, que são muitos, Marta conta há mais de cinco anos com a ajuda de Bárbara Saragoça, a neta, estudante universitária. Diferentemente da avó, Bárbara, de 21, já pensa em aderir ao modelo digital de vendas. “É um dinheiro extra, que ajuda, faz a diferença.”
A renda média mensal de dona Marta com suas vendas chega a R$ 500, acima da média nacional, que é de R$ 350 ao mês entre os vendedores do setor, onde as comissões são a partir de 20%, chegando a ultrapassar 50% do valor do produto. Em sua maioria, o brasileiro usa venda direta como ferramenta para complementar a renda. Bárbara Saragoça diz que no futuro pode aderir aos dois modelos. “Manteria o catálogo para os clientes atuais e a plataforma digital para novos consumidores.”
VITRINE A Eudora, empresa do grupo Boticário, informa que além das redes sociais e do catálogo virtual, a empresa tem uma vitrine on-line para apoiar o sistema de venda direta, facilitar o dia a dia das representantes e atrair novas consumidoras para a marca. Com a vitrine, a representante pode criar e gerenciar sua loja on-line. Há 19 anos no Brasil, a Herbalife está entre as 10 maiores empresas do mundo e diz que a ferramenta digital possibilita aos vendedores construir o próprio site. “As vendas digitais têm participação pequena e não substituem o relacionamento pessoal”, diz Jordan Rizetto, diretor sênior de vendas e eventos da Herbalife do Brasil.
Moradora de Osasco (SP), Maria Fernanda conta que divulga a sua página na internet pelas redes sociais e ainda no seu ciclo de relacionamento. Nos primeiros 30 dias, ela conta que fez mais de 50 vendas on-line e gostou do resultado, já que a maioria das compras foi confirmada por desconhecidos. Com parentes em Minas, ela espera a expansão da plataforma para ampliar o negócio. Segundo Daniel Levy, diretor de vendas Sul-Sudeste da Natura, a proposta é evoluir as vendas por relações, expandindo por meio da internet seu poder de alcance. “Nosso propósito é aumentar a capacidade de geração de negócios de nossas consultoras, além de proporcionar aos consumidores possibilidades de utilizar a tecnologia digital da venda direta.”

Dona Marta Marques vende produtos de beleza há 18 anos e conta com a ajuda da neta Bárbara, que pensa em adotar a plataforma digital (Foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)

Dona Marta Marques vende produtos de beleza há 18 anos e conta com a ajuda da neta Bárbara, que pensa em adotar a plataforma digital (Foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)


Maria Fernanda testa novo modelo e já gostou do retorno que teve (Foto: Luciana Cuper/Divulgação)

Maria Fernanda testa novo modelo e já gostou do retorno que teve (Foto: Luciana Cuper/Divulgação)

2019-12-20T13:01:47-02:00setembro 28th, 2014|Categories: ABEVD Clipping|

Empresas de venda por catálogo apostam em plataformas virtuais para aumentar lucro

Estado de Minas – 28/09/2014
O tradicional modelo de venda direta, ou porta a porta, que chegou ao Brasil na década de 1940 e desde o fim do século 18 cria redes sociais para comercializar produtos e serviços, está inaugurando plataformas virtuais. Os consumidores já podem substituir o tradicional catálogo ou a revista pela página de seu vendedor na internet. O objetivo é ampliar as vendas em todas as redes de negócios. No ano passado, o setor cresceu 7,2% e movimentou no país US$ 14,6 bilhões em negócios.
No modelo digital que começa a tomar forma em grandes empresas do setor, as vendedoras continuam lá, mas o contato com o cliente é feito a distância, ou de tela em tela. Se a ferramenta é o primeiro passo para substituir o relacionamento humano pelo digital ainda é uma questão para o futuro. As empresas dizem que a participação das vendas virtuais ainda é pequena diante dos números do setor, que no Brasil envolve uma rede de 4,5 milhões de pessoas. O país ocupa a 4ª posição mundial no ranking dasvendas diretas, divulgado pela World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA), atrás apenas dos Estados Unidos, Japão e China.
A Natura, que está entre as 10 maiores empresas de vendas diretas do mundo, lançou a Consultora Natura Digital, projeto-piloto em São Paulo para expandir seus negócios no mundo virtual. Lá, as vendedoras podem montar uma página própria na internet para comercializar seus produtos, podendo criar promoções e escolher itens que ficam em destaque. A empresa não precisou quando a plataforma chega a Minas Gerais, mas a expectativa dos vendedores é de que já possam comercializar para outros estados do Sudeste a partir do Natal. Desde julho, a relações-públicas Maria Fernanda Gimenez, de 29 anos, está testando o modelo em Osasco (SP). “Nunca trabalhei com a venda direta, mas a plataforma digital atraiu minha atenção porque tenho pouco tempo livre. Assim, posso vender os produtos sem me preocupar com a cobrança e nem com a entrega, que é feita pela empresa na casa da cliente”, explica.
EXPANSÃO
Roberta Kuruzu, diretora-executiva da Associação Brasileira dasEmpresas de Vendas Diretas (ABEVD), diz que o setor está em expansão e vem atraindo grandes empresas. Já aderiram ao segmento redes como Polishop, Marisa e o Grupo Boticário. Segundo a executiva, as plataformas digitais são a novidade no setor, mas não devem substituir o contato pessoal. “A força do relacionamento é muito forte nas vendas diretas, que é desde o seu primórdio uma rede social. Comprar pelo site é uma forma de otimizar as vendas, mas a preferência do consumidor é pelo catálogo”, defende.
Marta Marques de Oliveira mora há 50 anos no mesmo endereço, no Bairro Floresta, em Belo Horizonte. Aos 73 anos, ela já foi vendedora de diversos tipos de vestuário, mas há 18 anos trabalha com produtos de beleza de dois fornecedores líderes no mercado. Marta cultiva uma rede fiel de clientes e, para atendê-los rapidamente, mantém um estoque farto em casa, de mais de 100 produtos. Ela diz que não pretende aderir ao meio digital. “Meus clientes gostam de escolher pelo catálogo, já estão acostumados.” Para fazer os pedidos e organizar a entrega e os pagamentos, que são muitos, Marta conta há mais de cinco anos com a ajuda de Bárbara Saragoça, a neta, estudante universitária. Diferentemente da avó, Bárbara, de 21, já pensa em aderir ao modelo digital de vendas. “É um dinheiro extra, que ajuda, faz a diferença.”
A renda média mensal de dona Marta com suas vendas chega a R$ 500, acima da média nacional, que é de R$ 350 ao mês entre os vendedores do setor, onde as comissões são a partir de 20%, chegando a ultrapassar 50% do valor do produto. Em sua maioria, o brasileiro usa venda direta como ferramenta para complementar a renda. Bárbara Saragoça diz que no futuro pode aderir aos dois modelos. “Manteria o catálogo para os clientes atuais e a plataforma digital para novos consumidores.”
VITRINE
A Eudora, empresa do grupo Boticário, informa que além das redes sociais e do catálogo virtual, a empresa tem uma vitrine on-line para apoiar o sistema de venda direta, facilitar o dia a dia das representantes e atrair novas consumidoras para a marca. Com a vitrine, a representante pode criar e gerenciar sua loja on-line. Há 19 anos no Brasil, a Herbalife está entre as 10 maiores empresas do mundo e diz que a ferramenta digital possibilita aos vendedores construir o próprio site. “As vendas digitais têm participação pequena e não substituem o relacionamento pessoal”, diz Jordan Rizetto, diretor sênior de vendas e eventos da Herbalife do Brasil.
Moradora de Osasco (SP), Maria Fernanda conta que divulga a sua página na internet pelas redes sociais e ainda no seu ciclo de relacionamento. Nos primeiros 30 dias, ela conta que fez mais de 50 vendas on-line e gostou do resultado, já que a maioria das compras foi confirmada por desconhecidos. Com parentes em Minas, ela espera a expansão da plataforma para ampliar o negócio. Segundo Daniel Levy, diretor de vendas Sul-Sudeste da Natura, a proposta é evoluir as vendas por relações, expandindo por meio da internet seu poder de alcance. “Nosso propósito é aumentar a capacidade de geração de negócios de nossas consultoras, além de proporcionar aos consumidores possibilidades de utilizar a tecnologia digital da venda direta.”
Mercado de cosméticos é promissor
O Brasil é o quinto mercado mundial para a venda direta e atrai a atenção das maiores empresas do mundo que atuam no setor, além de grupos nacionais que usam a modalidade como forma de expandir os canais de venda. Segundo a AssociaçãoBrasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), o mercado brasileiro é percebido como promissor, já que 90% do faturamento do setor está ligado aos cosméticos.
Jordan Rizetto, diretor sênior de vendas e eventos da Herbalife no Brasil, diz que a empresa global de nutrição registrou crescimento recorde de 34% nas suas vendas líquidas em 2013 em comparação com 2012, e trabalha para chegar aos primeiros lugares do podium brasileiro em faturamento. A Herbalife tem mais de 300 mil distribuidores no país e é um dos grandes grupos que não tem como foco principal os cosméticos. Segundo ele, 50% dos produtos para shakes vendidos pela empresa no Brasil deixaram de ser importados para ser fabricados no país.
Para entrar no setor mais competitivo do segmento, o de cosméticos, o Grupo Boticário, dono da marca Eudora, lançada em 2011, diz que grande parte dos cosméticos brasileiros é consumida por venda direta. O grupo informou em nota que, apesar da grande concorrência do mercado, 20% das mulheres brasileiras formam o público potencial da marca, que vende também por comércio eletrônico e em lojas próprias.
A servidora pública Gisele Caldas vende produtos de beleza há cerca de dois anos. Ela utiliza várias plataformas, desde revista até redes sociais e aplicativos para celular, onde divulga o seu catálogo digital ou as promoções. Gisele conta que está inaugurando agora a modalidade cartão de crédito, onde, por meio de um dispositivo no celular, vai receber de seus clientes. Ela, como a grande maioria dos vendedores brasileiros, tem na venda direta uma renda complementar à sua atividade principal, onde o faturamento mensal varia entre R$ 350 e R$ 500. “É um bom meio para complementar a renda e acho as ferramentas virtuais muito interessantes.”

Dona Marta Marques vende produtos de beleza há 18 anos e conta com a ajuda da neta Bárbara, que pensa em adotar a plataforma digital (Foto: )

Dona Marta Marques vende produtos de beleza há 18 anos e conta com a ajuda da neta Bárbara, que pensa em adotar a plataforma digital (Foto: )

2019-12-20T13:01:51-02:00setembro 28th, 2014|Categories: ABEVD Clipping|Tags: |

Dicas de como vender mais e melhor

Confira alguns sites que selecionamos com dicas de como melhorar e aumentar suas vendas!

100 melhores dicas de vendas
https://www.tecnicasdevendas.com.br/blog/100-melhores-dicas-de-vendas
Técnicas de Vendas
3 dicas para convencer clientes indecisos
https://exame.abril.com.br/pme/noticias/3-dicas-para-convencer-clientes-indecisos
Exame.com
4 dicas infalíveis para acertar na venda direta
https://blog.meuspedidos.com.br/4-dicas-infaliveis-para-acertar-na-venda-direta/
Meus Pedidos
5 frases que matam as vendas!
https://www.youtube.com/watch?v=iUr6F0rJUB0
Márcio Miranda
Bons resultados de porta em porta
https://economia.ig.com.br/financas/seunegocio/bons-resultados-de-porta-em-porta/n1300037554919.html
IG Economia
Construindo equipes de vendas empreendedoras
https://www.youtube.com/watch?v=EzJXb7kSoA4&list=UUAV97DtIfx76JzdKDnmjvcw&index=12
Endeavor Brasil
Como alavancar as vendas usando o poder da comunicação com Dr. Lair Ribeiro
https://www.youtube.com/watch?v=6JRGetvl5t8
tubebrasilfull9
Como funcionam as técnicas de venda
https://empresasefinancas.hsw.uol.com.br/tecnicas-de-venda.htm
How Stuff Works
Estratégias de vendas e relacionamento com o cliente
https://www.youtube.com/watch?v=ws88O4u-5ow
E-Commerce Brasil
O campeão de vendas e atendimento
https://www.youtube.com/watch?v=d3A6RB4NIso
Alfredo Ribeiro
Venda porta a porta em 4 passos
https://aartedevender.blogspot.com.br/2009/04/venda-porta-porta-em-4-passos.html
A Arte de Vender
 

2019-12-20T12:38:14-02:00setembro 26th, 2014|Categories: ABEVD Clipping|Tags: |

Mynt chega ao Brasil trazendo forma inovadora de fazer vendas diretas

Lifestyle e ciclo de relacionamentos serão base do negócio para atrair geração Y

A MonaVie, marca famosa em mais de 20 países por suas bebidas e produtos saudáveis, aposta em uma nova filosofia de fazer Vendas Diretas, trazendo a Mynt ao Brasil. A missão da empresa continua a mesma – levar uma vida com mais sentido aos seus distribuidores e clientes, seja por meio dos seus produtos saudáveis ou pela oportunidade de negócio que hoje é a principal fonte de renda de milhares de revendedores espalhados pelos quatro cantos do País.

“No início do ano, os principais executivos de todos os mercados MonaVie reuniram-se com o intuito de discutir os próximos passos e estratégias da empresa. Nessa reunião foi definido que em vez de trabalharmos um público alvo determinado por indicadores socioeconômicos ou faixas etárias e gêneros, trabalharíamos com comunidades, nas quais os nossos produtos, oportunidade de negócios, ações socioambientais e de cidadania, aprimorariam as práticas destas”, explica Mauricio Patrocinio, Presidente da MonaVie para a América Latina.

No Brasil, a MonaVie que sempre teve um público cool e antenado em sua grande maioria, resolveu adotar essa maneira diferente de fazer negócios com o objetivo de se adaptar ao seu real público alvo que são as pessoas com um pensamento jovem, conectadas e que buscam um estilo de vida mais dinâmico e saudável independente da idade, que querem fazer o bem enquanto desenvolvem seus negócios. Esta primeira iniciativa chama-se Mynt, foi consolidada nos Estados Unidos e agora chega ao Brasil, no dia 07 de setembro.

A Mynt passou por uma tropicalização no país, sendo uma co-criação da matriz com os principais líderes no Brasil. Existem aspectos fundamentais que serão mantidos, porém os Mynters, nome dado às pessoas que desenvolvem este negócio, colaboraram de forma ativa se reunindo com os executivos da empresa local. A empresa também manterá o mesmo modelo comercial de Vendas Diretas. Porém, a maneira de se comunicar com o seu público alvo será inovadora, e já adaptada ao mercado. Os Mynters levarão os produtos aos consumidores de maneira leve, convidando-os a viverem experiências típicas do dia a dia de um Mynter. Cabe a cada prospect, escolher a filosofia que melhor se adeque ao seu estilo de vida.

A empresa espera aumentar a produtividade e retenção de seus empreendedores Mynters, e com isso solidificar e ampliar seus negócios por todo o país. A MonaVie está presente no Brasil desde Junho de 2008 e nestes 6 anos se consolidou como uma das principais operações do mundo.

As atividades que são características dos revendedores são baseadas em 4 pilares: #myntfit, para aqueles que adotam estilo de vida saudável e dinâmico como caminhadas, corridinhas, passeios de bike, yoga, tênis, treinos funcionais entre outras; #moremyntmoments, que agrega pessoas engajadas em causas sociais, ambientais e de cidadania como apoio ao projeto MORE, projeto patrocinado pela empresa desde sua criação, campanhas do agasalho, distribuição de sopa, campanhas de reciclagem, ética, cidadania, etc; #myntmind, focada no desenvolvimento pessoal e profissional e #myntlife para aqueles que curtem a vida intensamente com viagens, baladas, festas, praias, etc. “Iremos focar em pessoas com interesses e vocações em comum, que querem fazer o bem, divertir-se e empreender. Esse é o futuro da Venda Direta para as novas gerações, atrair pessoas pela filosofia de vida e relacionamento com os produtos e não apenas pelo negócio em si”, diz Mauricio.

Além disso, novos produtos entrarão no portfólio de produtos saudáveis da empresa como os novos energéticos sabores Citrus e Açaí, o MX reposicionado em nova embalagem mais prática e conveniente e a linha Core, os shakes de proteínas da Mynt.  Os produtos atuais do portfólio MonaVie se manterão e aos poucos receberão nova embalagem com a nova comunicação da marca. A previsão é que até o final do ano, outros novos produtos chegarão ao Brasil.

Informações para a imprensa

Máxima Assessoria de Imprensa – (11) 3283-2508

Ana Michelle de Amo – michelle@maximasp.com.br– (11) 97362-8543

Silvia Pacolla – spacolla@uol.com.br (11) 99686-4157

 

2014-09-25T11:15:48-03:00setembro 25th, 2014|Categories: Sem categoria|

Linha marykayatplay™ ganha itens para ousar no make

Delineador líquido e novas tonalidades de sombras, gloss e brilho labial estão entre os lançamentos

Divertida e cheia de estilo, a nova coleção Mary Kay At Play™ traz itens perfeitos para criar looks ousados e coloridos. Composta por trio de sombras, lápis sombra, gloss labial, lápis batom e delineador líquido, a linha chega com cores intensas e muito brilho. Suas embalagens são super práticas e deixam a nécessaire ainda mais descolada e fun. A dica é apertar o play e brincar com as cores no ritmo da música preferida.

As Novidades

Delineador Líquido Intenso para os Olhos marykay2

Com o Delineador Líquido Intenso para os Olhos é possível criar looks estilosos e sair do básico com cores vibrantes e autênticas. O delineador cria linhas precisas de ponta a ponta da linha dos cílios. Sua fórmula seca rapidamente e, quando desejado, é de simples remoção. Suas cores dão ao olhar um brilho radiante. São quatro cores: the real teal, gold metal, blue my mind e hello violet. Preço sugerido: R$ 22,00.

Dica de aplicação: para o básico, comece no canto externo das pálpebras e caminhe em direção ao meio da linha dos cílios. Em seguida, parta do canto interno, fazendo uma linha que vá ao encontro daquela que você acabou de criar, a fim de unir as duas.

Com ele, também é possível entrar na tendência com um look ombré: uma cor na parte superior dos cílios e um degradê com cores diferentes na parte inferior.

blue my mind:

https://youtu.be/tbeVBnBFFA0

hello violet:

https://www.youtube.com/watch?v=Z0CST4y25S0

ombré:

https://youtu.be/ZP4Kbe1STbg

 Trio de Sombras Efeito Brilho Mary Kay At Play™

Com quatro tonalidades de sombras que se complementam, o Trio de Sombras tem textura macia e não acumula nas pálpebras. É desenvolvido com a tecnologia baked, que permite o máximo de brilho para um look completo e criativo. Está disponível em quatro cores: field day, eletric spring, sunset beach e neapolitan.

Preço sugerido: R$ 29,00 (cada um).

Dica de aplicação: comece aplicando o tom médio em toda a pálpebra. Depois, adicione o tom mais escuro na linha do côncavo e na parte externa da pálpebra. Para finalizar e iluminar o olhar, aplique o tom mais claro no osso da sobrancelha.

Lápis Sombra Mary Kay At Play™

Com três tonalidades divertidas e metalizadas, é superfácil aplicar o Lápis Sombra, que  desliza facilmente sobre a pele e combina com todos os estilos. O seu acabamento metalizado não borra e não acumula nas pálpebras, garantindo um look perfeito o dia todo. Disponível nas cores you’re a peach, cold as ice e over the taupe.

Preço sugerido: R$ 22,00.

Dica de aplicação: o lápis pode ser usado como sombra em toda a pálpebra, como delineador na linha dos cílios ou ainda para iluminar o osso abaixo da sobrancelha e o canto interno dos olhos.

Gloss Labial Jelly Mary Kay At Play™

O Gloss Labial Jelly deixa os lábios irresistíveis com um acabamento molhado. Sua textura é cremosa e desliza facilmente nos lábios, deixando-os macios e hidratados. Disponível em quatro cores glamorosas e brilhantes: poppy love, pink-a-boo, violet vixen e haute pink. Preço sugerido: R$ 19,00.

Dica de aplicação: para dar uma aparência de lábios volumosos, aplique uma cor de gloss mais escura em toda a superfície e, depois, uma camada de um tom mais claro no centro.

Lápis Batom Mary Kay At Play™

Com textura cremosa e cores vibrantes, o Lápis Batom deixa os lábios com uma aparência hidratada e dá um toque glamouroso ao make. Prático de aplicar, possui cores impactantes e acabamento luminoso e aveludado. São quatro cores: lava love, heartthrob, coral me crazy e purple punch. Preço sugerido: R$ 22,00.

Dica de aplicação: para um acabamento perfeito, delineie o V natural do centro dos lábios e continue por todo o contorno. Por fim, preencha toda a boca até alcançar a intensidade desejada. Se preferir, finalize com o Gloss Labial para um toque descontraído.

SAC: 4003-4620 (para capitais e regiões metropolitanas)

0800 16 31 13 (para as demais regiões)

www.marykay.com.br

Sobre a Mary Kay

Produtos irresistíveis, impacto positivo na comunidade e a oportunidade de construir uma carreira independente. Por 50 anos, a Mary Kay tem oferecido tudo isso. Com mais de 3 milhões de Consultoras de Beleza Independentes em todo o mundo e faturamento de 3,5 bilhões de dólares em vendas globais, a Mary Kay é uma das maiores empresas de vendas diretas e atua em mais de 35 países ao redor do mundo. Descubra o que você ama na Mary Kay. Para saber mais ou para localizar uma Consultora de Beleza Independente Mary Kay, visite o site www.marykay.com.br.

Informações à imprensa:

Starbrands

Christiane Rodrigues – (11) 5090-8951 – christiane.rodrigues@starbrands.com.br

Fernanda Bezerra – (11) 5090-8911 – fernanda.bezerra@starbrands.com.br

Relações com a Imprensa Mary Kay

Fernanda Campioni – (11) 3330-5570 – fernanda.campioni@mkcorp.com

Mariana Marquezini – (11) 3330-5592 – mariana.marquezini@mkcorp.com

 

2014-09-25T11:13:19-03:00setembro 25th, 2014|Categories: Sem categoria|

Belara Midnight™: nova fragrância da Mary Kay

Com notas marcantes e sensuais, a novidade é inspirada no instigante mistério das mulheres

marykay1

Roupas e acessórios impressionam, mas não bastam para que as mulheres se sintam ainda mais sedutoras. O perfume, quando combinado com o look certo, pode ser um ótimo aliado. Para isso, a Mary Kay lança Belara Midnight™, uma fragrância oriental cremosa, que, com toques de mistério e sensualidade, é perfeita para mulheres marcantes e poderosas.

Suas notas de topo, com Frutos Rosas, Frutos Selvagens e a essência de Frutos Doces Tropicalone, instigam a imaginação do que está por vir. Suas notas de corpo mostram um coração delicado com a Peônia Roxa, o Jasmim Egípcio e o toque quente da Fava de Baunilha Negra. No fundo, notas exóticas amadeiradas de Âmbar Doce e Madeira de Sândalo Cremosa mescladas com Musk Aveludado se fundem com a pele e deixam a fragrância tão memorável quanto quem a usa.

O perfumista Vincent Kuczinski destaca que Belara Midnight™ é “vibrante, exótica e irresistível, como aquele vestido preto perfeito”. Afinal, o perfume combinado com a roupa certa se torna uma dupla imbatível para quem deseja se tornar inesquecível.

Belara Midnight™ possui embalagem atraente, que lembra a silhueta feminina, com uma leve acinturada. É apresentada na cor roxa intensa, que contrasta com o dourado da tampa. Seus detalhes em relevo destacam o toque misterioso e sensual da fragrância.

Belara Midnight™,

Preço sugerido: R$ 129,00 (50 ml)

SAC: 4003-4620 (para capitais e regiões metropolitanas)

0800 16 31 13 (para as demais regiões)

www.marykay.com.br

Sobre a Mary Kay

Produtos irresistíveis, impacto positivo na comunidade e a oportunidade de construir uma carreira independente. Por 50 anos, a Mary Kay tem oferecido tudo isso. Com mais de 3 milhões de Consultoras de Beleza Independentes em todo o mundo e faturamento de 3,5 bilhões de dólares em vendas globais, a Mary Kay é uma das maiores empresas de vendas diretas e atua em mais de 35 países ao redor do mundo.

Informações à imprensa:

Starbrands          

Christiane Rodrigues – (11) 5090-8951 – christiane.rodrigues@starbrands.com.br

Fernanda Bezerra – (11) 5090-8911 – fernanda.bezerra@starbrands.com.br

Relações com a Imprensa Mary Kay

Fernanda Campioni – (11) 3330-5570 – fernanda.campioni@mkcorp.com

Mariana Marquezini – (11) 3330-5592 – mariana.marquezini@mkcorp.com

2014-09-25T11:06:24-03:00setembro 25th, 2014|Categories: Sem categoria|

Revenda garante ganhos de até R$ 5 mil

Diário de S. Paulo – 23/09/2014

No ano passado, o setor vendeu R$ 46,1 bilhões em produtos. Margem de lucro média é de 30%
Sanae trabalha vendendo produtos de porta em porta há 10 anos / Carla Burneto/ Diário SP

Sanae trabalha vendendo produtos de porta em porta há 10 anos / Carla Burneto/ Diário SP

Por: Juca Guimarães
juca.guimaraes@diariosp.com.br

Sem patrão, sem horário fixo, possibilidade de trabalhar de casa pelas redes sociais e um lucro médio de 30% do resultado das vendas de produtos conhecidos e de qualidade. Esses são alguns dos principais atrativos do setor de vendas diretas (porta a porta ou por catálogo) que já tem 4,5 milhões de revendedores de centenas de marcas nacionais e internacionais.
A renda mensal, de acordo com a dedicação, varia entre R$ 2,5 mil e R$ 5 mil por mês. No entanto, dependendo do apelo do produto e a habilidade da representante, a margem de lucro pode ser bem maior. Algumas marcas dão prêmios como viagens internacionais ou carros para os líderes de vendas.
No ano passado, o setor vendeu R$ 46,1 bilhões em produtos no Brasil. Com uma margem de lucro média de 30%, os revendedores embolsaram cerca de R$ 12,4 bilhões.
“A expectativa para os próximos anos é que o setor continue pujante. Importantes marcas do varejo tradicional, consolidadas no mercado, passaram a explorar a venda direta”, disse Roberta Kuruzu, diretora executiva da Abevd (Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas).
Outro aliado importante para as vendas por catálogo são as redes sociais. “A base das vendas diretas é o relacionamento e as redes sociais fazem com que as relações e contatos possam ser mantidos, mesmo que virtualmente”, afirmou Roberta.
Para se tornar um revendedor, basta entrar no site da marca e fazer um cadastro e encomendar o pedido.  Nas páginas das empresas também é possível tirar dúvidas sobre o negócio e a expectativa de lucro. Algumas marcas dão treinamento (técnicas de vendas, gestão financeira, planejamento) e material de apoio (amostras e catálogos).
Sucesso depende da estratégia utilizada
A aposentada  Sanae Gualberto Oliveira trabalha com venda de produtos de porta em porta há dez anos. “No começo vendia perfumes finos de uma marca francesa, infelizmente, eles deixaram de atuar no Brasil, então eu passei para os produtos da Kakaobonne, da Chocolates Munik. É muito fácil vender. Eu apareço sempre um pouco depois do almoço e nos dias de pagamento e todo mundo quer chocolates. O importante é ser simpática e fazer uma boa rede de vendas”, disse.
A maquiadora Neusa Cunha revende produtos da Belcorp há três anos como complemento de renda. “Mantenho uma página no Facebook exclusiva para clientes onde posto ofertas e dicas. E também participo de um grupo fechado para consultores, no qual posto coisas relacionadas ao negócio, treinamentos, ofertas especiais, estratégias de compra e venda”, contou Neusa.
Magali Moraes era enfermeira obstetra e durante um ano conciliou o trabalho com a revenda de produtos Mary Kay. “Atualmente minha dedicação é exclusiva, sou minha própria chefe e sou eu que estabeleço os meus horários, uma média de oito horas por dia”, disse.  Magali usa estratégias de fidelização de clientes e acompanhamento pós-venda para ampliar a sua rede de atendimento.  “Faço negócios em todas as regiões do país.”
Conheça alguns negócios
 
Amway
Vitaminas, produtos de beleza e nutrição
www.amway.com.br
Lucro na revenda: 30%
Akmos
Cosméticos e produtos para tratamento capilar
www.akmos.com.br
Lucro na revenda: de 49% a 67%
Ares Perfumes
Cosméticos e perfumes
www.aresperfumes.com.br
Lucro na revenda: 30%
Avon
Produtos de beleza
www.avon.com.br
Lucro na revenda: 30%
Be Free
Produtos para os cabelos
www.befreecosmetics.com
Lucro na revenda: 30%
Bee Better
Produtos de dieta e nutrição
www.beebetter.com.br
Lucro na revenda: 30%
Belcorp
Produtos de beleza
www.somosbelcorp.com.br
Lucro na revenda: 30%
Contém 1g
Cosméticos e perfumes
www.contem1g.com.br
Lucro na revenda: 30%
De Millus
Lingerie
www.demillus.com.br
Lucro na revenda: 25%
ECNX
Produtos de suplemento alimentar
www.biofoodsshop.com.br
Lucro na revenda: 30%
Eismann
Alimentos supercongelados
www.eismann.com.br
Lucro na revenda: 30%
Eleglam
Joias
www.eleglam.com.br
Lucro na revenda: de 40% a 50%
Five Diamonds
Produtos de nutrição celular
www.fivediamonds.com.br
Lucro na revenda: 30%
Forever Living
Produtos para os cabelos
www.foreverliving.com.br
Lucro na revenda: 30%
Herbalife
Produtos para o controle de peso
www.herbalife.com.br
Lucro na revenda: de 25% a 50%
Hermes
Produtos de cama, mesa e banho
www.hermes.com.br
Lucro na revenda: 30%
Hinode
Cosméticos
www.hinode.com.br
Lucro na revenda: 30%
Jafra
Cosméticos
www.jafra.com.br
Lucro na revenda: 30%
Jd Life
Cosméticos
www.jdlife.com.br
Lucro na revenda: 30%
Jequiti
Cosméticos
www.jequiti.com.br
Lucro na revenda: 30%
Juv&You
Joias e acessórios
www.jequiti.com.br
Lucro na revenda: 30%
Kakaobonne
Chocolates e pão de mel
www.chocolatesmunik.com.br
Lucro na revenda: 30%
Luxor
Perfumes e cosméticos
www.luxorperfumes.com.br
Lucro na revenda: 30%
Marisa
Roupas, bijuterias e acessórios
www.marisavd.com.br
Lucro na revenda: 30%
Mary Kay
Cosméticos
www.marykay.com.br
Lucro na revenda: 40%
MonaVie Brasil
Energéticos e bebidas saudáveis
www.movemynt.com
Lucro na revenda: 30%
Natura
Cosméticos
www.natura.net
Lucro na revenda: 30%
Nippon Flex
Colchões
www.nipponflex.com.br
Lucro na revenda: –
Oak Cosmetics
Cosméticos
www.oakcometics.com.br
Lucro na revenda: 30%
Perfam
Perfumes e cosméticos
www.perfam.com.br
Lucro na revenda: 30%
Racco
Cosméticos
www.racco.com.br
Lucro na revenda: 30%
Sophie & Juliete
Joias e acessórios
www.sophiejuliete.com.br
Lucro na revenda: 30%
Teramag
Colchões
www.teramag.com.br
Lucro na revenda: –
Up
Cosméticos
www.upessencia.com.br
Lucro na revenda: 30%

2019-12-20T13:02:10-02:00setembro 23rd, 2014|Categories: ABEVD Clipping|