Porta a porta digital: o futuro das vendas diretas

Executivo da Amway destaca uso das tecnologias como oportunidade de mercado

As vendas diretas se adaptam às tendências do mercado e incorporam práticas que ressaltam a força de suas atividades. Reconhecido como agente propulsor da economia em momentos de crise, o setor busca ferramentas nas novas tecnologias para garantir um futuro de sucesso.

Atentas às alterações do mercado, as empresas têm investido no bom relacionamento e na motivação das pessoas como fatores determinantes para a obtenção de resultados nas vendas. Nesse contexto, as novidades tecnológicas têm proporcionado novas formas de atuação, como a viabilização de compras online graças à atuação nas mídias digitais e a economia compartilhada.

Confira o que Doug DeVos, executivo da Amway, falou sobre o assunto:

Você acredita que a indústria de vendas diretas precisa investir mais em tecnologia para os negócios?
Eu acho que a venda direta faz bom uso das novas tecnologias, no entanto, é preciso estar alinhado com o mercado para incorporar as novidades no dia a dia. Vendedores e empresas terão que descobrir isso no seu próprio ritmo.

Pensando no futuro, quais são as principais mudanças que você gostaria de ver no mercado de vendas diretas?
No nosso negócio, muitas vezes pensamos em maneiras mais eficientes de vender, mas nos esquecemos dos atrativos para o consumidor. “O que é interessante para o cliente? Como conquistá-lo?”, esse é o nosso ponto de partida.
O uso das tecnologias tem facilitado a obtenção de dados sobre o mercado. Ao utilizar as ferramentas digitais, as indústrias e os vendedores passam a transformar expectativas em lucro. Para isso, é preciso ser transparente nos negócios e investir nas oportunidades do mercado.

Qual é a coisa mais importante no trabalho que você realiza?
O trabalho realizado por nós envolve pessoas e a busca pelo sucesso. A partir da identificação das necessidades do mercado e das perspectivas de negócios, desenvolvemos nossas atividades para dar oportunidades para consumidores e revendedores.

Isso é o que me inspira todos os dias: nós temos a chance de ser útil na vida de alguém. E nós queremos ter certeza de que estamos fazendo isso da melhor forma possível. Hoje, temos milhares de funcionários e centenas de milhares de proprietários de empresas Amway e todos os dias procuramos por meios que nos ajudam a aprimorar nossas atividades.

Fonte: Mingling Media

2019-12-20T14:58:34-03:00fevereiro 11th, 2016|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , |

Potencialize o seu modelo de vendas

Monte sua estratégia de vendas com base nas expectativas e desejos de seus clientes

Lidar com o medo de não vender é uma das principais preocupações dos profissionais da venda direta. O fato das mercadorias acumularem, na maioria das vezes, tem a ver com o modelo de vendas adotado para o desenvolvimento das atividades.

Ao detectar a queda na receita, o vendedor precisa mapear e identificar falhas de execução do plano de ações. Com as informações em mãos, é possível montar uma estratégia para reverter a situação e potencializar as vendas. Entender quais são as expectativas e os desejos do consumidor é fundamental para tomar as decisões certas.

Além disso, é essencial aproveitar as experiências e o contato direto com os clientes para compreender como seus produtos podem fazer a diferença na vida dessas pessoas. Assim, é possível montar uma oferta irresistível para os consumidores. Dessa forma, é possível quebrar os medos e fortificar-se no setor.

Confira outras dicas para ter mais confiança na hora de fazer suas vendas:

Fortaleça sua imagem e defina o seu perfil de vendas: de nada adianta compreender as necessidades dos clientes, se você não conseguir concluir o negócio.

Administre as diferenças: é importante ter em mente que os clientes possuem necessidades diferentes, ou seja, é essencial investir no atendimento de excelência.

Construa um processo de vendas adequado ao seu negócio: organize as suas atividades diárias e estabeleça metas para atingir os seus resultados.

Fonte: Exame

2019-12-20T12:20:20-03:00fevereiro 5th, 2016|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , |

Quatro tendências do mercado de beleza para a próxima década

Pesquisa aponta fatores que serão determinantes para o setor até 2025

Inovar é o caminho para as marcas de beleza continuarem a se destacar nos negócios. Essa é a recomendação de uma pesquisa realizada pelo departamento de Beleza e Cuidados Pessoais, da Mintel, agência de inteligência de mercado. Além disso, os dados apontam as quatro tendências principais para a próximas décadas.

Até 2025, espera-se que a integração entre os métodos tradicionais de vendas e os dispositivos tecnológicos desenvolva novos modelos de negócio, envolvendo questões econômicas e socioambientais. Além do consumo consciente e do desafio de crescer no mercado de beleza, as grandes marcas terão que atentar para os seguintes fatores:

O humano aumentado
Cada vez mais, os consumidores têm optado por marcas de beleza que oferecem, além de seus produtos tradicionais, dispositivos eletrônicos que ajudem os usuários a monitorar a saúde e o bem-estar.

Os padrões de qualidade e nível de exigência dos clientes têm mudado e, inevitavelmente, as organizações vão ter que investir em tecnologia e centros de estudos. Por isso, o desenvolvimento de produtos em realidade aumentada será cada vez mais comum nos próximos anos.

Água: o novo luxo
Para limitar a dependência de água, as marcas de beleza terão que alterar o modo como fabricam e formulam seus produtos. Diante da inviabilidade de manter os padrões de consumo adotados hoje, as empresas que desenvolverem ações que evitam o desperdício e contribuem para a preservação do recurso natural irão se destacar. Dessa forma, esses novos produtos vão se tornar diferenciais de mercado, com uma nova proposta que prioriza a qualidade, a exclusividade e a sustentabilidade.

O poder do jogo
Em geral, os consumidores buscam melhorar a saúde e o bem-estar. Por isso, as marcas precisam mostrar como seus produtos podem ajudar no desempenho e no vigor de seus clientes. Mais do que criar produtos que combatem a fadiga, é preciso promover a parceria com empresas de alimento, bebida e lazer para criar variantes de produtos que promovam um estilo de vida saudável.

Aproveitar as oportunidades e a potencialidade do mercado é, inclusive, uma das principais tendências para a próxima década.

Gastronomia
Com o passar dos anos será comum observar que, cada vez mais, os produtos de beleza sairão das sombras dos laboratórios e ganharão os balcões das cozinhas dos consumidores. Essa tendência é impulsionada por um desejo dos consumidores de se sentirem no controle dos produtos que usam.

Pensando nisso, as marcas terão que mudar o foco de suas atividades e realçar os processos artesanais de produção. Além disso, é importante envolver os consumidores nas etapas de criação, garantindo, assim, que os produtos de beleza e cuidados pessoais sejam mais pessoais e atraentes.

Fonte: Mintel

2019-12-20T14:58:35-03:00fevereiro 4th, 2016|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , , |

Números da ABEVD mostram estabilidade no volume de negócios nas vendas diretas em 2015

Segundo levantamento da associação, número de revendedores diretos registrou aumento 3,6% em comparação ao ano anterior

Segundo levantamento dos dados consolidados do setor, realizado pela ABEVD (Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas), as vendas diretas registraram R$ 41,3 bilhões em volume de negócios em 2015. Mesmo diante de um cenário econômico adverso, considerando as variações negativas do PIB (estimada em -3,6%) e consumo privado (-3,8%), o resultado apresentado mostrou estabilidade em comparação com o período anterior, com leve contração de 0,8% no período de janeiro a dezembro.

Com relação ao número de revendedores – profissionais autônomos atuantes – o segmento apresentou crescimento de 3,6%, em comparação com 2014, e fechou o ano com aproximadamente 4,6 milhões de consultores no país. “O setor de vendas diretas tem se mostrado receptivo e atraente para absorver cada vez mais pessoas, pois possibilita oportunidades reais para quem deseja empreender e também se mostra uma importante alternativa de renda”, explica Roberta Kuruzu, diretora executiva da ABEVD.

“Apesar do consumo privado e o PIB terem registrado quedas acentuadas em 2015, o volume de negócios na atividade de vendas diretas se manteve estável, o que representa um bom resultado tendo em vista a situação macroeconômica do Brasil no ano de 2015”, salienta Kuruzu.

2019-12-20T11:06:30-03:00fevereiro 3rd, 2016|Categories: ABEVD News|Tags: , , , , |

Números da ABEVD mostram estabilidade no volume de negócios nas vendas diretas em 2015

Segundo levantamento da associação, número de revendedores diretos registrou aumento 3,6% em comparação ao ano anterior

Segundo levantamento dos dados consolidados do setor, realizado pela ABEVD (Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas), as vendas diretas registraram R$ 41,3 bilhões em volume de negócios em 2015. Mesmo diante de um cenário econômico adverso, considerando as variações negativas do PIB (estimada em -3,6%) e consumo privado (-3,8%), o resultado apresentado mostrou estabilidade em comparação com o período anterior, com leve contração de 0,8% no período de janeiro a dezembro.

Com relação ao número de revendedores – profissionais autônomos atuantes – o segmento apresentou crescimento de 3,6%, em comparação com 2014, e fechou o ano com aproximadamente 4,6 milhões de consultores no país. “O setor de vendas diretas tem se mostrado receptivo e atraente para absorver cada vez mais pessoas, pois possibilita oportunidades reais para quem deseja empreender e também se mostra uma importante alternativa de renda”, explica Roberta Kuruzu, diretora executiva da ABEVD.

“Apesar do consumo privado e o PIB terem registrado quedas acentuadas em 2015, o volume de negócios na atividade de vendas diretas se manteve estável, o que representa um bom resultado tendo em vista a situação macroeconômica do Brasil no ano de 2015”, salienta Kuruzu.

2016-02-03T14:23:57-02:00fevereiro 3rd, 2016|Categories: Sem categoria|
Ir ao Topo