CARTA ABERTA AO PRESIDENTE ELEITO, MINISTROS INDICADOS E ÓRGÃOS DE ESTADO

A ABEVD ao lado de outras 75 entidades de classe, inclusive a CNI (Confederação Nacional da Indústria), é signatária de carta enviada ao presidente eleito Jair Messias Bolsonaro sobre o impacto negativo do tabelamento de frete na economia brasileira.

Leia abaixo a íntegra da carta enviada ao novo governo.

TABELA DO FRETE IMPACTA CADEIA DE ABASTECIMENTO, PREÇO DOS ALIMENTOS E É ENTRAVE PARA PLANOS DE CRESCIMENTO E GERAÇÃO DE EMPREGOS

Senhor Presidente eleito, Jair Messias Bolsonaro, e equipe do futuro governo:

“É sempre bom não haver tabelamento.” Quando o Brasil enfrentou a hiperinflação nos anos 1980, o governo tomou a equivocada decisão de tabelar preços no país. Não deu certo, e a sociedade brasileira pagou um preço elevado com desemprego, baixa competitividade, desabastecimento de produtos e alto custo de alimentos.

A Tabela de Fretes (Lei 13.703/18), medida que foi tomada de forma apressada, sem o devido debate com a sociedade e avaliação de suas consequências para a economia, traz, 30 anos depois, esse fantasma de volta para a sociedade brasileira.

É sempre bom não haver tabelamento, pois o tabelamento representa aumento de 100% no custo de transporte e inflação nos alimentos. Com isso, o custo de vida da população aumentará, assim como o custo de produção, o que desestimulará o setor produtivo a investir e gerar empregos.

É sempre bom não haver tabelamento, pois ele gera insegurança jurídica e desrespeita a Constituição. São mais de 60 questionamentos judiciais contra a tabela de fretes, inclusive no Supremo Tribunal Federal (STF), além do questionável processo de regulação proposto pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que não respeitou prazos e passará a multar empresas antes mesmo de definir as regras que devem ser obedecidas sobre a tabela de fretes.

É sempre bom não haver tabelamento porque os mais credenciados especialistas afirmam que ele não soluciona os problemas de transporte, infraestrutura e logística no país, apenas os acentua sem fornecer nenhuma melhoria para o futuro. É sempre bom não haver tabelamento, pois ele atrapalha a competitividade da economia brasileira ao aumentar a burocracia e os custos dos produtos brasileiros para os mercados domésticos e internacionais. Isso atrapalhará, em especial, as exportações de produtos de maior valor agregado, que ficarão mais caros do que seus concorrentes internacionais, e impedirá que mais recursos estrangeiros venham para o Brasil.

As entidades signatárias desta carta querem que o Brasil cresça, gere empregos, aumente suas exportações e se torne cada vez mais competitivo no mercado internacional. Para isso, “é sempre bom não haver tabelamento”.

Depositamos nossa confiança no novo governo e nas instituições de Estado para que esse gravíssimo equívoco seja corrigido com a mesma urgência que o Brasil tem em voltar a crescer.

Sem mais, agradecemos a atenção, confiantes na melhor decisão.

ASSOCIAÇÕES SIGNATÁRIAS

ABAG – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO AGRONEGÓCIO
ABAL – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO ALUMÍNIO
ABBA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA BATATA
ABCP – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND
ABCS – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS CRIADORES DE SUÍNOS
ABCZ – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CRIADORES DE ZEBU
ABEVD – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE VENDAS DIRETAS
ABIA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DA ALIMENTAÇÃO
ABIARROZ – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DO ARROZ
ABIEC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNE
ABIFUMO – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DO FUMO
ABIMAPI – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE BISCOITOS, MASSAS ALIMENTÍCIAS E PÃES & BOLOS INDUSTRIALIZADOS
ABIOVE – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE ÓLEOS VEGETAIS
ABIPLA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE PRODUTOS DE LIMPEZA E AFINS
ABIQUIM – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA QUÍMICA
ABIR – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE REFRIGERANTES E DE BEBIDAS NÃO ALCOÓLICAS
ABIT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA TÊXTIL E DE CONFECÇÃO
ABITRIGO – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDUSTRIA DO TRIGO
ABPA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PROTEÍNA ANIMAL
ABPO – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO PAPELÃO ONDULADO
ABRA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECICLAGEM ANIMAL
ABRABE – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BEBIDAS
ABRAFRIGO – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRIGORÍFICOS
ABRAMILHO – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE MILHO
ABRAPA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE ALGODÃO
ABRASS – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE SEMENTES DE SOJA
ABRINQ – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE BRINQUEDOS
ACEBRA – ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS CEREALISTAS DO BRASIL
ACRIMAT – ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE MATO GROSSO
AENDA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DEFENSIVOS GENÉRICOS
AGROBIO – ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE BIOTECNOLOGIA NA AGRICULTURA E AGROINDÚSTRIA
ALCOPAR – ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES DE BIOENERGIA DO ESTADO DO PARANÁ
AMPA – ASSOCIAÇÃO MATO-GROSSENSE DOS PRODUTORES DE ALGODÃO
ANDEF – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFESA VEGETAL
ANEA – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXPORTADORES DE ALGODÃO
ANEC – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXPORTADORES DE CEREAIS
ANUT – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS USUÁRIOS DO TRANSPORTE DE CARGA
APROSMAT – ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE SEMENTES DE MATO GROSSO
APROSOJA MS – ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE SOJA DE MATO GROSSO DO SUL – MS
APROSOJA BR – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE SOJA
APROSOJA MT – ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE SOJA E MILHO DO ESTADO DE MATO GROSSO
BIOSUL – SINDICATO DA INDÚSTRIA DA FABRICAÇÃO DO ÁLCOOL DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL
CBIC – CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO
CECAFÉ – CONSELHO DOS EXPORTADORES DE CAFÉ DO BRASIL
CERVBRASIL – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CERVEJA
CITRUS BR – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXPORTADORES DE SUCOS CÍTRICOS
CNC – CONSELHO NACIONAL DO CAFÉ
ELETROS – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS FABRICANTES DE PRODUTOS ELETROELETRÔNICOS
FAEP – FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA DO ESTADO DO PARANÁ
FAESP – FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO
FAMATO – FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO ESTADO DE MATO GROSSO
FENSEG – FEDERAÇÃO NACIONAL DE SEGUROS GERAIS
FIEC – FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO CEARÁ
FIEP – FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO PARANÁ
FINDES – FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESPÍRITO SANTO
FIRJAN – FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO RIO DE JANEIRO
FNBF – FÓRUM NACIONAL DAS ATIVIDADES DE BASE FLORESTAL
FNS – FÓRUM NACIONAL SUCROENERGÉTICO GRUPO FARMABRASIL
IBÁ – INDÚSTRIA BRASILEIRA DE ÁRVORES
OCB – ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS
ORPLANA – ORGANIZAÇÃO DE PLANTADORES DE CANA DA REGIÃO CENTRO SUL DO BRASIL
SIMABESP – SINDICATO DA INDÚSTRIA DE MASSAS ALIMENTÍCIAS E BISCOITOS NO ESTADO DE SÃO PAULO
SINDAN – SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA SAÚDE ANIMAL
SINDICERV – SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CERVEJA
SINDITABACO – SINDICATO INTERESTADUAL DA INDÚSTRIA DO TABACO
SINDIVEG – SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA DEFESA VEGETAL
SIPLA – SINDICATO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS DE PRODUTOS DE LIMPEZA E AFINS
SNIC – SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DO CIMENTO
SRB – SOCIEDADE RURAL BRASILEIRA
UNICA – UNIÃO DA INDÚSTRIA DE CANA-DE-AÇÚCAR
UNIPASTO – ASSOCIAÇÃO PARA O FOMENTO À PESQUISA DE MELHORAMENTO DE FORRAGEIRAS
UDOP – UNIÃO DOS PRODUTORES DE BIOENERGIA
VIVA LÁCTEOS – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LATICÍNIOS
CNI – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA

2019-12-20T14:48:04-03:00novembro 21st, 2018|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , |

Natura promove diálogo com Alain de Botton

Autor de best-seller “Ensaios de amor” estará em São Paulo no dia 22 de novembro

A Natura promove no próximo dia 22, quinta-feira, o diálogo “O mundo mais bonito com amor”, com Alain de Botton, fundador e CEO da The School of Life, na Faculdade Cásper Líbero. O evento faz parte da primeira edição da série de palestras “OMundo+Bonito”, promovida pela Natura para discutir temas como empatia, sustentabilidade e amor em universidades de São Paulo.

O filósofo suíço, que vive na Inglaterra desde os 12 anos, se dedica a desenvolver inteligência emocional e explorar as questões fundamentais da vida em torno de temas como trabalho, família, cultura e autoconhecimento. O autor escreve sobre amor, viagens, arquitetura e literatura. Alguns de seus livros são best-sellers em mais de 30 países.

A Natura acredita no poder do diálogo franco e aberto e das relações para transformar seu entorno, por isso escolheu temas relevantes da contemporaneidade para serem debatidos com a sociedade, especialmente com os jovens. Os interessados podem se inscrever pelo link ou acompanhar a transmissão ao vivo do evento no Facebook da marca.

Serviço:

O mundo mais bonito com amor

Palestra com Alain de Botton, fundador da The School of Life

Data: 22/11

Horário: 10h

Local: Faculdade Cásper Líbero

Endereço: Avenida Paulista, 900, Bela Vista – São Paulo

380 lugares

Inscrições em: https://bit.ly/2qWSWIf

Fonte: Natura

Hinode cresce com vendas diretas

Fenômeno brasileiro, com faturamento de quase R$ 3 bilhões

A executiva Marília Rocca será anunciada nos próximos dias como a nova CEO do grupo Hinode, num movimento de profissionalização da empresa de venda direta de cosméticos que concorre com a Natura e O Boticário.

Marília já atua como conselheira da Hinode desde dezembro de 2016, quando o CEO Sandro Rodrigues decidiu implantar um modelo de governança na companhia, fundada há 30 anos por seus pais. Sandro será presidente executivo e ficará encarregado da estratégia e do contato com os revendedores, enquanto Marília tocará o dia a dia da operação.

A empresa, que há quatro anos vendia R$ 170 milhões em sua rede, deve fechar 2018 faturando R$ 2,8 bilhões. Além de cosméticos, o portfólio inclui itens, como pasta de dente, barra de proteína e cápsulas de café.

Primeira diretora da Endeavor no Brasil, Marília foi executiva da Ticket, a empresa de benefícios da Edenred, até junho, quando começou a negociar sua ida para o comando da Hinode. Antes, foi sócia da Mãe Terra, a empresa de alimentos naturais vendida para a Unilever em 2017. Ela também faz parte do conselho de administração da CVC.

A Hinode opera no sistema de marketing multinível, que consagrou a Amway e a Herbalife, e no qual os revendedores ganham não apenas uma comissão pela venda dos produtos, mas também pela venda dos vendedores que conseguirem atrair para sua rede.

O modelo de negócios começou a incomodar: a empresa já é a quarta na venda direta no país, com 1,7% de participação de mercado de perfumaria e cosméticos em geral. Considerando apenas o segmento de fragrâncias, que responde por 51% do faturamento da Hinode, o share é de 7,1%.

Mas o grande desafio de Marília, talvez, não seja a concorrência com a Natura, O Boticário e Avon — e sim com outras empresas de marketing multinível que começam a surgir, nos mais variados segmentos, e que começam a “roubar” revendedores, como i9life e Amakha Paris.

A Hinode tem 750 mil revendedores cadastrados, dos quais 350 mil são considerados ativos. Difundindo uma cultura empreendedora e de sucesso, o modelo atrai, sobretudo, homens com a promessa de prêmios, como viagens de cruzeiro com show de Wesley Safadão, passeios de helicóptero em Punta Cana e Lamborghini na garagem — até hoje, apena um representante conseguiu alcançar o nível mais alto da rede, a categoria Titan, e levar sua macchina italiana pra casa.

Uma das estratégias para atrair novos revendedores é focar nas mulheres, despertando nelas o espírito empreendedor. “Infelizmente, a sociedade enxerga a atitude empreendedora como uma coisa masculina. Queremos mudar isso”, diz Sandro. Nos últimos três anos, o programa Pérolas, da Universidade Hinode, já capacitou 30 mil mulheres.

Fonte: Diário de Pernambuco

2019-12-20T15:07:26-03:00novembro 20th, 2018|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , |

Nat, assistente virtual da Natura, ganha cara e novas funcionalidades

Natura aposta em inteligência artificial para acelerar a digitalização de suas consultoras

Com a crescente convergência dos modelos online e tradicional da venda direta, a partir da estratégia de digitalização da companhia, a Natura passou a apostar na inteligência artificial para o atendimento de suas consultoras e consumidoras, sem deixar de lado o cuidado com as relações que está na essência da companhia.

Por isso, a Nat, assistente virtual da Natura, ganhou personalidade e novas funcionalidades. Com o objetivo de humanizar o atendimento digital, a Nat passa a representar a marca Natura nos ambientes virtuais, com atendimento personalizado no site e, em breve, nos aplicativos da companhia. Lançada em 2016 como um bot dentro do Facebook, a Nat oferecia até então opções de presentes para as consumidoras.

Por meio da Nat, já é possível renegociar dívidas, solicitar a segunda via de boletos, consultar títulos, status dos pedidos e pagamentos, funcionando assim como uma agente de mudança na migração dos públicos para os canais virtuais. Aos poucos, a assistente virtual da Natura ganhará outras funcionalidades, com a possibilidade de realizar troca de produtos e até reconhecimento de voz.

“Os primeiros resultados apontam que a Nat consegue resolver mais de 70% dos casos que antes seriam direcionados para a Central de Relacionamento da Natura, tornando o nosso atendimento mais ágil e satisfatório, sem perder a essência da companhia, que é um relacionamento carinhoso com nossas consultoras. Vale ressaltar que se o cliente não consegue resolver sua dúvida com a Nat, ele pode falar com um dos nossos atendentes pelo chat. Tivemos o cuidado de construir a Nat de forma muito simples e preditiva, facilitando seu uso e adoção por parte das nossas consultoras e consumidores”, afirma Paula Pimenta, diretora da Central de Relacionamento da Natura.

O uso da inteligência virtual nas plataformas digitais da Natura também faz parte da estratégia de digitalização da empresa, com convergência cada vez maior entre o modelo de venda presencial e online. Hoje, mais de 600 mil consultoras já usam o aplicativo exclusivo Consultoria, que representa cerca de 25% dos pedidos realizados. Com a personalização do autoatendimento, as consultoras ganham tempo para se dedicar à sua atividade, aumentando a produtividade da força de vendas.

Para definir a identidade visual e as principais características da Nat, a Natura reuniu um time multidisciplinar, do qual participaram as áreas de marketing, atendimento, tecnologia digital e relacionamento com clientes e consultoras. “Temos consultoras de 20 a 70 anos, atuando nas mais diversas regiões do Brasil, em diferentes contextos sociais. Por isso, a Nat precisava ser inclusiva, com uma atitude transformadora e acolhedora, que comunicasse os valores da marca.  Trabalhamos em cocriação com diversas equipes até chegar na nova personalidade dela, em busca da melhor experiência possível para quem se relaciona conosco”, afirma Mario Santiago, diretor de Aplicação de TI.

A Nat, explica Santiago, conta com o suporte de um bot para responder a perguntas e transações frequentes e deve ganhar mais facilidades à medida que seu uso se torne mais frequente, garantindo cada vez mais assertividade, rapidez e agilidade no atendimento.

Além de acelerar a digitalização da empresa, a Nat também tem como objetivo reduzir em 30% os atendimentos feitos via Central de Relacionamento, que estarão cada vez mais focados em resolver problemas complexos. Atualmente, cerca de 75% dos contatos recebidos pela Central de Relacionamento são dúvidas simples ou assuntos transacionais de baixa complexidade, que a Nat está capacitada a resolver, com o benefício de estar disponível em tempo real, 24 horas por dia, todos os dias da semana, com total segurança.

Assista ao vídeo e conheça a Nat: 

Fonte: Natura

Avon sela compromisso formal com a ONU para combater a LGBTIfobia no trabalho

  • Empresa adere aos Padrões de Conduta LGBTI+ da ONU para promover uma conduta corporativa mais responsável em todo o mundo.
  • O objetivo é dar continuidade ao compromisso histórico da Avon para impulsionar o progresso social e garantir a liberdade de expressão – princípios que sustentam a proposta de negócio da marca.

A Avon acaba de formalizar compromisso com a ONU (Organização das Nações Unidas) para combater a discriminação contra lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais (LGBTI+) no ambiente corporativo em todo o mundo. A companhia aderiu aos Padrões de Conduta Empresarial das Organização das Nações Unidas. Trata-se de conjunto de diretrizes desenvolvidas para engajar o setor privado no combate à LGBTIfobia, por meio de recomendações contra a discriminação em diferentes contextos — locais de trabalho, mercados de fornecedores e nas próprias comunidades onde vivem funcionários, clientes e parceiros de negócios.

A Avon foi pioneira no empoderamento financeiro das mulheres ao criar oportunidades para que elas passassem a participar da economia, à sua maneira e em seus próprios termos, muito antes dos direitos femininos serem reconhecidos. A empresa também foi uma das primeiras signatárias dos Princípios Econômicos da Mulher da ONU, conjunto de considerações que ajudam a comunidade empresarial a incorporar em seus negócios valores e práticas que visem à equidade de gênero e ao empoderamento de mulheres. Por isso, o compromisso com as normas LGBTI+ é uma extensão natural da sua preocupação com a diversidade e a inclusão.

“Os princípios-base da Avon incluem o respeito aos direitos e se aplicam a todos. Discriminação, de qualquer tipo, não é bem-vinda aqui. Queremos ser uma empresa totalmente inclusiva não só para os nossos funcionários, associados e revendedores LGBTI, mas também para nossos clientes e fornecedores. Estereótipos desafiadores estão no centro de muitas de nossas campanhas e vamos continuar trabalhando para promover representações positivas de pessoas LGBTI+ em nossos negócios. Criatividade e inovação são desencadeadas quando todos podem florescer. Esse é o ambiente no qual a Avon, como empresa, foi construída e irá prosperar”, afirma Jan Zijderveld, presidente global da Avon.

A Avon tem forte histórico na defesa da diversidade e acredita que é importante que pessoas diversas tenham visibilidade, ocupando espaço na publicidade e em grandes campanhas. A marca foi a primeira a colocar uma transexual em uma campanha de TV aberta, a ativista digital Candy Mel, e também teve uma longa parceria com a cantora Drag Queen Pabllo Vittar.  Recentemente, também apresentou uma série de depoimentos de embaixadores da Avon e empresários de beleza da comunidade LGBTI+, incluindo a artista Rosa Luz, a modelo brasileira Bia Gremion e a revendedora Avon Gaby Varconti.

“Se quisermos alcançar um progresso global mais rápido em direção à igualdade para lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais as empresas não terão apenas que cumprir com as suas responsabilidades em relação à preservação dos direitos humanos, elas precisam se tornar agentes ativos da mudança”, explica Zeid Ra’ad Al Hussein, Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

Os padrões de conduta da ONU foram produzidos em colaboração com o Instituto de Direitos Humanos e Negócios e se baseiam nos Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos. Mais de 200 companhias em todo o mundo expressaram apoio ao padrão, refletindo a ampla adesão dos diversos setores empresariais.

Ao expressar apoio a esses padrões, a Avon se compromete a:

  1. Respeitar os direitos humanos em todos os momentos

A Avon desenvolverá políticas, exercerá a devida diligência e corrigirá os impactos adversos para garantir o respeito aos direitos humanos das pessoas LGBTI+. A Avon também estabelecerá mecanismos para monitorar e comunicar sua conformidade com os padrões de direitos humanos.

  1. Eliminar a discriminação no local de trabalho

A Avon garantirá que não haja discriminação no recrutamento, emprego, condições de

trabalho, benefícios, respeito à privacidade ou no tratamento de casos de assédio.

  1. Fornecer suporte no local de trabalho

A Avon fornecerá um ambiente positivo e afirmativo para que os funcionários LGBTI+ possam trabalhar com dignidade e sem estigma

  1. Impedir outras violações dos direitos humanos no mercado

A Avon não discriminará fornecedores, distribuidores ou clientes LGBTI+ e aproveitará seus negócios para evitar discriminação e abusos relacionados por parte de seus parceiros.

  1. Atuar na esfera pública

A Avon contribuirá para impedir abusos de direitos humanos nos países em que opera. Ao fazê-lo, consultará as comunidades locais para identificar as medidas que podem ser tomadas – incluindo a defesa pública, a ação coletiva, o diálogo social, o apoio a organizações LGBTI+, desafiando ações governamentais abusivas.

“É particularmente significativo que a Avon se junte aos primeiros defensores destes padrões. Como a empresa tem um histórico sobre inclusão, trata-se de uma extensão natural dessa prática e filosofia. A Avon está demonstrando um papel de liderança para promover e expandir a inclusão de pessoas LGBTI+ em todos os lugares em que atua. Esperamos que mais empresas também decidam aderir”, afirma Fabrice Houdart, Oficial de Direitos Humanos das Nações Unidas e co-autor dos Padrões de Conduta LGBTI+.

Saiba mais sobre as iniciativas da Avon para promover a diversidade e inclusão aqui.

Saiba mais sobre os Padrões  de Conduta LGBTI+ aqui.

Fonte: Avon

Seminário discute ética e reputação em vendas diretas

Entre os inúmeros assuntos relevantes para o setor de vendas diretas, ética foi escolhido como o primeiro tema do encontro realizado no final do mês de outubro em São Paulo.

A ABEVD acredita que os modelos de negócios estão evoluindo e por isso a associação tem um papel importante na atualização dos profissionais, na divulgação e promoção das boas práticas para o setor e para a sociedade em geral.

Com cerca de 100 pessoas participantes e a capacidade total do local preenchida, o evento contou com a presença de executivos, tomadores de decisão ligados à área de vendas, marketing, comunicação, jurídico, compliance, diretores das empresas associadas, empreendedores independentes, parceiros e interessados em aderir ao setor de vendas diretas.

A abertura do evento foi feita por Ana Beatriz da Costa, presidente do Conselho Diretor da ABEVD. Em seguida, o primeiro painel “Aplicando na prática o Código de Ética” foi mediado pela presidente executiva da entidade, Adriana Colloca, e contou com a participação de Eduardo Vilhena (Mary Kay), Itamar Gaino Filho (Natura) e Paulo Polesi (Herbalife).

Ao citar o comportamento empresarial, Itamar Gaino falou que é preciso ir além do básico: “É necessário ter consciência sobre o tipo de consumo que você provoca, o impacto ambiental e as práticas de responsabilidade social que tornam a agenda muito mais ampla”, disse.

Também foram discutidos outros pontos que estão na cartilha de conduta mundial do setor e que é promovida pela WFDSA (World Federation Direct Selling Association), da qual a ABEVD é associada e signatária. Os associados à ABEVD se comprometem a seguir o código de ética da entidade. Os documentos estão disponíveis para download aqui.

Ao falar sobre a importância da ética na prática, os debatedores explicaram que o tema não pode ficar apenas no discurso e que é preciso fomentar esta cultura entre todos os envolvidos nas empresas, desde a diretoria até a força de vendas.

Ao abordar o tema, ficou claro que as empresas precisam estar atentas a todas as etapas do processo, desde a produção até a entrega, ou seja, não basta apenas ser ético nos treinamentos e no discurso, mas é preciso aplicar as ações éticas no dia a dia.

O painel abordou ainda questões fundamentais para o desenvolvimento do negócio das empresas do setor de vendas diretas como: aliciamento de força de vendas, obrigatoriedade da compra de kits, motivos que levam os empreendedores a estocarem produtos, pagamento de bônus pela entrada de revendedores e suas redes, comunicação enganosa, com empresas prometendo além do que podem entregar, entre outros.

No intervalo, houve o coffee break, com oferecimento do escritório de advocacia Derraik & Menezes Advogados. Este foi o momento ideal para o networking e bate-papo entre os participantes.

Já o segundo painel abordou as estratégias de reputação nas vendas diretas e discutiu a questão da comunicação e da construção da imagem das empresas no setor.

Com a participação de Adriana Paes (Amway), Juliana Ferrari (Avon), Paloma Doro (Jeunesse) e mediação de Gisele Lorenzetti, da LVBA Comunicação, as debatedoras mostraram o quanto é importante alinhar o discurso aos valores da empresa e que, neste quesito, o treinamento dos colaboradores é fundamental para propagar estas ideias entre os envolvidos.

“O papel do treinamento é este: não só treinar no que diz respeito ao produto, mas treinar para que seja realmente uma pessoa melhor”, mencionou Juliana Ferrari.

Ao falar sobre crise, as debatedoras explicaram que as crises no setor de vendas diretas são esperadas e para isso é preciso atuar em duas frentes: interna e externamente.

Enquanto que internamente, os executivos precisam estar alinhados com a mensagem a ser transmitida para saber como agir, a força de vendas tem que ter clareza de onde a empresa quer chegar. Com informações corretas, os representantes terão a noção da visão geral da companhia e assim poderão combater a propagação de notícias falsas.

“Temos que ter uma comunicação clara e transparente, com um canal aberto para sempre entregar a mesma mensagem”, finalizou Adriana Paes.

Também houve destaque para a importância de um canal aberto e transparente de contato entre as empresas e os empreendedores da força de vendas, para que não haja a possibilidade de ruído na comunicação.

Coube ao Prof. Dr. Robert Henry Srour encerrar a manhã de troca de conhecimentos e informações. Ao falar sobre os pequenos deslizes cometidos no dia a dia, o especialista mostrou a importância da ética em todas as esferas sociais: tanto no trabalho quanto na vida pessoal.

A ideia da ABEVD é ampliar o número de edições do evento em 2019 e convidar especialistas do mercado e representantes de empresas para debater outros assuntos importantes.

“O Seminário de Ética em Vendas Diretas mostrou que a escolha por este modelo de evento foi acertada. Estamos planejando outros encontros e vamos em busca de assuntos interessantes e profissionais respeitados para debatermos da melhor maneira possível temas importantes para o setor”, explica Adriana Colloca.

Para ver fotos do evento, clique aqui.

Natura conquista 3 troféus no Prêmio ABIHPEC

Empresa se destacou nas categorias Perfumista, Perfumaria Masculina e foi reconhecida como “Empresa do Ano”

A Natura, multinacional brasileira e líder no setor de venda direta no Brasil, acaba de conquistar três troféus na 6ª edição do Prêmio ABIHPEC – Beleza Brasil. A empresa foi reconhecida nas modalidades: Perfumista, com Verônica Kato; Perfumaria Masculina, com K, lançado em setembro de 2017; e Empresa do Ano, com o case “A Casa de Perfumaria do Brasil”.

A premiação, que aconteceu no último dia 5, na Sala São Paulo, é promovida pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosmético e reconhece as melhores práticas empresariais e a qualidade de produtos nacionais. A cerimônia contou com a presença da perfumista exclusiva da Natura, Verônica Kato, e da diretora de Perfumaria da empresa, Denise Coutinho.

Fonte: Natura

2019-12-20T15:07:27-03:00novembro 14th, 2018|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , , |

Com apoio da ABEVD, MVA no Acre não será ajustada

A ABEVD tem atuado perante a Secretaria da Fazenda do Acre, desde o final de 2015, trazendo argumentos que defendem a não aplicação da exigência de ajuste na MVA de 45%.

Desde então, o início da vigência vinha sido prorrogado até a publicação do Decreto nº 10.158, de 31/10/18.

Com isso, houve a revogação da exigência do ajuste de MVA para as empresas que detêm regime especial com a Secretaria da Fazenda do Estado do Acre, aumentando a MVA de 45% para 50%.

O aumento da MVA para 50% é benéfico para o setor de vendas diretas, pois uma MVA de 45% ajustada, no caso de operações oriundas do Sul e Sudeste, representaria uma MVA de 67%.

Assim, a definição do cenário confere maior segurança para as empresas na medida que não têm mais que trabalhar com a iminência da incidência do ajuste de MVA.

2019-12-20T14:37:17-03:00novembro 14th, 2018|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , |

Venda direta é destaque em reportagens no Valor Econômico e no Bom Dia Brasil

Veículo de economia mais respeitado no Brasil, o Valor Econômico publicou no dia 22 de outubro, um caderno especial sobre vendas diretas.

Com 10 matérias, o material abordou temas relevantes para o setor como a transformação tecnológica, o impacto social na vida dos empreendedores, modelos de contrato e diversificação das categorias de produtos oferecidos, entre outros.

O Seminário de Ética, realizado no dia 25 de outubro, também foi pauta do caderno, com a publicação de uma nota sobre o encontro.

Já no dia 13 de novembro, foi exibida no Bom Dia Brasil, da Rede Globo, a matéria sobre a expectativa do setor para o ano de 2018. Com entrevista da presidente executiva da ABEVD, Adriana Colloca, a reportagem mostrou o setor como opção de carreira e alternativa de renda.

2019-12-20T14:37:17-03:00novembro 14th, 2018|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , |

Clube de Benefícios da ABEVD já é realidade

Lançado no início do mês de novembro, o Clube de Benefícios da ABEVD é a oportunidade para que empreendedores independentes tenham acesso a vantagens exclusivas.

Mais uma iniciativa da associação para a força de vendas, o Clube de Benefícios oferece descontos e promoções imperdíveis.

A partir de R$ 15, é possível contar com descontos especiais em consultas e exames, produtos e serviços, ofertas online, descontos em medicamentos e programa de fidelidade.

Criado para dar segurança e comodidade ao empreendedor independente, o Clube de Benefícios proporciona economia e tranquilidade no dia a dia.

Para saber como funciona e quais são as vantagens de aderir, clique aqui.

Além do Clube de Benefícios, a ABEVD também oferece descontos em planos de saúde da Qualicorp.

2019-12-20T14:37:50-03:00novembro 14th, 2018|Categories: ABEVD News|Tags: |
Ir ao Topo