Forever Living lança máscara facial com aloe vera e bio-celulose

Produto é biodegradável e proporciona hidratação profunda e duradoura

A Forever Living (www.foreverliving.com.br), líder mundial no cultivo, processamento e distribuição de produtos de Aloe Vera, está lançando no Brasil a Aloe Bio Cellulose Mask, máscara facial de última geração que usa tecnologia inovadora e ingredientes naturais para tonificar e hidratar a pele, proporcionando uma aparência mais jovem e descansada.

Indicado para todos os tipos de pele, o produto tem profunda absorção, possui fácil aplicação e não requer enxágüe. As fibras de bio-celulose são mil vezes mais finas que o cabelo humano, permitindo que o produto se molde facilmente a cada contorno do rosto. Isto faz com que os ingredientes penetrem profundamente em linhas finas e rugas, diferenciando-se das máscaras tradicionais que possuem penetração limitada.

A Aloe Bio Cellulose Mask fornece benefícios em duas fases. Através de um processo único para a Forever, uma bactéria especial fermenta naturalmente o gel de aloe vera e ervas marinhas, em seguida, funde-os em tecido de bio-celulose para suavizar, amaciar e condicionar a pele. A máscara é embebida em um soro hidratante, enriquecido com ingredientes naturais, que proporciona à pele uma aparência radiante e renovada por mais tempo. A castanha da índia é adicionada a essa mistura e ajuda a clarear a pele opaca e a reduzir a aparência de vermelhidão. Já o chá verde e os antioxidantes trabalham juntos para combater os sinais de envelhecimento e os radicais livres. A glicerina é um componente-chave do soro, pois fornece os benefícios da hidratação profunda.

Para aplicar o produto, basta remover uma camada de tecido e pressionar suavemente na face para um ajuste perfeito. Em seguida, retire a segunda película. Após 20 minutos, remova a máscara por completo e massageie o rosto. O soro pode ser deixado na pele após o uso, sem necessidade de enxágue. Como a bio-celulose permite que o soro penetre muitas vezes mais profundamente do que as máscaras tradicionais, a sensação de hidratação permanece por muito mais tempo após o uso. A máscara é biodegradável e pode ser descartada sem gerar resíduos para o meio ambiente.

Os cosméticos da Forever Living são reconhecidos pelo Aloe Vera Science Council, instituição que comprova a qualidade de produtos com Aloe Vera de todo o mundo. A marca também obteve o selo Cruelty Free, concedido pela PETA (People for the Ethical Treatment of Animals).

 

Natura patrocina mostra sobre a arte viva de Roberto Burle Marx no Jardim Botânico de Nova York

Mostra reúne exemplos da diversidade artística de um dos paisagistas mais importantes da história, revelando seu processo criativo em diferentes mídias
Marca inconfundível do Rio de Janeiro, os ondulantes mosaicos preto e branco nas calçadas de Copacabana são apenas uma das fabulosas criações de Roberto Burle Marx (1909-1994). Ele se via como um artista acima de tudo e não acreditava na separação entre os campos de prática, jardins e paisagens. Intitulada “Contemporânea Brasileira: A Arte Viva de Roberto Burle Marx” e com início no sábado, 8 de junho, a exposição do Jardim Botânico de Nova York celebra um dos mais icônicos artistas brasileiros.
Burle Marx projetou milhares de jardins e paisagens ao longo de sua carreira e estava bastante ciente da importância da sustentabilidade antes que o tema fosse debatido pelo público em geral. Não por acaso, um dos focos da exibição será sua defesa apaixonada pela conservação dos ecossistemas nativos do Brasil.
“Seu projeto paisagístico é a pura expressão do espírito e do lugar brasileiro e, por isso, a Natura se orgulha de ser uma das patrocinadoras da exibição”, comenta Andrea Alvares, vice-presidente de Marketing, Inovação e Sustentabilidade da Natura. A executiva esteve no evento de lançamento da exposição, na última terça-feira, com a presença de convidados da imprensa e influenciadores. “Em particular, o legado do artista em relação a questões ecológicas urgentes ressoa no coração das nossas crenças”, ressalta.
A exibição celebra a exuberante interpretação do modernismo por Burle Marx, reunindo um formalismo com a exuberância das plantas nativas do Brasil – palmeiras, cicadáceas, Araceae, bromélias e muito mais. A mostra também contará com exemplos da variedade de sua arte – pinturas, desenhos e tecidos -, revelando seu processo criativo e como sua abordagem a diferentes mídias o ajudou a definir as formas, formatos e ideias de design em seus jardins. O centro dessa pesquisa e prática era seu sítio – um laboratório vivo onde ele viveu, trabalhou e hospedou amigos e colegas, liderando botânicos, artistas, poetas e figuras culturais de todo o mundo.

Burle Marx também foi pintor, ceramista, escultor, pesquisador, cantor, joalheiro, tapeceiro e cenógrafo. Começou a colecionar plantas na infância, aos sete anos de idade. E foi em uma viagem a Berlim, para visitar a família de seu pai alemão, após sua formatura na Escola Nacional de Belas Artes do Rio, em 1933, que ele reconheceu a flora brasileira em um Jardim Botânico. Isso inspirou a busca de um caçador de plantas, e cerca de 20 plantas levam seu nome.

O Jardim Botânico de Nova York está localizado no Bronx, bairro ao norte de Manhattan. Dedicado a preservar e proteger a biodiversidade e os recursos naturais do planeta em parceria com comunidades locais e globais, o espaço abriga o maior jardim dos Estados Unidos, com mais de 100 hectares, e é considerado um patrimônio nacional.
Confira o site do NYBG para o programa completo de apresentações de música e dança e desfiles. A exibição acontece até 29 de setembro. Para ingressos e programação, visite https://www.nybg.org
Fonte: @NaturaBrOficial

Natura inaugura primeira loja física em Vitória

Nova loja faz parte da estratégia multicanal da empresa, que pretende tornar a experiência de compra para o consumidor mais completa. O espaço contempla um novo conceito de loja que expressa um convite à construção de um mundo mais bonito

A Natura inaugura, nesta segunda-feira, a primeira loja física da marca no Espírito Santo. Situada no Shopping Vitória, a 39º loja própria reforça a estratégia multicanal da empresa, que busca atender todos os perfis de clientes em diferentes ocasiões de compra.

A loja já apresenta o novo conceito, inaugurado em maio, em Salvador, que traz a tecnologia a serviço da experiência do consumidor e permite maior interação com os produtos e com a história da marca.

“A chegada da marca ao Espírito Santo completa a nossa presença no Sudeste brasileiro e reforça o nosso compromisso em levar a melhor experiência de compra ao consumidor”, afirma Paula Andrade, diretora de Varejo da Natura.

Em uma ambiente que valoriza a jornada do consumidor, a tecnologia está a serviço do cliente, que tem a oportunidade de vivenciar uma experiência virtual de Ekos, conectando-se às comunidades extrativistas da Natura com um óculos de realidade virtual, experimentar vários looks num espelho virtual para maquiagem e fazer uma avaliação exclusiva de diagnóstico de pele para indicação da melhor solução de hidratação. Para facilitar a experiência do pagamento, ele também poderá ser feito por sistema mobile, que prescinde de caixa, trazendo uma experiência de compra mais dinâmica e fluída.

A loja está segmentada em três ilhas principais, que permitem maior experimentação de produtos e conhecimento dos ingredientes da biodiversidade por trás dos produtos icônicos da Natura. A primeira ilha, com produtos de cuidados pessoais, traz a linha Ekos, que é 100% vegana e conta com mais de 90% de ingredientes naturais, ao priorizar o uso de ativos da biodiversidade amazônica.

A Casa de Perfumaria do Brasil, que traz as fragrâncias exclusivas da Natura, com ingredientes da biodiversidade brasileira, álcool orgânico e vidro reciclado, ocupa a ilha central, e, para finalizar, a loja dispõe de uma estação de serviços de cuidados com o rosto e maquiagem, com todo o portfólio de Chronos disponível, além dos produtos de maquiagem que realçam as identidades e a beleza de cada um.

Outra novidade é o ponto para logística reversa. Neste novo modelo de loja, o consumidor poderá retornar a embalagem de qualquer produto cosmético já utilizado, que será transformado em novos frascos de produto reforçando o posicionamento da marca “O Mundo É Mais Bonito Com Você.”

No dia da inauguração, os 100 primeiros clientes que realizarem qualquer compra serão presenteados com uma Polpa Hidratante Ekos para Mãos Castanha 40g. Com óleo de castanha, a polpa hidratante de textura aveludada promove nutrição imediata e prolongada das mãos e cutículas.

Serviço:
Inauguração: 10 de junho – 10h
Shopping Vitória
Piso Térreo
Av. Américo Buaiz, 200 – Enseada do Suá – Vitória

Fonte: @NaturaBrOficial

2019-12-20T14:25:58-03:00junho 7th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , , |

Natura contribui para a conservação de 1,8 milhão de hectares na Amazônia junto a rede de parceiros locais

No Dia Mundial do Meio Ambiente, companhia reforça posicionamento sustentável e convida a conhecer o que uma marca de beleza pode fazer pela Amazônia

O Brasil registra números alarmantes de desmatamento ilegal na região Amazônica e a devastação tem se acelerado nos últimos meses. A cada hora, a Amazônia perde uma área verde do tamanho de 20 campos de futebol. De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), esse foi o ritmo do desmatamento registrado em maio passado nas Unidades de Conservação federais, que são áreas protegidas por lei.
Para reforçar a importância da biodiversidade nacional e do desenvolvimento sustentável da Amazônia, a Natura divulga neste Dia do Meio Ambiente dados inéditos do Programa Natura Amazônia de conservação da floresta.
Como parte integrante de uma rede atuante na região, a Natura contribui para a conservação de 1,8 milhão de hectares na Amazônia, área equivalente a 12 vezes o tamanho da cidade de São Paulo. O novo dado é resultado da reformulação da metodologia que calcula a área total conservada, antes de 257 mil hectares. Esse número compreendia a área de atuação com as cadeias da sociobiodiversidade de relacionamento direto com a Natura para compra de insumos. Agora, ele também incorpora outras áreas onde a Natura desenvolve iniciativas que geram impacto positivo para a conservação. Outra mudança foi a fonte de dados, que passou a utilizar informações atualizadas anualmente pelo projeto Prodes-INPE, responsável por realizar o mapeamento via satélite do desmatamento na Amazônia Legal.
Esse trabalho de conservação é realizado em parceria com organizações não governamentais e governamentais – em especial aos órgãos gestores onde atuamos com Unidades de Conservação de Uso Sustentável, como SEMA-AP (Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá), ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), SEMAS-AM (Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas) – além das comunidades agroextrativistas e organizações sociais da região.
“Acreditamos que uma marca de beleza deve fazer de tudo para deixar o mundo mais bonito e isso envolve o esforço de fazer uma floresta ficar maior, e não menor”, Andrea Alvares, vice-presidente de Marketing, Inovação e Sustentabilidade da Natura. “É por isso que desenvolvemos negócios que geram e compartilham valor com uma rede de 5,6 mil famílias de comunidades fornecedoras, sobretudo da Amazônia, contribuindo para o desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis e inclusivas na região e para a conservação de cerca de 1.8 milhão hectares de floresta.”
Em uma relação que já dura duas décadas, a Natura tem uma ligação com comunidades amazônicas que fornecem ingredientes por meio de sua atuação na região, com pesquisa de ingredientes naturais, desenvolvimento de técnicas de manejo em campo, a assessoria  direta em campo para orientar sobre questões de direitos trabalhistas, de saúde e segurança do trabalho, gestão organizacional, boas práticas de produção e apoio à redes territoriais.
Em 2011, a Natura reuniu as iniciativas na região sob o Programa Amazônia, com a meta de movimentar um valor acumulado de R$ 1 bilhão de reais na região até 2020, considerando todas as nossas iniciativas, que incluem o fornecimento de ingredientes e repartição de benefícios. Essa meta foi batida em no primeiro semestre de 2017 e hoje o volume de negócios movimentado na região passa de R$ 1,5 bilhão.
Ao longo de 2018, por exemplo, foram realizados treinamentos com mais de 370 pessoas, a fim de promover o desenvolvimento local e a melhoria na qualidade de trabalho das comunidades. O investimento em apoios técnicos e capacitações em 2018 foi de R$ 6,5 milhões. “Aumentamos consideravelmente os impactos positivos gerados nas comunidades. Com isso, seguimos comprometidos em potencializar o uso dos ingredientes da biodiversidade brasileira no portfólio e o comprometimento da Natura com o desenvolvimento das comunidades”, ressalta Mauro Costa, gerente de Relacionamento e Abastecimento da Sociobiodiversidade da Natura.
Iniciativas
Atualmente, existem cerca de 5,6 mil famílias fornecedoras da sociobiodiversidade, sendo 81% da região Amazônica – de comunidades no Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Rondônia (veja no mapa).
Órgãos gestores das unidades de conservação:  Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uacarí (Unidade de Conservação Estadual): Sema – Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas; Reserva Extrativista Médio Juruá (Unidade de Conservação Federal: ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade;     Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru (Unidade de Conservação Estadual): SEMA-AP -Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá.
Além da compra de insumos, a Natura reparte benefícios a partir do acesso ao patrimônio genético e do conhecimento tradicional das comunidades, e reverte uma porcentagem da venda de produtos com ingredientes da biodiversidade brasileira em apoio a iniciativas que geram impactos socioambientais. Ao todo, são mais de 90 contratos de repartição de benefícios. Em 2018, o investimento foi de R$ 18,7 milhões em projetos de conservação ambiental como ações de apoio à educação, infraestrutura de unidades de beneficiamento, fortalecimento institucional, entre outras. Além disso, a empresa apoia a educação no campo e na floresta, a articulação de redes territoriais – como o Território Médio Juruá e a Rede Jirau de Agroecologia, no Baixo Tocantins – e o empreendedorismo comunitário.
Exemplos emblemáticos da atuação da Natura na região
Carbono Circular
Primeiro Insetting carbon do Brasil, o projeto remunera pequenos agricultores da comunidade Reca – Reflorestamento Econômico Consorciado e Adensado pelo serviço de conservação ambiental, estimulando-os a manterem a Amazônia conservada.
Projeto SAF Dendê
União de cultivo de palma em modelo agroflorestal, que combina o cultivo da planta com outras culturas, como cacau, açaí e andiroba.
Abastecimento ético
Como forma de garantir o comércio ético e justo, toda a cadeia da sociobiodiversidade passa por auditorias anuais e cumpre critérios do Biocomércio Ético, o que inclui a rastreabilidade de todos os insumos garantidos nas comunidades. Por meio desse comprometimento, a Natura conquistou a certificação internacional da UEBT (União para o BioComércio Ético) para os produtos da linha Ekos. O selo atesta a sustentabilidade da cadeia de fornecimento de todos os ingredientes naturais da linha, reforçando o compromisso com o comércio justo, a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento social, decorrentes de relacionamentos de confiança com os fornecedores.
Fonte: @NaturaBrOficial
2019-12-20T15:05:01-03:00junho 5th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , |

Natura contribui para a conservação de 1,8 milhão de hectares na Amazônia junto a rede de parceiros locais

No Dia Mundial do Meio Ambiente, companhia reforça posicionamento sustentável e convida a conhecer o que uma marca de beleza pode fazer pela Amazônia

O Brasil registra números alarmantes de desmatamento ilegal na região Amazônica e a devastação tem se acelerado nos últimos meses. A cada hora, a Amazônia perde uma área verde do tamanho de 20 campos de futebol. De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), esse foi o ritmo do desmatamento registrado em maio passado nas Unidades de Conservação federais, que são áreas protegidas por lei.

Para reforçar a importância da biodiversidade nacional e do desenvolvimento sustentável da Amazônia, a Natura divulga neste Dia do Meio Ambiente dados inéditos do Programa Natura Amazônia de conservação da floresta.

Como parte integrante de uma rede atuante na região, a Natura contribui para a conservação de 1,8 milhão de hectares na Amazônia, área equivalente a 12 vezes o tamanho da cidade de São Paulo. O novo dado é resultado da reformulação da metodologia que calcula a área total conservada, antes de 257 mil hectares. Esse número compreendia a área de atuação com as cadeias da sociobiodiversidade de relacionamento direto com a Natura para compra de insumos. Agora, ele também incorpora outras áreas onde a Natura desenvolve iniciativas que geram impacto positivo para a conservação. Outra mudança foi a fonte de dados, que passou a utilizar informações atualizadas anualmente pelo projeto Prodes-INPE, responsável por realizar o mapeamento via satélite do desmatamento na Amazônia Legal.

Esse trabalho de conservação é realizado em parceria com organizações não governamentais e governamentais – em especial aos órgãos gestores onde atuamos com Unidades de Conservação de Uso Sustentável, como SEMA-AP (Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá), ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), SEMAS-AM (Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas) – além das comunidades agroextrativistas e organizações sociais da região.

“Acreditamos que uma marca de beleza deve fazer de tudo para deixar o mundo mais bonito e isso envolve o esforço de fazer uma floresta ficar maior, e não menor”, Andrea Alvares, vice-presidente de Marketing, Inovação e Sustentabilidade da Natura. “É por isso que desenvolvemos negócios que geram e compartilham valor com uma rede de 5,6 mil famílias de comunidades fornecedoras, sobretudo da Amazônia, contribuindo para o desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis e inclusivas na região e para a conservação de cerca de 1.8 milhão hectares de floresta.”

Em uma relação que já dura duas décadas, a Natura tem uma ligação com comunidades amazônicas que fornecem ingredientes por meio de sua atuação na região, com pesquisa de ingredientes naturais, desenvolvimento de técnicas de manejo em campo, a assessoria  direta em campo para orientar sobre questões de direitos trabalhistas, de saúde e segurança do trabalho, gestão organizacional, boas práticas de produção e apoio à redes territoriais.

Em 2011, a Natura reuniu as iniciativas na região sob o Programa Amazônia, com a meta de movimentar um valor acumulado de R$ 1 bilhão de reais na região até 2020, considerando todas as nossas iniciativas, que incluem o fornecimento de ingredientes e repartição de benefícios. Essa meta foi batida em no primeiro semestre de 2017 e hoje o volume de negócios movimentado na região passa de R$ 1,5 bilhão.

Ao longo de 2018, por exemplo, foram realizados treinamentos com mais de 370 pessoas, a fim de promover o desenvolvimento local e a melhoria na qualidade de trabalho das comunidades. O investimento em apoios técnicos e capacitações em 2018 foi de R$ 6,5 milhões. “Aumentamos consideravelmente os impactos positivos gerados nas comunidades. Com isso, seguimos comprometidos em potencializar o uso dos ingredientes da biodiversidade brasileira no portfólio e o comprometimento da Natura com o desenvolvimento das comunidades”, ressalta Mauro Costa, gerente de Relacionamento e Abastecimento da Sociobiodiversidade da Natura.

 

Iniciativas

Atualmente, existem cerca de 5,6 mil famílias fornecedoras da sociobiodiversidade, sendo 81% da região Amazônica – de comunidades no Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Rondônia (veja no mapa).

Órgãos gestores das unidades de conservação:  Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uacarí (Unidade de Conservação Estadual): Sema – Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas; Reserva Extrativista Médio Juruá (Unidade de Conservação Federal: ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade;     Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru (Unidade de Conservação Estadual): SEMA-AP -Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá.

Além da compra de insumos, a Natura reparte benefícios a partir do acesso ao patrimônio genético e do conhecimento tradicional das comunidades, e reverte uma porcentagem da venda de produtos com ingredientes da biodiversidade brasileira em apoio a iniciativas que geram impactos socioambientais. Ao todo, são mais de 90 contratos de repartição de benefícios. Em 2018, o investimento foi de R$ 18,7 milhões em projetos de conservação ambiental como ações de apoio à educação, infraestrutura de unidades de beneficiamento, fortalecimento institucional, entre outras. Além disso, a empresa apoia a educação no campo e na floresta, a articulação de redes territoriais – como o Território Médio Juruá e a Rede Jirau de Agroecologia, no Baixo Tocantins – e o empreendedorismo comunitário.

Exemplos emblemáticos da atuação da Natura na região

Carbono Circular

Primeiro Insetting carbon do Brasil, o projeto remunera pequenos agricultores da comunidade Reca – Reflorestamento Econômico Consorciado e Adensado pelo serviço de conservação ambiental, estimulando-os a manterem a Amazônia conservada.

 

Projeto SAF Dendê

União de cultivo de palma em modelo agroflorestal, que combina o cultivo da planta com outras culturas, como cacau, açaí e andiroba.

 

Abastecimento ético

Como forma de garantir o comércio ético e justo, toda a cadeia da sociobiodiversidade passa por auditorias anuais e cumpre critérios do Biocomércio Ético, o que inclui a rastreabilidade de todos os insumos garantidos nas comunidades. Por meio desse comprometimento, a Natura conquistou a certificação internacional da UEBT (União para o BioComércio Ético) para os produtos da linha Ekos. O selo atesta a sustentabilidade da cadeia de fornecimento de todos os ingredientes naturais da linha, reforçando o compromisso com o comércio justo, a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento social, decorrentes de relacionamentos de confiança com os fornecedores.

Fonte: @NaturaBrOficial

2019-12-20T15:05:01-03:00junho 5th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , |

Vida de Empresa & Associações | Brasil lidera mercado de vendas diretas na América Latina, diz associação

O mercado de vendas diretas movimentou US$ 192,9 bilhões em todo o mundo no ano passado, montante 1,2% maior que o de 2017, quando os negócios somaram US$ 190,6 bilhões. Os dados acabam de ser apresentados pela World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA), federação que reúne as associações de vendas diretas.
O Brasil, líder na América Latina, aparece em destaque no levantamento. Segundo a entidade, o mercado brasileiro é o sexto maior do planeta, sendo superado apenas por China, Estados Unidos, Coreia do Sul, Alemanha e Japão. Chineses e americanos trocaram de posição no ranking; na edição anterior, o primeiro lugar era dos EUA.

Confira matéria na íntegra em Vida de Empresa & Associações

2021-01-28T09:38:28-03:00junho 5th, 2019|Categories: ABEVD na mídia|

ABEVD mantém certificação Gold Status da WFDSA em 2019

ABEVD mantém certificação Gold Status da WFDSA em 2019

Condecoração mundial premia boas práticas da associação

 A Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) obteve, em 2019, a certificação Gold Status conferida pela World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA) às associações de vendas diretas ao redor do mundo.

Representada pela presidente executiva, Adriana Colloca, a ABEVD recebeu a condecoração no Encontro de Secretários da federação mundial, realizado na cidade de Milão, na Itália, na semana passada.

Sexto colocado no ranking de venda direta no mundo, o Brasil segue como um dos principais mercados do setor e as boas práticas desenvolvidas pela ABEVD fizeram com que a associação mantivesse o status conquistado em anos anteriores.

Gold Status – A WFDSA desenvolveu padrões organizacionais de desempenho e boas práticas para equiparar as características de governança e atendimento das associações de venda direta pelo mundo afora. Desta forma, a federação mundial busca fortalecer as entidades ao redor do mundo na busca pela excelência no trabalho desenvolvido e promoção da imagem da venda direta em todas as partes.

Entre os critérios analisados estão: padrões éticos, de independência e imparcialidade em relação ao seu quadro de associados e ao mercado, como por exemplo: exigir padrões éticos de seus associados, porta-voz independente, gestão executiva integralmente dedicada ao trabalho da associação, presença nas mídias sociais, contato direto com órgãos governamentais e imprensa, além de auditoria em sua conta bancária, entre outros.

“Esta certificação muito nos orgulha:  à ABEVD e a todo o setor de vendas diretas no Brasil. Ela ratifica que realizamos boas práticas, operamos de forma transparente e profissional à frente da associação. Com isso, podemos seguir cada vez melhores em busca de nossos objetivos,” ressalta Adriana Colloca, presidente executiva da ABEVD.

O setor de vendas diretas tem mais de 4 milhões de empreendedores independentes no Brasil e para assegurar que as empresas, revendedores e consumidores estejam sempre em harmonia, a ABEVD exige que seus associados sigam o Código de Ética com critérios rígidos a fim de manter a consonância do mercado.

Fonte: Lvba

2019-12-20T14:26:54-03:00junho 4th, 2019|Categories: ABEVD News|Tags: , , , , |

ABEVD mantém certificação Gold Status da WFDSA em 2019

Condecoração mundial premia boas práticas da associação

 

A Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) obteve, em 2019, a certificação Gold Status conferida pela World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA) às associações de vendas diretas ao redor do mundo.

Representada pela presidente executiva, Adriana Colloca, a ABEVD recebeu a condecoração no Encontro de Secretários da federação mundial, realizado na cidade de Milão, na Itália, na semana passada.

Sexto colocado no ranking de venda direta no mundo, o Brasil segue como um dos principais mercados do setor e as boas práticas desenvolvidas pela ABEVD fizeram com que a associação mantivesse o status conquistado em anos anteriores.

Gold Status – A WFDSA desenvolveu padrões organizacionais de desempenho e boas práticas para equiparar as características de governança e atendimento das associações de venda direta pelo mundo afora. Desta forma, a federação mundial busca fortalecer as entidades ao redor do mundo na busca pela excelência no trabalho desenvolvido e promoção da imagem da venda direta em todas as partes.

Entre os critérios analisados estão: padrões éticos, de independência e imparcialidade em relação ao seu quadro de associados e ao mercado, como por exemplo: exigir padrões éticos de seus associados, porta-voz independente, gestão executiva integralmente dedicada ao trabalho da associação, presença nas mídias sociais, contato direto com órgãos governamentais e imprensa, além de auditoria em sua conta bancária, entre outros.

“Esta certificação muito nos orgulha:  à ABEVD e a todo o setor de vendas diretas no Brasil. Ela ratifica que realizamos boas práticas, operamos de forma transparente e profissional à frente da associação. Com isso, podemos seguir cada vez melhores em busca de nossos objetivos,” ressalta Adriana Colloca, presidente executiva da ABEVD.

O setor de vendas diretas tem mais de 4 milhões de empreendedores independentes no Brasil e para assegurar que as empresas, revendedores e consumidores estejam sempre em harmonia, a ABEVD exige que seus associados sigam o Código de Ética com critérios rígidos a fim de manter a consonância do mercado.

Fonte: Lvba

2019-12-20T14:28:27-03:00junho 4th, 2019|Categories: ABEVD News|Tags: , , , , |
Ir ao Topo