Início/2020/março

BOLETIM COVID-19 N°9 | NORMAS ESTADUAIS E RESTRIÇÃO DE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS

Restrição de circulação de mercadorias no estado de São Paulo

Com relação à circulação de mercadorias no estado de São Paulo, a boa notícia é que o governo estadual parece estar alinhado que o isolamento deve ser social, mas não extensível à restrição do transporte de cargas.

Hoje (31.03), foi publicada a Resolução da Superintendência do DER N°22 que suspende, até 30 de junho de 2020, a restrição de horário para a circulação de transportes de cargas em São Paulo visando racionalizar o tempo das viagens e facilitar a chegada das mercadorias em seu destino final. Além da Resolução DER 22, foi publicada a Deliberação Nº 6 do Comitê Administrativo Extraordinário do Covid-19 liberando o funcionamento de bares, padarias e restaurantes localizados no interior de postos de combustíveis, sendo vedado o consumo no local.

EQUIPE ABEVD

2020-06-12T08:53:08-03:00março 31st, 2020|Categories: Boletins|

BOLETIM COVID-19 N°9 | PARCELAMENTO FGTS

A ABEVD – Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas traz boas notícias nesta edição do boletim ABEVD Covid-109 Conforme a Circular 897 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), os empregadores poderão, inclusive em relação aos empregados domésticos, efetuar o pagamento do FGTS relativo aos meses de março, abril e maio de 2020 em seis parcelas, sem juros e multa, com vencimento a partir de julho e término em dezembro de 2020.

Apesar do adiamento do pagamento, os empregadores devem declarar normalmente os valores do FGTS até o dia 7 do mês (com prazo final no dia 20 de junho). No caso de demissão, os valores passam a ser devidos imediatamente.

A ABEVD espera que a medida traga fôlego ao fluxo de caixa.

2020-06-12T08:52:49-03:00março 31st, 2020|Categories: Boletins|

Clipping – Agência Brasil – Pesquisa da CNI revela impacto do coronavírus na indústria brasileira

Quatro em cada dez empresas interromperam produção

A crise provocada pela pandemia do novo coronavírus está afetando a indústria brasileira, revela pesquisa divulgada hoje (30) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Entre os principais problemas citados, estão a queda na demanda por seus produtos, a dificuldade em conseguir insumos e matérias-primas e a redução da oferta de capital de giro no sistema financeiro.

Segundo a sondagem Consulta Empresarial, 92% das indústrias consultadas estão tendo impactos negativos. Desse total, 40 pontos percentuais correspondem a empresas muito afetadas, 27 pontos a empresas medianamente afetadas e 25 pontos a empresas pouco afetadas. Um total de 5% das indústrias não foram afetadas pela pandemia, mantendo a rotina, e 3% relataram impactos positivos.

Em quatro de cada dez indústrias consultadas (41%), a produção foi interrompida por conta da crise. Em 23% das empresas, a produção está paralisada por tempo determinado. Em 18%, a produção está interrompida sem previsão de retorno. Quarenta por cento reduziram a produção, dos quais 19 pontos percentuais de forma intensa. Apenas 5% das empresas aumentaram a produção.

Em relação à queda na demanda, 79% das indústrias pesquisadas perceberam redução nos pedidos. Mais da metade das empresas (53%) apontam que a queda foi intensa. Apenas 7% relataram alta da demanda por seus produtos. Sobre a obtenção de matéria-prima ou insumos, 86% das empresas estão com dificuldade, das quais 37 pontos percentuais relataram muita dificuldade. Apenas 15% continuam a obter insumos e matérias-primas com normalidade.

Conforme a pesquisa, 83% das indústrias consultadas enfrentam dificuldades na logística de transporte, tanto de produtos como de matérias-primas. Desse total, 38 pontos percentuais estão com muitas dificuldades. Somente 17% das empresas estão com o transporte funcionando regularmente.

Segundo o levantamento da CNI, praticamente três de cada quatro empresas consultadas (73%) enfrentam dificuldades para prosseguir com os pagamentos de rotina – tributos, fornecedores, salários, energia elétrica e aluguel, sendo que 42% relataram muita dificuldade para manter as contas em dia. Somente 3% das empresas estão com facilidade para manter os pagamentos.

O acesso ao crédito também está mais difícil para a indústria. Das empresas consultadas, 61% procuraram linhas de capital de giro. Considerando somente as que buscaram, 78% das empresas encontraram mais dificuldades no acesso, sendo que para 45% o acesso está muito mais difícil.

Entre as medidas tomadas pelas indústrias em relação aos empregados, 58% adotaram o trabalho domiciliar (home office), 47% deram férias para parte dos empregados, 46% afastaram empregados com sintomas e 35% recorreram ao uso do banco de horas. Um total de 21% separou equipes por turnos menores e 19% deram férias coletivas para todos os empregados.

Até agora, 15% das empresas pesquisadas demitiram funcionários. A CNI, no entanto, adverte que as indústrias não conseguirão manter o emprego por muito tempo caso não haja ações relevantes de ajuda à população e às empresas. “É também necessário estabelecer urgentemente uma estratégia para promover uma retomada responsável, segura e gradativa da atividade econômica. Os impactos são significativos e não poderão ser suportados pela indústria por muito tempo”, advertiu a entidade.

A pesquisa ouviu 734 indústrias de pequeno, médio e grande porte em todo o país nas últimas quinta(26) e sexta-feira (27).

Fonte: Agência Brasil

2020-03-31T10:41:58-03:00março 31st, 2020|Categories: ABEVD Clipping|

Clipping – Hipersuper – Avon faz entregas diretamente para clientes finais pela primeira vez em Portugal

A Avon está, pela primeira vez em Portugal, a fazer entregas diretas aos clientes finais. A medida temporária destina-se a apoiar e proteger a sua rede de revendedoras, durante a atual situação de pandemia.

Os clientes da marca de cosméticos e beleza podem fazer as suas compras de forma habitual, através das revendedoras ou da internet. As encomendas superiores a 20 euros têm entrega gratuita. Caso o valor da compra seja inferior, a entrega está sujeita a um custo adicional de quatro euros.

“Desta forma, as revendedoras podem continuar a gerir as suas vendas e pedidos dos seus clientes, sem necessidade de correr riscos associados a uma entrega presencial”, explica a empresa em comunicado. A medida irá estender-se por tempo indeterminado, “até que termine o isolamento”, enfatiza.

A Avon explica ainda que reforçou as ferramentas de formação para que as revendedoras potenciem a digitalização do seu negócio, “com o objetivo de manter a sua atividade com normalidade, a partir das suas casas”.

“Nesta fase, o mais importante é assegurar a segurança das nossas revendedoras e dos seus clientes, por isso criámos o mote #AvonEstáContigo, a pensar nos nossos revendedores e clientes”, comenta Susana Pereira, responsável da Avon em Portugal.

Fonte: Hipersuper/Portugal

2020-03-31T10:27:16-03:00março 31st, 2020|Categories: ABEVD Clipping|

BOLETIM ABEVD COVID-19 N°8 | APROVAÇÃO DE AUXÍLIO EMERGENCIAL AOS AUTÔNOMOS

Auxílio emergencial é aprovado no Senado

Dando continuidade à informação enviada sobre o Projeto de Lei que prevê auxílio emergencial de R$ 600,00/pessoa aprovado em regime de urgência na Câmara dos Deputados, foi votado e aprovado hoje (30.03), no Senado Federal e, agora, vai para sanção presidencial.

Essa norma impactará positivamente o setor de vendas diretas já que é destinada para os autônomos, inscritos ou não no Cadastro Único do Governo Federal, cuja renda individual seja de até meio salário mínimo ou a renda familiar não ultrapasse 3 (três) salários mínimos. Esse benefício social será concedido pelo prazo de 3 (três) meses.

Tão logo seja sancionada e regulamentada, publicaremos um passo-a-passo para nossa força de vendas obter o benefício.

Equipe ABEVD

2020-06-12T08:52:39-03:00março 30th, 2020|Categories: Boletins|

BOLETIM ABEVD COVID-19 N°8 | NORMAS ESTADUAIS E RESTRIÇÃO DE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS

Preocupada com a pandemia decorrente do novo coronavírus e seus reflexos no Brasil e com intenção de acompanhar as decisões que afetam o setor, a ABEVD – Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas compartilha a atualização das normas estaduais que impactam diretamente nas Vendas Diretas (suspensão de eventos/reuniões e circulação de mercadorias).

Nesta segunda-feira (30.03), temos alteração relevante apenas para o estado do Rio de Janeiro, que prorrogou a suspensão das atividades até 14/04/2020.

Rio de Janeiro: suspensão de eventos e atividades independentemente da quantidade de pessoas, mesmo que já tenha sido autorizado, até o dia 14/04/20 (Decreto nº 47.006/20)

Acompanhe as normativas estaduais clicando aqui

BENEFÍCIO ESTENDIDO
O estado do Amazonas, por meio da Lei nº 5.145, proibiu a interrupção de serviços públicos essenciais: energia elétrica, água, esgoto e gás, enquanto durar o período de contingência referente à pandemia do coronavírus. Quando o período de contingência, as concessionárias deverão negociar o parcelamento desses débitos, sendo proibida a cobrança de multas e juros. A decisão do Amazonas, é mais abrangente que a norma do Rio de Janeiro que limitou o benefício às pessoas físicas e pequenas empresas.

EQUIPE ABEVD

2020-06-12T08:52:19-03:00março 30th, 2020|Categories: Boletins|

Clipping – MoneyTimes – Mary Kay irá produzir álcool em gel nos EUA para auxiliar a crescente demanda

A Mary Kay, marca internacional de cosméticos, informou que a empresa irá paralisar a produção das suas fábricas globais para produzir álcool em gel. O produto será doado para instituições de saúde como clinicas e hospitais nos Estados Unidos.

“Embora enfrentemos desafios extraordinários durante a pandemia global do COVID-19, o mundo está encontrando maneiras de se adaptar – com pouco ou nenhum aviso prévio”, disse David Holl, presidente e CEO da Mary Kay Inc. “Produzindo álcool em gel para combater esta crise é como podemos apoiar aqueles que estão nas linhas de frente.”

O primeiro lote de produtos será doado à Fundação Baylor Scott & White Dallas, o maior sistema de saúde sem fins lucrativos do Texas. O complexo conta com 52 hospitais, mais de 800 centros de atendimento a pacientes, 7.500 médicos ativos e mais de 47.000 funcionários.

Brasil
No Brasil, a marca decidiu doar parte da verba do Instituto Mary Kay para realizar uma doação a Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ).

“Além disso, a marca está realizando uma doação adicional para a Associação Fala Mulher, para que possam comprar os materiais necessários de prevenção (como álcool em gel, luvas e máscaras) garantindo a continuidade do atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica”, informou a empresa.

Fonte: MoneyTimes

2020-03-30T13:39:00-03:00março 30th, 2020|Categories: ABEVD Clipping|

Clipping – Folha de SP – Após suspender fabricação de perfume, Natura planeja venda de álcool em gel

Sem maquiagem Enquanto políticos e empresários divergem sobre a adoção da quarentena, o presidente da Natura, João Paulo Ferreira, diz que a recomendação é seguir as orientações da OMS. “A prioridade é nos unirmos para vencer a pandemia. Primeiro as pessoas, depois as coisas”, diz. Uma das primeiras empresas a reagir à crise do coronavírus, a Natura suspendeu a fabricação de perfume e maquiagem para focar em álcool em gel para doação e já começa a planejar as vendas do produto.

Unanimidade Segundo Ferreira, a decisão de redirecionar as fábricas para produzir apenas itens essenciais de higiene pessoal foi unânime no comitê executivo da empresa.

Espelho Natura anunciou na semana passada a parceria com empresas como São Martinho e Raízen que abrange 500 mil litros para doações. O envase é feito nas fábricas da Avon, em Interlagos, e da Natura, em Cajamar.

Produção em série A fábrica da Avon no México já está fabricando álcool em gel e a da Argentina vai retomar a produção nesta semana.

Futuro Segundo Ferreira, a companhia ainda não tem previsão de quando vai voltar às atividades normais. “Avaliamos os diferentes quadros de restrição impostos na América Latina onde há contrastes como o Peru e o México”, diz.

Lava uma mão A companhia também anunciou a doação de 2,8 milhões de sabonetes na América Latina. Para operacionalizar a iniciativa, foram feitas parcerias com órgãos públicos de saúde e entidades como Cruz Vermelha e Médicos Sem Fronteiras.

PROSA

“Ao limitar nossa capacidade produtiva aos itens essenciais, podemos manter em casa um número ainda maior de colaboradores”

João Paulo Ferreira, presidente da Natura

Fonte: Folha de SP

2020-03-30T13:31:14-03:00março 30th, 2020|Categories: ABEVD Clipping, Corona, Notícias|

Clipping – Mercado & Consumo – 7 em cada 10 lojistas preferem funcionamento do varejo em horário especial

Dados da pesquisa realizada pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo (FCDLESP) mostram que sete em cada dez lojistas preferem o varejo funcionando em horário especial por conta do coronavírus.

Há ainda uma parcela (38,5%) que defende um horário específico para o grupo de risco. 27% são da opinião de que a abertura do varejo deveria funcionar em tempo reduzido ou escalonado, enquanto outros 23% dos empresários preferem pela abertura total das empresas.

Um grupo menor, composto por 7,5%, defende a manutenção da quarentena.

“O posicionamento dos lojistas representa a ausência de políticas públicas para manter o funcionamento dos negócios, no que diz principalmente a preservar os empregos”, explica Maurício Stainoff, presidente da FCDLESP.

A pesquisa foi realizada com as principais CDLs (Câmara de Dirigentes Lojistas) do estado de São Paulo, o que inclui a região metropolitana, o litoral e o interior.

Fonte: Mercado & Consumo

2020-03-30T13:24:33-03:00março 30th, 2020|Categories: ABEVD Clipping|

Clipping – Agência Brasil – IGP-M acumula taxa de inflação de 6,81% em 12 meses

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, teve inflação de 1,24% em março deste ano. Com a taxa, o índice acumula taxas de 1,69% no ano e de 6,81% em 12 meses, segundo dados divulgados hoje (30) pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Em fevereiro, o IGP-M registrou deflação (queda de preços) de 0,04%. A alta da taxa foi puxada pelos preços no atacado, medidos pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo, que teve inflação de 1,76% em março ante uma deflação de 0,19% em fevereiro.

O Índice Nacional de Custo da Construção também teve alta, mas mais moderada, ao passar de 0,35% em fevereiro para 0,38% em março.

Por outro lado, a inflação do Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, caiu de 0,21% em fevereiro para 0,12% em março.

Fonte: Agência Brasil

2020-03-30T13:17:32-03:00março 30th, 2020|Categories: ABEVD Clipping|