Agência Brasil – FGV: Confiança do empresário brasileiro cresce 0,4 ponto em outubro

O Índice de Confiança Empresarial (ICE), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), teve alta de 0,4 ponto de setembro para outubro deste ano e chegou a 100,3 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. O crescimento veio depois de uma queda de 2,5 pontos registrada na passagem de agosto para setembro.

O indicador consolida os índices de confiança dos empresários brasileiros dos setores da indústria, comércio, serviços e construção.

O aumento da confiança dos empresários em outubro foi provocado por altas no Índice de Situação Atual Empresarial, que mede a percepção sobre o presente e que subiu 0,2 ponto, para 99,5 pontos, e do Índice de Expectativas, que mede a confiança em relação ao futuro e que cresceu 0,4 ponto, para 100,3 pontos.

A alta foi puxada principalmente pelo setor de serviços, cuja confiança subiu 1,8 ponto e chegou a 99,1 pontos. O índice do comércio variou apenas 0,1 ponto e passou para 94,2 pontos.

Por outro lado, dois segmentos tiveram queda na confiança. A construção recuou 0,3 ponto e chegou a 96,1 pontos. Já a indústria caiu 1,2 ponto, mas continuou tendo o maior índice entre os quatro segmentos: 105,2 pontos.

Edição: Denise Griesinger

2021-10-29T12:00:29-03:00outubro 29th, 2021|Categories: ABEVD Clipping, Economia|

Agência Brasil – Vendas do comércio cresceram 1,6% em setembro, diz Serasa Experian

As vendas no varejo do comércio físico no país tiveram alta de 1,6% em setembro em comparação ao mesmo mês do ano passado. A elevação foi impulsionada principalmente pelo setor de material de construção, que registrou a maior alta de 9,1%. Os dados divulgados hoje (28) são do indicador de Atividade do Comércio da Serasa Experian.

Além do setor de material de construção, registraram variação positiva o de supermercados, alimentos e bebidas, com elevação nas vendas de 2%; e móveis, eletrodomésticos, eletrônicos e informática (6,8%). Já os setores de combustíveis e lubrificantes; veículos, motos e peças; e tecidos, vestuário, calçados e acessórios, tiveram retração de 12,3%, 1,6% e 7,8%, respectivamente.

“É possível afirmar que o comércio brasileiro ainda sofre as consequências da instabilidade econômica. Os números poderiam ser melhores, mas com a alta da taxa Selic e da inflação no país, junto ao cenário de desemprego, os consumidores não conseguem fortalecer o poder de compra, enfraquecendo a evolução do varejo nacional”, disse o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi.

Na comparação de setembro com o mês anterior, o comércio registrou leve alta de 0,3%. De acordo com o índice, as vendas foram impulsionadas pelo setor de material de construção, que cresceu 1,7%; veículos motos e peças (1,6%); tecidos, calçados, vestuários e acessórios (1,4%). Na contramão, o segmento de combustíveis e lubrificantes e o de supermercados, alimentos e bebidas, registraram quedas de 3,3% e 1,3%, respectivamente. Móveis, eletrodomésticos, eletrônicos e informática tiveram alta de 0,8%.

Edição: Valéria Aguiar

2021-10-29T11:59:19-03:00outubro 29th, 2021|Categories: ABEVD Clipping, Economia|

Forbes – Com foco em social commerce, Natura unifica divisões de tecnologia

Agenor Leão, VP de Plataforma e Negócios da Natura &Co América Latina, fala sobre os recursos de live commerce e conteúdo que já atendem mais de 1,5 milhão de lojas digitais em todo o Brasil

Com a digitalização acelerada no e-commerce e a mudança de hábito de compra dos consumidores, as vendas pela internet vêm alcançando crescimentos recordes. De acordo com o estudo Webshoppers, no primeiro semestre deste ano, o e-commerce alcançou R$ 53,4 bilhões, alta de 31% em relação ao mesmo período do ano anterior. E esse movimento causou reflexo direto na dinâmica da Natura. A empresa ultrapassou a marca de 1,5 milhão de lojas on-line na América Latina neste ano e, atualmente, quase 80% das consultoras e consultores utilizam a plataforma digital do grupo.

Essa demanda vem impulsionando investimentos e ampliação dos recursos de tecnologia oferecidos aos vendedores e vendedoras, explica Agenor Leão, VP de Plataforma e Negócios da Natura &Co América Latina. “Somente em 2020, mais de 37 milhões de conteúdos foram compartilhados através das nossas ferramentas. No caso da Natura na América Latina, o compartilhamento de revistas digitais cresceu mais de 300% desde o primeiro trimestre de 2020”, explica. Agenor reforça que os movimentos recentes de live commerce e social commerce remetem ao DNA da companhia. “É importante lembrar que a Natura é uma rede social desde a sua origem, nascida no ambiente offline e que mostra, ano a ano, um grande potencial com a jornada de digitalização”, diz Agenor.

Para dar vida a esse ecossistema integrado, a companhia uniu os times de tecnologia e negócios, que atendem as quatro empresas do grupo na América Latina: Natura, Avon, The Body Shop e Aesop. “Essa grande área, que atua a partir de métodos ágeis de trabalho, está dividida em centros de excelência (e-commerce; experiência do usuário e design de serviço; dados, analytics e CRM; e gestão dos modelos comerciais) e núcleos habilitadores, com times dedicados a aprimorar a jornada de consumidores, Consultoras de Beleza Natura e Representantes Avon”, explica.

A estrutura ainda contempla, bem como equipes que lideram a Inovação Digital e Aberta (Innovation Labs), a Tecnologia da Informação, o Escritório de Transformação e a incubação de novos negócios, a plataforma de serviços financeiros &Co Pay, e a criação de parcerias com startups, como a firmada com a Singu, no Brasil. “Com o passar do tempo, percebemos que, ainda que os canais de venda estivessem passando por uma profunda transição com a chegada do digital, os pilares do nosso modelo de negócio ainda eram muito valorizados pelos clientes: assistência e experiência. Nesse sentido, a chave para a prosperidade do negócio estava em reunir todas essas fortalezas em um só ecossistema que oferecesse conveniência, mas sem perder a essência da Natura, que são as interações humanas.”

Em 2020, a empresa também lançou um serviço de comércio por voz através do Google Assistente. “As possibilidades de conversão do live shopping são muitas e o cliente não precisar sair da live para concluir a sua compra. Isso se soma a um atendimento personalizado e próximo, o que faz toda a diferença. Esse, eu diria, é o nosso grande diferencial, já que as consultoras conseguem, de maneira muito ágil e intuitiva, fazer o próprio setup da live, escolher os produtos que querem exibir, incluir o número de WhatsApp e demais detalhes de personalização que tornam a experiência única para elas e seus clientes.”

As vendas digitais de Natura &Co cresceram sequencialmente no primeiro trimestre de 2021. As vendas habilitadas digitalmente, que incluem vendas online (e-commerce + social selling) e vendas por relações usando aplicativos digitais, atingiram 51% da receita total e a participação dos canais digitais é quatro vezes superior à dos níveis pré-pandêmicos. Na Natura, as vendas on-line cresceram 35%. No Brasil, o número de novos consumidores cresceu 58% quando comparado a 2019. Na América Hispânica, esse avanço foi de 269%.

2021-10-28T11:45:31-03:00outubro 28th, 2021|Categories: ABEVD Clipping, Notícias do Setor|

Herbalife Nutrition – Herbalife Nutrition lança primeiro relatório de responsabilidade global

Para dar um foco ainda maior ao seu impacto nas comunidades, nas oportunidades econômicas e no planeta, o relatório inclui a promessa da Herbalife Nutrition de criar 50 milhões de impactos positivos até 2030, o 50º aniversário da empresa, e mostra os mais de 3,8 milhões de impactos positivos alcançados em 2020, incluindo, mas não se limitando ao seguinte:

  • Doando, juntamente com a Herbalife Nutrition Foundation (HNF *), mais de 975.000 refeições e caixas de subsídio alimentar para famílias e comunidades
  • Reciclagem de mais de 766.000 quilos de embalagens e outros materiais
  • Alcançando, junto com o HNF, mais de 367.000 beneficiários por meio de parcerias sem fins lucrativos

Por mais de 40 anos, a empresa global de nutrição tem se concentrado em melhorar as comunidades, desde ajudar as pessoas a melhorar sua nutrição com produtos científicos até fornecer oportunidades econômicas por meio de seu modelo de negócios de venda direta. Dada a experiência, escala, rede e alcance global da empresa, suas iniciativas de responsabilidade social corporativa aproveitam esses pontos fortes para melhorar as comunidades em três áreas significativas: permitindo maior acesso à nutrição, aumentando o acesso a oportunidades econômicas e fortalecendo a gestão ambiental. Para garantir o maior impacto possível, a empresa alinha suas metas de responsabilidade global às metas definidas pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

“Nosso compromisso com a nutrição das pessoas e do planeta está embutido em nossas atividades diárias e em nossa estratégia de crescimento de longo prazo. Juntas, essas forças mudam vidas, mudam o mundo”, disse John Agwunobi, presidente e diretor executivo . “Com o lançamento de nosso primeiro Relatório de Responsabilidade Global, renovamos nosso compromisso com os princípios e o trabalho das últimas quatro décadas, mas, mais importante, olhamos para o futuro.”

O relatório 2020 enfoca os princípios fundamentais da Herbalife Nutrition de nutrir comunidades saudáveis, nutrir oportunidades econômicas e nutrir um planeta próspero por meio de iniciativas que incluem:

  • Combatendo a Equidade Alimentar Global:Por meio da iniciativa Nutrition for Zero Hunger, a empresa está comprometida em acabar com a fome e a insegurança alimentar no mundo por meio de:
    • Erradicando as desigualdades de nutrição, saúde e fome em comunidades em todo o mundo
    • Fornecimento de recursos essenciais e experiência em nutrição por meio de parceiros globais sem fins lucrativos
    • Colaborar com organizações líderes globais como o Programa Mundial de Alimentos dos EUA, o Projeto Alimentar as Crianças e o Projeto Fome, contando com sua orientação sobre onde os recursos são mais urgentemente necessários nas diferentes comunidades que atendem
  • Empowering Entrepreneurialism:A experiência da empresa no apoio a distribuidores independentes em todo o mundo pode ser aplicada para apoiar programas em todo o mundo da seguinte forma:
    • Oferecendo uma oportunidade econômica significativa para indivíduos que desejam ganhar ou complementar suas receitas por meio de seu modelo de negócios de venda direta
    • Aproveitando sua experiência e apoiando organizações que têm programas em todo o mundo para promover o empoderamento econômico para comunidades sub-representadas e promover o empreendedorismo
  • Promovendo Diversidade, Equidade e Inclusão:Como uma empresa global que opera em 95 mercados, a empresa reconhece a diversidade como um ponto forte. A empresa garantirá que o local de trabalho eleve a diversidade, a equidade e a inclusão, inclusive por meio de:
    • Oferecendo aos funcionários um lugar onde eles possam crescer e prosperar, permitindo-lhes servir melhor os distribuidores, stakeholders e comunidades da empresa em todo o mundo
    • Criação de oportunidades para diversos talentos em todos os níveis
    • Conectando líderes com funcionários em oportunidades de progressão na carreira para promover justiça e igualdade para pessoas de todas as origens
    • Incentivar a pertença, garantindo que a diversidade seja representada em todas as comunicações e materiais, interna e externamente
  • Alcançando comunidades minoritárias vulneráveis: Em 2020, a empresa, juntamente com a HNF, apoiou mais de uma dúzia de organizações, incluindo Chrysalis, capítulos nacionais e regionais da Liga dos Cidadãos da América Latina (LULAC), Liga Urbana de Los Angeles, Fundação Sambhav e UnidosUS, entre outros , refletindo as necessidades de diversas comunidades globais, regionais e locais. Além de doações financeiras, a empresa apóia diversos programas por meio de:
    • Fornecimento de recursos de nutrição e saúde
    • Mentoria
    • Advogando pelos direitos humanos, igualdade de gênero e defesa
    • Doando produtos ricos em nutrientes
  • Definindo metas para reforçar a gestão ambiental: A empresa se dedica a trabalhar em todas as suas operações e cadeia de suprimentos para reduzir e eliminar os impactos ambientais negativos, enfatizando a redução das emissões de gases de efeito estufa e embalagens sustentáveis. Algumas dessas metas incluem:
    • Atingir emissões neutras em carbono até 2050 nas fábricas, depósitos e escritórios globais da empresa
    • Usar 25% de resina pós-consumo (PCR) na embalagem de Fórmula 1 da empresa globalmente nos próximos dois anos nos mercados onde for permitido, o que eliminará mais de 475 toneladas métricas de plástico virgem
    • Reduza o uso de plásticos e elimine o desperdício sempre que possível, incluindo a eliminação de sacolas plásticas em todo o mundo dos centros de vendas e distribuição

O relatório também descreve como a empresa está trabalhando para institucionalizar a medição de suas atividades Ambientais, Sociais e de Governança (ESG), que podem ser encontradas online no Índice ESG da Herbalife Nutrition .

Para ver o Relatório de Responsabilidade Global 2020 completo: Nutrindo Pessoas e o Planeta, visite  www.IAmHerbalifeNutrition.com/global-responsibility .

* A Herbalife Nutrition Foundation (HNF) é uma instituição de caridade pública, não uma subsidiária ou afiliada da Herbalife Nutrition. A HNF escolheu juntar-se à Herbalife Nutrition em algumas iniciativas de caridade. Veja detalhes sobre as informações de doações em HNF no Apêndice do relatório de 2020.

Sobre a Herbalife Nutrition Ltd.

A Herbalife Nutrition (NYSE: HLF) é uma empresa global que tem mudado a vida das pessoas com excelentes produtos de nutrição e uma oportunidade de negócios para seus distribuidores independentes desde 1980. A empresa oferece produtos de alta qualidade com respaldo científico, vendidos em mais de 90 países por distribuidores empreendedores que fornecem coaching individual e uma comunidade de apoio que inspira seus clientes a adotar um estilo de vida mais saudável e ativo. Por meio da campanha global da empresa para erradicar a fome, a Herbalife Nutrition também está comprometida em levar nutrição e educação para comunidades em todo o mundo.

2021-10-28T11:43:31-03:00outubro 28th, 2021|Categories: ABEVD Clipping, Notícias do Setor|

Agência Brasil – FGV: índice de confiança do comércio se mantém estável em outubro

O Índice de Confiança do Comércio (Icom), divulgado hoje (28) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) subiu 0,1 ponto em outubro, ficando em 94,2 pontos. Em setembro o indicador havia caído 6,8 pontos e em agosto a retração foi de 0,2 ponto. Em médias móveis trimestrais, a queda foi de 2,3 pontos.

Segundo o coordenador da Sondagem do Comércio do FGV Ibre, Rodolpho Tobler, os dados indicam uma acomodação na confiança do comércio em outubro, em meio às incertezas no mercado.

“O resultado desse mês foi influenciado mais uma vez pela piora na percepção do ritmo de vendas que ocorre há três meses consecutivos. Por outro lado, as expectativas pararam de cair, recuperando parte do que foi perdido no último mês. O cenário para o setor ainda se mostra desafiador com a confiança do consumidor em patamar muito baixo, incerteza elevada, avanço da inflação e recuperação lenta do mercado de trabalho”.

No mês, três dos seis principais segmentos do setor registraram queda, resultando na virtual estabilidade. Enquanto o Índice de Expectativas (IE-COM) subiu 3,9 pontos, para 93,3, o Índice de Situação Atual (ISA-COM) caiu 3,8, para 95,3 pontos.

De acordo com o instituto, o Indicador de Desconforto interrompeu a tendência positiva dos últimos meses e ficou relativamente estável, sugerindo que o setor ainda encontra dificuldades para manter o ritmo de recuperação. O indicador mostra a limitação para a melhoria dos negócios, como demanda insuficiente, acesso ao crédito bancário e custo financeiro.

Edição: Denise Griesinger

2021-10-28T11:41:47-03:00outubro 28th, 2021|Categories: ABEVD Clipping, Economia|

Agência Brasil – Lançamento de imóveis aumenta 69% no trimestre encerrado em julho

O indicador Abrainc-Fipe do último trimestre móvel – maio, junho e julho – mostrou alta de 69,5% no lançamento de imóveis, em relação ao mesmo período do ano passado. Ao todo, foram lançadas 35.047 unidades habitacionais nesses três meses.

Os dados são de levantamento realizado com 18 empresas associadas à Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

No balanço parcial de 2021, considerando os sete primeiros meses do ano, o número de unidades lançadas é 58,7% maior do que o mesmo período do ano passado e totaliza 68.754 unidades. Nos últimos 12 meses, encerrados em julho, os lançamentos chegaram a 146.508 novas unidades oferecidas no mercado, o que corresponde a um aumento de 35,4% em relação ao 12 meses precedente.

Em relação às vendas, foram comercializadas 39.355 unidades no mesmo trimestre móvel, o que representa aumento de 12,8% na comparação com o mesmo período de 2020. No balanço parcial de 2021, 85.690 unidades foram vendidas, representando alta de 19% em relação a igual período do ano anterior. Nos últimos 12 meses, encerrados em julho de 2021, as 152.231 unidades foram vendidas, o que levou a uma alta de 25,7% em relação ao intervalo anterior.

As vendas líquidas – que correspondem ao volume de vendas excluindo-se contratos rescindidos – no mesmo período também foram positivas: altas de 18,5%, no último trimestre móvel; 22,4%, no acumulado do ano; e 29,1%, nos últimos 12 meses.

“A leitura dos últimos resultados dos indicadores reforça a manutenção do ciclo positivo vivido pela incorporação imobiliária nos últimos 12 meses, apoiado nas condições favoráveis do crédito imobiliário, que reduzem o valor das parcelas do financiamento, além da manutenção de programas, subsídios voltados para o segmento habitacional (Programa Casa Verde Amarela), que ainda respondem pela maioria dos novos imóveis lançados e comercializados no mercado”, divulgaram, em nota, as entidades que desenvolveram o indicador, Abrainc e Fipe.

Residencial

O índice é composto majoritariamente por imóveis residenciais, passando de 99% dos lançamentos e de 98% das vendas, considerando este último levantamento, com dados que se encerraram em julho.

Considerando, então, o quesito residencial, os empreendimentos enquadrados ao Programa Casa Verde Amarela (CVA) mantiveram sua representatividade tanto entre os lançamentos (74,8%) quanto vendas (82,7%) concretizadas nos últimos 12 meses.

Em relação às unidades lançadas, o segmento registrou alta em todos os recortes temporais considerados no levantamento: 6,2% no último trimestre móvel, 22,2%, no acumulado do ano, e de 19,8%, nos últimos 12 meses. Considerando as vendas, foram registradas altas de 8,9% no último trimestre móvel, 18,5% no acumulado do ano, e 28,4%, nos últimos 12 meses.

O desempenho do segmento residencial de Médio e Alto Padrão (MAP) apresentou crescimento expressivo dos imóveis lançados no mercado imobiliário: no último trimestre móvel, houve aumento de 477,7% em relação ao mesmo período de 2020; alta de 235,6%, no acumulado do ano; e de 117,1%, em 12 meses. No desempenho das vendas, o último trimestre móvel teve elevação de 41,7%, aumento de 23,8% no acumulado em 2021, e uma alta de 16,8%, nos últimos 12 meses.

Na análise divulgada, as entidades afirmam que o setor das incorporadoras abre o segundo semestre em alta impulsionada por segmento de médio e alto padrão. Além disso, “resultados destacam também a acomodação do segmento Casa Verde Amarela, com números positivos mas menos expressivos”.

Edição: Denise Griesinger

2021-10-28T11:39:48-03:00outubro 28th, 2021|Categories: ABEVD Clipping, Economia|

Época Negócios – Natura começa a testar entrega de produtor por drones

Em parceria com a startup SpeedBird Aero, a Natura começa a testar a entrega de produtos por drones, para entrar em operação no primeiro trimestre de 2022. Drones não emitem gases de efeito estufa e, portanto, vão ajudar o grupo a atingir a meta de ter zero de emissões líquidas até 2030. Ponto para a sustentabilidade. E vão reduzir o tempo de entrega nos locais mais distantes dos centros de distribuição.

Com outra startup, a Noar, a Natura lançou um mecanismo para clientes experimentarem fragrâncias nas lojas. É um tablet munido de cápsulas de “cheiro seco” ou digital, com uma vantagem única, a de permitir provar várias fragrâncias sem sobreposições.

Experiências com pequenas empresas inovadoras fazem parte do programa Natura Startups. Por ele, a empresa já contatou mais de 1,1 mil startups, segundo João Paulo Ferreira, presidente da Natura&Co para a América Latina. Delas, a empresa trabalhou com cerca de cem e estabeleceu parceria com aproximadamente 40, entre elas a Noar.

Inovação, sustentabilidade, pessoas, aparecem muito bem combinadas nas iniciativas da Natura e explicam por que foi campeã no seu setor por nove vezes no anuário Época NEGÓCIOS 360º. Neste ano, ganhou o prêmio de Empresa da Década em Inovação.

“Inovar sempre e colocar as pessoas acima de tudo”, afirma Ferreira, ao comentar os resultados “inéditos” conseguidos pela Natura em 2020, apesar da pandemia. A receita da Natura Cosméticos (não do grupo), cresceu 27% – quase dez pontos percentuais acima do mercado como um todo –, para R$ 18,3 bilhões, e o lucro líquido, 180,9%, para R$ 1,1 bilhão. A marca Natura investiu em projetos de pesquisa e desenvolvimento R$ 233 milhões, aumento de 9% em relação a 2019, e lançou 211 produtos.

No grupo Natura&Co, incluída também a Avon, absorvida em janeiro de 2020, a receita líquida, com valores de 2019 ajustados, cresceu 12,1%. O grupo teve prejuízo de R$ 650,2 milhões, pelos efeitos da pandemia e da aquisição da Avon. No organograma, Natura&Co controla Avon e Natura e, esta, Aesop e The Body Shop.

Boa parte do bom desempenho da Natura se deve, também, à ampla adesão das consultoras aos canais digitais – fundamental diante do isolamento social. A Natura tem 2 milhões de consultoras. Em 2019, 500 mil  tinham lojas online. Durante a pandemia, o número saltou para 1,3 milhão e com uso das redes sociais – há verdadeiras “influencers” entre elas. Para facilitar o trabalho, a empresa lançou o Natura Pay, conta digital para pagamentos, recebimentos, transferências – pois grande parte da população, aí incluídas as consultoras, não tem conta em banco.

Compromisso com sustentabilidade sempre foi forte na Natura. Em em abril de 2021, por exemplo, ela emitiu bônus ligados a metas de sustentabilidade. A empresa captou
US$ 1 bilhão a 4,25% ao ano, com vencimento em 2028. Ela se comprometeu a reduzir a emissão de gases de efeito estufa em 13% e de reciclar 25% das embalagens plásticas pós-consumo até 2026. Caso não cumpra, terá aumento de 0,65 ponto na taxa de juros a partir de novembro de 2027.

2021-10-27T11:12:45-03:00outubro 27th, 2021|Categories: ABEVD Clipping, Notícias do Setor|

DSN – Tupperware incluído na lista de “marcas que importam” da Fast Company

Em sua primeira lista anual “Marcas que importam”, a  Fast Company  incluiu a Tupperware como homenageada, identificando-a como uma empresa que faz mais do que vender produtos ou fornecer serviços. As marcas incluídas nesta lista ilustraram sua relevância por meio do impacto cultural, do engajamento social e da comunicação autêntica de sua missão e ideais.

A Tupperware fez movimentos estratégicos em direção a questões ambientais e sociais importantes no ano passado, incluindo:

  • Reduzir o desperdício de alimentos e plásticos, investindo em programas que visam mudar o comportamento do consumidor em relação aos plásticos descartáveis
  • Apoiando socorristas e profissionais de saúde
  • Adotando ferramentas digitais para modernizar a demonstração de produtos e expandir o alcance
  • Soluções inovadoras para cozinha e recebimento de patente nos EUA para um dispositivo projetado para ajudar a NASA a cultivar vegetais no espaço sideral

“Na Tupperware, estamos sempre em busca de novas maneiras de melhorar a nós mesmos, nosso trabalho e as soluções que oferecemos ao mundo”, disse Miguel Fernandez, presidente e diretor executivo da Tupperware Brands. “Nossos valores foram realmente colocados em prática no ano passado – fazemos o que é certo, sempre melhoramos e temos sucesso como uma equipe – e, por isso, estou muito orgulhoso de nossas equipes e de nossa rede de representantes de força de vendas dedicados em todo o mundo. Estamos honrados em receber este reconhecimento, pois ele reflete nosso propósito de nutrir um futuro melhor e, esperançosamente, serve de inspiração para todos os nossos stakeholders.”

2021-10-27T11:11:30-03:00outubro 27th, 2021|Categories: ABEVD Clipping, Notícias do Setor|

Agência Brasil – IBGE: desemprego cai para 13,2% no trimestre encerrado em agosto

A taxa de desocupação fechou o trimestre móvel encerrado em agosto em 13,2%, queda de 1,4 ponto percentual na comparação com o trimestre terminado em maio, quando o desemprego ficou em 14,6% da população. Na comparação anual, o recuo chegou a 1,3 ponto percentual em relação a agosto de 2020 (14,4%). Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua Mensal, divulgados hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a pesquisa, a população desocupada caiu 7,7%, ficando em 13,7 milhões de pessoas, na comparação com o trimestre terminado em maio de 2021, e ficou estável na comparação anual. Já a população ocupada cresceu 4%, alcançando 90,2 milhões de pessoas na comparação trimestral. Em relação a agosto do ano passado, o aumento foi 10,4%, ou mais 8,5 milhões de pessoas.

Nível de ocupação

O IBGE aponta que o percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, o chamado nível da ocupação, foi estimado em 50,9%, o que representa aumento de 2 pontos percentuais, no trimestre, e 4,1 pontos percentuais, no ano.

A taxa de subutilização caiu 1,9 ponto percentual, no trimestre, e 3,2 pontos percentuais, na comparação anual, ficando em 27,4%. São 31,1 milhões de pessoas subutilizadas, o que representa queda de 5,5%, na comparação trimestral, e de 6,6%, no ano. Por outro lado, a população subocupada por insuficiência de horas trabalhadas cresceu 4,7%, no trimestre, e subiu 29,2%, no ano.

A parte da população fora da força de trabalho está em 73,4 milhões de pessoas, queda de 3,2% no trimestre e de 7,3%, na comparação anual. A população desalentada soma 5,3 milhões de pessoas ou 4,9%, queda de 6,4%, ante o trimestre anterior, e de 8,7%, em relação a agosto de 2020.

Edição: Valéria Aguiar

2021-10-27T11:09:33-03:00outubro 27th, 2021|Categories: ABEVD Clipping, Economia|

Brasil Beauty News – “Maquiagem para público negro não é apenas um nicho”, diz diretora da Avon

Indústria de cosméticos amplia paleta de cores de bases e protetores solares para atender a diversidade da pele negra no Brasil

Mais de 50% das mulheres brasileiras se declaram pretas ou pardas. Mesmo sendo maioria, elas ainda não se sentem representadas pela indústria da beleza no país. “Até alguns anos atrás, eu tinha dificuldade de encontrar maquiagem para o meu tom de pele. Uma vez fui maquiada para um evento e usaram uma base bem mais clara. Fiquei parecendo os personagens do filme ‘As Branquelas’”, relata a cantora Tinna Rios, influenciadora no segmento de cultura preta. “Hoje em dia é mais comum. Eu consigo até escolher a marca que quero comprar”.

Para ela, essa mudança recente no setor de cosméticos tem explicação. “A negritude tem mais autoestima hoje em dia. As marcas, percebendo esse empoderamento, entenderam a necessidade de apoiarem a diversidade e favorecerem todos os tons de pele”, diz Rios.

Diretora de marketing da categoria Colors da Avon, Juliana Barros admite: “O mercado negro já foi negligenciado pela indústria de beleza, mas as empresas vêm buscando ampliar a oferta de cores de pele com produtos em tons mais democráticos”.

No final de 2020, o Centro Global de Inovação da Avon, em colaboração com a maquiadora negra Daniele Da Mata, reformulou o portfólio de maquiagem da marca para trazer mais tonalidades para a pele preta e parda. “Entendemos que a beleza brasileira é a beleza da mulher negra e que é dever da indústria atender a essa demanda. Maquiagem para o público negro não é apenas um nicho”, afirma Barros. Lançada neste ano, a Base Sérum foi apresentada em 15 tonalidades, entre claro, médio claro, médio, médio escuro e escuro e subtons quentes, neutros e frios.

Outra marca que fez alterações no catálogo de bases foi a Dailus, com o relançamento da coleção Ultra, com doze tons divididos igualmente entre claros, médios e escuros. “O processo da reformulação da Base Ultra foi resultado de uma conduta humanizada para lidarmos com um problema estrutural: o padrão de beleza não é democrático e não inclui diferentes tonalidades, principalmente as mais retintas”, afirma a gerente de marketing Julia Ribeiro.

Para ela, as marcas ainda precisam estudar e crescer bastante nesse segmento. “Queremos ter certeza de que estamos cobrindo o maior número possível de pessoas com nossas cores e fórmulas e conseguimos notar que a conexão da consumidora com a marca foi sensacional”, diz Ribeiro.

Os fabricantes de protetores solares também têm dedicado mais atenção aos consumidores pretos. A Garnier Skin Active convidou a cantora Iza para desenvolver uma tonalidade específica para a pele negra no novo Protetor Hidratante com Cor Tudo em 1 FPS 50 da linha Uniform&Matte, criada especialmente para a pele das brasileiras.
“Eu não me sentei diante de uma mesa e escolhi uma cor entre tantas outras, eu participei de cada etapa de desenvolvimento dessa tonalidade até chegarmos no resultado final, que me atende perfeitamente”, declara Iza.

A diversidade também é ponto importante para a Adcos, marca de dermocosméticos com o maior catálogo de proteção solar no Brasil. “Contamos com uma ampla variedade de cores em diferentes texturas e apresentações e tivemos um papel de pioneirismo ao oferecer esta gama antes de outras marcas”, afirma o gerente de produto Leandro Menezes. Ele lembra que os principais players de dermocosméticos são multinacionais, com portfólios desenvolvidos para um público que não tem uma população negra tão representativa como no Brasil. “Por ser brasileira, a Adcos busca oferecer produtos adequados a estes consumidores”.

Nem todos os filtros com cor da marca têm tonalidades para a pele preta. “Optamos por oferecer a gama mais completa de cores nos fotoprotetores de cobertura mais alta”. Ele dá como exemplo o Stick FPS 80, que ganhou recentemente mais um tom. “De acordo com a aceitação deste produto no mercado, pretendemos expandir e aperfeiçoar nossas opções para o público negro”, revela Menezes.

2021-10-26T12:15:31-03:00outubro 26th, 2021|Categories: ABEVD Clipping, Notícias do Setor|
Ir ao Topo