O encontro apresentou uma visão abrangente da Venda Direta na América Latina, destacando desafios, conquistas e estratégias para o futuro promissor do setor

Nesta terça-feira (21.11), a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), representada pela presidente-executiva, Adriana Colloca, participou da mesa redonda online organizada pela Hy Cite, com objetivo de debater a Venda Direta na América Latina.

A reunião contou com a participação do Paulo Moledo, CEO da Hy Cite; Daniela Ortiz, chefe de marketing da Hy Cite; Juan Franco, gerente de vendas da Hy Cite; Elizabeth Acunã Ayala, diretora-executiva da Associação Colombiana de Venda Direta (Acovedi) e o casal de empreendedores independentes, Elizabeth e Marco Costa.

Em debate, foi trazida uma visão abrangente da Venda Direta na América Latina, destacando desafios, conquistas e estratégias para o futuro promissor do setor. Adriana Colloca enfatizou a honra de representar a Venda Direta brasileira. “É um setor que traz oportunidade de trabalho para 4 milhões de empreendedores no país, principalmente jovens de 18 a 29 anos, que veem na Venda Direta uma oportunidade profissional”, completou.

Paulo Moledo destacou os 25 anos da presença da Hy Cite na América Latina, abrangendo mais de 8 países e expressou o orgulho de fazer parte da indústria de Venda Direta, proporcionando suporte para milhões de pessoas na conquista de seus objetivos e sonhos.

“Temos que ser muito transparentes com os distribuidores e consumidores, fornecendo todas as informações sobre como funciona o sistema e oferecendo assistência aos clientes. O segredo está no melhor atendimento e transparência, algo que temos feito ao longo de 60 anos”, enfatizou Moledo.

Elizabeth Acuña Ayala, diretora-executiva da Acovedi, destacou um crescimento de 8% na indústria colombiana de Venda Direta. Ela salientou que, durante a pandemia, as pessoas buscaram nos canais de distribuição uma maneira mais segura de consumir produtos, enfatizando os valores humanos e a responsabilidade social do setor. “Esse é o maior valor agregado da Venda Direta, ajudar pessoas a desenvolverem suas vidas”, acrescentou.

Os empreendedores Elizabeth e Marco Costa, contaram que se mudaram para os Estados Unidos em busca do sonho americano, mas as coisas não foram da maneira que imaginaram. “Não tínhamos experiência em vendas e gostaria de falar que sim, é possível. A Venda Direta é um estilo de vida, não é só vender, é representar um produto e representar você mesmo. Somos seres humanos e temos inteligência e podemos nos reinventar todos os dias”, relataram.

Quando questionados sobre como a Venda Direta tem se adaptado às mudanças no consumo na América Latina, Daniela Ortiz destacou o foco no bem-estar e inovação, usando a tecnologia de maneira estratégica, proporcionando aos empreendedores adaptarem essas inovações de acordo com seu contexto.

Juan Franco, gerente de vendas da Hy Cite, enfatizou a importância da presença pessoal na demonstração de produtos para a marca. “No fundo, as pessoas desejam ter seu próprio negócio, mas geralmente é necessário um grande capital para iniciá-lo. Nós auxiliamos as pessoas a estabelecerem empreendimentos sem a necessidade de um investimento inicial significativo e as orientamos sobre como superar os desafios”, completou.

Adriana Colloca abordou que tudo pode ser vendido através do canal da Venda Direta. “Continuamos com os cosméticos sendo o carro chefe do setor, mas observamos crescimento na área de utensílios domésticos, suplementos alimentares, bebidas, alimentos e até materiais de construção”, finalizou.

Fonte: Assessoria de Imprensa da ABEVD.