ABEVD realiza 2° Seminário de Ética e Jurídico em São Paulo

14 de novembro de 2019

Evento discutiu os casos recentes de pirâmides financeiras relacionadas à criptoativos e a ética nas relações comerciais

Na última quinta-feira (24), a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas realizou o 2º Seminário de Ética e Jurídico, no Berrini Prime, em São Paulo. O evento, que reuniu 90 pessoas, teve como temas principais o combate às pirâmides financeiras de criptomoedas e a importância da ética dentro no setor de vendas diretas.

Com mediação feita por Adriana Angelozzi, diretora de assuntos institucionais da ABEVD, o primeiro painel reuniu três especialistas em identificação e análise de golpes financeiros: a promotora do Ministério Público do Acre que liderou o caso Telexfree, Alessandra Marques, o delegado da Polícia Federal responsável pela operação Madoff, Guilherme Helmer, e o promotor de justiça do núcleo de investigação sobre crimes cibernéticos, Nathan Glina.

Para os profissionais, a principal característica de uma pirâmide financeira de criptomoedas é a promessa de alto retorno financeiro garantido. “O bitcoin oscila de forma alucinante, é impossível dar essa previsão de lucro”, explica Helmer.

A falta de regulamentação do criptoativo e de punição para as fraudes financeiras que envolvem esse tipo de tecnologia, também foram discutidos. “Em um estelionato comum, a pena é de 1 a 5 anos. Para esse estelionato [de pirâmides financeiras] que lesa centenas de pessoas de uma só vez, a pena é de 6 meses a 2 anos. Esse é um sistema maluco”, afirmou Glina.

A promotora Alessandra Marques ressaltou, ainda, a importância da ABEVD nesse panorama. “Nós precisamos exigir uma mudança na nossa legislação penal e a Associação tem a força para colaborar com isso”, declarou.

A promotora ainda fez uma recomendação aos presentes. “Não importa se a empresa que vocês trabalham tem ou não relações com o Governo, invistam em compliance”.

O segundo painel teve a participação de Rosana Bonazzi, vice-presidente de vendas da Mary Kay do Brasil, Juliana Teixeira, diretora de compliance da Natura, Walquiria Gasparoto, member Business Practices & Compliance, Sr. Manager da Herbalife Nutrition Brasil, e mediação de Gabriel Burjaili de Oliveira, sócio da Scharlack. De acordo com os líderes, a ética, isto é, transparência, clareza e respeito no trato com os empreendedores independentes são fatores essenciais para o segmento de vendas diretas.

“Eu aprendi com os anos de experiência que nada é óbvio. Por isso, sempre explicamos tudo com o máximo de clareza, o que se espera, ou não, das nossas consultoras”, afirmou Rosana. Por último, o filósofo Júlio Pompeu destrinchou as relações entre moral e autonomia, dois elementos primordiais para o empreendedorismo por meio de vendas diretas.

Fonte: Assessoria de Imprensa