ABEVD realiza curso para novos entrantes da venda direta

6 de setembro de 2019

São Paulo (SP) – No último dia 22 de agosto, a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) realizou o Curso Visão 360º em Vendas Diretas, no Hotel Transamérica Executive Paulista, em São Paulo (SP).

O evento teve como objetivo apresentar as principais questões do setor de maneira prática e didática para empresas que aderiram ao segmento das vendas diretas recentemente ou estão em processo de adesão deste canal de vendas.

Para iniciar as atividades, a presidente executiva da ABEVD, Adriana Colloca trouxe o tema Venda Direta no Brasil e no Mundo. Durante sua fala, a presidente abordou as vantagens da venda direta; dados mundiais; a evolução do segmento no mundo; as vendas diretas no Brasil; código de ética; entre outras informações.

“Nós vivemos em uma nova era onde o consumidor tem muito acesso a informações, pois os meios online facilitaram essa aproximação. O varejo por sua vez, está correndo para se adaptar e atender as demandas deste novo consumidor, por isso, está buscando, há alguns anos, esse movimento de se tornar omnichannel, ou seja, estar onde o consumidor está”, comentou Adriana Colloca.

De acordo com a presidente executiva, o varejo tem buscado uma forma de agregar experiência ao produto ou serviço, com atendimento personalizado.

“O empreendedorismo é uma tendência. Então, daqui para frente, iniciativas ou buscas por oportunidades nessa área serão cada vez maiores. Com ou sem a crise, por causa da automação e outros fatores, existe muito menos oportunidade de trabalho no mercado formal e em função desse fenômeno as pessoas buscam oportunidades para empreender”, acrescentou.

Entre as vantagens do empreendedorismo, a presidente destacou: ser seu próprio chefe, ter flexibilidade e autonomia de horário e produtividade. Adriana Colloca ainda comentou que o sucesso está no relacionamento, nas indicações e na experiência proporcionada.

“Antes de qualquer decisão de compra buscamos indicação. O produto é bom, funciona mesmo? Minha amiga está usando esse batom, vou comprar. Então tudo se resume a indicação, influência, experiência e relacionamentos”, declarou.

Ainda segundo a fala da presidente da ABEVD, a venda direta se diferencia exatamente por ser uma relação comercial humanizada. O segmento é um modelo de negócios para a venda de produtos ou serviços diretamente para o consumidor final.

Código de Ética ABEVD e Conduta Ética das Empresas

 Na sequência, a advogada e sócia da Derraik & Menezes Advogados, Lucilene Prado abordou o tema Código de Ética ABEVD e Conduta Ética das Empresas. Dentre os tópicos apresentados, destacam-se: relação entre empreendedores independentes e empresas; relação com os consumidores; e o Código de Ética diante do consumidor.

“É indiscutível que o Brasil caminha agora para uma visão mais liberal do mercado. A gente percebe com a Medida Provisória da Liberdade Econômica, os movimentos que o Ministério da Economia vem fazendo no sentido de fortalecer uma disposição constitucional que nós já temos há muitos anos que é a liberdade de mercado. Então esse ambiente que se mostra mais promissor, por outro lado acaba exigindo do próprio mercado outros níveis de auto regulação”, iniciou a advogada.

De acordo com a advogada, a esfera de limites e molduras de limites impõem segurança ao próprio mercado. Sendo assim, as pessoas entendem que as normas legais ou as normas de auto regulação são impeditivas, barreiras de entrada para um determinado negócio, mas na verdade é o contrário, pois são elas que protegem o ambiente de negócio.

Referente ao Código de Ética, Lucilene Prado explicou que a atuação da ABEVD e das empresas associadas precisam se pautar em uma ética de operações, uma ética de negócios.

“No Código nós temos duas abrangências: diante do consumidor e diante das empresas e empreendedores. Vocês como empresários das vendas diretas precisam olhar para o Código na relação de vocês com os seus revendedores, na relação com os competidores e a relação da sua empresa diante do consumidor”, comentou.

Overview Jurídico

 Coube a diretora jurídica da Natura, Kassia Reis fazer um overview jurídico sobre o segmento das vendas diretas. Durante a sua explanação, foram abordados temas como tributação, contratação, relacionamento com o empreendedor, revendedor direto, entre outros assuntos.

“Nós sabemos hoje, até olhando o próprio conceito de vendas diretas, que temos múltiplas combinações de vendas diretas com outros canais. Venda direta com franquia, venda direta com varejo, venda direta com distribuição”, iniciou a diretora jurídica.

Sobre os aspectos jurídicos prioritários, Kassia Reis explicou que é muito falado sobre o Legal Status das vendas diretas, que são os aspectos trabalhistas e previdenciários, sobre vínculos empregatícios, entre outras questões.

A diretora ressaltou a importância de realizar o cadastro das revendedoras e de guardar toda a documentação, pois um dia pode ser necessária.

“Por isso nós reforçamos a nossa política interna de como guardar os dados, como fazer, porque sabemos hoje que para guardar documentos há um custo, mesmo que no meio digital. Guardar na nuvem tem custo, e na Natura a gente avalia esse armazenamento”, comentou Kassia Reis.

Desenvolvimento do Plano de Negócio

 Na sequência, a chefe de estratégia e suporte de vendas da Amway do Brasil, Adriana Paes abordou o tema Desenvolvimento do Plano de Negócio, discorrendo sobre conceitos de estratégia na indústria de vendas diretas e inovação.

“Estratégia a gente consegue traduzir em uma palavra: escolhas. Você pode ler um monte de livros sobre estratégia, mas no fim, são suas escolhas que impactam seu negócio e são elas que vão te ajudar a entregar o resultado planejado”, declarou Adriana Paes.

Para ela, as escolhas têm que estar alinhadas ao posicionamento, pois são as escolhas que posicionam a companhia, porém não pode ser qualquer tipo de posicionamento, precisa ser diferenciado.

“Qual o seu diferencial competitivo? O que te faz único no negócio? E através desse posicionamento diferenciado é que você entrega um valor superior para os seus consumidores. Sem isso não tem jogo, porque em estratégia a gente não trabalha para competir, a gente trabalha para ganhar”, comentou.

Adriana Paes ressaltou que o mercado é competitivo, mas as pessoas escolhem a empresa que vão utilizar diante da maneira que elas se posicionam.

“Qual o nosso papel? É ser janela e não espelho. Aliás, é mais do que ser janela. É você pular a janela e sentar no banco da praça. Você tem que estar lá com as pessoas, porque se você ficar olhando para o espelho, o seu futuro vai ser igual a hoje. Se você está olhando o futuro daqui há dez anos e ele for parecido com o que você está vivendo hoje, pense de novo, porque certamente está errado”, encerrou.

Gestão de Logística na Venda Direta

 O diretor de operações da Avon, Felipe Votto abordou a Gestão de Logística na Venda Direta durante o Curso 360º. Na sua fala, os principais tópicos apresentados foram: desafios logísticos na venda direta, distribuição na Avon, e ferramentas para centros de distribuição e transportes.

“Nós da Avon democratizamos a beleza. Eu não tenho direito de dizer que não entrego aqui ou não vou nessa região. Nos mais de 5.400 municípios cadastrados, nós entregamos. Em muitas casas só entram duas pessoas: o entregador de gás e o da Avon”, declarou Votto.

 

De acordo com o diretor, a empresa está ciente que por trás de toda a tecnologia, existem pessoas, e são elas que fazem a diferença, por isso a Avon pensa sempre no funcionário, e disponibiliza inúmeros benefícios para eles.

Para finalizar, o diretor de operações deixou uma frase para os participantes refletirem: “A Avon inventou a venda direta, e agora estamos tentando reinventá-la”.

Programa para Força de Vendas

 A diretora de marketing e vendas da Royal Prestige, Catia Bandeira apresentou o assunto Programa para Força de Vendas durante o Curso. Para ela, resumidamente, a venda direta é relacionamento.

Durante a apresentação, Catia Bandeira relatou que a venda direta é feita de pessoas, pessoas fazendo coisas cada vez melhores.

“No futuro, tudo que é desumano será feito por tecnologia. Tudo que não é humano vai ser substituído. O que é humano? Relacionamento, afeto, conexão, entender e ouvir. A venda direta vem então disso, do relacionamento”, comentou a diretora de marketing.

De acordo com a diretora, o segmento possui um círculo virtuoso, em que estão o relacionamento, reconhecimento e recompensa. No primeiro tópico, as vantagens são que no relacionamento do negócio da venda direta há pessoas em vez de lojas, além disso, o consumidor quer e precisa de um atendimento diferenciado.

Em recompensa, a forma de remunerar precisa ser simples e clara; é necessário ter mais frequência de pagamentos e ter incentivos para suprir os períodos de férias e baixos pedidos.

Já o reconhecimento, está ligado diretamente a recompensa, e é de extrema importância que a frequência desse ato seja pensada mensalmente, trimestralmente ou anualmente. Sendo que o ritual de reconhecimento é primordial.

Defesa da Indústria ABEVD

 A diretora de assuntos institucionais da ABEVD, Adriana Angelozzi apresentou a Defesa da Indústria ABEVD para os participantes, ressaltando as estratégias de aproximação com o governo e com o poder executivo, legislativo e judiciário.

“Nós fazemos um monitoramento de todos os projetos de lei que podem afetar positivamente ou negativamente o setor para traçar uma estratégia de atuação em relação a todos eles”, explicou a diretora.

Angelozzi abordou alguns projetos de lei que são prioritários para a ABEVD, como o Projeto de Lei do Senado nº 413/18 (que propõe a regulamentação das atividades de marketing multinível no Brasil), o Projeto de Lei nº 5521/16 (que dispõe sobre o reconhecimento das atividades dos Gestores, Consultores, Agentes e/ou Promotores de Serviços e/ou de Artigos para Moda, Beleza, Estética) e o nº 887/2019 (que propõe a regulamentação das profissões de Promotor de Vendas e de Demonstrador de Mercadorias).

Estratégias de Marketing

 Para finalizar o Curso, a gerente de marketing e comunicação da Herbalife Nutrition Brasil, Valéria Conceição, levantou o tema Estratégias de Marketing para a venda direta, e entre os tópicos abordados, destacam-se: mercado, estratégias, produto, público, modelos operacionais e experiências de consumo.

“É muito comum a gente falar de estratégia em um espaço de tempo muito curto. Falar de estratégia de um ou dois anos, mas é pouco quando olhamos para modelos sustentáveis que preveem crescimento e sustentabilidade sob o olhar de preço e de diferenciação sob a ótica do consumidor”, declarou a gerente.

Dentre os modelos operacionais, Valéria Conceição explicou sobre a jornada multichannel (canais independentes – fragmentação de dados); jornada cross-channel (comunicação de dados/canais – integração de operações); e a jornada omni-channel (convergência de dados e operações – experiência centrada no cliente).

Para encerrar, a gerente utilizou uma frase de Walter Longo: “Empresas não morrem por fazerem coisas erradas e sim por fazerem a coisa certa por um tempo longo demais”.

Fonte: Assessoria de Imprensa