Atuação transparente nas vendas diretas pode garantir fidelização dos clientes

25 de março de 2020

O mundo das vendas diretas já enfrentou cenários bastante desafiadores, como a crise mundial de 2008, mas muitos empreendedores conseguiram se destacar no mercado e o motivo é simples: fidelização. Quando a economia não vai bem, o consumidor tende a ser mais conservador, procurando sempre as empresas que são referência em atributos como atendimento, qualidade e entrega. Por isso, mais do que nunca, é preciso desenvolver engajamento.

Nesta batalha, o atendimento é o principal diferencial de um negócio, superando até mesmo o preço e a qualidade do produto. Isso é o que aponta uma pesquisa realizada pela Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios (2016). Perguntados sobre o principal atrativo de um negócio, aproximadamente 60% dos entrevistados escolheram o item atendimento sobre todos outros. E qualidade no atendimento, também significa transparência nas vendas, afinal, dificilmente um cliente insatisfeito com o desempenho do produto irá voltar a compra-lo, seja em tempos de crise ou não.

Por isso, os empreendedores independentes que atuam com vendas diretas devem atuar com transparência, sempre seguindo o código de ética da entidade. Isso pode ser garantia de uma carteira de clientes fidelizada e a garantia de sucesso no enfrentamento do momento de crise.

Veja como atuar de acordo com o código de ética:

Explicação e demonstração
O empreendedor independente deve oferecer ao consumidor explicação e demonstração precisas e completas dos produtos, de seus preços e eventuais condições de crédito, dos prazos de pagamento, do direito de reembolso ou devolução de produtos ou serviços, das condições de garantia, do serviço de pós-venda e do prazo de entrega. O empreendedor independente deve fornecer respostas precisas e claras para as perguntas do consumidor.

Material informativo
O material informativo, incluindo-se os anúncios e as peças de mala-direta, não deve conter descrições, informações, fotos ou ilustrações do produto que sejam enganosas, ilegais, irreais, ou que induzam a erro. O material informativo deve conter o nome e o endereço ou o número de telefone da empresa associada, podendo incluir o número de telefone do empreendedor independente.

Depoimentos
A empresa associada e o empreendedor independente não devem se valer de depoimento, testemunho ou declaração de apoio à venda do produto que não seja autorizado ou que seja falso, enganoso, não real, obsoleto ou inaplicável, ou ainda, que não esteja relacionado com a oferta ou seja utilizado de modo a induzir o consumidor a erro.

Comparação e denegrimento
A empresa associada e o empreendedor independente não devem fazer uso de comparações que sejam enganosas, falsas ou irreais. Os pontos de comparação devem ser baseados em fatos que possam ser comprovados.

Respeito à privacidade
O empreendedor independente deve fazer contato pessoal ou por telefone com o consumidor de modo adequado e em horários razoáveis, de forma a evitar incômodo ao consumidor. O empreendedor independente deve interromper uma demonstração ou apresentação de venda imediatamente após solicitação do consumidor.

Respeito ao consumidor
O empreendedor independente deve respeitar a falta de experiência comercial do consumidor. O empreendedor independente não deve abusar da confiança do consumidor e nem se aproveitar de sua idade ou de doença, bem como da falta de entendimento ou de familiaridade com o idioma.

Atue com transparência e tenha sucesso!

Equipe ABEVD