Início/ana.silva

Sobre ana.silva

Esse autor ainda não preencheu quaisquer detalhes.
So far ana.silva has created 1391 blog entries.

Natura aposta em painéis inovadores de energia solar em área de 2 mil m2

Tecnologia será instalada na sede da Natura, em Cajamar (SP) e prevê redução de 5 toneladas de CO² emitidos por mês

A Natura irá instalar em sua sede, em Cajamar (SP), 2 mil m² de painéis de Filmes Fotovoltaicos Orgânicos (OPV), terceira geração de células solares capazes de transformar a luz do sol em energia elétrica. A tecnologia foi desenvolvida pela Sunew, líder mundial na produção de OPV, e a instalação será no Núcleo de Aprendizado Natura (NAN), referência de arquitetura industrial sustentável. A instalação dos painéis será concluída ainda no primeiro semestre de 2019.

Quando comparado a outras tecnologias de geração solar, como as que utilizam placas de silício, o OPV é uma alternativa de energia mais eficiente em relação ao impacto ambiental. Com a instalação, a Natura deixará de emitir 5 toneladas de dióxido de carbono por mês. Isso equivale à emissão produzida pelo consumo de 1.930 litros de gasolina no mesmo período. Além disso, os filmes são feitos de material orgânico não tóxico, com impressão similar à indústria têxtil, e requerem menos energia para serem produzidos. Os filmes têm aplicação mais simples e versátil, por serem mais leves e flexíveis, o que facilita a adaptação às mais diversas superfícies.

Simulação aproximada do projeto em 3D/divulgação Sunew

Nesse projeto, a Natura busca aliar a tecnologia solar mais limpa do mundo com design, inovação e o máximo de sustentabilidade possível. “A Natura é uma empresa carbono neutro desde 2007, com esforços intensos para minimizar sua pegada de carbono em todas as etapas de produção e para compensar suas emissões de CO2. Ao longo de nossa história, a Natura consolidou a convicção de que precisamos fazer bem mais do que apenas reduzir ou neutralizar nosso impacto”, comenta Josie Peressinoto Romero, vice-presidente de Operações e Logística da Natura. “A utilização dos painéis de OPV são mais um passo nessa direção, ao avançar na busca de soluções mais eficientes e criativas que conciliam os investimentos em inovação de produtos, infraestrutura e desenvolvimento de tecnologia com as nossas metas de sustentabilidade”, afirma a executiva.

A Sunew será a responsável por projetar, fabricar e instalar o produto no prédio. “Temos acelerado com instalações comerciais, confirmando nossa visão de transformar o segmento com soluções energéticas cada vez mais integradas em nossas vidas, nossas cidades e nossas edificações. Ter a Natura como cliente nos faz muito feliz, sobretudo pelo o que a empresa representa em termos de responsabilidade social, inovação e preocupação com o meio ambiente”, avalia Tiago Alves, CEO da Sunew. A empresa firmou, ainda, um compromisso com a Fundação SOS Mata Atlântica, que prevê o plantio de uma árvore a cada metro quadrado de OPV produzido. Ao final do projeto, serão plantadas 2.020 mudas de espécies nativas da Mata Atlântica.

Fonte: Natura

2019-12-20T15:05:32-03:00fevereiro 19th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , , , |

Forever Living Brasil lança app gratuito

A Forever Living Brasil – empresa líder mundial no cultivo, processamento e distribuição de produtos à base de Aloe Vera – lançou seu aplicativo para IOS e Android, proporcionando maior praticidade para o dia a dia dos FBO’s (Forever Business Owner). Pelo app gratuito é possível fazer compras, realizar patrocínios e acompanhar as notícias mais importantes da marca. Para baixar, é só procurar por “Forever Living Brasil” e acessar todo o conteúdo da empresa na palma da sua mão.

Fonte: Forever Living Brasil

2019-12-20T15:05:33-03:00fevereiro 18th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , |

Professora brasileira é selecionada para programa Global Links da Tupperware

A professora Dra. Denise Poiani Delboni é a primeira docente brasileira a ser selecionada para o Global Links, programa de intercâmbio intercultural da Tupperware Brands idealizado em parceria com a Escola Crummer de Pós-graduação em Negócios do Rollins College.

O projeto visa disseminar as oportunidades de empreendedorismo econômico para mulheres em países em desenvolvimento e já foi realizado no Iraque e na Índia.

Na primeira fase do programa, a Dra. Delboni foi para os Estados Unidos na Instituição Rollins College, para participar de treinamentos e aulas voltados para o empreendedorismo e práticas sustentáveis de negócio. Ainda nessa fase, a docente completará um treinamento prático focado nos fundamentos dos negócios na sede mundial da Tupperware Brands, em Orlando.

A continuação do programa se dará no Brasil no qual a professora trabalhará com seus alunos na realização de parcerias com organizações sem fins lucrativos ou empresas sociais locais para a implementação de projetos de empoderamento econômico com proprietárias de pequenas empresas.

Fonte: ABEVD

2019-12-20T14:33:39-03:00fevereiro 15th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , |

Confira as principais tendências globais de consumo em 2019

O comportamento e o interesse dos consumidores estão mudando a cada dia e as marcas precisam estar atentas para entender este movimento e assim continuar falando com seus públicos de forma clara e objetiva.

Pesquisa divulgada pela agência de pesquisa de mercado Euromonitor mostra quais são as principais tendências globais de consumo para 2019 e como elas vão impactar na forma como fazer negócio.

Para o setor de vendas diretas, o destaque fica por conta do imediatismo da vida atual, que pede praticidade na resolução de problemas e a evolução tecnológica que vem transformando a forma como se comunicar.

Veja quais são tendências globais de consumo em 2019

Vida imediatista – No modelo atual de consumo a palavra-chave é eficiência. Com diversas tarefas no dia a dia, as pessoas buscam por soluções rápidas e rotinas como ir ao supermercado ou a busca por um presente precisam ser resolvidas com um toque na tela do celular. A busca pela praticidade é o novo caminho.

Digitalmente juntos – A evolução tecnológica tem facilitado a comunicação entre as pessoas e impulsionando experiências interativas de forma online. O futuro nos reserva trabalhos e interações virtuais. Encontros e reuniões, mesmo que a distância serão cada vez mais comuns.

O mundo de especialistas – Há um processo vigente que vem alterando a mudança no poder entre varejista e consumidor. Antes, os compradores confiavam em determinadas marcas ou fontes de informação para encontrarem o que buscavam. Atualmente, as empresas precisam se inovar, reduzir preços e agilizar processos para atrair compradores. O cenário mudou. As empresas precisam atender as demandas dos consumidores – que estão cada vez mais conectados – caso contrário, não conseguirão sobreviver a este novo panorama.

Consumidores cuidam deles mesmos – As pessoas agora usam aplicativos e serviços personalizados para criar produtos exclusivos, muitas vezes, deixando de lado profissionais intermediários. Os consumidores agora priorizam saúde, felicidade e simplicidade e gastarão mais para conseguir.

A busca pelo básico – Produtos genéricos e massificados vêm perdendo espaço na era do consumo moderno. A preferência agora é dada para itens personalizados para expressar a autenticidade, permitindo mostrar a individualidade de cada um.

Diminuição no uso do plástico – Uma das tendências para 2019 está na redução do consumo de plástico. Consumidores mais atentos estão em busca de alternativas para embalagens que são usadas apenas uma vez e descartadas. A tendência aponta que os consumidores tendem a gastar mais com materiais recicláveis e com marcas que sem preocupem com o meio ambiente.

Consumo consciente – O consumidor atual tem consciência que a compra desenfreada por causar impactos no mundo como um todo. O veganismo e os produtos adaptados ao meio ambiente ganham espaço. A busca por produtos que garantem o bem-estar animal também vem despontando.

O valor de ficar sozinho – A tendência aponta que muitas pessoas devem optar por valorizar o seu próprio tempo e espaço. A barreira entre vida privada e pessoal foi rompida e agora, há a valorização do tempo para si. A privacidade está sendo valorizada e os consumidores estão mais cuidados com o que compartilham na rede.

Vida de solteiro – O número de pessoas com mais de 50 anos solteiras tende a crescer nos próximos anos e este grupo tem mais poder de consumo está adotando um estilo de vida típico dos jovens solteiros, apesar de priorizarem a segurança financeira e pensarem mais na hora da tomada de decisões.

Pessoas sem idade – Há uma geração que não acredita mais no conceito de velhice como algo “pior”. O envelhecimento não é visto de forma passiva e as pessoas cuidam mais da saúde e da aparência, sem se desconectar das inovações tecnológicas.

Fonte: Euromonitor

2019-12-20T14:33:40-03:00fevereiro 15th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , |

Jafra no Brasil tem novo presidente

O alemão Malte Horeyseck – cofundador da rede de varejo online de moda Dafiti – comprou junto com outros dois sócios a operação brasileira da Jafra Cosméticos, empresa com sede nos Estados Unidos e assumiu o controle da companhia no país.

Responsável pela presidência da operação, Horeyseck vê potencial no mercado brasileiro, já que o setor de cosméticos vem apresentando altas nos últimos anos. A empresa conta atualmente com cerca de 10 mil revendedores no Brasil. No mundo, são mais de 600 mil empreendedores em 18 países.

O objetivo do empresário é fazer uma reviravolta na operação até 2020 e recuperar o faturamento da empresa. A meta é crescer em vendas e recuperar a base de empreendedores.

2019-12-20T14:33:40-03:00fevereiro 15th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , |

ABEVD no Seminário Viva Mary Kay 2019

Entre os dias 21 e 23 de janeiro, aconteceu no Expo São Paulo, o Seminário Viva Mary Kay 2019. Adriana Colloca e Natália Hirata, presidente executiva e gerente de novos negócios da ABEVD, compareceram ao evento dedicado à força de vendas.

Realizado em um espaço com mais de 45 mil m², o Seminário reuniu mais de 10 mil consultoras do Brasil inteiro. Na programação, palestras incentivadoras e encontros sobre temas importantes como vendas e atendimento ao cliente.

A presença das representantes da ABEVD no evento, reforça o trabalho desenvolvido pela associação de visitas a diversos encontros para entender as demandas das empresas e, assim, seguir fortalecendo o setor.

2019-12-20T14:35:09-03:00fevereiro 15th, 2019|Categories: ABEVD News|Tags: , , |

Marcel Szajubok assume posto de CEO da Embelleze

O executivo Marcel Szajubok assumiu o posto de novo sócio da Embelleze. O experiente profissional também acumulará o cargo de CEO da empresa.

Com mais de 25 anos de mercado, com passagens pela Natura, Marisa e Jeunesse Brasil, Marcel chega à empresa para investir no mercado de marketing multinível.

A Embelleze tem em sua lista de produtos mais de 500 itens entre tratamentos, tintas de cabelo, shampoos e pós-shampoos, além de produtos de transformação.

 

2019-12-20T14:33:41-03:00fevereiro 15th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , |

Lançamento do Radar Empreendedor Independente

Agora em fevereiro, a ABEVD lançou o #RadarEmpreendedorIndependente, série de vídeos com depoimentos de empreendedores sobre suas vidas e as vendas diretas.

Inspiradores e motivadores, os vídeos mostram a importância da atividade para milhões de brasileiros e como as vendas diretas são alternativa de renda.

A série de depoimentos traz a cada semana um novo vídeo e faz parte da revitalização do canal da associação no YouTube.

Além dos empreendedores, o ABEVD Online traz falas de executivos das empresas, vídeos institucionais e educacionais.

Você já acessou o ABEVD Online? Se ainda não, clique aqui e conheça este mais novo canal de comunicação da ABEVD.

2019-12-20T14:33:41-03:00fevereiro 15th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , |

Calendário 2019 em PDF está disponível para download

Para agilizar e facilitar o trabalho do setor, a ABEVD disponibiliza seu calendário com as datas de eventos em formato PDF.

O modelo que pode ser baixado aqui foi feito para ser compartilhado via aplicativos de mensagem ou pelas redes sociais. A intenção é que o material esteja à mão sempre que necessário.

Com este novo formato, a ABEVD facilita a distribuição do material e agiliza a troca de informações, levando mais praticidade aos associados e demais públicos de interesse.

Fonte: ABEVD

2019-12-20T14:35:10-03:00fevereiro 15th, 2019|Categories: ABEVD News|Tags: , |

Desafios jurídicos na economia digital: novos negócios para velhas leis

* Por Maurício Barros

Não é novidade que a economia digital tem crescido exponencialmente, atualmente respondendo por boa parte da produção mundial da riqueza. Esse crescimento se deve muito à rápida evolução tecnológica, que tem trazido uma avalanche de soluções inovadoras ao mercado, e também às vantagens que novos modelos de negócio trazem aos consumidores.

De fato, a tecnologia, ao viabilizar as operações digitalizadas, facilita, barateia e potencializa o acesso a alguns bens e serviços, o que vem impactando diversos segmentos da economia e transformando rapidamente a vida das pessoas e das empresas em diversos aspectos. Basta verificar alguns segmentos que foram radicalmente transformados nos últimos anos, tais como hotelaria, transporte, varejo e relações sociais, profundamente afetados por conhecidas plataformas digitais.

Se por um lado os novos modelos de negócios vêm evoluindo a uma velocidade cada vez mais crescente, por outro se observa que a legislação não é capaz de acompanhar o acentuado avanço da tecnologia, o que pode dificultar o encontro de respostas imediatas a questões atuais diretamente na lei. Tampouco a jurisprudência (consolidação de decisões judiciais) pode ajudar em alguns casos, uma vez que a definição de muitas questões costuma tardar muitos anos, prazo incompatível com a rapidez das mudanças sociais. Por tudo disso, muitas perguntas não encontram respostas automáticas nas tradicionais fontes de pesquisa, o que acarreta um grande desafio aos empreendedores que buscam alguma segurança jurídica em suas atividades.

Exemplos não faltam dessa falta de sincronia entre legislação e tecnologia, não apenas no Brasil. No último Global Summit da Singularity University, ocorrido em San Francisco/EUA em agosto, pude ouvir em alguns painéis que os carros autônomos já poderiam ser imediatamente adotados, considerando a suficiente tecnologia para tanto, mas entraves regulatórios e incertezas quanto à responsabilização em casos de acidentes (Proprietário? Usuário? Empresa responsável pela conexão?) impedem que isso ocorra. Outro ponto destacado no evento foi a grande evolução da robótica na saúde, tendo sido apontado que robôs e realidade virtual já viabilizam a realização de cirurgias a distância. Entretanto, questionamentos legais semelhantes ainda inviabilizam a sua adoção em massa e impedem que avanços se espraiem para locais desprovidos de assistência médica adequada.

Além da regulação em si, algumas atividades, ainda que não tenham óbice na legislação para que sejam desempenhadas, encontram dificuldade para ser enquadradas nos modelos legais existentes, o que causa alguma insegurança jurídica. Isso é verificado, frequentemente, na área tributária, que ainda é moldada por conceitos bastante antigos (mercadorias, serviços etc.) que já não são suficientes para enquadrar novas operações, embora sejam determinantes na definição do imposto a ser pago em cada operação (mercadorias = ICMS; serviços = ISS etc.). A digitalização também acarreta um enorme desafio para os fiscos no tocante à cobrança de tributos sobre operações remotas que guardem alguma relação com seus territórios, tanto em âmbito nacional (ex.: cobrança de ISS pelos municípios) quanto no plano internacional (países com grande número de usuários de plataformas disponibilizadas por não residentes que não têm qualquer contrapartida no tocante à arrecadação de impostos, ainda que forneçam a infraestrutura necessária ao acesso).

Isso sem falar em questões mais antigas, como é o caso da tributação do download de software no Brasil, que até hoje é motivo de uma enorme indefinição quanto ao correto tributo a ser cobrado – ICMS ou ISS. Nesse particular, nos últimos anos tem havido uma intensa guerra fiscal entre Estados e Municípios quanto à tributação dos programas de computador em geral (tanto download quanto utilização na nuvem – SaaS), que vem causando grande insegurança aos contribuintes. Vale lembrar que a possível incidência do ICMS sobre o download de software aguarda definição no Supremo Tribunal Federal desde o século passado (a ação foi proposta em 1999). Esse julgamento, que poderia ter norteado o conflito há anos, provavelmente será concluído quando já não serão tão relevantes as operações de download, diante da crescente utilização de software em ambiente de nuvem.

O quadro, portanto, apresenta um enorme desafio a advogados e demais atores jurídicos (juízes, autoridades reguladoras etc.), ao requerer que tais profissionais, diante da falta de definições legais precisas e/ou específicas, compreendam adequadamente os novos negócios, dominem os institutos do direito aplicáveis aos negócios em geral e tenham a capacidade de adaptá-los aos negócios da nova economia. Essa dinâmica exige ainda o constante acompanhamento do ecossistema de inovação e das tendências jurisprudenciais que possam convalidar a aplicação da legislação no caso concreto, de modo a viabilizar a concretização de ideias e, consequentemente, a inovação e os negócios dela decorrentes.

* Maurício Barros é sócio do escritório Gaia Silva Gaede Advogados

 

Ir ao Topo