Sobre Rosangela Oliveira

Esse autor ainda não preencheu quaisquer detalhes.
So far Rosangela Oliveira has created 2450 blog entries.

Draft – A Pormade nasceu como uma marcenaria. Hoje, é uma das maiores indústrias de portas do Brasil (e está presente até no BBB)

Em União da Vitória (PR), na divisa com Santa Catarina, a Pormade tem fama de ser uma das melhores empresas para trabalhar na região: há 20 anos, figura na lista da Great Place to Work. O reconhecimento ajudou a se tornar uma das maiores indústrias de portas do Brasil. Só em 2021, foram 420 mil unidades fabricadas.

A Pormade surgiu em 1939, como uma marcenaria. Ao longo das décadas, cresceu e foi dividida entre as dez famílias que a tocavam. Tomado pela vontade de inovar o negócio, o engenheiro civil Cláudio Zini (um dos herdeiros) assumiu a empresa de 25 funcionários, em 1976, com 9% das ações.

Hoje, Zini, 74, é o diretor-presidente e detém 100% da Pormade, que comercializa portas para todo o Brasil. Para ele, o segredo do sucesso é dar liberdade total – inclusive para errar – aos atuais 900 colaboradores atuais.

A partir das proposições de 29 grupos de melhorias e outras iniciativas que envolvem os funcionários, a empresa está avançando na digitalização dos negócios para se aproximar do consumidor final.

A Pormade começou o ano com uma sacada de marketing: seus produtos estão expostos na casa do Big Brother Brasil 2022 (e à venda para os fãs do programa).

UMA VIAGEM AO JAPÃO NOS ANOS 1980 ABRIU OS OLHOS DO EMPREENDEDOR PARA O VALOR DO ERRO E DA INOVAÇÃO

De olho nas possibilidades do mundo digital, sem deixar de lado os pontos de venda físicos, a empresa aposta no phygital (união de physical com digital) para escalar novas experiências de relacionamento com o consumidor.

Para Zini, tratar o consumidor com respeito é estar próximo e entregar um produto de qualidade e instalado. De olho na aproximação com os clientes, a empresa atua com showrooms, e-commerce, franquias e lojas autônomas. Neles, comercializa portas, rodapés, biombos, papéis de parede, fechaduras e outros acessórios.

As oportunidades muitas vezes passam “batidas”, diz o executivo, por falta de ousadia, e lembra como a guinada na forma de pensar ocorreu em uma viagem ao Japão, em 1988.

A visita, naquele ano, se deu junto a uma comitiva de empresários. Foi lá, no Japão, que Zini ouviu de um palestrante que “erros eram tesouros”. Acreditou que essa percepção seria uma boa forma de gestão, e desde a década de 1990 passou a aplicá-la valorizando a tomada de riscos.

De volta ao Brasil, ele elaborou os dez “mandamentos” internos da Pormade, que incentivam os funcionários a promoverem a tão esperada inovação.

“Erros provenientes de tentativas e inovação são bons erros. Se quisermos aumentar nosso índice de sucesso, temos que dobrar nosso número de fracassos. Nunca se deve punir pelos erros e sim aprender com os erros dos outros”

Seu objetivo era derrubar as barreiras entre o chão de fábrica e a direção da empresa. As decisões da Pormade, com o tempo, passaram a ser horizontais e não mais de cima para baixo.

A EMPRESA INVESTIU 10 MILHÕES DE REAIS NUM NOVO PROJETO DE LOJAS AUTÔNOMAS

Em 2021, a Pormade planejou a implementação de lojas autônomas, que funcionam como espaços de autoatendimento. O projeto teve seu start em dezembro passado, servindo à estratégia de investir em inovação e na diversificação dos canais de venda.

A empresa investiu 10 milhões de reais no projeto. As primeiras 14 lojas autônomas estão localizadas em cidades de Minas Gerais e dos três estados da Região Sul. A meta é implantar 200 lojas até o fim de 2022, em todo Brasil.

“O consumidor está em busca de facilidade e conveniência, e a loja autônoma atende essa demanda e agiliza todo o processo. Outras 16 unidades estão em estudo em lojas de móveis planejados, marcenarias e lojas de materiais de construção”

A jornada do cliente na loja autônoma é iniciada por meio de um totem expositor (que forma um cubo de quatro portas, que abrem e fecham). É estrategicamente localizado em uma loja parceira, onde são dispostos QR Codes direcionados para alguns serviços.

Pelo terminal, é possível passear pela fábrica, conhecer os diversos tipos de porta, comprar ou solicitar para falar com o vendedor de um showroom da região. O cliente também pode pedir atendimento presencial – basta combinar com o vendedor.

Na loja autônoma dá para visualizar, manusear e sentir a textura e material da porta com fechaduras, dobradiças e guarnições.

Os comércios que hospedam uma loja autônoma recebem um aluguel de 500 reais pelo espaço. Com o objetivo de expandir o formato, o modelo “store in store” também terá remuneração com bônus e comissão, em torno de 5%.

O E-COMMERCE JÁ PERMITE SIMULAR AMBIENTES COM PRODUTOS (E A META É DIRECIONAR CADA VEZ MAIS O FOCO PARA O B2C)

Atualmente, das 35 mil portas vendidas todo mês pela Pormade, um terço se destina ao consumidor final, e os outros dois terços para empresas de construção.

A tendência para 2022, conta, é equilibrar meio-a-meio esses dois públicos – e mais à frente aumentar as vendas para a frente B2C. As lojas autônomas já são parte dessa estratégia de fortalecer o foco no consumidor final.

O e-commerce também vem passando por mudanças, e com o mesmo foco. Buscando melhorar a experiência do cliente, o site agora oferece um simulador de ambientes. O usuário escolhe o modelo da porta ou outro produto; em seguida, indica o ambiente a ser instalado (quarto, cozinha e sala). Em alguns cliques, visualiza o ambiente de acordo com suas escolhas.

“Muitas empresas vão à falência por fazer a mesma coisa por tempo demais… Aqui, a inovação é super bem-vinda. Entre os planos para o futuro está a maior utilização de inteligência artificial – e neste ano aumentaremos nossa capacidade em 10 mil portas ao mês”.

Segundo Zini, ter uma “alma digital” é estar mais perto do consumidor. No longo prazo, o sonho da Pormade é lançar seu próprio marketplace de construção civil (e virar uma “Amazonzinha”, brinca o executivo).

Enquanto isso, a primeira fábrica, no centro de União da Vitória, está sendo reformulada para se tornar apenas escritório administrativo. O espaço deverá abrigar o setor de tecnologia da informação e o time de marketing para facilitar a ampliação digital.

Em outro terreno do município fica o parque industrial, com 102 mil m². A empresa ainda possui um reflorestamento de 520 hectares. O manejo da área é feito para a venda da madeira; o valor arrecadado é investido em chapas industrializadas para a produção de portas.

AS PORTAS E PISOS DA PORMADE HOJE ESTÃO NA CASA DO BIG BROTHER BRASIL (E À VENDA PARA OS FÃS DO REALITY SHOW)

Estar perto do consumidor é um dos lemas do negócio. Nesse sentido, o time de marketing da Pormade marcou um golaço ao emplacar suas portas, papéis de paredes e pisos vinílicos no Big Brother Brasil 22.

Com a parceria, a empresa abre ao público a opção de adquirir produtos (portas, pisos e papéis de parede) licenciados do programa, que são utilizados nos quartos, sala, confessionário e outros ambientes da casa. Basta preencher os dados para comprar direto com a Pormade.

Em União da Vitória, um caminhão-showroom apresenta o universo do programa para o consumidor, que reconhece portas e réplicas de ambientes usados na casa que acompanham na televisão.

Os caminhões-showroom também estarão na cidade-natal de cada participante, durante os “paredões” do programa, que deve se encerrar em abril.

“Meu sonho não é ser a maior fábrica de portas do mundo, e sim a mais divertida. No mundo dos negócios, nos dias de hoje, felicidade e bem-estar equivalem a lucro”.

Com cada nova iniciativa, a empresa busca aumentar sua participação no mercado. Em 2021, o faturamento foi de 301 milhões de reais.

De acordo com Zini, a fase atual é de investir em pessoas e nos produtos como estratégia competitiva (a companhia não divulga o valor desse investimento). Para 2022, a expectativa é seguir crescendo e faturar 380 milhões de reais.

COM SHOWROOMS SOBRE RODAS E MODELO DE FRANQUIAS, A PORMADE VEM AMPLIANDO A CAPILARIDADE E AS VENDAS

Em São Paulo, a Pormade está presente no Shopping D&D, pioneiro no setor da decoração. Em 2017, a Pormade ampliou sua capilaridade inaugurando dezenas de showrooms pelo país.

A estratégia vem se intensificando, agora sobre rodas, com os caminhões-showroom. Hoje, são 20, e até o fim do ano a empresa quer chegar a 50 – além de 200 carretas que puxam um modelo de cubo de quatro portas (semelhante ao das lojas autônomas) para visitar edifícios em construção.

“Com os caminhões e as carretas queremos ir não só para as obras, mas mostrar para o pedreiro e o mestre de obra”, diz Zini. “À noite, se o proprietário quiser, a carreta vai até a casa dele!”

Em 2018, a marca entrou para o segmento de franchising; já são 40 unidades em todo o Brasil. O investimento para a abertura de uma franquia da Pormade é de 40 mil reais. No valor está incluso a taxa de franquia e o showroom dos produtos.

“A vantagem da franquia é que o dono mesmo é quem resolve os problemas – mas não é fácil encontrar um empreendedor nato”.

O perfil sugerido é de gente com experiência no mercado de construção civil. Os franqueados passam por um treinamento de uma semana na Pormade, conhecendo a fábrica, o processo de produção e as especificações dos produtos.

Programa de divulgadores é uma alternativa voltada aos empreendedores independentes. O divulgador atua levantando obras (construções) ou divulgando para clientes, oferece o produto e ganha comissão por indicação de novo franqueado ou por venda.

O ESTÍMULO ÀS NOVAS IDEIAS RENDEU À PORMADE O PRÊMIO DE “AMBIENTE DE INOVAÇÃO MAIS INCRÍVEL”

Na “tábua dos 10 mandamentos” da Pormade, escrita por Zini após aquela viagem pelo Japão, um dos valores que melhor se encaixam na sua filosofia é: “Inovar é errar sem perder as esperanças”.

Uma das iniciativas para promover essa ideia é o “Café com o Presidente”, semanal. Todos os empregados têm autonomia para interagir diretamente com Zini, propondo novas ideias e apontando melhorias. “E ninguém precisa me chamar de presidente!”

Outra iniciativa, sistematizada pelo setor de RH, são os 29 Grupos de Melhorias, presentes do setor administrativo ao chão de fábrica. Os integrantes se reúnem semanalmente ou quinzenalmente para discutir metas e propostas de novas ideias.

Essas propostas são encorajadas em toda a empresa. A filosofia da Pormade que se nada está dando errado no momento é porque ainda não se tentou inovar o suficiente.

“O grande segredo é inovar sem perder a essência. Trabalhamos constantemente as mudanças e inovações, tendo uma gestão totalmente participativa. Costumo dizer que o funcionário que tem futuro é aquele que é desobediente, desde que com boas intenções”

Essa visão levou a Pormade a vencer o Prêmio Lugares Incríveis para Trabalhar 2020, na categoria “Ambiente de Inovação Mais Incrível”.

A premiação é uma iniciativa da Fundação Instituto de Administração (FIA), com base em uma pesquisa realizada entre 150 mil funcionários de mais de 300 empresas brasileiras.

Na pesquisa, cerca de 43% dos funcionários identificaram que a principal característica cultural da empresa era o estímulo à criatividade. Entre eles, 52% afirmaram que já fizeram propostas de mudanças à chefia; destes, 80% tiveram uma sugestão implementada.

BOAS SACADAS QUE AJUDAM A EMPRESA A ECONOMIZAR GERAM PREMIAÇÕES EM DINHEIRO PARA OS COLABORADORES

Outra iniciativa que chama atenção é o “Programa dos 5 Dias”, que recompensa o propositor de uma inovação bem-sucedida com o equivalente a cinco dias do resultado financeiro gerado pela ideia.

“Toda inovação é celebrada e incentivada, inclusive financeiramente, às equipes que a desenvolvem”, diz Zini.

Um exemplo simples foi um funcionário que propôs o uso de um solvente para a higienização de uma passadeira de cola usada na linha de produção. Após quinze dias de experiência e a mensuração de economia de 50 reais por dia, a iniciativa lhe rendeu 250 reais.

“Para nós, está bem claro: felicidade traz retorno financeiro. E vamos seguir nesse caminho para abraçar cada vez mais a inovação corporativa”

Zini conta que o programa também funciona em escalas maiores. Tendo em vista que uma organização de sucesso funciona como um organismo vivo e descentralizado, sua ideia sugere que quem está mais perto do trabalho é quem mais o entende.

“Temos outra filosofia: só não leva quem não faz. O nosso diferencial é que não pressionamos ninguém a dar resultados. É um processo natural porque valorizamos o capital humano.”

2022-01-28T11:03:49-03:00janeiro 28th, 2022|Categories: ABEVD Clipping, Notícias do Setor|

Agência Brasil – Bolsa sobe pelo terceiro dia e atinge maior nível desde outubro

Dólar cai para R$ 5,42, apesar de pressões externas

Beneficiada pelo fluxo estrangeiro, a bolsa de valores subiu pelo terceiro dia seguido e atingiu o maior nível desde outubro. O dólar iniciou a quinta-feira em forte baixa, mas fechou com pequena queda, perto da estabilidade, com a piora do mercado de câmbio durante a tarde.

O índice Ibovespa, da B3, fechou hoje (27) aos 112.612 pontos, com alta de 1,19%. Os investidores estrangeiros entraram hoje no mercado comprando ações de empresas brasileiras, fazendo o indicador caminhar na contramão das bolsas norte-americanas, que fecharam em queda.

O Ibovespa acumula alta de 7,43% em janeiro. No último dia 5, o indicador chegou a acumular queda de 3,64%, iniciando uma trajetória de recuperação desde então.

Após subir ontem (26), o dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,424, com leve recuo de 0,32%. Na mínima do dia, por volta das 11h15, a moeda norte-americana chegou a cair para R$ 5,35, à medida que investidores aproveitavam a cotação abaixo de R$ 5,40 para vender dólares. No entanto, as pressões externas durante a tarde fizeram a divisa aproximar-se da estabilidade.

Com o desempenho de hoje, o dólar comercial acumula queda de 2,73% em 2022. Em 5 de janeiro, a divisa fechou em R$ 5,71, no maior nível do ano.

Ontem, o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) confirmou que aumentará os juros básicos nos Estados Unidos em março e que deverá promover reajustes em pelo menos quatro reuniões neste ano. O Fed também indicou que poderá encerrar o programa de compra de dívidas, em vigor desde o início da pandemia de covid-19, mais cedo que o esperado.

Apesar de juros mais altos em economias avançadas estimularem a fuga de recursos de países emergentes, parte dos investidores entende que os efeitos do aperto monetário nos Estados Unidos já estão precificados (incorporados ao preço dos ativos). Isso tem aumentado o interesse dos investidores internacionais em países emergentes, atraídos pelos ativos financeiros baratos.

Edição: Nádia Franco

2022-01-28T11:02:04-03:00janeiro 28th, 2022|Categories: ABEVD Clipping, Economia|

Agência Brasil – Pequenas empresas são responsáveis por 76% dos novos empregos

Pesquisa, referente a novembro de 2021, é do Sebrae

Uma pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) mostra que as micro e pequenas empresas seguem como as principais geradoras de novas vagas de emprego. De acordo com levantamento, feito com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o setor foi responsável por 76% das vagas de emprego no país. Os dados correspondem ao mês de novembro de 2021.

Na avaliação do Sebrae, há 15 meses seguidos os pequenos empresários geram a maioria das vagas de emprego no Brasil. A média mensal do período é superior a 70% de participação na criação de novas vagas.

O comércio foi responsável pela abertura de 116,7 mil postos, seguido pelos setores de serviços (98,7 mil), construção (16,7 mil) e indústria (15,2 mil).

No caso das empresas de médio e grande porte, o maior número de postos de trabalho foi gerado nas firmas do setor de serviços (80,8 mil vagas), seguido pelo comércio (21,3 mil). A agropecuária, indústria e a construção apresentaram saldo negativo de criação de novas oportunidades.

Título alterado às 16h09 para corrigir informação. As pequenas empresas são responsáveis por 76% dos novos empregos, e não por 70%, como havia sido informado.

Edição: Fernando Fraga

2022-01-27T10:12:12-03:00janeiro 27th, 2022|Categories: ABEVD Clipping, Economia|

BRASIL | ALTERAÇÃO DE PORTARIAS SOBRE TRANSMISSÃO DA COVID-19 EM AMBIENTES DE TRABALHO

Foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU) de hoje (25) duas portarias que promovem alterações às Portarias Conjuntas 19 e 20/2020. São essas:

Portaria Interministerial 13/2022: Altera o Anexo I da Portaria Conjunta nº 19/2020, que versa sobre medidas para prevenção, controle e mitigação dos riscos de transmissão da covid-19 em ambientes de trabalho no setor de abate e processamento de carnes e derivados destinados ao consumo humano e de laticínios.

·        Portaria Interministerial 14/2022: Altera o Anexo I da Portaria Conjunta nº 20/2020, que versa sobre medidas para prevenção, controle e mitigação dos riscos de transmissão da covid-19 em ambientes de trabalho.

Foram mantidas as mesmas recomendações de higiene e distanciamento social aprovadas em 2020. As principais alterações estão relacionadas a redução do tempo de isolamento social, recentemente alterados pelo Ministério da Saúde. Nesse sentido, destaca-se:

Sobre a conduta em relação aos casos suspeitos e confirmados da Covid-19 e seus contatantes, considera-se caso confirmado o trabalhador nas seguintes situações:

a) Síndrome Gripal (SG) ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), e para o qual não foi possível confirmar Covid-19 por outro critério;

b) SG ou SRAG com histórico de contato próximo ou domiciliar de caso confirmado de Covid-19, nos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais e sintomas;

c) SG ou SRAG com resultado de exame laboratorial que confirme Covid-19;

d) indivíduo assintomático com resultado de exame laboratorial que confirme Covid-19; ou

e) SG ou SRAG ou óbito por SRAG para o qual não foi possível confirmar Covid-19 por critério laboratorial, mas que apresente alterações nos exames de imagem de pulmão sugestivas de Covid-19.

É considerado trabalhador com quadro de SG aquele com pelo menos dois dos seguintes sinais e sintomas: febre (mesmo que referida); tosse; dificuldade respiratória; distúrbios olfativos e gustativos; calafrios; dor de garganta e de cabeça; coriza; ou diarreia.

Já os trabalhadores considerados em SRAG são aqueles que além da SG apresente: dispneia e/ou desconforto respiratório ou pressão ou dor persistente no tórax; ou saturação de oxigênio menor que 95% em ar ambiente ou coloração azulada (cianose) dos lábios ou no rosto.

Considera-se contatante próximo de caso confirmado ou suspeito da Covid-19 o trabalhador assintomático que esteve próximo de caso confirmado de Covid-19, entre dois dias antes e dez dias após o início dos sinais ou sintomas ou a data da coleta do exame de confirmação laboratorial (caso confirmado assintomático) do caso, em uma das situações:

a) teve contato durante mais de quinze minutos a menos de um metro de distância, com um caso confirmado, sem ambos utilizarem máscara facial ou a utilizarem de forma incorreta;

b) teve um contato físico direto, como aperto de mãos, abraços ou outros tipos de contato com pessoa com caso confirmado;

c) permaneceu a menos de um metro de distância durante transporte por mais de quinze minutos; ou

d) compartilhou o mesmo ambiente domiciliar com um caso confirmado, incluídos dormitórios e alojamentos.

Nesses casos, a organização deve afastar das atividades laborais presenciais, por dez dias, os trabalhadores considerados casos confirmados ou contatante de Covid-19. A organização pode reduzir o afastamento desses trabalhadores das atividades laborais presenciais para sete dias desde que estejam sem febre há 24 horas, sem o uso de medicamento antitérmicos, e com remissão dos sinais e sintomas respiratórios.

A organização deve considerar como primeiro dia de isolamento de caso confirmado ou o contatante o dia seguinte ao dia do início dos sintomas ou da coleta do teste por método molecular (RT-PCR ou RT-LAMP) ou do teste de antígeno. Ou, no caso do contatante, a partir do último dia de contato com o caso confirmado.

Nesse sentido, organização deve orientar seus empregados afastados do trabalho a permanecer em suas residências, assegurada a manutenção da remuneração durante o afastamento.

A respeito dos trabalhadores do grupo de risco, a organização deve fornecer a esses trabalhadores máscaras cirúrgicas ou máscaras do tipo PFF2 (N95) ou equivalentes, quando não adotado o teletrabalho ou trabalho remoto. Assim como os profissionais do serviço médico da organização, quando houver, devem receber EPI ou outros equipamentos de proteção, de acordo com os riscos, incluindo proteção respiratória tipo máscara PFF2 (N95).

Em relação ao transporte de trabalhadores, a organização deve obedecer a capacidade máxima de lotação de passageiros, limitada ao número de assentos do veículo.

AVALIAÇÃO E PRÓXIMOS PASSOS

Em um contexto de mudanças nas condições da pandemia de covid-19, a alteração das portarias partiu de movimento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e de diversas associações com o intuito de reformular as práticas de proteção, prevenção e riscos relacionadas ao trabalho, para que estes fossem melhor adequados às novas recomendações do Ministério da Saúde.

No dia 10 de janeiro, o Ministério da Saúde reduziu para sete dias o isolamento de casos leves e moderados da Covid-19, desde que o indivíduo não apresente sintomas respiratórios e febre, há pelo menos 24 horas e sem o uso de antitérmicos.

Aqueles que realizarem testagem (RT-PCR ou teste rápido de antígeno) para Covid-19 com resultado negativo no 5º dia, poderão sair do isolamento, antes do prazo de 7 dias, desde que não apresente sintomas respiratórios e febre, há pelo menos 24 horas, e sem o uso de antitérmicos. Se o resultado for positivo, é necessário permanecer em isolamento por 10 dias a contar do início dos sintomas.

Na ocasião, o secretário de Vigilância em Saúde (SVS), Arnaldo Medeiros, informou que a decisão da Pasta decorreu da atualização do guia epidemiológico, elaborado por especialistas. Outras alterações similares devem acontecer à medida que ocorra o arrefecimento da pandemia.

2022-01-26T14:49:22-03:00janeiro 26th, 2022|Categories: ABEVD News, Corona|

Hinode – Hands está de cara nova e ganha mais uma versão

Livre de parabenos e com embalagem mais sustentável, a linha Hands aposta na importância do cuidado das mãos

Ganhando o título de ‘best-seller’ da Hinode, a luva de silicone Hands sempre foi um sucesso de vendas. Um dos produtos mais amados e parte da história da marca, acaba de ganhar uma nova versão e fórmulas livres de parabenos. O Lançamento dos Hands em nova embalagem, nas versões Hands Aloe Vera (tradicional) e Hands Romã, ressalta a importância do cuidado com as mãos e o seu poder de comunicação e expressão.

A tecnologia que sempre esteve por trás desse grande sucesso, a “Silicon Tech-Care”, exclusividade Hinode, ajuda a proteger e hidratar as mãos por meio de uma camada protetora que se forma após a aplicação do produto. Tudo isso sem a adição de parabenos, com efeito antioxidante e os deliciosos aromas de Aloe Vera e Romã.

Renovando, evoluindo e trazendo os mesmos benefícios e atributos do produto original, o lançamento mantém o diferencial de promover toque aveludado, além de fragrância suave e desodorização, que fazem deste o segundo produto mais vendido pela marca.

Fortalecendo sua conduta ESG, prezando o compromisso de inclusão e cuidado com o meio ambiente, a linha Hands ainda conta com selo I´m green, com embalagens produzidas em PE verde e redução de plástico. Outro diferencial do lançamento está na campanha desenvolvida pela Hinode, que investiu em representatividade e convidou a belíssima modelo Betina Korbes, que é deficiente auditiva e inspira milhares de pessoas no Brasil, se comunicando em libras, para estrelar as peças de comunicação.

O produto chega ao mercado por 25,90 reais e promoção de lançamento em que, na compra de um Hands Aloe Vera, o Hands Romã sai pela metade do preço. Os lançamentos podem ser encontrados no e-commerce da marca  hinode.com.br ou com os consultores oficiais.

SOBRE HINODE

Fundado em 5 de outubro de 1988, o Grupo Hinode nasceu como uma empresa de cosméticos de venda direta. Em 2008, transformou-se numa das primeiras companhias nacionais a investir no modelo de marketing de rede. Uma marca feita para pessoas que assumem o rumo de suas vidas, orientados pela paixão por desenvolver produtos e criar oportunidades. A categoria fragrâncias é o carro-chefe, com itens premiados. A Hinode conta com linhas feminina, masculina e infantil, oferecendo aos consumidores um portfólio de produtos essenciais e a beleza integral, que cuida de dentro para fora e de fora para dentro. Os itens da marca podem ser encontrados com consultores oficiais Hinode e no e-commerce da marca.

2022-01-26T11:32:59-03:00janeiro 26th, 2022|Categories: ABEVD Clipping, Notícias do Setor|

Exame – A aposta da Avon para atrair novas empreendedoras é o BBB22

Campanha que vai ao ar até fevereiro quer atrair novas representantes a partir da visibilidade do programa global

Na última semana, a Avon entrou para a lista de empresas interessadas em aproveitar o BBB22 para alavancar as vendas. Durante a exibição do reality na quinta-feira, 20, a empresa de cosméticos lançou a campanha #VemdeAvon, na qual convida os telespectadores a escanearem um QR Code com a intenção de atrair novas representantes e estimular o empreendedorismo. A ação aconteceu enquanto os participantes do programa conheciam os produtos e eram orientados por uma representante da marca.

Em outra frente, a ação também busca incentivar a compra de produtos pelos e-commerces de representantes, num esforço para digitalizar as vendas diretas – um importante canal de vendas para o grupo Natura&Co, do qual a Avon faz parte.

A ação no Big Brother Brasil visa aproveitar a visibilidade do programa, que em 2021 teve audiência de 40 milhões de pessoas, para atrair novas representantes de venda, que muitas vezes têm na comercialização dos produtos uma fonte importante de renda, explica Viviane Pepe, diretora de comunicação da Avon Brasil. “Queremos que as pessoas que estão em busca de novas possibilidades de renda vejam na Avon uma oportunidade de negócio e consigam enxergar as vantagens oferecidas às profissionais e as facilidades em iniciar a revenda de produtos da marca. E, com isso, aumentar o número de representantes em todo o território nacional”.

A campanha para atrair novas representantes continua no ar até o dia 15 de fevereiro. As pessoas interessadas podem acessar a página para o cadastro online e gratuito.

Segundo a Avon, as representantes da beleza, como são chamadas as revendedoras, terão acesso a benefícios e descontos em serviços de saúde e educação, como faculdades, escolas de idiomas, medicamentos, exames e consultas médicas e odontológicas. Além disso, a empresa disponibiliza ferramentas digitais para auxiliar essas empreendedoras no dia a dia das vendas. Entre elas estão uma loja virtual, revistas digitais interativas e um aplicativo para o gerenciamento de negócios.

2022-01-26T11:31:25-03:00janeiro 26th, 2022|Categories: ABEVD Clipping, Notícias do Setor|

Agência Brasil – Confiança do empresário do comércio sobre 1,4% em janeiro, diz CNC

Indicador alcançou maior nível desde o início da pandemia de covid-19

O otimismo dos comerciantes se manteve em alta pela segunda vez consecutiva. O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) subiu 1,4% em janeiro e atingiu 121,1 pontos, em uma escala que vai de zero a 200.

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que apura o indicador, o resultado é o maior desde março de 2020, quando alcançou 128,4 pontos.

Além disso, é melhor do que o observado no mesmo mês do ano passado. Em dezembro, o índice atingiu 105,8 pontos. Na comparação anual, o avanço é de 14,5%. Os números foram divulgados hoje (25) pela CNC.

A pesquisa mostrou ainda que todos os subíndices principais tiveram alta. O destaque ficou com as Intenções de Investimento que, com a variação mensal positiva de 1,8%, atingiu 110,6 pontos, o maior nível desde janeiro de 2014. Naquele momento, chegou a 114,6 pontos. Em relação ao mesmo mês em 2021, o indicador cresceu 16,5%.

Já o item Expectativas do Empresário do Comércio registrou a maior pontuação, atingindo 152,7 pontos, com a alta de 1,5% em relação a dezembro do ano anterior. Na comparação com janeiro do ano passado, o avanço é de 7,5%.

Outro dado positivo foi do indicador Condições Atuais do Empresário do Comércio, que voltou à zona de satisfação, após alcançar 100,1 pontos. Conforme a CNC, é o maior nível desde abril de 2020, quando chegou a 105,1 pontos. Além disso, teve o primeiro crescimento mensal ( 0,6%), depois de quatro quedas consecutivas. Na comparação anual, registrou o maior aumento (24,4%) entre os subíndices principais.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, disse que os resultados da pesquisa refletem o avanço da vacinação e a consequente relativa volta à normalidade, apesar da disseminação da variante Ômicron.

“Mesmo com a propagação da variante Ômicron, a vacina tem garantido um impacto menor da covid-19 na população, com sintomas mais leves e redução da taxa de mortalidade. Esse sentimento de segurança vem contribuindo para que os empresários já enxerguem uma pequena melhora nas condições econômicas, no curto prazo”, observou Tadros.

Contratações

O otimismo dos empresários se estendeu também à geração de empregos. A pesquisa mostrou que nos itens que analisam as intenções de investimento dos comerciantes, a maior satisfação se referiu à Contratação de Funcionários (137,2 pontos).

O indicador foi também o maior crescimento mensal entre os que compõem esta categoria (5,0%). O Icec apontou ainda que 68,9% dos empresários demonstraram intenção de aumentar a contratação. Esse movimento, de acordo com a CNC, sugere que a recuperação do mercado de trabalho deve continuar.

Para a economista da CNC responsável pelo estudo, Catarina Carneiro da Silva, é importante observar em qual categoria a empresa está inserida, pois cada uma é impactada de forma diferente pelos movimentos econômicos:

“É possível observar que a maior parte dos empresários está mais confiante com relação à economia e especificamente sobre os desdobramentos em seu próprio negócio”.

Ainda segundo a CNC, a percepção de melhora na economia aparece tanto nas condições atuais do país, como nas expectativas para o futuro. O maior incremento relativo ao momento atual foi na percepção da economia, com avanço de 2,3%, após quatro meses de queda. Entre as empresas, 54,7% indicaram que a expectativa é de que a economia melhore ligeiramente no futuro.

Icec

De acordo com a CNC, o Icec é um indicador antecedente, pesquisado, exclusivamente, entre os tomadores de decisão das empresas do varejo. A intenção é verificar as tendências das ações do setor do ponto de vista do empresário.

“A amostra é composta por aproximadamente seis mil empresas situadas em todas as capitais do País, e os subíndices, apurados mensalmente, apresentam dispersões que variam de zero a duzentos pontos. O Icec avalia as condições atuais, as expectativas de curto prazo e as intenções de investimento dos empresários do comércio”, informou.

Edição: Denise Griesinger

2022-01-26T11:29:20-03:00janeiro 26th, 2022|Categories: ABEVD Clipping, Economia|

Folha Go – Escritório virtual Hinode: saiba fazer pedido para revender produtos

Saiba como pedir produtos para revender

A rede de cosméticos e perfumes Hinode é uma das mais populares do Brasil, possuindo centenas de franquias ativas em todo o território nacional, e com uma enorme quantidade de vendas através de seus revendedores. Porém, como comprar produtos no escritório virtual Hinode ainda tem deixado dúvidas.

O Grupo Hinode tem origem 100% brasileira e possui um modelo de negócio baseado no potencial de vendas dos seus consultores. Isto é, sem lojas oficiais da marca, mas com milhares de revendedores espalhados por todo o país.

Cada revendedor paga um valor subsidiado pela marca, permitindo que possa obter lucro através das vendas dos produtos da rede de cosméticos.

A forma de fazer pedidos para ter produtos e revende-los é por meio do site oficial da Hinode, de forma centralizada para dar mais segurança para os seus consultores ao saberem que estão em uma plataforma segura e real.

Confira abaixo o passo a passo simples e definitivo:

– Acesse o endereço vo04.hinode.com.br/login (site oficial do Grupo Hinode) e insira seu ID ou CPF e a senha cadastrada;

– Em seguida, vá na aba “Pedidos” e em “Geração de Pedidos”;

– A partir daí, o consultor deve escolher quais são os itens a serem pedidos e adicionados no pacote. Faça a navegação na página de catálogo com cuidado para não deixar nada passar de sua vista;

– Por fim, após selecionar todos os itens desejados, clique em “Finalizar pedido” e informe novamente seu código e senha para conclusão.

Onde retirar os produtos após realizar o pedido?

Depois de escolher seus produtos e finalizar o pedido, será solicitado que o consultor escolha a forma como terá em mãos os produtos adquiridos.

Uma maneira é através dos diversos pontos de retirada nos chamados Hinode Centers, que são locais franqueados e que geralmente possuem vários espalhados pela cidade, todos eles com o mesmo intuito.

Neste caso, o revendedor não pagará a taxa de frete e poderá escolher o Hinode Center mais próximo de sua localidade.

Também é possível solicitar a entrega do pedido em seu endereço cadastrado, adicionando o valor do frete ao pagamento do pedido.

2022-01-24T10:41:00-03:00janeiro 24th, 2022|Categories: ABEVD Clipping, Notícias do Setor|

Agência Brasil – Dívidas do Simples poderão ser pagas ou renegociadas até 31 de março

Empresas do regime ganham dois meses para regularizarem débitos

Os negócios de pequeno porte e os microempreendedores individuais (MEI) ganharão mais dois meses para regularizarem os débitos com o Simples Nacional – regime especial de tributação para micro e pequenas empresas. O Comitê Gestor do programa aprovou hoje (21) o adiamento do prazo de 31 de janeiro para 31 de março.

A medida tinha sido anunciada na semana passada e foi oficializada hoje. A regularização dos débitos é necessária para os micro e pequenos empresários e os profissionais autônomos continuarem no Simples Nacional. Em nota, a Receita Federal, que integra o Comitê Gestor, informou que a medida tem como objetivo ajudar os negócios afetados pela pandemia de covid-19.

“Neste momento de retomada da economia, a deliberação do Comitê Gestor do Simples Nacional visa propiciar aos contribuintes do Simples Nacional o fôlego necessário para que se reestruturem, regularizem suas pendências e retomem o desenvolvimento econômico afetado devido à pandemia da covid-19”, destacou o comunicado.

Apesar da prorrogação para o pagamento ou a renegociação de dívidas, o prazo de adesão ao Simples Nacional continua em 31 de janeiro. Segundo a Receita, essa data não pode ser prorrogada por estar estabelecida na Lei Complementar 123/2006, que criou o regime especial.

Tradicionalmente, quem não pagou os débitos é retirado do Simples Nacional em 1º de janeiro de cada ano. As empresas excluídas, no entanto, têm até 31 de janeiro para pedir o regresso ao Simples Nacional, desde que resolvam as pendências até essa data.

O processo de regularização deve ser feito por meio do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da Receita Federal (e-CAC), requerendo certificado digital ou código de acesso. O devedor pode pagar à vista, abater parte da dívida com créditos tributários (recursos que a empresa tem direito a receber do Fisco) ou parcelar os débitos em até cinco anos com o pagamento de juros e multa.

Histórico

Essa é a segunda medida tomada pelo governo para compensar o veto à lei que criaria um programa especial de renegociação para os contribuintes do Simples. No último dia (11), a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional criou dois programas para renegociar débitos do Simples inscritos na dívida ativa, quando o contribuinte é negativado e passa a ser cobrado na Justiça.

No último dia 7, o presidente Jair Bolsonaro vetou a renegociação de dívidas com o Simples Nacional. Na ocasião, o presidente alegou falta de medida de compensação (elevação de impostos ou corte de gastos) exigida pela Lei de Responsabilidade Fiscal e a proibição de concessão ou de vantagens em ano eleitoral.

O projeto vetado beneficiaria 16 milhões de micro e pequenas empresas e de microempreendedores individuais. As renegociação da dívida ativa abrangerá um público menor: 1,8 milhão de contribuintes, dos quais 1,64 são micro e pequenas empresas e 160 mil são MEI.

Criado em 2007, o Simples Nacional é um regime tributário especial que reúne o pagamento de seis tributos federais, além do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobrado por estados e pelo Distrito Federal, e do Imposto Sobre Serviços (ISS), arrecadado pelos municípios. Em vez de pagar uma alíquota para cada tributo, o micro e pequeno empresário recolhe, numa única guia, um percentual sobre o faturamento que é repassado para os três níveis de governo. Somente as empresas que faturam até R$ 4,8 milhões por ano podem optar pelo regime.

Edição: Bruna Saniele

2022-01-24T10:36:23-03:00janeiro 24th, 2022|Categories: ABEVD Clipping, Economia|

PANORAMA COVID-19

Os dados da vacinação, conforme divulgados até quinta-feira (20), indicam que 148.164.207 brasileiros (equivalente a 68,97%) estão totalmente imunizados contra a COVID-19. Além disso, 162.622.837 pessoas tomaram ao menos a primeira dose da vacina, representando 75,7% da população. Ademais, a dose de reforço foi aplicada em 38.376.433 pessoas (17,86% da população), sendo a aplicação de maior avanço, comparativamente. Por outro lado, foram registrados 168.060 novos casos conhecidos, alcançando 23.588.921 contaminados desde o início da pandemia. Com o aumento do número de casos, o país também registrou 324 mortes pela COVID-19 nas últimas 24 horas, totalizando 622.251 óbitos pela doença. Com isso, a média móvel nos últimos 7 dias é de 235 mortes, voltando a registrar números como os prévios a dezembros de 2021.

AVALIAÇÃO BMJ

Ao longo da última semana, o Brasil registrou recordes consecutivos de registro de casos diários da COVID-19. Deste modo, na última quarta-feira (19), o país alcançou pela primeira vez a marca de 200 mil casos diários, superando o recorde da terça-feira (18), de 132.254 novos casos. Com isso, a média móvel de casos dos últimos 7 dias também atingiu índice recorde, ultrapassando os 110 mil pela primeira vez desde o início da pandemia. Assim, 21 estados brasileiros apresentam alta nos casos após a chegada da variante Ômicron. Com esse cenário, o Brasil segue o ritmo mundial de recorde de casos, com países como Estados Unidos (mais de 1 milhão) e França (mais de 460 mil) também atingindo seus maiores picos neste mês de janeiro. O alto número de casos vem resultando em pressão no setor privado, que sofre com a baixa de trabalhadores devido aos afastamentos por COVID-19. Além disso, o Ministério da Saúde também é pressionado para disponibilizar mais testes e adotar medidas de restrição.

ANVISA E MINISTÉRIO DA SAÚDE REALIZAM TRATATIVAS PARA LIBERAÇÃO DO AUTOTESTE PARA COVID-19

Na quarta-feira (19), a Diretoria Colegiada (DICOL) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu, em reunião extraordinária, adiar a decisão de autorizar o uso dos autotestes para detecção da COVID-19 pela população brasileira. A decisão foi tomada a partir do voto do diretor Rominson Mota, que pontuou que não houve a formalização da inclusão da autotestagem como política pública pelo Ministério da Saúde (MS). Após isso, foi agendada uma reunião entre a Anvisa e o MS para que o Ministério esclareça as condicionantes da futura política pública que permitirá a utilização dos citados testes por usuários leigos. A citada reunião está prevista para ocorrer na sexta-feira (21).

AVALIAÇÃO BMJ

O intuito dos diretores da Anvisa ao decidir adiar a autorização é transferir o ônus da implementação da autotestagem para o Ministério da Saúde ao solicitar a definição clara das diretrizes do uso da tecnologia. Ainda assim, a expectativa é que a liberação ocorra em breve devido às pressões enfrentadas pelas autoridades sanitárias em um cenário de aumento de casos da COVID-19 e escassez de testes. O Ministério da Saúde trata o assunto como prioritário, já que o autoteste, por ser feito em casa, possui a tendência de diminuir a pressão no sistema de saúde em casos leves da doença. Além disso, tal permissão tende a diminuir a pressão que o MS tem sofrido para ampliar a política de testagem. Em entrevista recente, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, declarou que não irá adquirir uma grande quantidade de testes e salientou que o país já possui uma ampla política de testagem contra a doença.

APROVADA INCLUSÃO DE TESTES RÁPIDOS PARA COVID-19 NO ROL DE COBERTURAS OBRIGATÓRIAS DOS PLANOS DE SAÚDE

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aprovou na quarta-feira (19), a inclusão do teste rápido para diagnóstico de COVID-19 no rol de coberturas obrigatórias para beneficiários de planos de saúde. O teste será coberto para os beneficiários de planos de saúde com segmentação ambulatorial, hospitalar ou referência e será feito nos casos em que houver indicação médica e o paciente estiver entre o 1° e o 7° dia de início dos sintomas. De acordo com o diretor-presidente da ANS, Paulo Rebello, a decisão da Agência foi tomada devido ao aumento expressivo de casos no Brasil causados pela variante Ômicron e ao fato de que esses são mais acessíveis e fornecem os resultados de forma mais rápida em comparação ao RT-PCR. Vale ressaltar que o teste aprovado deverá ser realizado exclusivamente em laboratórios, não estando cobertos os testes realizados em farmácias. A ANS publicou nesta quinta-feira (20) a Resolução Normativa 478/2022, regulamentando a cobertura.

AVALIAÇÃO BMJ

O aumento de casos de COVID-19 que está ocorrendo no Brasil e ao redor do mundo tem feito com que as autoridades concentrem seus esforços em conter os danos que a nova onda pode causar no sistema de saúde público brasileiro. A decisão da ANS não foge desse contexto: uma vez que os testes rápidos começam a ser uma opção aos 48,1 milhões de usuários de planos de saúde as opções de acesso da população ao teste aumentam, fazendo com que filas diminuam e reduzindo o tempo de espera pelos resultados dos exames. Da mesma forma, a medida beneficiará o setor privado, uma vez que será possível a rápida detecção e imediato isolamento do colaborar que teste positivo para COVID-19, diminuindo a propagação do vírus dentro ambiente de trabalho e auxiliando as empresas a lidar com o grande fluxo de afastamentos causados pela doença.

RECUPERAÇÃO FISCAL DOS ESTADOS NA PANDEMIA

Segundo levantamento do Itaú Unibanco, os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul apresentaram melhora em suas condições fiscais nos anos de pandemia. Esses estados são os que apresentam quadros mais graves de endividamento público, porém ao se comparar o ano de 2019 com 2021, é perceptível um alívio na porcentagem dessa dívida. No Rio de Janeiro esse recuo foi de 282% para 197%, no Rio Grande do Sul de 224% para 184% e em Minas Gerais de 192% para 162%.

AVALIAÇÃO BMJ

Há diversos aspectos que podem ter influenciado nessa melhora. O primeiro deles é relativo aos repasses recebidos do Governo Federal para compensar a queda na arreação, o que, aliado a uma agenda de reformas e adiamento no reajuste de salários dos servidores públicos, culminou no incremento do caixa desses estados. Alguns exemplos são a privatização da CEDAE no Rio de Janeiro e a Reforma Administrativa no Rio Grande do Sul. Outro fator que contribui para esse cenário foi o aumento da receita com o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) devido ao aumento da inflação, com Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 10,06% no último ano. Vale destacar que a margem de recuperação pode não se manter esse ano, devido aos gastos esperados em ano de eleição.

COMPROVANTE DE VACINAÇÃO PARA RETOMADA ESCOLAR

Ainda não há um consenso entre o Governo Federal e secretarias de educação estaduais e municipais sobre como o retorno às aulas deve ser orientado frente à alta transmissibilidade da variante Ômicron, da COVID-19, e a possibilidade de vacinação infantil. Distrito Federal, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo já esclareceram que não adotarão o passaporte vacinal para regular a participação de estudantes. Bahia e Paraíba, por outro lado, cobrarão a comprovação para crianças com idade acima de 12 anos, deixando a possibilidade de ensino remoto para as não imunizadas.

AVALIAÇÃO BMJ

O principal argumento utilizado para descartar a obrigatoriedade do comprovante de vacinação contra a COVID-19 para alunos é que nem o poder público, nem as entidades representativas ou as próprias instituições de ensino têm a competência para criar barreiras ao acesso à educação. A Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep) já se posicionou de forma contrária à medida, porém defendeu que as instituições devem decidir sobre essa questão particularmente. Outros estados devem se pronunciar sobre a questão à medida que a imunização infantil avança e com a proximidade do fim das férias escolares no próximo mês. Ademais, governos estaduais podem tomar a mesma atitude em relação ao Passaporte da Vacina de forma geral, e relegar aos municípios a opção de tomar essas medidas, considerando o próprio quadro epidemiológico.

GOIÂNIA DECRETA NOVAS RESTRIÇÕES PARA EVENTOS E FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS

No Diário Oficial do Município de terça-feira (18), a prefeitura de Goiânia publicou Decreto proibindo festas de carnaval e ordenando a redução da quantidade de pessoas em estabelecimentos. O objetivo é evitar a disseminação da COVID-19 na capital. O pré-anúncio das restrições foi feito pelo prefeito Rogério Cruz (Republicanos) na segunda-feira (17). A restrição limita o público máximo a 500 pessoas em qualquer ambiente. Apesar da proibição de grandes eventos, os que já estavam autorizados pela prefeitura poderão ocorrer como combinado – mesmo com mais de 500 pessoas. O decreto ainda autoriza o regime de teletrabalho para até 50% dos servidores e empregados da administração pública. Ainda nas mudanças do decreto, o carnaval, seja para ambientes abertos e fechados, está proibido. Bares, restaurantes, casas de espetáculo, boates só poderão receber até 50% de sua capacidade, com limite de 500 pessoas, e o consumo deve ser feito sentado à mesa, sendo as pistas de dança proibidas. Shopping center, celebrações religiosas, academias, salões de beleza, zoológico, cinemas, teatros e circos só poderão receber 50% de sua capacidade máxima.

AVALIAÇÃO BMJ

A alta nos casos de COVID-19 pós festas de fim de ano preocupa os governantes dos estados em geral. Goiás é o segundo estado com mais registros da variante Ômicron no Brasil, e registrou mais de 2.000 casos em 24 horas, além de ter 73% dos leitos de UTI ocupados, portanto, é previsível que medidas de restrição sejam aplicadas. No entanto, a tendência observada em outros países é de que a situação torne-se mais branda, de forma mais rápida do que visto em 2020 e 2021 – isso se dá em parte, pela maior porcentagem da população vacinada, fator que estatisticamente diminui de forma drástica a porcentagem de mortes pela doença.

2022-01-21T15:11:22-03:00janeiro 21st, 2022|Categories: ABEVD News, Corona|
Ir ao Topo