Loading...

Notícias

ABEVD NA MÍDIA | NEWS

Clipping de Notícias das Empresas de Vendas Diretas e Parceiros. Confira:

ABEVD realiza reunião com a Coordenadoria de Competitividade da Indústria, Comércio e Serviços da SEFAZ/SP

A ABEVD realizou reunião, no dia 13 de abril, com os Srs. Eduardo Aranibar, Subsecretário de Competitividade da Indústria, Comércio e Serviços e Pedro Henrique Oliveira Mattosinhos, ambos da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo. Na ocasião, a Associação apresentou os dados de 2020 do setor e as justificativas para embasar a prorrogação da pesquisa nesse momento. Aranibar deixou a Secretaria à disposição para participar de forma a apoiar o pleito em defesa do setor, caso as negociações com o corpo técnico da SEFAZ/SP não apresentem resultados positivos. O subsecretário, ainda, aproveitou a reunião para frisar que vê na venda direta um exemplo para outros setores que tiveram queda no faturamento e no volume de negócios ampliarem seus canais de venda. Eduardo Aranibar propôs que a ABEVD monte uma proposta para um webinar/conversa com esses setores.

2021-04-15T12:28:59-03:00abril 15th, 2021|Categories: ABEVD Clipping|

ABEVD apresenta pleito de prorrogação do ICMS/ST em SP

Considerando os impactos e reflexos desencadeados pela pandemia nos negócios da venda direta e da obrigatoriedade do estudo de mercado para atualização das Portarias CAT nº 48 e 49 de 2017 em 2021, a ABEVD apresentou, no dia 9 de abril, pleito de prorrogação do ICMS/ST à Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo.

A Associação apresentou pedido de prorrogação por mais 24 meses e aguarda decisão do órgão.

2021-04-15T12:26:57-03:00abril 15th, 2021|Categories: ABEVD Clipping|

Seu vídeo 2020 merece nosso reconhecimento!

Os empreendedores independentes que criaram conteúdo para o setor em um momento tão difícil, acreditaram, incentivaram e ainda fortaleceram suas equipes com resultados positivos em 2020 serão reconhecidos pela ABEVD.

A força de vendas cresceu 5,5% em 2020, ultrapassando 4 milhões de empreendedores, que atuam como revendedores diretos das empresas, seja em modelo de marketing multinível ou mononível.

E, por isso, é uma honra comemorar e premiar o vídeo de sucesso do empreendedor independente destaque dentre esses mais de 4 milhões!

Os 3 vídeos mais visualizados no perfil do Instagram @abevdiretas até 15/Maio/2021, vão concorrer ao prêmio com voto no site da ABEVD! O resultado será em Junho/2021!

2021-04-14T08:20:29-03:00abril 14th, 2021|Categories: ABEVD Clipping|

O alvorecer do movimento Phygital na Venda Direta

Tem havido muita pesquisa e discussão contínua em torno da pandemia e seu impacto na venda direta. Os dados demonstram claramente o poder e a agilidade da venda direta como canal de distribuição e oportunidade de negócios.

A pandemia forçou nossa indústria a operar em um mundo que é mais virtual do que em qualquer outro momento da história. Estamos enfrentando novas oportunidades e desafios. A comunidade de venda direta está perguntando: “Como a pandemia exigirá que a venda direta evolua para que continue relevante no mercado?”

Pela primeira vez na história, a venda direta está operando em um mundo virtual; onde as reuniões ao vivo são substituídas por chamadas Zoom e eventos virtuais. O Social Selling, ou venda social, se tornou a nova frase do setor. O foco em e-commerce, tecnologia e dados está crescendo em um ritmo rápido. Nossa indústria é forçada a aprender novas habilidades e se adaptar rapidamente para ter sucesso no mundo digital. A pandemia mudou a trajetória em que a venda direta operará no futuro.

A pandemia criou um desafio único que continuará mesmo após o fim da pandemia. O “novo normal” exigirá que construamos nosso negócio tanto online quanto offline. Enquanto a venda social ajudou a ensinar os empreendedores independentes como vender no mundo digital, o desafio que enfrentamos é construir cultura e comunidade no mundo em que vivemos hoje. Nossa força foi definida por nossa capacidade de construir cultura e comunidade offline. Isso sempre será um fundamento atemporal para o modelo de negócios da Venda Direta.

O valor agregado da venda direta sempre foram as pessoas construindo relacionamentos com outras pessoas. Sempre compreendemos a grande necessidade que as pessoas têm de pertencer a alguma coisa. Somos mestres em “Cultural Addiction”, o jogo comportamental de construção de uma massa crítica massiva que incluía clientes e empreendedores. A venda direta foi construída em torno deste conceito fundamental. Isso nos diferencia de muitas outras empresas que usam um modelo empreendedor independente para impulsionar as vendas, especialmente as oportunidades de Gig Economy.

Muitos negócios hoje existem no mundo virtual e digital. Eu não vejo isso mudando. Pelo contrário, acho que vai crescer. Nossos clientes moram lá. Nossa força de vendas mora lá. Nossos funcionários moram lá. Cada parte do ecossistema de venda direta é afetada por essa mudança. Em última análise, somos forçados a dominar o jogo de experiência tanto online quanto offline. Este é o início do Movimento Phygital que terá um papel importante no futuro do setor.

O termo “Phygital” não é um termo que você ouve muito na venda direta. O marketing phygital não é um termo novo. No entanto, nunca vi isso ser usado na transformação de uma cultura empresarial. Assim como a venda criou um foco omnichanel, o movimento Phygital está exigindo que criemos uma abordagem multicanal para fornecer uma experiência mais completa e satisfatória para aqueles que vivem dentro de nossas culturas de negócios.

Qualquer pessoa que entenda o negócio sabe que sua base é construída em torno da experiência do cliente e da jornada do cliente. Um ótimo exemplo de onde esse conceito é utilizado hoje na venda direta é o foco em UX e UI no mundo do e-commerce. As empresas de tecnologia estão tendo que ser mais inovadoras para ajudar os clientes a melhorar a interação com os consumidores que compram em seus sites. Estamos vendo novas ferramentas de tecnologia aumentarem nossa capacidade de ter sucesso no mundo digital. Como há mais compras online, todas as empresas, incluindo a venda direta, devem dominar o jogo da experiência com as compras online.

Como um estudante de comportamento de longa data, passei grande parte da minha carreira tentando entender e dominar o jogo da experiência. Eu entendo que os relacionamentos estão relacionados ao engajamento, o que significa que são essenciais para a construção da cultura. Engajamento é uma fórmula simples, “Engajamento = o triunfo da esperança sobre as experiências”. Quando o jogo de experiência não está funcionando bem, a esperança é tudo o que resta para manter as pessoas engajadas. No entanto, a esperança nada mais é do que um sistema de crenças sobre o futuro. Nossa indústria é uma das melhores do mundo em termos de esperança de marketing. A esperança abre portas, mas as experiências são a chave para construir relacionamentos.

O mundo online funciona de maneira semelhante quando se trata do que definimos como uma “ótima experiência”. Grandes experiências são definidas por cinco princípios organizacionais fundamentais. Eles precisam:

Seja positivo

Seja significativo

Crie esperança

Confirme a esperança

Amplie a esperança

Existe um componente importante de experiência que é importante tanto no mundo online quanto offline. Requer experiências para confirmar e ampliar experiências. Do contrário, a esperança não se transforma em realidade. Se a esperança não atender às expectativas que criamos para os outros, nosso setor e os que nele trabalham perderão a confiança. Pior ainda, a perda de confiança pode levar a um exército de terroristas de marca e ter consequências profundas para o futuro da venda direta.

O mundo Phygital exige que modifiquemos o jogo de experiência. É maior do que apenas vender em plataformas de mídia social. É aqui que vemos um foco muito maior na tecnologia para facilitar o imediatismo, a imersão e a interação. Não podemos mais ser relevantes como canal de distribuição ou oportunidade de negócio se confiarmos exclusivamente na construção de relacionamentos e cultura off-line. Somos forçados a conectar esses mundos para aprimorar todos os aspectos de nosso negócio a fim de fornecer uma experiência sinérgica. Lembre-se de que as pessoas no mercado de hoje buscam uma experiência mais conectada – uma experiência em que o físico e o digital coexistem na mesma jornada para clientes e empreendedores.

Tudo começa com consciência. No entanto, a consciência tem pouco valor a menos que se transforme em execução. Se quisermos dominar o jogo Phygital, aqui estão alguns componentes-chave que nos ajudarão a fazer isso.

– Compreender melhor o nosso público de uma perspectiva comportamental.

– Abraçando a segmentação dos diferentes perfis de relacionamento que são essenciais para o sucesso da construção de conexão e cultura.

– Mais mapeamento de jornada de pontos de contato e adoção de análise de dados para entender e fortalecer a jornada de clientes e empreendedores.

– A adoção do mapeamento emocional e de empatia, ferramenta utilizada na coleta de dados sobre os clientes para melhor entendimento da base de clientes-alvo. Eles permitem que você visualize as necessidades do cliente, condensar os dados do cliente em um gráfico claro e simples e ajudá-lo a ver o que os clientes desejam – não o que você acha que eles desejam.

– Utilização de novas tecnologias para compreender e aprimorar nossa capacidade de ganhar o jogo de experiência.

– Treinar os empreendedores para que eles possam ter sucesso no mundo digital e aprender com aqueles que trazem essa compreensão para nós.

Isso exigirá que modifiquemos nosso pensamento sobre o dimensionamento de nossos negócios. Para aumentar a escala, devemos diminuir gradualmente. Devemos entrar nas trincheiras com nosso pessoal para garantir que vemos o mundo de sua perspectiva.

Estamos no início do movimento Phygital. Dominar a experiência do jogo online e offline é o “novo normal”. Isso impulsionará as vendas, aumentará a retenção de clientes, aumentará o envolvimento do distribuidor, atrairá um tipo diferente de talento para o nosso setor, aumentará o poder de nossas marcas e aumentará as percepções sobre a venda direta. Em última análise, isso garantirá que a venda direta permaneça relevante e seja líder no mercado como um canal de distribuição e oportunidade de negócios.

Haverá outros aspectos importantes de nosso modelo de negócios que continuam a evoluir.

A melhor maneira de resumir a chave para o futuro da venda direta é por meio das palavras de Peter Drucker. A mudança costuma ser uma época turbulenta. Durante esses momentos, todos nós precisamos abraçar sua sabedoria. Ele observou: “O maior perigo em tempos de turbulência não é a turbulência; é agir com a lógica de ontem”. A hora de abraçar o movimento Phygital é agora. Devemos expandir a forma como construímos cultura e comunidade. Aqueles que o fizerem serão os futuros líderes em vendas diretas globalmente.

Daryl Wurzbacher, autor deste artigo, começou sua carreira no setor de vendas diretas em 1999 como Diretor de Tecnologia da Informação para uma start-up de vendas diretas.

Fonte: The World of Direct Selling

2021-04-14T07:34:36-03:00abril 13th, 2021|Categories: ABEVD Clipping|

Tornando-se brilhante no básico: Qual é a responsabilidade da empresa no treinamento de vendas?

“Preste atenção aos detalhes; não deixe nada ao acaso”. Meu mentor em vendas diretas seguia essa máxima diariamente, e eu observei enquanto ele provava seu valor repetidas vezes. É uma sabedoria atemporal.

Um dos itens de “detalhe” que pode ser ampliado e acelerado nas empresas de Vendas Diretas agora é o desenvolvimento de “orientações específicas para as pessoas usarem em suas conversas de vendas”. Por quê? Vamos refletir um pouco sobre o que já sabemos:

– A grande maioria dos empreendedores nunca trabalhou com vendas.

– Muitos, senão a maioria, não têm apetite para “vender”, embora seja o que fazemos.

– Eles irão “compartilhar” o produto com outras pessoas se acreditarem que é de alto valor.

– Estatisticamente, e por vários motivos, a maioria para de tentar logo.

Então, o que fazemos com tudo isso? Em um setor que, por anos, seguiu a mentalidade “É assim que fazemos!”, as equipes corporativas encontram-se em uma encruzilhada interessante e recorrente quando se trata de treinamento de vendas. Aqui estão algumas abordagens que tenho visto ao longo dos anos:

Deixe todo o treinamento de vendas para os líderes de equipe; deixe-os treinar como quiserem. Afinal, eles sabem o que é melhor, não é? Eles têm o histórico de provar que sabem o que é preciso para ter sucesso. Isso é problemático, pois no fim, a empresa é a responsável final por todo o conteúdo produzido.

Disponibilize alguns recursos em sites ou em conferências, mas com pouca energia ou planejamento. O problema com essa abordagem é que ela exige uma ação do tipo “verifique na minha lista de tarefas”. Claro, você pode dizer que o treinamento está disponível. Mas isso é bom? É realmente o que você deseja ver duplicado? Se vale a pena fazer, vale a pena fazer com excelência e energia.

Empregue o desafio motivacional de “Você acabou de falar com mais pessoas”. O conteúdo do treinamento não importa tanto quanto o compartilhamento desse conteúdo. Mas, é claro, o conteúdo faz muito.

Somos melhores do que tudo isso. Ou pelo menos, devemos ser.

Antes de atuar por mais de 20 anos como executivo de vendas diretas, trabalhei como representante registrado em uma empresa de serviços financeiros. O treinamento de vendas que recebi durante esse tempo foi diferente de tudo que já experimentei. Foi completo, detalhado, preciso e, o mais importante, eficaz. Eu entendo perfeitamente que o que fazemos no setor de Vendas Diretas não é comparável com a atividade que exerci anteriormente. Ainda assim, vejo uma tremenda oportunidade para encontrarmos um meio-termo saudável, envolvente e lucrativo para que nossas empresas possam “construir seus treinamentos de vendas”. E se nossos esforços aqui aumentassem a retenção, o engajamento e as vendas em apenas 5%? Isso valeria a pena o esforço?

3 razões pelas quais a empresa deve assumir total responsabilidade pelo treinamento

A justificativa para uma empresa controlar totalmente o treinamento de vendas e fornecer aos empreendedores a orientação necessária é sólida.

Em primeiro lugar, do ponto de vista regulatório, cada empresa é 100% responsável por qualquer mensagem apresentada aos consumidores pela empresa, pelos empreendedores, em qualquer forma e através de qualquer método ou ferramenta. Isso é preocupante, mas é verdade. As empresas podem envolver líderes/executivos para ajudar a criá-lo e refiná-lo, mas a empresa deve ser sua proprietária, em última instância.

Em segundo lugar, a mensagem molda a maneira como os consumidores veem uma empresa. Então, é um grande negócio. Os sites, vídeos, promoções e imagens são meticulosamente revisados ​​para garantir um esforço de qualidade. Por que não aplicar essa mesma diligência a um guia simples, coeso e duplicável para toda a força de vendas?

Terceiro, processos simples podem ser duplicados rapidamente por executivos de vendas e absorvidos rapidamente por novos empreendedores. A duplicação é uma parte fundamental do que fazemos; é aconselhável padronizar as ferramentas e se afastar de muitas versões de treinamentos que resultam em confusão. Essa confusão consome um tempo precioso que poderia ser dedicado às atividades de construção de negócios. Com a participação de empreendedores veteranos, as empresas podem estabelecer o conteúdo em um guia padronizado e aprofundá-lo para toda a organização. Um ambiente em que todos usam as mesmas mensagens – junto com seus respectivos estilos, forças e personalidades – unificará e solidificará os principais componentes do negócio.

Treinamento de habilidades básicas de venda: por onde começar

Que habilidades de vendas devemos treinar? Com tantas empresas e produtos dentro do setor, quaisquer recomendações terão que ser modificadas para acomodar as ofertas exclusivas da empresa. Dito isso, aqui estão exemplos intencionalmente simples e duplicáveis ​​do treinamento que podemos e devemos fornecer para a força de vendas. Eles não se destinam a ser roteiros, embora a linguagem seja sólida. Mas se você não tem certeza de por onde começar, criar um treinamento que aborde os tópicos listados abaixo é uma orientação perfeita para você.

  1. Sua mentalidade para uma conversa descontraída

Estou encontrando / conversando com um amigo estimado.

Estou compartilhando coisas boas com meu amigo … coisas que são importantes para mim.

Estou um pouco nervoso desde que comecei, e posso compartilhar isso com meu amigo.

Eu possuirei o que sei e o que não sei.

Meu amigo pode ou não ter interesse; e está OK.

Vou aprender muito sobre mim e sobre esse processo; isso é uma vitória!

Eu vou ficar melhor com a repetição.

 

  1. Compartilhando sua história em 2 a 3 minutos

Invista algum tempo afirmando seu relacionamento com o cliente em potencial.

Uma pergunta: “Posso compartilhar com vocês algo que descobri?”

Onde eu estava quando soube disso.

O que vi e ouvi e o que senti.

O que eu fiz (comprei / usei produto, inscrito, etc).

Os resultados que vi e o valor que encontrei aqui.

Uma pergunta: “Isso desperta seu interesse?”

 

  1. Sentir-se à vontade com perguntas

Perguntas são esperadas; todos nós perguntamos sobre algo.

Afirme a pergunta com um sorriso.

As perguntas costumam ser sinais de interesse.

Dê respostas simples, se puder; diga “Eu não sei” se não.

Prometa obter a resposta se não souber.

Pergunte: “Existem outras perguntas que vêm à mente?”

Continue a conversa.

 

  1. Fazer boas perguntas e ouvir com atenção

Você já usou produtos assim?

Qual foi sua experiência?

Do que gostou ou não gostou?

Por que você parou?

Posso perguntar que tipo de apoio você recebeu?

Você estaria aberto para experimentar meu produto?

Posso oferecer um plano para começar?

 

  1. Linguagem para mover para uma decisão

Resuma: “Então, aqui está o que ouvi você dizer … entendi direito?”

Identifique: “Eu entendo … reconheci que precisava fazer algo novo.”

Afirme: “Eu realmente acredito que posso ajudá-lo aqui e prometo que o farei.”

Recomendar: “Aqui está o que recomendo para você hoje …”

Pergunte: “Vamos em frente e fazer seu pedido, ok?”

Por mais simples e óbvios que possam parecer, eles funcionam e podem fazer uma enorme diferença na maneira como os empreendedores se desenvolvem na busca por seus objetivos. Minha experiência com tantas empresas hoje é que elas ignoram esses treinamentos básicos e simples e, em vez disso, procuram tópicos mais modernos ou abordagens inovadoras, na esperança de encontrar um atalho para o sucesso. O marketing online e as técnicas de mídia social certamente aceleraram essa abordagem. Mas pergunte a si mesmo: o que acontece quando meu novo empreendedor faz uma conexão social? Eles ainda não precisarão responder às mesmas questões que listei acima?

Independentemente do meio usado para compartilhar essas mensagens, o conteúdo em si precisa ser cristalino. A partir daí, o compartilhamento fica muito mais confortável, em qualquer canal de comunicação.

Faça a transição em seu treinamento

A força de vendas é um presente precioso e devemos administrá-la com o melhor que temos a oferecer. Equipar os empreendedores para serem competentes, confortáveis ​​e confiantes no mercado é um privilégio e uma responsabilidade. Se fizermos isso bem, eles podem acelerar seu crescimento.

Fonte: The World of Direct Selling

2021-04-14T07:35:06-03:00abril 13th, 2021|Categories: ABEVD Clipping|

Planos de compensação em 10 perguntas

O plano de compensação é um elemento estrategicamente significativo de um negócio de venda direta, mas permanece um mistério para muitos. Pelo mistério, só podemos culpar aqueles que consideram um plano de compensação “bom” apenas se for complicado o suficiente.

Aprendemos com a experiência que um plano de remuneração pode impulsionar um negócio quando bem elaborado e implementado. Mas também pode ter impactos desastrosos se esse aspecto da operação for dado como certo.
Neste artigo, examinaremos brevemente algumas das perguntas mais frequentes:

1. O que é um plano de compensação na venda direta?
É um plano que mostra como e em quanto uma empresa recompensa sua força de vendas independente pela promoção e venda de seus produtos e serviços aos usuários finais.

2. Existe apenas um tipo de plano de compensação?
Existem vários tipos de planos; Uninível, Emancipações Gradativas e Binário.

3. Algum desses tipos é melhor do que os outros?
Cada plano tem seus prós e contras. Um tipo de plano pode definitivamente ser mais adequado às estratégias, produtos e cultura de uma empresa específica. No entanto, não podemos dizer que um deles é categoricamente superior aos outros. É por isso que vemos vários tipos de planos sendo usados por diferentes empresas com grande sucesso.

4. O que significa “plano híbrido”?
Um plano de compensação híbrido é aquele que reúne dois ou mais planos diferentes. Por exemplo, se um plano é projetado juntando vários componentes de um plano uninível e um plano binário, chamamos o resultado de plano híbrido. Embora possa recompensar uma gama mais ampla de comportamentos do que um plano individual no campo, todos os planos híbridos trazem as vantagens e desvantagens de seus componentes. Um plano híbrido geralmente requer treinamento intenso devido à sua maior complexidade.

5. Existem outros nomes sendo usados em vez de “Plano de compensação”?
Embora “plano de compensação” seja de longe o nome mais usado no setor, algumas empresas escolhem outros nomes como “plano de marketing”, “plano de sucesso” ou “plano de recompensa financeira”.

6. Se um plano de compensação não limita a os ganhos, isso é um sinal de uma pirâmide?
De jeito nenhum! Existem inúmeras empresas legítimas de marketing de rede que usam planos que pagam bônus ilimitados.

7. Da perspectiva de um empreendedor independente, é sempre bom trabalhar com um plano com comissões mais altas?
Obviamente, um empreendedor independente gostaria de ganhar mais dinheiro. No entanto, a “declaração de renda” é apenas um aspecto de um plano. Alguns exemplos de outros aspectos importantes são: sua legalidade, seu apelo a candidatos que se juntarão com várias expectativas e as atividades necessárias para ganhar comissões.

8. Os planos complexos são melhores do que os simples?
Eles vêm com suas próprias vantagens e desvantagens. Embora um plano complexo possa recompensar uma gama mais ampla de atividades e níveis de sucesso, um plano elaborado de forma simplista pode ser mais fácil de aprender e explicar a outras pessoas. Porém, se bem estruturado, um plano simples também pode recompensar todas as atividades de campo que uma empresa deseja. Da mesma forma, um plano complexo também pode ser aprendido bem se for apoiado por um programa de treinamento sólido.

9. Os planos de compensação recompensam mais aqueles que aderiram anteriormente?
Isso é uma lenda urbana! Um plano de compensação bem elaborado não tem tais “salas V.I.P” para aqueles que ingressam antes. Se isso fosse verdade, quem iria querer entrar em uma empresa mais tarde?

10. O plano de compensação de uma empresa pode mudar com o tempo?
Independentemente de quanto pensamento foi colocado em seu design inicial, depois de um tempo, um plano pode não estar trazendo os resultados esperados. Nesse ponto, certas modificações devem ser implementadas para melhorar o plano. Esta é uma tarefa complicada, que deve ser bem executada e também deve ser comunicada ao campo.

Hakki Ozmorali, autor deste artigo, é fundador da WDS Consultancy, empresa de consultoria de gestão e publicação on-line no Canadá, especializada na prestação de serviços a empresas de venda direta.

Fonte: The World of Direct Selling

2021-04-14T07:37:57-03:00abril 13th, 2021|Categories: ABEVD Clipping|

ABEVD | Exclusão do ICMS-ST “Cosméticos e Perfumaria” no Estado de Santa Catarina: Possíveis Reflexos para o Setor da Venda Direta

Em virtude das recentes alterações na legislação do ICMS de Santa Catarina, como a exclusão de cosméticos e perfumaria do regime da substituição tributária do ICMS (Decreto Estadual nº 982, de 2020) e dos possíveis reflexos para a Venda Direta frente aos demais canais (pequenos varejos, franquias, microempreendedores), no dia 19/02, a ABEVD realizou reunião com o Felpe Letch, Gerente de Fiscalização e demais representantes da Diretoria da Administração Tributária (DIAT), manifestando preocupação sobre impactos do custo da ST aos revendedores locais.

A percepção inicial sobre a medida é que a exclusão da exigência do regime da substituição para esses segmentos da economia, em um primeiro momento, propiciaria perda de competitividade ao canal da venda direta, uma vez que, o ICMS-ST torna-se custo para as operações aos consumidores finais.

No entanto, vale lembrar que Santa Catarina é um dos Estados que praticam um dos menores percentuais de MVA’s (40%) para setor frente aos fixados por outras Unidades Federadas.

De acordo com o discutido em reunião, a equipe da SEF/SC se prontificou avaliar proposta de sugestões de melhorias a ser apresentada pela ABEVD.

2021-03-16T11:59:04-03:00março 11th, 2021|Categories: ABEVD Clipping|

Fashion Network – Natura e O Boticário são as marcas mais associadas à diversidade LGBT+

O estudo Oldiversity®, realizado pelo Grupo Croma, mostrou que 72% dos LGBT+ entrevistados gostariam de ver mais propagandas com elementos de diversidade. E o segmento que, segundo eles, mais corresponde a essa expectativa é o de cosméticos, beleza e higiene pessoal. Natura e o O Boticário foram apontadas como as marcas mais associadas à diversidade LGBT+ com (32%) e (21%), respectivamente.

Ainda de acordo com o estudo, 73% dos LGBT+ entrevistados dizem que o governo influenciou no aumento do preconceito de gênero ou orientação sexual, ou seja, 7 em cada dez brasileiros LGBT+ afirmam que o atual governo influenciou negativamente a diversidade e 53% já sofreram algum tipo de discriminação pela sua orientação sexual.

O estudo Oldiversity® busca estabelecer um parâmetro para avaliar empresas que se preocupam com assuntos ligados à longevidade e à diversidade de orientação sexual. Segundo os dados levantados, 67% das pessoas entrevistadas desejam que exista mais diversidade nas marcas e nas empresas – o que também é visto como uma importante questão de representatividade, já que, dessa forma, passam a se perceber como parte da sociedade, elevando sua autoestima e sua coragem em ingressar no mercado de trabalho.

O estudo traz amostra de 47% do gênero masculino, 53% feminino, sendo 92% heterossexual, 4% homossexuais, 3% bissexuais, 1% assexual. Brancos representam 49% da amostra, enquanto 40% são pardos, 9% pretos, PCDs representam 11% dos entrevistados. A faixa etária da amostra foi dividida em 9% com idade entre 16 e 20 anos, 34% entre 21 a 30 anos, 20% entre 31 a 40 anos, 16% entre 41 a 50 anos, 14% de 51 a 60 anos e 7% com 61 anos ou mais. Outro dado importante na pesquisa é a composição de católicos e evangélicos totalizando 66% e o número de ateus que surge com índice de 14%. O estudo está disponível na íntegra em cromasolutions.com.br

Fonte: Fashion Network

2021-02-18T09:30:35-03:00fevereiro 18th, 2021|Categories: ABEVD Clipping|

Direct Selling News – The Avon Company lança sua primeira coleção de produtos para a pele puros e veganos

A Avon Company anunciou o lançamento de sua primeira coleção de cuidados com a pele pura e vegana, Farm Rx.
Contando com ingredientes naturais à base de plantas, o Slow Herb Complex da linha usa uma mistura de vegetais que prosperam em condições secas e são fermentados lentamente a frio para extrair antioxidantes e nutrir a pele seca.

As fórmulas puras Farm Rx são embaladas de forma sustentável e formuladas com mais de 85% de ingredientes naturais e ingredientes sintéticos seguros para preservar a integridade dos produtos.

A nova linha Farm Rx inclui:

Super Greens Cooling Gel – um gel refrescante híbrido que pode ser usado como um hidratante refrescante e máscara, fornecendo hidratação refrescante usando nutrientes super verdes.

Super Greens Multivitamin Moisture Cream – um creme multivitamínico diário que ajuda a combater os danos dos radicais livres e apoia a barreira da pele usando nutrientes super verdes.

Bakuchiol Serum – um soro concentrado de textura leve e oleoso que visa linhas finas, rugas e brilho da pele através do Bakuchiol, uma alternativa de retinol derivado de plantas.

Bakuchiol Eye Cream – um creme hidratante para os olhos que ilumina as olheiras e reduz as linhas de expressão usando Bakuchiol, que não torna a pele fotossensível como os retinoides tradicionais.

Fonte: Direct Selling News

2021-02-18T09:26:24-03:00fevereiro 18th, 2021|Categories: ABEVD Clipping|

Direct Selling News – 4Life Research Publicado no Clinical Journal

A 4Life publicou recentemente uma pesquisa de seu estudo de terceiros do 4Life Transfer Factor Collagen no Journal of Clinical & Experimental Dermatology Research.

As medições de melhorias no cabelo, linhas finas, rugas e hidratação da pele dos participantes foram incluídas nesta pesquisa de autoavaliação realizada no Arizona.

Mais de 80 por cento dos participantes relataram melhorias significativas em sua pele, cabelo e unhas.

“4Life Transfer Factor Collagen é considerado nosso padrão ouro de pesquisa e desenvolvimento,” disse o Diretor Científico Dr. Vollmer. “O estudo vem de um laboratório terceirizado. As descobertas desse laboratório agora aparecem em uma revista científica revisada por pares. Este processo nos distingue dos concorrentes. ”

Fonte: Direct Selling News

2021-02-18T09:21:19-03:00fevereiro 18th, 2021|Categories: ABEVD Clipping|
Ir ao Topo