Loading...

Notícias

CLIPPING | NEWS

ABEVD na Mídia: Matérias em que ABEVD foi citada. Confira:

SEGS – Venda direta é opção para fugir do desemprego

Setor que movimentou cerca de R$ 50 bilhões em 2020 tem 4 milhões de revendedores ativos em todo Brasil

O Brasil vive hoje um difícil momento econômico e tem taxa de desempregados de 11,2%, segundo levantamento realizado em março pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Neste cenário, o setor de vendas diretas tem se tornado opção atraente para os brasileiros.

“As vendas diretas são de extrema importância para milhares de famílias brasileiras. Além de fonte de renda, o marketing multinível também proporciona autonomia de trabalho, de maneira que os revendedores possam fazer a gestão do seu próprio negócio”, ressalta Carolina Saraiva, CEO da Akmos, empresa de saúde, bem-estar e nutrição.

O mercado brasileiro ocupa o sexto lugar no ranking mundial de vendas diretas, com faturamento de cerca de R$50 bilhões em 2020, de acordo com o último levantamento da ABEVD, (Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas). O estudo ainda revela que existem 4 milhões de revendedores ativos em todo Brasil.

Entretanto, o cenário das vendas diretas tem mudado. Segundo o mesmo levantamento da ABEVD, 54% dos empreendedores independentes afirmam vender mais em ambientes digitais, além disso, os jovens somam 48% dos comerciantes em vendas direta. Por este motivo, as empresas do setor apostam em eventos de capacitação.

Empresa investe na capacitação e lançamento de novos produtos

A Akmos retomou seus eventos presenciais, com a expectativa de 500 participantes, a empresa visa na capacitação, desenvolvimento e apresentação de dois novos produtos, o Day Flex+ e a Melatonina.

O suplemento Dayflex+, responsável por auxiliar na saúde das articulações, é fundamental para complementar a alimentação, sendo indicado para pessoas que apresentam carência de nutrientes. Além disso, o produto é a porta de entrada para a manutenção dos ossos e, consequentemente, bem-estar.

Já o segundo produto, Relaxed Melatonina, composto do hormônio melatonina, é responsável por regular a qualidade do sono, proporcionando melhor qualidade de vida, visto que ao dormir, o corpo repara as células, atuando como antioxidante natural.

“A Akmos entende a necessidade de preparar os profissionais de vendas, só assim é possível potencializar resultados. Por este motivo, sempre realizamos eventos que tem objetivo de proporcionar crescimento pessoal e profissional de nossos distribuidores”, finaliza a CEO.

Sobre a Akmos

A Akmos é uma empresa 100% brasileira, que há 12 anos alia variedade e qualidade de produtos, excelência logística e administrativa a um plano de marketing saudável. Os produtos da Akmos possuem fabricação própria e estão segmentados nas indústrias de cosméticos, perfumaria, alimentos, vestuário tecnológico e equipamentos terapêuticos, alcançando destaque no mercado nacional por sua alta qualidade.

2022-05-16T11:17:05-03:00maio 16th, 2022|Categories: ABEVD na mídia|

ABC do ABC – Venda direta é opção para fugir do desemprego

Setor que movimentou cerca de R$ 50 bilhões em 2020 tem 4 milhões de revendedores ativos em todo Brasil

O Brasil vive hoje um difícil momento econômico e tem taxa de desempregados de 11,2%, segundo levantamento realizado em março pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Neste cenário, o setor de vendas diretas tem se tornado opção atraente para os brasileiros.

“As vendas diretas são de extrema importância para milhares de famílias brasileiras. Além de fonte de renda, o marketing multinível também proporciona autonomia de trabalho, de maneira que os revendedores possam fazer a gestão do seu próprio negócio”, ressalta Carolina Saraiva, CEO da Akmos, empresa de saúde, bem-estar e nutrição.

O mercado brasileiro ocupa o sexto lugar no ranking mundial de vendas diretas, com faturamento de cerca de R$50 bilhões em 2020, de acordo com o último levantamento da ABEVD, (Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas). O estudo ainda revela que existem 4 milhões de revendedores ativos em todo Brasil.

Entretanto, o cenário das vendas diretas tem mudado. Segundo o mesmo levantamento da ABEVD, 54% dos empreendedores independentes afirmam vender mais em ambientes digitais, além disso, os jovens somam 48% dos comerciantes em vendas direta. Por este motivo, as empresas do setor apostam em eventos de capacitação.

Empresa investe na capacitação e lançamento de novos produtos

A Akmos retomou seus eventos presenciais, com a expectativa de 500 participantes, a empresa visa na capacitação, desenvolvimento e apresentação de dois novos produtos, o Day Flex+ e a Melatonina.

O suplemento Dayflex+, responsável por auxiliar na saúde das articulações, é fundamental para complementar a alimentação, sendo indicado para pessoas que apresentam carência de nutrientes. Além disso, o produto é a porta de entrada para a manutenção dos ossos e, consequentemente, bem-estar.

Já o segundo produto, Relaxed Melatonina, composto do hormônio melatonina, é responsável por regular a qualidade do sono, proporcionando melhor qualidade de vida, visto que ao dormir, o corpo repara as células, atuando como antioxidante natural.

“A Akmos entende a necessidade de preparar os profissionais de vendas, só assim é possível potencializar resultados. Por este motivo, sempre realizamos eventos que tem objetivo de proporcionar crescimento pessoal e profissional de nossos distribuidores”, finaliza a CEO.

2022-05-16T11:15:17-03:00maio 16th, 2022|Categories: ABEVD na mídia|

Agência Brasil – Venda Direta soma quatro milhões de revendedores individuais no Brasil

O antigo perfil da Venda Direta, com donas de casa e suas revistinhas indo de porta em porta para vender cosméticos, está diferente. Mas, esse tipo de comércio ainda é forte no Brasil, somando quatro milhões de revendedores individuais.

E por ser um empreendimento que requer baixo investimento, a venda direta tem atraído muitos jovens, com quase 50% desses profissionais entre 18 e 29 anos. E também já não é mais uma atividade feminina: 42% dos vendedores são homens.

Os dados são da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas. Segundo a presidente-executiva da instituição, Adriana Cólloca, a pandemia e a digitalização ajudaram a impulsionar a venda direta. Ela fala sobre o diferencial que faz da venda individual um sucesso.

Nayara Beatriz, de São Paulo, que trabalha há cinco anos com venda direta, afirma que está satisfeita com a escolha profissional.

Quando optou por trabalhar com venda direta, o Cristiano Araújo não levava muita fé. Hoje, ele está realizado e cita os motivos:

Outra característica da venda direta é que já não se limita ao comércio de porta em porta, como no passado. Segundo a Abevd, agora os empreendedores individuais procuram clientes em academias de ginástica, escolas, faculdades e também condomínios.

Edição: Nádia Faggiani / Guilherme Strozi

Fonte: Agência Brasil / RadioAgência

2022-04-26T10:23:58-03:00abril 26th, 2022|Categories: ABEVD na mídia|

PANORAMA COVID-19

Conforme os dados da vacinação divulgados até terça-feira (12), 162.270.361 pessoas (cerca de 81,07% da população vacinável) estão totalmente imunizadas contra a COVID-19. A dose de reforço foi aplicada em 82.348.041 pessoas (50,9% da população vacinável). Ainda, vale mencionar que 11.129.655 crianças entre 5 e 11 anos tomaram a primeira dose (54,29% deste grupo). Ademais, nas últimas 24 horas, foram registrados 21.784 novos casos conhecidos, fazendo o Brasil alcançar a marca de 30.180.491 contaminados pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia. O país também registrou 163 mortes pela COVID-19 nas últimas 24 horas, totalizando 661.552 óbitos pela doença. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias é de 138 mortes, variação de -22% em relação há 2 semanas, indicando forte tendência de queda nos óbitos.

AVALIAÇÃO BMJ

Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a continuidade da tendência de queda nos casos, internações e óbitos por COVID-19 indica que a terceira onda de infecções, causada pela variante Ômicron, está terminando. A queda no número de mortes e na letalidade da COVID -19 está relacionada à vacinação da população. E com o surgimento de novos medicamentos contra a doença, espera-se controle da COVID-19 nas linhas de prevenção e tratamento. Um exemplo de medicamento é o Paxlovid, antiviral da Pfizer. A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) deu o parecer favorável à incorporação do medicamento no Sistema Único de Saúde (SUS). A decisão, que é um dos primeiros passos para a disponibilização do medicamento na rede pública, foi anunciada em reunião de terça-feira (12). Agora, o antiviral deve seguir para a consulta pública. Assim, especialistas e sociedade civil poderão oferecer contribuições ao longo de dez dias. Depois disso, ainda deve ser analisado pelo plenário da Conitec. Se aprovado, a avaliação segue para a Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos (SCTIE), que dá a decisão final. Nesse sentido, com o cenário futuro positivo, o governo voltou a anunciar que deve rebaixar o status de pandemia de COVID-19 para uma endemia “nos próximos dias”. Anteriormente, o presidente Jair Bolsonaro havia afirmado que tal mudança se daria até o final de março, o que não aconteceu.

2022-04-14T17:31:03-03:00abril 14th, 2022|Categories: ABEVD na mídia, Corona|

Promoview – DNA Business Woman foca no empreendedorismo feminino

Com vistas a dar direção para os negócios físicos ou digitais de mulheres empreendedoras, a empresária Carol Paiffer, CEO da Atom S/A e investidora do programa Shark Tank Brasil, se juntou a Greice Joviane, especialista em vendas, ativação e alta performance, e desenvolveram o DNA Business Woman.

O evento será realizado nos dias 14 e 15 de maio, no Golden Hall do World Trade Center, em São Paulo, e pretende capacitar o público feminino através de estratégias exclusivas, apresentadas por meio de treinamentos e palestras.

“Com o DNA Business Woman, milhares de mulheres terão a possibilidade de alavancar os resultados de seus empreendimentos, tendo a referência de convidados ilustres, e uma metodologia baseada em três pilares: Desenvolvimento, Network e Alta Performance”, afirma Paiffer.

Durante os dois dias de evento, as participantes irão aprender técnicas voltadas para Vendas, Liderança, Marketing Digital, Networking, Gestão de Tempo e Sucesso no Empreendedorismo.

Para garantir a qualidade dos ensinamentos, foram convocados nomes de peso do mundo dos negócios, que farão treinamentos e palestras exclusivas, como:

  • Kaisser: Fundador do Grupo KPG S/A;
  • Paula Biazin: DJ e Influencer,
  • Norton Mello: Dono no maior perfil de treinos ao vivo do Instagram;
  • Ray Cleiner Kaisser: melhor empreendedora de Marketing Digital pelo Afiliados Brasil em 2019,
  • Bella Falconi: Mestre em nutrição;
  • Cafu: Embaixador da Copa do Mundo da FIFA 2022, no Catar;
  • Fernanda Venturini: Eleita a melhor atleta de vôlei brasileiro do século XX;
  • Christian Barbosa: Empresário Tech, especialista em produtividade;
  • Geraldo Rufino: Empreendedor que anteriormente atuava na coleta de latinhas de alumínio;
  • Gilberto Augusto: Principal referência brasileira em Marketing Digital;
  • Adriana Colloca: Presidente Executiva da ABEVD;
  • Gabriela Mansur: Promotora de Justiça de SP, com especialidade na defesa e promoção dos direitos das mulheres;
  • Karim Miskulin: Fundadora do único clube de relacionamento político-empresarial liderado por uma mulher;
  • Renata Abreu: Deputada Federal de SP e fundadora do Podemos;
  • Luana Tavares: Fundadora da Conecta e Mestre em políticas públicas.
2022-04-14T11:05:45-03:00abril 14th, 2022|Categories: ABEVD na mídia|

Paraíba Total – Carol Paiffer realiza o maior evento do Brasil voltado ao empreendedorismo feminino

O DNA Business Woman tem como foco dar direção para empreendedoras de negócios físicos e digitais, e será realizado nos dias 14 e 15 de maio com convidados exclusivos

A empresária Carol Paiffer, CEO da ATOM S/A e investidora do programa Shark Tank Brasil, se prepara para a realização do maior evento do Brasil com foco no empreendedorismo feminino. O DNA Business Woman, elaborado em conjunto com Greice Joviane, especialista em vendas, ativação e alta performance, será realizado nos dias 14 e 15 de maio, em um dos maiores centros de evento de São Paulo/SP.

O objetivo é capacitar mulheres empreendedoras, tanto para negócios físicos e digitais, através de estratégias exclusivas, apresentadas por meio de treinamentos e palestras. Com o DNA Business Woman, milhares de mulheres terão a possibilidade de alavancar os resultados de seus empreendimentos, tendo a referência de convidados ilustres, e uma metodologia baseada em três pilares: Desenvolvimento, Network e Alta Performance.

“Observamos que muitas mulheres ainda têm dificuldades para lidarem com seus empreendimentos, ou até mesmo criar um do zero, de uma maneira que possam alcançar resultados expressivos. Junto com a Greice, já transformamos a realidade de milhares de investidoras, e com o DNA Business Woman traremos um impacto ainda maior, auxiliando o público feminino a ir em busca do sucesso”, diz Carol Paiffer.

Ensinamentos com nomes renomados

Durante os dois dias de evento, as participantes irão aprender técnicas voltadas para Vendas, Liderança, Marketing Digital, Networking, Gestão de Tempo e Sucesso no Empreendedorismo. Para garantir a qualidade dos ensinamentos, foram convocados nomes de peso do mundo dos negócios, que farão treinamentos e palestras exclusivas. Confira:

  • Kaisser: Fundador do Grupo KPG S/A;
  • Paula Biazin: DJ e Influencer;
  • Norton Mello: Dono no maior perfil de treinos ao vivo do Instagram;
  • RayCleiner Kaisser: Melhor empreendedora de Marketing Digital pelo Afiliados Brasil em 2019
  • Bella Falconi: Mestre em nutrição;
  • Cafu: Embaixador da Copa do Mundo da FIFA 2022, no Catar;
  • Fernanda Venturini: Eleita a melhor atleta de vôlei brasileiro do século XX;
  • Christian Barbosa: Empresário Tech, especialista em produtividade;
  • Geraldo Rufino: Empreendedor que anteriormente atuava na coleta de latinhas de alumínio;
  • Gilberto Augusto: Principal referência brasileira em Marketing Digital;
  • Adriana Colloca: Presidente Executiva da ABEVD;
  • Gabriela Mansur: Promotora de Justiça de SP, com especialidade na defesa e promoção dos direitos das mulheres;
  • Karim Miskulin: Fundadora do único clube de relacionamento político-empresarial liderado por uma mulher;
  • Renata Abreu: Deputada Federal de SP e fundadora do Podemos;
  • Luana Tavares: Fundadora da Conecta e Mestre em políticas públicas.

Participações presenciais

O DNA Business Woman terá dois dias de duração, nas datas 14/05, das 10h às 20h, e 15/05, das 9h às 18h. As participantes irão conferir todas as atrações presencialmente, em um dos maiores centros de evento de São Paulo/SP.

Serão disponibilizados dois tipos de pacotes, o Acesso Black, que além de garantir a participação nos dois dias de evento, conta com material de apoio, e o Camarote VIP, que dispõe de exclusividades como, comes e bebes, filas especiais e um Cocktail de Networking com as idealizadoras Carol Paiffer e Greice Joviane.

O evento será realizado de acordo com todas as normas de saúde da Anvisa contra a Covid-19, sendo necessária a apresentação da carteira de vacinação, além de um documento de identificação com foto para credenciamento prévio.

Para garantir seu acesso, basta acessar a página oficial do DNA Business Woman: https://dnabusinesswoman.com/

2022-04-14T10:59:55-03:00abril 14th, 2022|Categories: ABEVD na mídia|

SEGS – Pesquisa aponta que 45% das Representantes da Beleza Avon alcançam independência financeira por meio da venda por relacionamento         

Estudo realizado pela Avon, em parceria com a Ipsos, entrevistou 1457 pessoas no Brasil que atuam com a venda de produtos da marca e demonstrou os impactos socioeconômicos gerados em suas vidas

Trabalhar como Representante da Beleza Avon colabora para a autossuficiência e a segurança financeira. Esse foi um dos resultados apontados pela pesquisa global Ganhos Mensuráveis, realizada pela Avon, em parceria com a Ipsos, empresa especializada em pesquisa e inteligência de mercado, que entrevistou 1.457 integrantes de sua força de vendas no Brasil, em sua maioria mulheres, para entender os impactos sociais e econômicos do seu modelo de negócio baseado no empreendedorismo feminino.

O estudo abordou temas como oportunidades no mercado de trabalho, motivos para se tornar Representante, destinos da renda obtida com a revenda de itens da marca, segurança financeira, desenvolvimento profissional, entre outros.

Um dado em especial chama a atenção ao demonstrar que, entre as entrevistadas, 45% já não dependem financeiramente de outras pessoas tanto quanto antes de atuarem na venda por relacionamento. Os lucros adquiridos também auxiliam essas pessoas a colocarem comida na mesa de suas famílias (28%), a construir ou comprar uma casa (21%) e a pagar dívidas (36%). Além disso, a atividade é a maior fonte de renda para a família de 10% delas e um complemento de renda para 42%. Cerca de 37% também consideram o trabalho de Representante como uma garantia para compras e gastos pessoais.

“Para nós, da Avon, que sempre colocamos a Representante no centro de todas as nossas estratégias de negócios e valorizamos tanto o empoderamento feminino, é muito gratificante saber que estamos colaborando para a democratização do acesso a oportunidades de renda e para a evolução pessoal e profissional de todas essas mulheres que movem a Avon. Nosso objetivo é continuar contribuindo para gerar cada vez mais impactos positivos em suas vidas e essa pesquisa retratou que estamos no caminho certo”, conclui Ana Carolina Albuquerque, Diretora de Marketing de Relacionamento.

A pesquisa aponta também que as representantes, em sua maioria com idade de até 34 anos, apresentam uma percepção mais positiva sobre si mesmas, com 53% das entrevistadas afirmando que, hoje, possuem uma autoestima melhor e 68% acreditam no próprio potencial para atingir grandes objetivos.

O levantamento também apontou que 60% das Representantes entrevistadas, graças ao trabalho com a Avon, mudaram para melhor a sua percepção sobre objetivos, sonhos e ambições que uma mulher pode alcançar, seja na vida pessoal ou profissional, quando se tem acesso a oportunidades de renda, estudo e desenvolvimento de habilidades. Além disso, 68% passaram a acreditar mais em seu potencial para realizações.

Crescimento pessoal

As brasileiras que atuam como Representantes da Beleza Avon também apresentam melhores perspectivas sobre o futuro. Atualmente, suas ambições e expectativas de vida são mais altas (53%), bem como mudaram a sua visão sobre o que uma mulher é capaz de alcançar ao ter oportunidades de renda, estudo e desenvolvimento (60%), sentem um controle maior sobre os aspectos mais importantes de suas vidas e possuem metas claras e sabem como realizá-las (52%). Elas também progrediram em suas relações sociais e redes de contatos. Hoje, 50% das entrevistadas tem mais amigos e conhecidos e 35% sentem que tem um papel valioso na comunidade em que vivem.

Em relação às motivações para se tornarem Representantes, 69% das participantes do estudo afirmaram que recorreram a Avon, pois gostam dos produtos da marca. Outras razões que tornam o trabalho atrativo é necessidade de uma nova fonte de renda (54%), a flexibilidade de horários em contraponto a trabalhos tradicionais (48%) e os incentivos oferecidos pela marca (30%).

Dados Globais

A pesquisa Ganhos Mensuráveis foi realizada em 13 países, entre América Latina, Europa e África, para medir o impacto e crescimento pessoal e financeiro com a revenda dos itens da Avon. Entre os participantes do estudo, o país com maior presença foi o Brasil (1457).

A capacidade de ter renda em seus próprios termos, em vez de um padrão de trabalho tradicional é o que os integrantes da pesquisa afirmam ser mais atraente, especialmente na América Latina — Colômbia, Brasil, México e Argentina — e África do Sul. Outro apontamento relevante do estudo é que a maioria dos Representantes da Avon nesses países, com a renda obtida com as vendas auxilia no sustento de suas famílias.

Em todos os países da América Latina e África do Sul, o Brasil ocupa a terceira posição no quesito da marca empoderar a vida e carreira dos entrevistados. A África do Sul e Colômbia ocupam as primeiras colocações. Já no sentido de expansão da rede de relacionamentos, África do Sul (58%) e Brasil (50%) se destacaram na pesquisa.

A pesquisa Ganhos Mensuráveis completa está disponível neste link. O infográfico está disponível neste link.

O cenário econômico brasileiro

Desde o início da pandemia e isolamento social, ocasionado pelo Covid-19, mais de 13 milhões de brasileiros estão desempregados. Um levantamento realizado pela IDados demonstrou que apenas 500 mil brasileiros sairão do desemprego em 2022. Ainda segundo o estudo, que tem como base informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o desemprego deverá atingir 11,2% da população brasileira até dezembro deste ano.

Em paralelo, a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) estima que a venda direta, com atuação há mais de 80 anos no país, é fonte de renda para mais de 4 milhões de brasileiros, posicionando o Brasil como o sexto mercado mundial no setor.

Ainda segundo a entidade, o setor é composto por revendedores das classes C, D e E, em que 48% são jovens entre 18 e 29 anos, sendo 58% de mulheres na sua força de trabalho.

Sobre a pesquisa

O estudo online Ganhos Mensuráveis foi realizado pela Ipsos a pedido da Avon em julho de 2021. As entrevistas foram feitas com 9.276 representantes da Avon, com idade acima de 18 anos, baseadas em 13 países localizados na Europa, América Latina e África. O tamanho das amostras variou de 120 a 1.457 por país, com 1.457 entrevistas completas no Brasil. A margem de erro de amostragem é de 2,6 p.p. para este grupo.

Sobre a Avon

Avon, parte do grupo Natura &Co desde 2020, é uma das maiores empresas de venda direta no mundo. Fundada em 1886, trabalha pela elevação da autoestima, democratização da beleza e a promoção do empreendedorismo feminino. Desde 1958 no Brasil, concentra no país sua maior operação. Avon é mais do que uma empresa de beleza: é um movimento global pela autonomia das mulheres, com um modelo de negócios ancorado na inovação, geração de oportunidades e na ampliação de suas habilidades empreendedoras, com o objetivo de fortalecer as economias e impactar positivamente a sociedade.

Seu portfólio diverso inclui produtos inovadores e de alta tecnologia, com marcas reconhecidas mundialmente como as linhas de maquiagem Avon e Color Trend, as linhas de cuidados Renew e Avon Care e os perfumes Far Away e 300km. Além disso, suas revistas também oferecem diversos itens para Moda & Casa.

2022-04-07T11:15:42-03:00abril 7th, 2022|Categories: ABEVD na mídia|

SEGS –Confira 5 dicas para sua empresa vender mais

Mentor e especialista em venda direta, Mohamed Gorayeb, indicam técnicas de como empreendedores podem faturar ainda mais com o seu negócio

Toda empresa que quer crescer precisa de algo fundamental: clientes. Nesse sentido, bons vendedores vêm para ajudar diferentes tipos de negócios. Segundo um levantamento realizado pela Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), o setor saiu fortalecido e cresceu 10,5% em 2020, justamente o primeiro ano da pandemia. Grande parte desse crescimento se deve ao próprio varejo, que tem encontrado nas técnicas de venda direta uma saída para driblar crises e alcançar novos clientes.

“Vejo que uma das maiores dores do empresário é o faturamento, porém, diante de uma crise a primeira coisa que a empresa faz é cortar recursos para o comercial. Sem pessoas qualificadas a empresa não vende e consequentemente fatura menos. Para faturar mais, a empresa tem que vender mais. A venda direta possibilita que empresas conheçam de perto as dores e os desejos do seu cliente”, comenta Mohamed Gorayeb, especialista em venda direta, responsável por treinar mais de 1,2 milhões de pessoas em quase 20 anos de carreira e mentor de equipes de comerciais de grandes marcas, tanto nacionais quanto internacionais.

Confira abaixo cinco dicas que o especialista passa para a sua empresa faturar mais com venda direta.

Não contrate seu vendedor por currículo

Ao selecionar candidatos à uma vaga, não priorize o currículo ou o histórico do profissional. Não que esses itens não sejam importantes, mas as soft skills, ou seja, as habilidades comportamentais que esse profissional possui – tais como empatia, espírito de equipe, proatividade, persuasão, entre outras – são essenciais no momento de realizar uma venda. Tente localizar na pessoa o “brilho no olhar”, a famosa garra. Nem sempre os talentos estão na concorrência. Muitas vezes, você desenvolve talentos. Às vezes, os maiores vendedores estão apenas adormecidos a procura de uma oportunidade.

Invista em qualificação

Invista em capacitação. Qualifique os seus vendedores. Na realidade, mais do que vendedores, que apenas “empurram os seus produtos” sem ao menos uma vez pensar nos desejos e dores do cliente, você deve contratar especialistas. Quando o cliente enxerga que a pessoa é um vendedor, ela não compra. Quando enxerga um especialista, normalmente a compra é automática, pois esse entende as suas necessidades e quer ajuda-lo a resolver os seus problemas. Logicamente, é difícil encontrar especialistas, mas você pode desenvolve-los, e a melhor maneira para isso é investir em qualificações e treinamentos.

Crie uma engrenagem de venda

Uma engrenagem de venda é um método no qual ao seguir certos passos, a venda ocorre quase que automaticamente. Para isso, tenha um mapa de prospecção, invista em canais de venda, desde os tecnológicos, como marketing digital, social media, tráfego, entre outros, até os mais tradicionais, como panfletagem, carros de som e os vendedores na porta da loja. Crie processos para atrair clientes e execute-os de forma cíclica. Na prática, a engrenagem de vendas funciona da seguinte maneira: Captar contato / Venda / Relacionamento / Novas vendas / Repetição do processo. Quanto mais fizer a engrenagem rodas, maior é será o número de vendas.

Faça a ficha dos seus clientes

A partir do momento que a pessoa entrar na loja, procure fazer a ficha dessa pessoa. Crie um mailing, com contatos telefônicos e e-mails dos clientes. Guarde esse mailing e amplie o seu network. Esses contatos serão de suma importância para o seu negócio. Em todos os momentos, mas principalmente naqueles de crise, cada um desses contatos traz consigo uma oportunidade.

Estabeleça relacionamentos

De nada vale ter contatos se não se comunicar com eles. Mais do que vendas, estabeleça relacionamentos. Se aproxime dos seus clientes. Mesmo após a venda, contate pelo menos uma vez a cada dez dias o seu cliente. O WhatsApp, por exemplo, é um excelente caminho para isso. Gere valor. Não fique apenas empurrando novos produtos. Saiba o nome dos seus clientes e outros detalhes dos mesmos, como a data de aniversário, relacionamento, seus gostos, seu perfil e principalmente o que ele gosta e necessita. Vez ou outra, mande um conteúdo de sobre algo que ele vá se interessar. Relacionamento. Invista e estabeleça relacionamentos. Nesse caso, lembre-se sempre da engrenagem de vendas e a faça rodar. Quanto mais assertiva for a sua estratégia e melhor for a sua execução, maiores são as chances da venda ser inevitável, pois na realidade, ela é consequência de um bom trabalho.

2022-03-31T11:13:06-03:00março 31st, 2022|Categories: ABEVD na mídia|

CGN – Mulheres são 58% dos empreendedores que trabalham com vendas diretas de produtos

De acordo com a presidente executiva da Associação das Empresas de Vendas Diretas, Adriana Colloca, 67% das pessoas que trabalham no setor são motivadas pela complementação da renda

De acordo com a presidente-executiva da Associação das Empresas de Venda Direta, Adriana Colloca, 67% das pessoas que trabalham no setor são motivadas pela complementação da renda familiar, sendo que 58% são mulheres. A informação foi repassada em seminário promovido pela Secretaria da Mulher da Câmara sobre empreendedorismo feminino.

A venda direta de produtos, segundo Adriana, abrange 4 milhões de pessoas e atrai as mulheres por permitir a flexibilidade de horários de trabalho e até mesmo a superação de dificuldades relacionadas a uma competição desigual com os homens. A média de idade é de 32 anos e uma parcela de quase 26% dos trabalhadores chegou ao setor por perda de emprego.

Co-fundadora da Aliança Empreendedora, Lina Maria Kempf explicou que muitas vezes as mulheres que trabalham com vendas diretas não buscam capacitação nem formam redes de contatos, por não se considerarem empreendedoras. “Muitos acreditam que empreender é uma jornada solitária, mas entendam que tem outros empreendedores até na própria rua onde moram, pessoas com as quais é possível trocar, conversar, participar de feiras e eventos. Tudo vem da autopercepção. Quando eu me entendo empreendedor, esse ecossistema passa a fazer sentido para mim”, avalia.

A deputada Adriana Ventura (Novo-SP), que revelou já ter sido vendedora de produtos Mary Kay, disse que o empreendedorismo feminino transforma a realidade das famílias. “Principalmente quando a gente pensa que o aumento da renda familiar permite que a família invista mais em educação, em lazer, em cultura. É todo um núcleo familiar que a gente melhora porque a relação da qualidade de vida e a autossuficiência financeira é direta”, afirmou.

Coordenadora nacional de Empreendedorismo Feminino do Sebrae, Renata Malheiros destacou que as mulheres precisam superar tanto barreiras técnicas para empreender, como também socioemocionais. “Quando a mulher precisa falar em público, quando está em um almoço de negócios… Muita gente já fala: será que é almoço de negócios mesmo? Quando a mulher precisa viajar a trabalho, mas está com filho doente em casa… ‘Que mulher que eu sou? Que mãe que eu sou? Sou uma péssima mãe’. Então a culpa materna, todas essas questões culturais acabam afligindo as mulheres. Não é culpa das mulheres, é da sociedade; mas a gente acaba sendo afetada”, enumerou.

Segundo Renata, as mulheres empreendedoras geralmente têm 16% mais escolaridade que os homens, mas faturam 22% menos.

2022-03-17T12:32:41-03:00março 17th, 2022|Categories: ABEVD na mídia|

Jornal Contábil – Empreendedorismo feminino se destaca na venda direta de produtos

A venda direta de produtos, segundo Adriana Colloca, presidente executiva da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), abrange 4 milhões de pessoas e atrai as mulheres por permitir a flexibilidade de horários de trabalho e até mesmo a superação de dificuldades relacionadas a uma competição desigual com os homens. A média de idade é de 32 anos e uma parcela de quase 26% dos trabalhadores chegou ao setor por perda de emprego.

Co-fundadora da Aliança Empreendedora, Lina Maria Kempf explicou que muitas vezes as mulheres que trabalham com vendas diretas não buscam capacitação nem formam redes de contatos, por não se considerarem empreendedoras. “Muitos acreditam que empreender é uma jornada solitária, mas entendam que tem outros empreendedores até na própria rua onde moram, pessoas com as quais é possível trocar, conversar, participar de feiras e eventos. Tudo vem da autopercepção. Quando eu me entendo empreendedor, esse ecossistema passa a fazer sentido para mim”, avalia.

A deputada Adriana Ventura (Novo-SP), que revelou já ter sido vendedora de produtos Mary Kay, disse que o empreendedorismo feminino transforma a realidade das famílias. “Principalmente quando a gente pensa que o aumento da renda familiar permite que a família invista mais em educação, em lazer, em cultura. É todo um núcleo familiar que a gente melhora porque a relação da qualidade de vida e a autossuficiência financeira é direta”, afirmou.

Coordenadora nacional de Empreendedorismo Feminino do Sebrae, Renata Malheiros destacou que as mulheres precisam superar tanto barreiras técnicas para empreender, como também socioemocionais. “Quando a mulher precisa falar em público, quando está em um almoço de negócios… Muita gente já fala: será que é almoço de negócios mesmo? Quando a mulher precisa viajar a trabalho, mas está com filho doente em casa… ‘Que mulher que eu sou? Que mãe que eu sou? Sou uma péssima mãe’. Então a culpa materna, todas essas questões culturais acabam afligindo as mulheres. Não é culpa das mulheres, é da sociedade; mas a gente acaba sendo afetada”, enumerou.

Segundo Renata, as mulheres empreendedoras geralmente têm 16% mais escolaridade que os homens, mas faturam 22% menos.

2022-03-17T12:30:37-03:00março 17th, 2022|Categories: ABEVD na mídia|
Ir ao Topo