Loading...

Notícias

CLIPPING | ABEVD NA MÍDIA

Informações da ABEVD, confira:

ABEVD consegue prorrogar atual MVA-SP até final de abril

Durante grande parte de 2023, a ABEVD, assessorada pela da Fundação Getúlio Vargas e da Secretaria da Fazenda de São Paulo, revisou como as vendas diretas são feitas no estado de São Paulo. A Margem de Valor Agregado (MVA) está sendo ajustada, e é usada para calcular o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) que as empresas pagam pelos produtos vendidos pelos seus empreendedores sob o regime de substituição tributária.

Esse cálculo leva em conta o preço de venda para os empreendedores, os preços sugeridos nos folhetos de ofertas, descontos comerciais e produtos adquiridos para uso próprio. Tudo isso é feito para determinar uma MVA justa para as vendas diretas.

O estudo foi concluído no final de 2023 e agora a Secretaria da Fazenda de São Paulo está revisando as informações junto com a ABEVD. Enquanto isso, para garantir que nossas operações continuem desburocratizadas, foram emitidas as Portarias CAT nºs 7 e 8 em 2 de fevereiro, prorrogando as MVAs existentes para vendas diretas até 30 de abril.

Leia as Portarias CAT 07 e 08 de 2024 clicando aqui.

2024-02-15T17:50:38-03:00fevereiro 15th, 2024|Categories: ABEVD News|

Construindo uma força de vendas resistente: uma receita para o sucesso

A venda direta é uma indústria dinâmica que prospera na construção de forças de vendas fortes e motivadas. Neste artigo exploraremos os elementos essenciais que contribuem para a criação de uma força de vendas robusta e bem-sucedida. Esses elementos incluem integração, incentivo, apoio/recompensa à lealdade, ofertas de produtos de qualidade, cumprimento de promessas à força de vendas, facilitação dos negócios dos vendedores diretos, reconhecimento do sucesso e criação de uma cultura empresarial positiva.

Integração

Uma força de campo forte começa com um processo de integração sólido. Quando novos vendedores diretos ingressam na sua organização, é crucial fornecer-lhes treinamento e suporte inicial abrangente. Isso inclui educá-los sobre os valores, produtos e plano de remuneração da empresa. A integração eficaz garante que sua equipe de vendas comece com o pé direito e esteja equipada com o conhecimento e as habilidades necessárias para ter sucesso.

Nutrindo

Depois que seus vendedores diretos estiverem integrados, o incentivo contínuo é a chave para seu sucesso. A comunicação e a orientação regulares podem ajudá-los a construir seus negócios e superar desafios. Incentive-os a estabelecer metas, desenvolver suas técnicas de vendas e oferecer oportunidades de aprendizagem contínua. Ao nutrir sua equipe de vendas, você não apenas os ajudará a atingir seu potencial, mas também promoverá um sentimento de pertencimento à sua organização.

Apoiar e recompensar a lealdade

A lealdade é uma via de mão dupla. Para construir uma rede de consultores forte, é essencial apoiar os seus vendedores diretos e reconhecer a sua dedicação. Criar e manter canais de comunicação, pedir opiniões, reconhecê-los e apreciá-los com frequência podem ser motivadores poderosos. Reconhecer e comemorar suas conquistas e seu tempo na empresa não apenas mostra apreço, mas também incentiva a lealdade e a retenção de sua equipe.

Ofertas de produtos

Nas vendas diretas, os bens ou serviços que você oferece são a força vital do seu negócio e do de seus consultores. Produtos de boa qualidade, inovadores e com preços adequados, que atendam às necessidades reais dos consumidores, constituem a base de uma força de vendas forte. Quando os vendedores diretos conseguem promover e vender com segurança os produtos em que acreditam, eles se tornam defensores eficazes de sua marca. Alcançar isso representa um marco crucial para o estabelecimento de uma rede dedicada.

Cumprindo promessas

A confiança é vital na venda direta. Cumprir as promessas feitas à sua equipe de campo, seja em relação a remuneração, campanhas de promoção, apoio ou outros compromissos, é crucial. Quando os vendedores diretos percebem que você honra seus compromissos, é mais provável que eles também confiem e se comprometam com sua organização.

Facilitando os negócios dos vendedores diretos

O sucesso na venda direta significa capacitar sua equipe de vendas para construir seus próprios negócios. Faça todos os esforços possíveis para preparar o caminho para eles. Forneça a eles as ferramentas, os recursos e um ambiente de apoio para prosperar. Quanto mais fácil for para os vendedores diretos administrarem seus negócios, mais motivados e bem-sucedidos eles se tornarão.

Reconhecimento de sucesso

Reconhecer e celebrar o sucesso de sua equipe de vendas é um motivador muito poderoso. Reconheça publicamente os melhores desempenhos, compartilhe suas histórias de sucesso e forneça-lhes todas as plataformas possíveis para inspirar outras pessoas. Isso não apenas aumenta o moral, mas também estabelece uma referência para os outros se esforçarem. O reconhecimento do sucesso inspira uma sensação de realização e incentiva a melhoria contínua.

Criando Cultura Empresarial

A cultura da empresa é a cola que mantém unida a sua rede de consultores. Uma cultura positiva e inclusiva aumentará a motivação e o trabalho em equipe. Incentive valores como integridade, transparência e colaboração. A cultura da sua empresa deve estar alinhada com as aspirações e valores dos seus vendedores diretos, promovendo um senso de comunidade e objetivos compartilhados.

Para encerrar, construir uma força de vendas forte em vendas diretas é um empreendimento multifacetado que requer atenção a vários elementos cruciais. Da integração à criação de uma cultura empresarial positiva, cada aspecto contribui para o sucesso geral da sua força de campo e da sua organização como um todo. Lembre-se de que o sucesso na venda direta é um esforço coletivo e uma força de vendas forte é essencial para esse sucesso.

Fonte: The World Of Direct Selling.

2024-02-08T16:27:24-03:00fevereiro 8th, 2024|Categories: ABEVD News|

“A Venda Direta atualizou-se, fortaleceu-se no ambiente digital e transformou, em muitos casos, o que era uma renda extra em renda principal”

Darlene Alves, gerente nacional de Venda Direta da Mahogany, fala com exclusividade à ABEVD

A Mahogany é uma empresa brasileira fundada em 1991 e que é regida, desde o seu princípio, pelos valores de qualidade, tecnologia, intensidade, sofisticação e personalidade. A empresa adere ao canal de Vendas Diretas e é associada à Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD).

Para falar mais sobre o setor e sobre a Mahogany, a ABEVD conversou com a gerente nacional de Venda Direta da empresa, Darlene Alves.

Leia na íntegra a entrevista abaixo:

ABEVD – Como era o mercado de Venda Direta quando iniciou nesse segmento?  

Darlene Alves – Quando iniciamos, os gigantes da venda direta já estavam muito bem consolidados, e o canal vinha ganhando ainda mais relevância com a entrada de novos players, que até então tinham forte atuação no varejo e decidiram investir no canal. Além disso, o presencial e o catálogo físico ainda eram as principais ferramentas de trabalho dos consultores, e a digitalização estava apenas começando.

ABEVD – O que mais lhe atrai no mercado de Venda Direta?

Darlene Alves – A velocidade de crescimento e a força que este canal tem para aumentar a capilaridade da marca e o conhecimento de produtos, além de promover o empreendedorismo, gerar negócios e oferecer oportunidades de crescimento e renda para muitas famílias.

ABEVD – Qual seu conselho para as pessoas que estão pensando em ingressar no segmento de Venda Direta?  

Darlene Alves – Avalie seu portfólio e identifique se ele é aderente ao canal.

Crie um modelo comercial atrativo, seguro, transparente e que ofereça oportunidade de crescimento aos empreendedores.

ABEVD – É possível dizer que existe uma Venda Direta antes e depois da pandemia?  

Darlene Alves – Com certeza, o presencial continua, mas a Venda Direta atualizou-se, fortaleceu-se no ambiente digital e transformou, em muitos casos, o que era uma renda extra em renda principal.

ABEVD – Quais as expectativas da Mahogany para esse ano?  

Darlene Alves – Nossa expectativa é aumentar o canal e manter nossos índices de crescimento da participação deste canal em nosso negócio.

Fonte: Assessoria de imprensa da ABEVD

 

2024-02-08T16:12:49-03:00fevereiro 8th, 2024|Categories: ABEVD News|

Métricas para 2024: saiba o que executivos de grandes empresas planejam para esse ano

Executivos das nossas empresas associadas avaliaram o artigo publicado na The World Of Direct Selling News, que abordou a importância de  simplificar e concentrar-se em três métricas principais para acompanhar o desempenho dos empreendedores independentes e, consequentemente,  prever e determinar a saúde dos negócios de Venda Direta. Conheça as métricas e o que nossas empresas associadas têm a dizer:

  1. Empreendedores que venderam para um cliente

Faça o acompanhamento de quantos empreendedores venderam para pelo menos um cliente em um mês – seja novo ou já registrado na base. Algumas empresas chamam esses empreendedores de “ativos”. Independentemente de como você os chame, defina sua linha de base sobre quantos empreendedores normalmente agem como empreendedores/consultores em um mês e, em seguida, monte programas e campanhas para aumentar esse número.

Saiba qual a porcentagem de empreendedores ativos, que realizaram uma ou mais vendas em um mês, bem como quantos empreendedores venderam para dois ou mais clientes.

  1. Empreendedores que “patrocinam” outro empreendedor

Semelhante ao monitoramento de vendas, é crucial rastrear quantos empreendedores patrocinaram outros, indicando qual a periodicidade e produtividade. Ter estas informações em mãos elucidam sobre o grau de envolvimento que o consultor tem no negócio.

  1. Número de clientes que fizeram seu segundo pedido

Monitorar quantos clientes realizam seu segundo pedido significa retenção de clientes. A repetição de pedidos é crucial para o sucesso financeiro. Por isso, a importância em concentrar esforços na obtenção do segundo pedido de novos clientes.

Importante ressaltar que para acompanhar as métricas propostas no artigo, é necessário que o Empreendedor determine como e quem acompanhará essas novas métricas, comparar mensalmente, aplique essas métricas para cada mês de 2023 para servir como linha de base e reserve 30 minutos por mês para revisar seus números, comparando-os com os do ano passado para tomar decisões de como pode melhorá-los em 2024.

Opinião dos executivos de Venda Direta sobre as métricas sugeridas

Paulo Moledo, CEO da Hy Cite:

“O artigo fornece uma visão interessante sobre a gestão de negócios no cenário de 2024, destacando a crescente complexidade que é lidar com informações em meio ao amplo acesso a dados e inteligência artificial, algo que cada vez mais se tornará uma realidade no mercado como um todo, não só na Venda Direta. É realmente muito importante termos métricas para podermos monitorar os processos e orientar decisões estratégicas. A ênfase em empreendedores ativos que efetivamente vendem para clientes, o patrocínio entre empreendedores e a retenção de clientes através do segundo pedido e acompanhamento pós-venda oferece uma abordagem abrangente para avaliar a saúde de um negócio. Além disso, o artigo fornece um guia prático claro, indicando passos específicos para implementar e acompanhar essas métricas ao longo do tempo que podem servir de base e a apoio para aqueles que ainda não sabem por onde começar. Essa abordagem pragmática e direcionada pode ser valiosa para as empresas que buscam navegar no ambiente competitivo de 2024 e impulsionar o sucesso na Venda Direta”.

Bernardo Dutra, Gerente de Marketing da Forever Living

“Mensurar resultados sempre foi fundamental e, hoje, isso se torna ainda mais relevante no ambiente digital. Entender o comportamento de consumidores e parceiros e fornecer o maior suporte e benefícios possíveis para públicos cada vez mais específicos só é viável se mantivermos o foco em métricas essenciais e que realmente fazem a diferença.”

Marisol Ahumada, Vice-President Regional Sales SAMCAM da Herbalife

“Na verdade, a retenção de clientes tornou-se um dos maiores objetivos de qualquer negócio de venda direta. O custo de aquisição de um novo cliente versus o poder de uma indicação de um cliente retido é incomparável. Esse equilíbrio entre prospecção e retenção com indicação é um dos grandes diferenciais para o êxito do negócio.”

Igor Carvalho, Diretor Comercial da Herbalife do Brasil

“O artigo realmente reforça a máxima de que, em qualquer negócio, não se controla aquilo que não se mede. O negócio de venda direta se caracteriza pela sua emoção, vibração e principalmente pelos reconhecimentos, porém os líderes de mais destaque são aqueles que comemoram os pequenos progressos com a visão de longo prazo. Isso só é possível criando patamares evolutivos através dos dados, como o LTV por nível (lifetime value do nosso público, ou seja, o lucro líquido que cada cliente/distribuidor nos aporta)”.

Ronnie Piovezan, Diretor comercial do Hinode Group

“Nos últimos anos temos investido forte em transformação digital e ferramentas tecnológicas, e seguiremos com muitas inovações para o ano de 2024. Esse avanço nos traz uma visibilidade maior dos dados gerais de todas as áreas da empresa, e ter métricas assertivas são essenciais para transformar essa informação em estratégias que contribuem para o crescimento do nosso negócio e o desenvolvimento dos nossos empreendedores. Conseguimos mapear o desempenho de nosso consultor, verificar suas necessidades e oferecer ferramentas para que possa obter melhores resultados. Aqui no Hinode Group não abrimos mão da tecnologia, mas todas as atualizações são feitas exclusivamente pensando em nossos consultores, pois eles são a nossa maior força de venda”.

Fonte: Assessoria de imprensa da ABEVD.

2024-02-15T17:44:40-03:00fevereiro 8th, 2024|Categories: ABEVD News|

Tendências da Geração Z esperadas em 2024

As plataformas de redes sociais tornaram-se megafones de tendências, tornando virais momentos aparentemente insignificantes e criando culturas digitais partilhadas através das fronteiras internacionais. Para avaliar o que estará “na moda” em 2024, o Instagram realizou uma pesquisa nos EUA, Reino Unido, Brasil, Índia e Coreia do Sul para descobrir as questões e tendências mais importantes para a Geração Z.

O autoaperfeiçoamento, o desenvolvimento e a sustentabilidade são as principais prioridades no que o Instagram descreveu como “a era de crescimento da Geração Z”. Muitos participantes disseram que 2024 seria o ano em que malhariam, se alimentariam de forma saudável e explorariam uma nova carreira. Na verdade, um em cada três entrevistados da Geração Z acredita que o trabalho autônomo é a melhor maneira de alcançar riqueza.

À medida que as marcas procuram capitalizar estes jovens investidores e funcionários, é importante ter em mente que a comunidade também está a mudar para este grupo demográfico. As parcerias românticas são menos comuns, com 63% dos entrevistados descrevendo o seu status de relacionamento como solteiro, e as redes sociais estão rapidamente se tornando suas interações predominantes. Na verdade, a Pew Research afirmou esta semana que quase metade (46%) dos adolescentes norte-americanos com idades entre os 13 e os 17 anos relatam “estar online” quase constantemente – o dobro do que os adolescentes relataram há uma década.

Os consumidores mais jovens estão mudando o cenário do mercado. Eles preferem compras sustentáveis, optando por roupas vintage e econômicas em vez de novas; consomem de forma responsável (45% têm interesse em produtos veganos); e esperam que as marcas que compram sejam relevantes. E no que o Instagram chamou de “Os 5 Melhores Icks” em todos os países pesquisados, a postagem de memes desatualizados ou sem graça ficou em segundo lugar. As empresas precisam de fazer progressos agora para conceber estratégias que reflitam estas prioridades. Aqueles que não prestam atenção a essas tendências correm o risco de se tornarem eles próprios um meme ruim.

Fonte: Direct Selling News.

2024-01-08T16:08:38-03:00janeiro 8th, 2024|Categories: ABEVD News|

Country Manager da Forever Living Brasil fala com exclusividade à ABEVD

Fernando Junqueira falou sobre Venda Direta e perspectivas da empresa

A Forever Living é líder mundial no cultivo, processamento e distribuição de produtos de Aloe Vera. A empresa foi fundada nos Estados Unidos em 1978, e chegou ao Brasil em 1996 – atuando, hoje, em mais de 160 países.

Para falar mais sobre a empresa e Venda Direta, a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), conversou com o Country Manager, Fernando Junqueira da Forever Living Brasil.

Leia a entrevista na íntegra abaixo:

ABEVD – O que mais o atrai na Venda Direta?

Fernando Junqueira – O setor é uma opção de eficiência comprovada para pessoas, independentes de sua formação, gerarem uma renda complementar ou mesmo alcançar a independência financeira.

ABEVD – Qual seu conselho para as pessoas que estão pensando em ingressar no segmento?

Fernando Junqueira – Quem está considerando iniciar no setor, sugiro sempre investir no seu próprio desenvolvimento para que possa mais rapidamente alcançar seus objetivos. Além disso, é importante seguir mantendo o foco e a persistência que o resultado aparece.

Minha principal dica é: ao enfrentar os desafios inerentes a qualquer atividade própria, acredite no seu potencial de superação.

ABEVD – É possível dizer que existe um mercado de Venda Direta antes e depois da pandemia?

Fernando Junqueira – Sim. Ainda que tenhamos tido uma redução do trabalho corpo a corpo durante e após a pandemia, a utilização das mídias sociais e ferramentas digitais abriu novos horizontes de atuação.

ABEVD – Quais as expectativas da Forever Living para o próximo ano?

Fernando Junqueira – Sempre temos que nos manter otimistas, não importando as situações que o mundo ou seu próprio país vivem. O importante é entender que existe um mercado sempre crescente e o segredo é como melhor atendê-lo. A Forever segue essa filosofia e, portanto, estamos bastante otimistas.

ABEVD – Qual a sua principal contribuição que espera deixar como Country Manager da Forever Living no Brasil? 

Fernando Junqueira – Minha contribuição é fazer com que milhares de pessoas possam acreditar nesta grande oportunidade para melhorar suas vidas, atuando de forma íntegra e elevando a imagem do segmento como um todo.

ABEVD – Como você vê o setor em 10 anos?

Fernando Junqueira – Eu vejo o futuro com otimismo. A evolução e a adaptação do setor às ferramentas atuais e que ainda surgirão possibilitarão maior velocidade e praticidade para o desenvolvimento desta atividade.

ABEVD – Gostaria de acrescentar alguma coisa?

Fernando Junqueira – Espero que possamos continuar atraindo milhares de pessoas para conhecerem e aderirem a esta grande oportunidade, em especial ao negócio Forever Living.

Fonte: Assessoria de imprensa da ABEVD.

2024-01-10T11:56:29-03:00janeiro 8th, 2024|Categories: ABEVD News|

Por que eles saem da sua empresa?

*Por Hakki Ozmorali 

No cenário empresarial competitivo de hoje, o crescimento é essencial para a sobrevivência em qualquer setor. Porém, quando se trata de venda direta, o crescimento assume um significado ainda maior, principalmente no que diz respeito à gestão da força de vendas. A indústria de venda direta muitas vezes aceita um alto nível de atrito como inevitável, mesmo a partir do momento em que os vendedores diretos independentes ingressam na empresa. Mas tem que ser assim? Vamos explorar os motivos comuns por trás do desgaste e como as empresas podem mitigá-lo.

1) Razões pessoais

Às vezes, os contratantes independentes decidem deixar uma empresa de vendas diretas devido a uma desconexão pessoal. Quer a sua motivação inicial tenha sido seguir um hobby, socializar, encontrar uma fonte de rendimento a tempo parcial ou estabelecer um negócio a tempo inteiro, razões pessoais podem levar a saídas. Se a causa subjacente for genuinamente pessoal e não relacionada à empresa, pode haver pouco que uma empresa possa fazer para mudar esta decisão. No entanto, e se houver razões mais profundas escondidas sob a superfície?

2) Linha ascendente

Em alguns casos, a decisão de desistir é influenciada pelo patrocinador ou mesmo por toda a linha ascendente. A falta de treinamento e orientação adequados por parte do patrocinador geralmente resulta na saída de novos recrutas da empresa. Às vezes, são as expectativas de rendimento irrealistas estabelecidas pelo patrocinador que levam à decepção. Mesmo quando se trata de um choque de personalidades, há espaço para melhorias na gestão, especialmente no treinamento e no suporte de campo.

3) Operações

E sim, às vezes é a própria empresa que empurra as pessoas porta afora. Mau atendimento ao cliente, atrasos no pagamento de comissões, recusas inexplicáveis ​​de pedidos de devolução de produtos, cancelamentos repentinos de promoções, mudanças frequentes nos preços ou, pior ainda, nos planos de compensação, e falhas na comunicação atempada de atualizações de notícias… Estes não são inéditos nesta indústria, e definitivamente levam a taxas de desgaste mais altas.

4) Oportunidade

Outro motivo comum para a saída dos vendedores diretos é a insatisfação com os ganhos atuais ou potenciais que a empresa proporciona. Isto pode dever-se ao facto de o indivíduo estabelecer expectativas de rendimento irrealistas ou pode resultar de mensagens contraditórias enviadas pela empresa. Em alguns casos, o próprio plano de compensação pode ser mal concebido, causando frustração e decepção.

5) Produtos

Produtos medíocres, ofertas com preços excessivos ou itens que não atendem às expectativas criadas pelas afirmações de marketing são muitas vezes os culpados pelos desvios. Garantir que os produtos estejam alinhados com suas promessas de marketing e sejam exigidos pelos usuários finais é crucial para reter vendedores independentes satisfeitos. Além disso, é sempre aconselhável oferecer uma ampla gama de produtos para que os vendedores diretos possam atender às diversas necessidades dos clientes.

6) Presença Digital

Na era digital de hoje, uma forte presença online não é mais um luxo, mas uma necessidade. A falta de ferramentas, plataformas e recursos digitais pode sinalizar aos vendedores diretos que a empresa está desatualizada ou não está disposta a se adaptar às práticas comerciais modernas. É de extrema importância que as empresas sigam e adotem as ferramentas que facilitarão os empreendimentos dos contratantes independentes.

7) Reputação

A publicidade negativa sempre foi um fator significativo que levou a saídas. Quem gostaria de estar associado a uma empresa onde todos os dias surge outra notícia adversa? Os vendedores diretos esperam que suas empresas tenham uma boa reputação. São eles que representam a marca diariamente para seus clientes e potenciais vendedores diretos. Obviamente, eles querem se orgulhar de suas empresas.

É crucial reconhecer que a maioria dos membros de campo trabalha em tempo parcial e é hobby. Alcançar a perfeição aqui pode ser uma meta irrealista, porque nem todos os desvios podem ser evitados. No entanto, as empresas podem fazer esforços significativos para minimizar o atrito.

O primeiro passo nessa direção é identificar as causas profundas do abandono. Concluída esta fase, as empresas poderão abordar cada questão e fazer as melhorias necessárias para reduzir as taxas de desgaste. O objetivo final é criar um ambiente onde os vendedores diretos independentes se sintam apoiados, valorizados e motivados para continuar a sua associação com a empresa. Ao reconhecer e mitigar os motivos da saída, as empresas podem aumentar as suas hipóteses de reter uma força de vendas dedicada e bem-sucedida.

*Hakki Ozmorali é o fundador da WDS Consultancy, uma empresa de consultoria de gestão e publicação online no Canadá, especializada na prestação de serviços para empresas de Venda Direta.

Fonte: The World Of Direct Selling.

2023-12-07T17:57:52-03:00dezembro 7th, 2023|Categories: ABEVD News|

ABEVD participa de encontro internacional sobre perspectivas da Venda Direta na América Latina

O encontro apresentou uma visão abrangente da Venda Direta na América Latina, destacando desafios, conquistas e estratégias para o futuro promissor do setor

Nesta terça-feira (21.11), a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), representada pela presidente-executiva, Adriana Colloca, participou da mesa redonda online organizada pela Hy Cite, com objetivo de debater a Venda Direta na América Latina.

A reunião contou com a participação do Paulo Moledo, CEO da Hy Cite; Daniela Ortiz, chefe de marketing da Hy Cite; Juan Franco, gerente de vendas da Hy Cite; Elizabeth Acunã Ayala, diretora-executiva da Associação Colombiana de Venda Direta (Acovedi) e o casal de empreendedores independentes, Elizabeth e Marco Costa.

Em debate, foi trazida uma visão abrangente da Venda Direta na América Latina, destacando desafios, conquistas e estratégias para o futuro promissor do setor. Adriana Colloca enfatizou a honra de representar a Venda Direta brasileira. “É um setor que traz oportunidade de trabalho para 4 milhões de empreendedores no país, principalmente jovens de 18 a 29 anos, que veem na Venda Direta uma oportunidade profissional”, completou.

Paulo Moledo destacou os 25 anos da presença da Hy Cite na América Latina, abrangendo mais de 8 países e expressou o orgulho de fazer parte da indústria de Venda Direta, proporcionando suporte para milhões de pessoas na conquista de seus objetivos e sonhos.

“Temos que ser muito transparentes com os distribuidores e consumidores, fornecendo todas as informações sobre como funciona o sistema e oferecendo assistência aos clientes. O segredo está no melhor atendimento e transparência, algo que temos feito ao longo de 60 anos”, enfatizou Moledo.

Elizabeth Acuña Ayala, diretora-executiva da Acovedi, destacou um crescimento de 8% na indústria colombiana de Venda Direta. Ela salientou que, durante a pandemia, as pessoas buscaram nos canais de distribuição uma maneira mais segura de consumir produtos, enfatizando os valores humanos e a responsabilidade social do setor. “Esse é o maior valor agregado da Venda Direta, ajudar pessoas a desenvolverem suas vidas”, acrescentou.

Os empreendedores Elizabeth e Marco Costa, contaram que se mudaram para os Estados Unidos em busca do sonho americano, mas as coisas não foram da maneira que imaginaram. “Não tínhamos experiência em vendas e gostaria de falar que sim, é possível. A Venda Direta é um estilo de vida, não é só vender, é representar um produto e representar você mesmo. Somos seres humanos e temos inteligência e podemos nos reinventar todos os dias”, relataram.

Quando questionados sobre como a Venda Direta tem se adaptado às mudanças no consumo na América Latina, Daniela Ortiz destacou o foco no bem-estar e inovação, usando a tecnologia de maneira estratégica, proporcionando aos empreendedores adaptarem essas inovações de acordo com seu contexto.

Juan Franco, gerente de vendas da Hy Cite, enfatizou a importância da presença pessoal na demonstração de produtos para a marca. “No fundo, as pessoas desejam ter seu próprio negócio, mas geralmente é necessário um grande capital para iniciá-lo. Nós auxiliamos as pessoas a estabelecerem empreendimentos sem a necessidade de um investimento inicial significativo e as orientamos sobre como superar os desafios”, completou.

Adriana Colloca abordou que tudo pode ser vendido através do canal da Venda Direta. “Continuamos com os cosméticos sendo o carro chefe do setor, mas observamos crescimento na área de utensílios domésticos, suplementos alimentares, bebidas, alimentos e até materiais de construção”, finalizou.

Fonte: Assessoria de Imprensa da ABEVD.

2023-11-24T13:52:39-03:00novembro 24th, 2023|Categories: ABEVD News|

Prêmio Ouro – Digitalização: WhatsApp Verificado do Hinode Group

O projeto desenvolvido pelo Hinode Group para utilizar o WhatsApp como ferramenta de comunicação com os revendedores foi um verdadeiro sucesso, superando desafios e proporcionando resultados impressionantes.

O primeiro desafio enfrentado foi a obtenção da conta Oficial Verificada junto à META, empresa responsável pelo WhatsApp. Para isso, foi crucial demonstrar a importância e relevância da Hinode no mercado nacional, o que resultou na obtenção de não apenas uma, mas três contas verificadas consecutivas. Isso representou um marco significativo para o projeto.

Em seguida, a equipe enfrentou o desafio de definir as comunicações ideais e suas frequências. Para isso, realizaram um levantamento abrangente das jornadas de comunicação desejadas pelos diferentes stakeholders da empresa, identificando os principais desafios do negócio. A partir dessas informações, segmentaram os públicos em grupos de teste e controle, conduzindo envios pequenos para avaliar os resultados.

Uma das ações mais bem-sucedidas foi a chamada “Tentativa de Compra”. Por meio do CRM, a empresa integrou informações provenientes do E-commerce, identificando compras de consultores que não puderam ser concluídas devido à falta de estoque nas franquias. Ao cruzar esses dados com a rotina de reposição de estoque, a Hinode passou a notificar os consultores em tempo real quando um item de seu interesse fosse reposto na franquia desejada.

Para escalar esse processo, a equipe realizou a integração via API entre o WhatsApp e a Salesforce e desenvolveu algoritmos próprios para o tratamento e cruzamento de dados. Isso permitiu a automação total dos envios de mensagens não apenas no Brasil, mas também nos outros sete países em que a Hinode atua, 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Os resultados foram notáveis. A implementação bem-sucedida do projeto proporcionou à Hinode um canal de contato completamente automatizado com sua rede de consultores, gerando receita de forma recorrente tanto para a empresa quanto para os franqueados, todos os dias da semana.

O projeto demonstra a capacidade do Hinode Group em inovar e encontrar soluções criativas para utilizar uma das ferramentas de comunicação mais populares do mundo de maneira eficaz e benéfica para todos os envolvidos. Essa iniciativa não apenas fortaleceu o relacionamento com os revendedores, mas também impulsionou os negócios da empresa de forma significativa.

“É uma satisfação muito grande estar entre os principais players do mercado, receber este reconhecimento por nossas iniciativas e ações. Tudo é muito gratificante e nos inspira a seguir investindo e trabalhando”, comenta Sandro Rodrigues, CEO do Hinode Group.

 

2023-11-13T13:44:51-03:00novembro 13th, 2023|Categories: ABEVD News|

Prêmio Ouro – Impacto Feminino: Instituto Mary Kay: Empresa Madrinha Associação Fala Mulher

O projeto liderado pela Mary Kay do Brasil em parceria com a Associação Fala Mulher é um exemplo inspirador de como é possível promover o bem-estar das mulheres em situação de violência doméstica. O Instituto Mary Kay concentra seus esforços no combate a esse grave problema social, com um foco especial no estado de São Paulo.

A Associação Fala Mulher, uma organização sem fins lucrativos, desempenha um papel crucial no enfrentamento da violência doméstica. Além disso, a Associação se dedica à promoção da independência financeira das mulheres e à disseminação de informações sobre a Lei Maria da Penha e os direitos das mulheres. Suas atividades abrangem também a defesa e garantia dos direitos humanos de pessoas em situação de vulnerabilidade social.

A parceria estabelecida com a Associação Fala Mulher demonstra o compromisso da Mary Kay em auxiliar as mulheres que enfrentam a violência doméstica de forma efetiva. Os recursos financeiros fornecidos pela Mary Kay são destinados a três tipos de serviços essenciais oferecidos em sete unidades localizadas no estado de São Paulo.

A Casa Abrigo oferece um ambiente de acolhimento temporário, provendo moradia, alimentação, transporte, assistência social, apoio psicológico e atividades socioeducativas para mulheres e seus filhos em situação de risco devido à violência doméstica. O Centro de Defesa e Convivência da Mulher oferece suporte psicossocial, orientações e encaminhamento jurídico, promovendo atividades socioeducativas e incentivando o empreendedorismo feminino. Já o Núcleo de Proteção Jurídico, Social e Apoio Psicológico garante atendimento especializado para famílias em situação de ameaça ou violação de direitos.

Esses serviços são essenciais para oferecer um ambiente seguro e acolhedor, permitindo que as vítimas se restabeleçam e se libertem do ciclo de violência. Os resultados positivos são evidentes, como os depoimentos emocionantes de mulheres que encontraram apoio e transformação por meio da Associação Fala Mulher.

Além dos recursos financeiros, a Mary Kay contribui de maneira prática ao criar o “Cantinho da Informática” e o “Cantinho da Beleza” nas casas abrigo e nos CDCM. Esses espaços oferecem oportunidades de aprendizado e autoestima, demonstrando um compromisso genuíno em promover a independência e o bem-estar das mulheres.

O Instituto Mary Kay também mobiliza seus colaboradores e participa ativamente de eventos para arrecadar fundos, reforçando sua parceria contínua com a Associação Fala Mulher. O reconhecimento como empresa madrinha é um testemunho do compromisso duradouro da Mary Kay em combater a violência doméstica e apoiar as mulheres em busca de uma vida livre e digna. Este projeto serve como um exemplo brilhante de como empresas podem fazer a diferença na vida das pessoas e na sociedade como um todo.

“O Prêmio ABEVD que o Instituto Mary Kay recebeu pelas suas ações ao combate contra a violência doméstica em parceria com a Associação Fala Mulher é um reconhecimento incrível, não só pela relevância do prêmio e da ABEVD, mas pela valorização do trabalho constante e incansável pelo fim desse mal que infelizmente ainda impacta as mulheres no Brasil em pleno 2023!” comenta Eduardo Vilhena, diretor de Relações Governamentais da Mary Kay do Brasil e responsável pelo Instituto Mary Kay.

2023-11-13T13:41:46-03:00novembro 13th, 2023|Categories: ABEVD News|