Loading...

Notícias

CLIPPING | ABEVD NA MÍDIA

Informações da ABEVD, confira:

ABEVD recebe maior prêmio internacional de credibilidade pelo terceiro ano consecutivo

O título Status Platinum reconhece o nível mais alto que atende a todos os parâmetros de governança para uma associação de Venda Direta

O mercado brasileiro de Venda Direta é um dos maiores do mundo, sendo representado oficialmente pela Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), entidade premiada pelo terceiro ano consecutivo com o Status Platinum da World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA) – Federação global de Venda Direta com mais de 60 associações do mundo – reconhecimento do mais alto nível de ética e boas práticas.

Considerado um dos mais tradicionais reconhecimentos no mundo, a ABEVD conquista o Status Platinum desde 2020. O processo de avaliação para a premiação considera padrões organizacionais de desempenho e boas práticas estipulada pela WFDSA, que inclui a excelência no trabalho desenvolvido a favor da Venda Direta das Associações presentes nos países.

“Esse prêmio é um grande reconhecimento ao trabalho que a ABEVD desenvolve, com critérios exigentes para os associados e a valorização da Ética, que faz parte da nossa missão. Todos, empresas e empreendedores, que é como chamamos os revendedores, precisam seguir o Código de Ética para que exerçam seu trabalho em consonância e harmonia” explica a presidente executiva da ABEVD, Adriana Colloca.

“Para isso, é disponibilizado uma série de ações educativas, inclusive, um curso gratuito para obter certificação em Ética da Venda Direta, para que todos do setor possuam ciência das regras estabelecendo assim um alto nível de conduta”, completa.

2022-07-15T18:05:52-03:00julho 15th, 2022|Categories: ABEVD News|

Transformando a aquisição de clientes em repetição de clientes

*Por Brett Duncan

Sem dúvida, o que mais me pediram para ajudar as empresas nos últimos três anos foi ajudá-las a criar e lançar um Programa de Recompensas ao Cliente. Esses programas são chamados de todos os tipos de coisas diferentes (por exemplo, Programas de Fidelidade, Programas de Indicação, Programas de Cliente Preferencial, Programas de Pontos etc.), mas o interesse principal é encontrar maneiras de a equipe corporativa envolver mais os Clientes de uma forma que leve a mais encomendas e mais apresentações à marca.

Houve muito foco na aquisição de clientes nos últimos cinco anos e por boas razões. Afinal, uma razão fundamental para qualquer negócio é adquirir Clientes. Mas com toda essa aquisição, as empresas agora também estão vendo grandes oportunidades para transformar essa aquisição em repetição. Em outras palavras, o que todos nós realmente queremos não é apenas “Aquisição de Clientes”, mas sim “Repetir Aquisição de Clientes”.

Na minha opinião, é aqui que um programa de Recompensas ao Cliente ajuda mais. Aproveite coisas como gastos com anúncios e promoções e códigos de desconto e distribuidores para se concentrar na aquisição, mas introduza um programa de recompensas para realmente aproveitar a repetição.

Há muito para montar um bom Programa de Clientes. Muita modelagem, dados e pensamento de processo. Portanto, um único artigo não pode cobrir tudo. O que posso fazer é transmitir seis fundamentos principais para impactar seu pensamento e planejamento ao montar seu próprio programa.

1. Deixe seus dados dizerem a você o que segmentar.

Não existe um programa único para todas as empresas. Certamente haverá semelhanças, mas as nuances de sua empresa e o comportamento do cliente em sua empresa é o que fará seu Programa de Recompensas afundar ou nadar. Portanto, antes de começar a reunir os parâmetros do seu programa, analise os dados e deixe-os mostrar onde você precisa se concentrar.

No meu artigo “ 3 estatísticas que as empresas de vendas diretas devem prestar mais atenção em 2022 ” , descrevo três relatórios que estão provando ser muito poderosos para todas as empresas que os investigam. Esses são relatórios que você já pode executar, mas minha experiência me mostrou que a maioria das empresas não o faz, ou pelo menos não na medida em que eles precisam ser executados.

O primeiro relatório que menciono é referido como “Dados de Compra”. Você precisa ter uma visão clara de como seus clientes atuais compram especificamente para a frequência. Descubra quantos clientes compram apenas uma vez por ano, apenas duas vezes por ano, etc. uma vez por ano). Esta é uma estatística bastante reveladora. E mesmo que seus números sejam melhores do que essa norma, é sua linha de base que você quer tentar melhorar.

Embora todos nós gostaríamos de receber pedidos de clientes seis ou mais vezes por ano, não podemos criar programas em torno de uma expectativa tão alta. E, no entanto, muitas vezes o fazemos. Seus dados vão mostrar onde se concentrar. Na maioria das vezes, está na área de mudar alguns desses compradores únicos para duas ou três vezes em um ano. O volume nesse nível sozinho tem a capacidade de causar um impacto significativo nas receitas de uma empresa.

Não construa seu programa até que seus dados mostrem onde a oportunidade realmente está. Identifique-o e, em seguida, construa um programa em torno dele.

2. A Primeira Ordem é um Meio para a Segunda Ordem.

Um dos meus clientes disse isso outro dia, e quanto mais penso nisso, mais concordo com isso. Na superfície, pode parecer um pouco sem alma, mas essa não é a intenção. Algum de nós está fazendo o que estamos fazendo para que possamos apenas vender um produto? Não, não somos. Estamos interessados ​​em impactar uma vida com nossos produtos, e o impacto quase sempre requer mais do que um único pedido.

Além disso, todos sabemos que os custos de aquisição (para empresas e distribuidores) para esse novo cliente são geralmente muito mais altos do que os pedidos em andamento. Além disso, nossos distribuidores precisam ver pedidos repetidos para experimentar o sucesso que os manterá funcionando, e vemos o quão importante esse mantra se torna.

Quando você assume a mentalidade de que “o primeiro pedido é apenas um meio para o segundo pedido”, como isso muda a forma como você cria um programa de vendas? Uma promoção? Treinamento de vendas?

Um programa de Recompensas ao Cliente pode cobrir muito terreno, mas seu foco fundamental deve ser obter segundos pedidos (e além).

3. Dê a eles algo que os traga de volta.

Então, a pergunta se torna: “Bem, como faço para obter um segundo pedido?” Que bom que você perguntou…

É claro que, para alguns clientes, eles vendem imediatamente o valor do seu produto. E isso é ótimo. Mas eles não são a maioria.

Alguns de seus pensamentos podem ir direto para o seu programa de envio automático. E os programas de envio automático são uma parte muito poderosa da “repetição do cliente”, com certeza. Mas esperar que alguém vá de um pedido para o envio automático é um salto bastante robusto para a maioria. Uma única experiência com seu produto normalmente não é suficiente para se comprometer com remessas mensais contínuas.

Isso vai parecer bastante simples, mas seu Programa de Recompensas ao Cliente deve procurar maneiras de trazê-los de volta para outro pedido. Você precisa dar a eles algo que só pode ser usado no próximo pedido. Na maioria dos casos, trata-se de alguma forma de crédito ou desconto do produto.

Por mais simples que pareça, muitas vezes fazemos o oposto. Muitas vezes oferecemos grandes descontos e recompensas e brindes em seu primeiro pedido. E enquanto isso tem seu lugar, dar um grande desconto em um produto que eu nem tenho certeza se quero ainda não faz muito sentido. Na maioria dos casos, o primeiro pedido realmente não tem a ver com preço; é sobre valor. Um novo cliente ainda não experimentou o valor que seu produto traz para sua vida, e nenhum desconto pode substituir isso. Portanto, embora uma promoção profunda no primeiro pedido às vezes possa levar alguém a fazer uma compra, ela ainda não abordou a maior questão que precisa ser respondida.

No entanto, depois que eles compram o produto e a experiência, as coisas mudaram completamente. Eles sabem o valor que o produto traz (ou não). Portanto, eles estão abertos a vantagens que podem ser usadas em outro pedido.

E a melhor notícia é que… ainda estou para ver uma vantagem em relação a um segundo pedido que custa mais do que tudo o que entra no primeiro pedido. Portanto, é economicamente melhor economizar seus descontos para depois da primeira compra e concentrar seus esforços de marketing (história, vídeo, gastos com anúncios) e esforços de distribuição em encontrar novos clientes para fazer seu primeiro pedido.

4. Vencimento e quebra são chaves para o sucesso.

Seja qual for a recompensa que você oferece em seu programa, certifique-se de que ela tenha uma data de validade. Simplificando, todos nós precisamos de um prazo para fazer algo.

Alguns clientes com quem trabalhei tiveram uma atitude bastante altruísta em relação ao programa e odeiam a ideia de expiração. E eu aplaudo o pensamento por trás disso. Mas não funciona.

Seu programa de Recompensas ao Cliente funcionará porque oferece oportunidades de informar seus clientes sobre algo que a maioria deles apreciará: “Seu desconto está prestes a expirar”. Na minha experiência, nada leva as pessoas a agirem como a ameaça de algo expirar.

Dito isto, algumas vantagens expirarão. Na verdade, muitos deles vão. Não se engane: você não está montando este programa para que as pessoas não usem suas recompensas. Se você construir seu programa corretamente, será do seu interesse (de todas as perspectivas) que os clientes resgatem recompensas.

Mas alguns ainda não. Na verdade, provavelmente 50% deles não. Talvez mais. Normalmente, gosto de supor que apenas 30% expirará e construo um programa em torno dessa suposição, mas ainda não vi isso tão baixo na vida real.

5. O sucesso está em como você comunica o programa (não o programa em si).

Como mencionei no último ponto, o valor real de um Programa de Recompensas é que ele oferece todos os tipos de motivos para manter contato com seus clientes. Eles podem se cansar de suas promoções, e-mails de marketing ou boletins informativos, mas ninguém pensa mal da pessoa que os lembra que eles têm uma recompensa que podem resgatar.

A equipe corporativa que descobrir como segmentar efetivamente suas comunicações relacionadas ao seu Programa de Recompensas é quem realmente ganha com um programa como este. A comunicação em torno do programa é muito mais importante do que o próprio programa. Como você pode imaginar, é também aqui que a maioria das empresas fica aquém.

Nós, vendedores diretos, somos ótimos em lançar coisas, mas normalmente não temos o processo de nutrição que deve começar após o lançamento. Nós apenas passamos para a próxima coisa a ser lançada. Se você fizer isso com seu Programa de Recompensas, esperando que ele floresça por conta própria, já falhou. Então não faça isso.

Ainda mais importante é que um Programa de Recompensa dá aos seus distribuidores uma razão incrível para ficar na frente dos clientes, e essa é a verdadeira vitória. Como eu disse em muitos casos, a unidade fundamental do sucesso na venda direta é uma conversa. Se uma conversa sobre sua empresa não estiver ocorrendo, nada mais poderá acontecer. Tudo começa com uma conversa. Seu Programa de Recompensas oferece aos seus distribuidores uma maneira simples de iniciar todos os tipos de conversas.

6. Não espere muito do seu programa de indicações.

Muitos Programas de Recompensas para Clientes incorporam algum tipo de componente de indicação para clientes. Eu acho que esta é uma boa idéia, e deve ser considerada na maioria dos casos. Só não espere muito disso.

Nós, vendedores diretos, achamos que podemos convencer qualquer pessoa a compartilhar o quão incrível nossa empresa é. E em uma época em que o distribuidor médio pode estar aquém da produtividade que achamos que deveria estar em vigor, é natural imaginar como podemos fazer com que os clientes saiam e compartilhem para nós.

Mas os clientes não estão tão interessados ​​em seu programa de indicação. Pense em todos os diferentes programas de recompensas dos quais você faz parte. Tenho certeza de que alguns deles também oferecem planos de referência. Com que frequência você os indicou para alguém que usa o programa? Aposto que não somos muitos.

Se seus clientes estivessem tão interessados ​​em compartilhar sua empresa com outras pessoas, eles se tornariam distribuidores de anúncios ! Então, definitivamente incorpore um componente de referência ao seu programa (quando funciona , é ótimo). E adicione todos os tipos de outras coisas também, se quiser. Mas lembre-se de que o que a maioria dos clientes pensa é simplesmente isso: “Quando gasto $ XX, recebo X de volta”. É isso. Não pense demais.

BÔNUS: Repense seu programa de hospedagem através das lentes de um programa de recompensas para clientes.

Nesta era de Programas de Recompensas para Clientes, as empresas de planos de festas estão enfrentando um dilema interessante: Como um Programa de Recompensas para Clientes coexiste com nosso Programa de Anfitriões?

Eu certamente vi isso funcionar onde ambos podem existir. A verdadeira questão, porém, é por que se preocupar com ambos? Em sua essência, um programa de acolhimento é um programa de referência, sim? Pelo menos é o que deveria ser. Mas no mundo de hoje, onde os distribuidores regularmente organizam seus próprios shows, coletam pedidos e os enviam como um “show”, o programa anfitrião está sendo usado de maneiras não pretendidas.

Se você se encontrar nestes sapatos, eu o desafiaria a repensar tudo. Não faça com que o seu Programa de Recompensas ao Cliente seja um escravo do seu programa anfitrião; em vez disso, pense em como você poderia talvez mesclá-los. Não há uma resposta direta sobre como fazer isso, mas é um paradigma que vale a pena adotar. Caso contrário, não apenas seus muitos programas diferentes serão confusos e talvez até compitam entre si, mas você também perderá muita margem.

Eu espero que isso ajude. Há sempre muito mais para pensar quando se trata desses programas. Claro, você também tem que fazê-lo funcionar dentro da estrutura do seu plano de compensação. O que significa que você pode precisar ajustá-lo um pouco para dar conta do seu novo programa de recompensas.

*Brett Duncan é um “transicionista” especializado em ajudar empresas de vendas diretas na transição para a nova era da venda direta. Ele é cofundador e sócio-gerente da Strategic Choice Partners , uma empresa de desenvolvimento de negócios que ajuda as empresas de vendas diretas a dar os próximos passos.

Fonte: The World Of Direct Selling.

2022-07-12T15:57:30-03:00julho 12th, 2022|Categories: ABEVD News|

Venda Direta reinventada: a ascensão do comércio social

*Por Daryl Wurzbacher

É um momento emocionante para estar na indústria de vendas diretas. Tecnologia, mídia social e expectativas do consumidor estão convergindo, criando um ambiente dinâmico e em rápida evolução. Estamos ouvindo de clientes que são empresas tradicionais de venda direta que seu foco é simplificar a experiência do distribuidor e introduzir algumas variações de programas de afiliados e influenciadores. Ao mesmo tempo, vimos outros clientes com um modelo de negócios somente de afiliados explorando maneiras de adicionar reconhecimento e recompensas aos afiliados de maior produção por meio de promoções e compensações. No centro dessas mudanças, as empresas de vendas diretas estão respondendo às demandas do mercado e preenchendo as lacunas para impulsionar as vendas.

Nos últimos anos, a venda direta fez uma mudança significativa para as estratégias digitais (aceleradas pela pandemia), o que forçou a indústria a se adaptar. Como resultado, vemos a próxima evolução do setor sob o guarda-chuva do “comércio social”. As empresas estão aproveitando os benefícios da remuneração em vários níveis para impulsionar as equipes de vendas; ao mesmo tempo em que oferece recompensas simplificadas para clientes que compartilham e recomendam seus produtos por meio das mídias sociais.

Hoje, a revolução do comércio social está se acelerando. Em 2020, as vendas de comércio social totalizaram  US$ 475 bilhões em todo o mundo. Além disso, o canal está crescendo rapidamente, com vendas projetadas para atingir US$ 3,37 trilhões até 2028. Como resultado, estamos vendo empresas de vendas diretas adaptarem suas estratégias em três áreas principais para capitalizar.

  • Defesa do cliente ampliada.

A conexão um-para-um sempre foi o centro da venda direta. O comércio social não muda isso. Pelo contrário, amplifica-o e empodera-o. Os consumidores são muito mais propensos a comprar quando um amigo de confiança recomenda um produto ou serviço. A pesquisa da Nielsen mostra que  92% das pessoas  acreditam mais nas sugestões de amigos e familiares do que em uma mensagem de marketing. Além disso, as plataformas de mídia social expandem muito a capacidade de uma pessoa de compartilhar suas recomendações e alcançar uma comunidade mais ampla.

Os programas de marketing de afiliados e influenciadores são formas altamente eficazes para as empresas diretas ao consumidor aproveitarem o alcance estendido das mídias sociais sem perder a conexão interpessoal vital. Além disso, os programas de marketing de afiliados e influenciadores permitem que as empresas aproveitem os defensores apaixonados dos clientes, pagando-lhes uma comissão pelas vendas quando promovem produtos e serviços para seus seguidores. O marketing de afiliados está aumentando rapidamente porque é relativamente fácil para empresas e clientes. Estima-se que  oito em cada dez marcas  tenham algum programa de afiliados e  16% das vendas de comércio eletrônico  nos EUA e no Canadá se originam por meio de links de afiliados.

Embora o apelo e a oportunidade vinculados às estratégias de afiliados para empresas de venda direta sejam claros, a implementação bem-sucedida exige que as empresas simplifiquem a experiência para clientes e representantes de afiliados. Isso nos leva à segunda estratégia-chave.

  • Comércio social simplificado.

O marketing de afiliados e o comércio social se baseiam em manter tudo simples. Primeiro, a experiência deve ser simples para alguém se inscrever para se tornar um afiliado e começar a compartilhar um link de afiliado ou código promocional exclusivo. Então, à medida que as pessoas se envolvem com suas postagens e fazem compras, o processo precisa vincular perfeitamente a atividade ao afiliado – e entregar suas recompensas, que podem ser pagamentos de comissões, descontos ou brindes promocionais exclusivos.

À medida que colaboramos com nossos clientes, a necessidade de simplicidade é ressaltada pela forma como os programas são projetados. Como os afiliados não se envolvem no recrutamento ou na construção de uma equipe de downline, a maioria das empresas de vendas diretas pode adicionar um canal de venda de afiliados que opera paralelamente às estruturas de vários níveis existentes. Notavelmente, essas organizações têm a oportunidade única de expandir os relacionamentos com os afiliados ao longo do tempo, oferecendo aos afiliados de alto desempenho a capacidade de se converterem em representantes para ganhar remuneração e recompensas adicionais enquanto formam uma equipe de vendas. A simplicidade do representante e do cliente exige uma tecnologia robusta nos bastidores, que é a terceira área estratégica crítica que vemos para as empresas de vendas diretas.

  • Experiências holísticas habilitadas.

A entrega de experiências simples e personalizadas depende de tecnologia integrada. As empresas podem ter optado por ferramentas separadas para comércio eletrônico, vendas sociais e funções operacionais de back-office no passado. No entanto, à medida que as expectativas dos consumidores e dos representantes para experiências de ponta a ponta e sem atritos aumentam, nossos clientes – sejam multiníveis, focados em afiliados ou uma mistura de ambos – estão procurando maneiras de reduzir a complexidade. Como costuma ser o caso, a entrega de experiências simples exige que as ferramentas de vendas da linha de frente e as plataformas operacionais de back-end “conversem” entre si.

À medida que as empresas adicionam ou aprimoram as opções de comércio social, o sucesso ou o fracasso geralmente se resumem a ter a tecnologia básica certa, as ferramentas para facilitar a venda e uma experiência simples do cliente que motiva as compras.

Uma base sólida que permite a transformação

Projetar e implementar uma infraestrutura de tecnologia que suporte os requisitos futuros permite que as empresas aproveitem as novas oportunidades rapidamente.

  • E-commerce multicanal
  • Cálculos de comissões flexíveis
  • Gerenciamento de estoque em tempo real (online e presencial)
  • Logística consistente
  • Excelente atendimento ao cliente
O processo estratégico e contínuo de equipar os representantes com ferramentas que impulsionam o comércio social

Estabelecer uma base de ferramentas impulsiona a habilitação de vendas, fornecendo a estrutura necessária para impulsionar a atividade e a produtividade.

  • Treinamento sistemático sobre o que fazer
  • Métricas de desempenho em resumo
  • Suporte e documentação do produto
  • Planos de incentivo que motivam e reconhecem
  • Progresso de classificação atingível e sustentável
  • Ferramentas de comunicação digital e sistemas de acompanhamento
  • Ponto de venda móvel (POS) para vendas em pessoa
  • Metodologia simples para construir uma equipe e maximizar o plano de compensação
Soluções que impulsionam as compras nas mídias sociais

A criação de uma experiência de cliente perfeita e personalizada com interações sociais oferece o que os consumidores desejam hoje e pode transformar compradores em clientes e clientes em defensores.

  • Capacidade de processar com eficiência as transações feitas nas mídias sociais
  • Promoções por tempo limitado
  • Programas de fidelização de clientes
  • Programas de indicação de clientes
  • Compras ao vivo para clientes on-line (venda de comentários/compras de transmissão ao vivo/etc.)
  • Programas de embaixadores/afiliados da marca de mídia social
  • Endosso e promoção de influenciadores

Em apenas alguns anos, provavelmente apontaremos o dia de hoje como um momento decisivo em que as empresas reinventaram suas estratégias de entrada no mercado para estender o alcance da venda direta mais uma vez.

*Daryl Wurzbacher é CEO da ByDesign Technologies. Começou sua carreira na indústria de vendas diretas em 1999 como Diretor de Tecnologia da Informação para uma start-up do setor. Essa empresa foi o primeiro cliente da ByDesign Technologies, e Daryl foi um elo fundamental entre a ByDesign, os líderes de campo e sua equipe corporativa.

Fonte: The World Of Direct Selling.

2022-07-12T15:48:00-03:00julho 12th, 2022|Categories: ABEVD News|

7 principais razões que levam a falhas nos mercados internacionais

*Por Hakki Ozmorali 

Existem muitas empresas de venda direta que são bem-sucedidas em casa, mas não estão indo tão bem em outros mercados. Cada um desses casos obviamente tem suas próprias razões. No entanto, podemos identificar as áreas específicas onde os erros mais mortais são cometidos. Este artigo abrange sete deles.

Escolha do parceiro

Em alguns casos, as empresas de venda direta que desejam se expandir internacionalmente optam por fazê-lo por meio de parceria com um empreendedor local. Na maioria das vezes, isso não ocorre por meio da formação de uma joint venture, mas pela concessão de uma distribuição exclusiva em determinado país. Embora isso possa reduzir os riscos financeiros, traz riscos de negócios muito altos se o parceiro local escolhido não for o correto. Infelizmente, as empresas de venda direta ainda são enganadas pelos locais que se apresentam como os reis ou rainhas do mundo MLM. Isto é meramente devido a verificações de antecedentes pobres.

Contratação de gerente local

Na verdade, esta é uma área de falha semelhante à acima. Porque, novamente, o fracasso aqui é devido a não fazer a lição de casa corretamente. Um líder de campo local que até agora construiu uma organização de rede considerável nesse mercado não significa necessariamente que executará suas operações com sucesso. Os requisitos para uma função corporativa gerencial são muito diferentes daqueles do campo.

Nomeação de um Expatriado

Você tem certeza de que a pessoa para quem você deixará a empresa no exterior já teve exposição internacional suficiente em sua vida antes? Essa próxima pessoa no QG que está morrendo de vontade de ser realocada para um lugar exótico e quente é a escolha certa? Esse indivíduo tem uma compreensão adequada do que está prestes a enfrentar em termos de ambiente legal, ética nos negócios e clima cultural, para citar apenas alguns?

Diferenças culturais

Eu testemunhei tantos movimentos errados feitos neste campo também. Sim, a globalização é uma forte tendência. E sim, bilhões de pessoas estão sendo expostas a toneladas de informações globais na Internet agora. No entanto, fazer negócios em uma cultura estrangeira pode ser bem diferente. Uma empresa do exterior não pode se dar ao luxo de ignorar essas diferenças culturais. Pelo contrário, o que sempre compensa é respeitá-los e cumpri-los. A venda direta é realmente um negócio de pessoas, para lembrar.

Abertura de mercado dos líderes internacionais

Permitir que os líderes internacionais de campo abram um novo mercado é outra área complicada. Se não for bem monitorado, todo o projeto de lançamento e as semanas de trabalho duro por trás dele podem facilmente se transformar em um desastre. Além de todos os riscos de negócios envolvidos, a empresa pode muito bem ter problemas com as autoridades locais devido a vários problemas de conformidade.

Presença física

Embora alguns mercados possam ser facilmente gerenciados a partir de um local central, literalmente não é possível ter sucesso em muitos outros. Assim, saber a diferença é crucial. Mesmo que não haja requisitos legais impondo uma presença física, algumas sociedades são mais céticas do que outras. Indivíduos em tais mercados só precisam construir confiança naquela empresa antes e também depois de ingressarem. E estar fisicamente lá desempenha um papel muito importante aqui.

Supervisão Contínua

Por fim, temos a supervisão (e também, a orientação) da sede. Isso é vital, ponto final! Algumas das empresas voltam sua atenção gerencial para o próximo mercado potencial assim que um país é aberto. Alguns outros perdem o interesse em mercados onde pensam que não estão crescendo o suficiente e começam a gastar menos tempo neles. Isso é tão perigoso. Isso só acelera a queda naquele país, impactando negativamente os líderes de vendas internacionais que têm expectativas daquele mercado.

Expandir para um novo país não é uma tarefa fácil como alguns tendem a pensar, mas absolutamente não é tão difícil quanto alguns podem imaginar também. É apenas uma questão de fazer bem o dever de casa necessário.

*Hakki Ozmorali  é o fundador da WDS Consultancy, uma empresa de consultoria de gestão e publicação online no Canadá, especializada na prestação de serviços a empresas de venda direta. A WDS Consultancy é a editora do The World of Direct Selling, a principal publicação semanal on-line da indústria global desde 2010. Hakki é um profissional experiente com sólida experiência em vendas diretas. Suas experiências de trabalho em vendas diretas incluem cargos de Gerente Nacional e Regional em várias multinacionais. 

Fonte: The World Of Direct Selling.

2022-07-12T15:39:32-03:00julho 12th, 2022|Categories: ABEVD News|

Evento gratuito para prestigiar mulheres da Venda Direta reuniu executivas e empreendedoras do setor

ABEVD realizou o Elas Fazem a Diferença nas Vendas Diretas, proporcionando reflexão sobre as mudanças do setor e prestigiando a força feminina

A Associação Brasileira de Vendas Diretas (ABEVD) realizou mais uma edição do evento online “Elas Fazem a Diferença nas Vendas Diretas”. O encontro teve como objetivo prestigiar e proporcionar reflexão a essa parcela importante da economia brasileira – 34% dos negócios brasileiros são chefiados por mulheres, segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e na Venda Direta, elas representam 57,8%, como aponta a ABEVD.

Gratuito e 100% online, o evento teve início com o intermédio da Cristina Goto, diretora de marketing da Tupperware Brands Brasil, entre Caroline Busatto, subsecretária de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas do Ministério da Economia – apresentando o programa Brasil Para Elas; e Gessica Lopes Xavier, consultora especialista do Sebrae – compartilhando dicas e experiências para se tornar protagonista da sua própria vida, com sabedoria e inteligência emocional.

Marcaram presença por meio de vídeos, a Camila Reis – coordenadora de projetos da Aliança Empreendedora, que desde 2005 apoia microempreendedores brasileiros formais e informais em vulnerabilidade econômica – e Caroline Aguiar, coordenadora de Projetos Educacionais da Rede Mulher Empreendedora, rede de apoio ao empreendedorismo feminino que já impactou mais de 750 mil pessoas desde 2010.

As executivas Ana Caroline Albuquerque, diretora de marketing de relacionamento da Avon; Liana Moreira, diretora de marketing do Hinode Group; Luci Silva, diretora comercial da Jequiti; e Rosana Bonazzi, vice-presidente de vendas da Mary Kay Brasil, também marcaram presença e debateram os diferentes papéis das mulheres e a importância da Venda Direta para a inclusão social, independência financeira e combate à violência.

“Mais que vender produtos, a missão da Avon é contribuir para autonomia financeira e transformar vidas. Então, desde quando alguém se une a Avon para empreender, são oferecidos suportes, ferramentas e cursos que auxiliem nessa transformação”, explica Ana Caroline, diretora de marketing de relacionamento da Avon.

A diretora de marketing da Hinode pontuou que o autoconhecimento e ter sonhos são pontos de muita importância para mudanças de vida. “Ter confiança no processo é essencial, cada um tem seu processo de evolução e mudança, não é sempre que estaremos plenas em todos aspectos das nossas vidas”, completa Liana Moreira.

“Ser mulher me ajudou em todo o processo, pois sempre tive muita vontade de estudar, obter conhecimento e, acredito que a vontade de aprender é uma característica das mulheres. Nesses mais de trinta anos trabalhando na área comercial, pude concluir que o que eu realmente gosto é de desenvolver pessoas”, relata a diretora comercial da Jequiti, Luci Silva.

“Se queremos um mundo em que todos sejamos iguais, temos que ensinar isso desde cedo”, fala a vice-presidente da Mary Kay Brasil, Rosana Bonazzi, sobre a criação dos filhos. “Como mães, devemos mostrar desde sempre que tarefas domésticas tem que ser compartilhadas entre todos, sem essa história que tal coisa é de menina e tal coisa de menino”, completa.

Empreendedoras independentes do setor, Alini Dalla Stella, Fabiana Carneiro e Marianna Meinberg, compartilharam suas experiências e transformações que o setor proporcionou nem suas vidas.

“A Venda Direta veio e me ergueu do chão, como muitas mulheres eu sou mãe solo e, quando passei pela separação, não podia arrumar outro emprego na enfermagem, pois precisava ficar com os meus filhos. Então, criei uma página no Instagram e me descobri como vendedora, e também como a minha história estava conectada com as de outras mulheres”, relata Alini Dalla Stella.

“Quando eu transformei meu corpo, vi a oportunidade de ajudar outras mulheres que também não estavam felizes com o próprio corpo, só não sabia que essa oportunidade era tão grande. Através da empresa que empreendo, tenho milhares de clientes em mais de 40 países, e posso dizer que conquistei a vida que eu sempre sonhei”, declara Marianna Meinberg,

A empreendedora Fabiana também compartilhou sua experiência. “Quando conheci a Venda Direta Multinível, olhei e pensei: legal, é isso que eu quero fazer. Não vou dizer que foi fácil, e como amante de artes maciais, digo que sei como é começar com uma faixa branca, sem competência naquilo que está fazendo, mas com esforço diário evoluir e começar usufruir dos meus ganhos”.

A presidente da ABEVD, Adriana Colloca, relembrou que as mulheres na Venda Direta sempre foram destaque e a força motriz do setor, desde a época que revendiam produtos de beleza para complementar a renda do lar.

“Observar de perto mulheres empoderadas, assumindo o controle da própria vida, é inspirador. Espero encontrar a todas e muitas outras em 2023 para mais capacitação, atualização, inspiração e engrandecimento das mulheres do setor!”, conclui Adriana.

Clique aqui para assistir ao evento.

2022-06-29T17:11:02-03:00junho 29th, 2022|Categories: ABEVD News|

Luta da ABEVD impede aumento de carga tributária

A Secretaria da Fazenda e Planejamento de São Paulo publicou as Portarias SRE nº 41 e 42, de 2022, prorrogando os percentuais das Margens de Valor Agregados – MVA, aplicáveis às comercializações com produtos realizadas no sistema porta a porta, sujeitas ao regime da substituição tributária da ICMS em território paulista.

Logo, não haverá aumento de carga tributária (ICMS-ST) para os produtos comercializados no canal da venda direta no Estado de São Paulo, mantendo-se os atuais percentuais praticados pelo setor (Portarias CAT nºs 48 e 49, de 2017).

Desde o início de 2021, a ABEVD argumentava à SEFAZ o momento inoportuno para realização desse ajuste, especialmente em razão dos efeitos gerados pela crise pandêmica, sendo que qualquer aumento de carga tributária iria na contramão da retomada de nossa economia.

Mesmo com as justificativas apresentadas a ordem recomendada pelo Governo foi da manutenção da carga tributária de todos os setores, inclusive o de Venda Direta, em virtude das inúmeras prorrogações entre períodos, bem como da necessidade apuração e atualizações. Outro ponto de destaque foi o acatamento do pedido de redução do escopo da pesquisa formulado pela ABEVD, para considerar apenas a consulta estatística “por estimativa” de 20% (por cento) do universo de produtos constantes das portarias normativas do setor (Cosméticos e Não Cosméticos), refletindo menor custo e esforço entre as partes.

Após diversas reuniões e cumprimento de etapas, foi encaminhado o estudo conclusivo, realizado tradicionalmente pela Fundação Getúlio Vargas – FGV, que resultou na decisão da SEFAZ de manter a carga tributária vigente. Diferente de outros setores, o setor mantém o atual patamar de tributação do ICMS-ST (sem reajuste) até o final do ano de 2023, ocasião em que seremos acionados para a pesquisa de um novo período.

2022-06-14T17:48:45-03:00junho 14th, 2022|Categories: ABEVD News|

DSN – Quatro tendências eficazes de marketing tradicional que as empresas de Venda Direta devem considerar

Embora o núcleo do setor de vendas diretas sempre seja o campo de distribuidores independentes de vendas e marketing, alavancar os canais de marketing tradicionais ainda pode ser uma maneira eficaz de construir uma marca, aumentar o reconhecimento do nome, promover parcerias com a comunidade e gerar entusiasmo e engajamento em todo o campo do distribuidor. Esses quatro canais de marketing tradicionais não pretendem substituir as tendências digitais e alguns são compatíveis com plataformas digitais.

1. Construir a marca com outdoors

Outdoors? O que é isso, os anos 50? A maneira como os outdoors são usados ​​hoje ainda pode se assemelhar à publicidade ao ar livre de décadas passadas, mas as tecnologias em evolução permitem que essa estratégia antiga corresponda à experiência do cliente de hoje. De acordo com as tendências globais de anúncios da WARC Data para 2021, os gastos globais com anúncios externos aumentaram 25,8% no segundo trimestre de 2021, que foi o crescimento mais forte registrado desde 2016.

A publicidade fora de casa (OOH) abrange amplamente canais como outdoors, envelopamento de carros e edifícios, quiosques, colocação de transporte público e muitos outros. Statista relata que os outdoors têm o maior alcance entre os tipos de publicidade OOH nos EUA Em 2020, havia um total de 343.106 outdoors nos EUA e cresceu para quase 351.000 em 2021. Statista também projetou que a publicidade OOH atingiria US $ 10,7 bilhões até o final de 2021.

“A exposição 24 horas por dia, 7 dias por semana e a incapacidade de ser ‘desligado’ de forma semelhante a um anúncio online torna os outdoors incrivelmente úteis”, afirma BMediaGroup. “Continua sendo uma maneira eficaz de divulgar a marca para um grande público e alcançar novos públicos em um curto espaço de tempo.”

Os outdoors digitais mudaram o jogo. Textos grandes com uma imagem cativante eram a norma para outdoors tradicionais. O digital oferece cores brilhantes, gráficos animados e de alta resolução e, às vezes, até som. A capacidade de exibir vários anúncios na mesma tela reduziu os custos. Muitas mensagens de outdoors procuram direcionar as pessoas para a internet ou incentivá-las a usar hashtags. Isso continua a experiência e incentiva a interação.

Os códigos QR voltaram em massa, especialmente com smartphones e tablets agora com leitores de QR integrados. É outra ótima maneira de criar engajamento e interação com o cliente. O BMediaGroup prevê que alguns outdoors em um futuro próximo terão câmeras para maximizar a interação. A ascensão da realidade aumentada pode continuar a evoluir a eficácia e a criatividade do marketing de outdoor.

A Le-Vel utilizou outdoors várias vezes para promover o estilo de vida e os produtos da THRIVE. O objetivo era construir a marca, despertar a curiosidade e gerar atividade. Os distribuidores foram incentivados a tirar fotos de outdoors e postar fotos nas redes sociais com a hashtag #LVBillboardBlitz e vieram com a oportunidade de ganhar produtos gratuitos. A Prüvit realizou uma caça ao tesouro para sua celebração “BETTER Weekend” na Times Square, que apresentava mensagens de vídeo em vários quadros digitais na famosa área de alto tráfego.

2. Patrocínios de Equipes Esportivas e Atletas

Patrocínios de equipes e atletas ou acordos de patrocínio existem há muito tempo. A NASCAR vive disso. Muitos atletas de elite ganham mais com patrocínios do que com seus salários contratados. Patrocinar um time esportivo não envolve apenas colocar um logotipo na parede externa de um campo de beisebol. Patrocinar um sorteio, ter uma suíte em um estádio, patrocinar um concurso especial durante um jogo ou até mesmo levar produtos dentro de um estádio são possibilidades. E não precisa ser em grande escala. A parceria com equipes locais de faculdades ou ligas menores pode ajudar a construir sua marca.

A Vida Divina, uma empresa de venda direta de bem-estar com sede na Califórnia, é patrocinadora do Anaheim Ducks da NHL. O aspecto da comunidade local da parceria é um grande vínculo. A empresa patrocinou noites de bobblehead como um presente para os fãs.

Os atletas se tornaram influenciadores de mídia social, aproveitando seus seguidores leais para promover marcas e produtos em que confiam. Os mais jovens tendem a se associar mais a atletas individuais do que a equipes. Mudanças nas regras do NIL (nome, imagem e semelhança) do colegiado e leis estaduais abrem as portas para parcerias com atletas universitários atuais. Alguns atletas universitários de primeira linha estão ganhando mais de US$ 1 milhão por ano em acordos de patrocínio ou embaixador, muitos com grandes marcas nacionais.

O e-sports emergiu como um grande player no cenário digital. Equipes patrocinadas e ligas inteiras geraram dezenas de milhões em prêmios em dinheiro. “A próxima geração de consumidores vê os esportes eletrônicos como parte de suas vidas diárias”, diz um artigo da Hatch Communications. “Eles cresceram com jogos onipresentes em seus telefones, tablets e consoles e, portanto, são facilmente acessíveis às marcas por meio de canais que tradicionalmente não são vistos como uma área de patrocínio.”

3. Materiais de impressão para levar para casa eficaz

Embora a comunicação digital tenha dominado as tendências de promoção de vendas diretas na construção de público, marketing e até mesmo recrutamento, os materiais de marketing impressos ainda podem ser eficazes. Cartões promocionais ou panfletos, brochuras, cartões de instruções passo a passo do produto e revistas podem ser ferramentas para levar para casa com foco elevado. Sendo físicos, eles não desligam ou terminam como alguns conteúdos digitais que podem ser de difícil acesso após a primeira exposição. O instituto de pesquisa de marketing Marketing Sherpa diz que 82% dos usuários de internet nos Estados Unidos confiam mais na publicidade impressa do que no marketing digital.

O marketing impresso não sobrecarrega o público com várias mensagens e informações de uma só vez, o que pode ser uma queda dos canais digitais. Com apresentações presenciais, reuniões e convenções retornando após um hiato durante a pandemia do COVID, o marketing impresso está voltando. Os materiais podem se integrar ao digital, direcionando as pessoas on-line para vídeos direcionados, páginas de inscrição ou para solicitar amostras de produtos.

As tecnologias de impressão atuais, como spot UV, foiling, estampagem e debossing podem criar uma experiência única para o público-alvo. Incluir marketing impresso com remessas de produtos pode incentivar novos pedidos, remessas automáticas e ajudar os distribuidores a aumentar a retenção. Eles podem oferecer informações de valor agregado, como receitas de produtos, dicas de saúde e promover concursos atuais ou ofertas especiais.

4. Conteúdo de formato longo

Videoclipes curtos, como Instagram Reels, vídeos do TikTok e Facebook Stories, talvez sejam a tendência de marketing digital mais eficaz. Embora sejam uma maneira divertida e criativa de criar públicos, o conteúdo de formato longo ainda é eficaz. Alguns dos podcasts mais populares do mundo têm episódios que duram mais de uma hora. No final de 2021, o Medium.com descobriu que a duração média de um episódio de podcast era de 38 minutos e 10 segundos. A duração média de um vídeo do YouTube é superior a 11 minutos. O Hubspot relata que o comprimento ideal de uma postagem de blog para 2022 é de 2.100 palavras.

O conteúdo de formato mais longo permite que as marcas se conectem mais com o público e construam relacionamentos mais fortes. Algumas empresas de vendas diretas estão combinando sessões de treinamento semanais (ou mesmo diárias) com narrativas, depoimentos e experiências de distribuição para criar uma experiência semelhante a um talk show com a qual os membros sintonizam e interagem. Essa também pode ser uma ótima oportunidade para fechar a cortina sobre o funcionamento interno da equipe corporativa e o desenvolvimento de produtos.

Qualidade e ingredientes únicos são marcas registradas da indústria de venda direta. Pode ser fácil cair na complicada ciência e formulação quando se trata de marketing de produtos. A incorporação de médicos e nutricionistas terceirizados pode fornecer informações excelentes, especialmente em bate-papos por vídeo ao vivo mais longos, mas pode sobrecarregar o público. Mesmo nesses casos, focar no que os produtos fazem e nos resultados que eles oferecem tendem a se conectar mais com o público.

Fonte: Direct Selling News.

2022-06-09T17:18:13-03:00junho 9th, 2022|Categories: ABEVD News|

WODS – 4 maneiras de melhorar a jornada do cliente

Embora seus distribuidores possam estar no centro de sua organização, seus clientes são sua força vital – e sem eles, será impossível para você alcançar o sucesso. Os consumidores de hoje esperam mais do que nunca, e pode ser um desafio se destacar de uma maneira que os incentive a permanecer, continuar fazendo pedidos e desenvolver lealdade à sua marca. Uma maneira de garantir que sua base de clientes continue crescendo é estabelecer uma incrível jornada do cliente que começa desde o dia em que eles fazem seu primeiro pedido.

Você provavelmente conhece os requisitos básicos para criar uma jornada como esta: campanhas de e-mail divertidas sobre o pedido e os produtos, embalagem bonita e um departamento de atendimento ao cliente útil. Mas há algumas outras coisas que você deve considerar se quiser ficar acima da multidão. Abaixo, discutirei quatro maneiras de aprimorar a jornada do cliente.

1. Implemente a automação

Há alguns anos, ouvi falar de uma empresa de vendas diretas que perdeu mais de US$ 1,5 milhão em receita devido a pedidos perdidos. Esses pedidos incluíam envios automáticos que não foram rastreados adequadamente, pedidos que foram cancelados e outros pontos problemáticos. Ao implementar alguma automação básica para fornecer insights e relatórios, essa empresa pode automatizar o processo para recuperar a receita, gerando mais de US$ 14 milhões em lucro em apenas um ano. As ferramentas automatizadas certas se pagam.

O verbCRM apresenta uma dessas ferramentas, o PULSE, que fornece uma variedade de relatórios que permitem que os usuários se comuniquem com seus clientes de forma rápida e eficaz. Quando um usuário seleciona um cliente em um relatório, ele recebe sugestões de maneiras de interagir com ele – seja acompanhando agora ou definindo um lembrete para fazê-lo mais tarde. O recurso ainda oferece mensagens pré-escritas, completas com anexos sugeridos, que podem ser criadas e editadas por sua equipe corporativa, juntamente com a opção de os usuários escreverem suas próprias mensagens. Por exemplo, uma mensagem pré-escrita para um cliente que espera seu primeiro pedido pode dizer algo como: “Ei, estou muito feliz por você receber seu pedido na próxima semana! Eu sei que você vai adorar esses produtos. Me conta qual é o seu favorito!” e pode sugerir a inclusão de uma folha de informações do produto.

Ferramentas como o PULSE apresentam lembretes automatizados para seus distribuidores acompanharem todos os tipos de clientes: novos, regulares, clientes com pedidos de envio automático e inativos. O resultado? Uma melhor comunicação entre seus distribuidores e seus clientes leva a pedidos maiores, menos clientes insatisfeitos, pedidos mais frequentes e crescimento geral dos negócios.

2. Foco na reativação

Existem dezenas de razões pelas quais um cliente pode parar de fazer pedidos e seria impossível evitar que isso acontecesse. No entanto, a única coisa que você pode fazer é prestar atenção. É fácil para um cliente sentir que não importa mais se parou de fazer pedidos. Dedicar um tempo para entrar em contato pode fazer uma enorme diferença na forma como eles veem sua empresa.

Imagine seus distribuidores tendo uma lista de cada um de seus clientes inativos. Quando sua empresa lança um novo produto, você pode enviar uma notificação push incentivando os usuários a se conectarem com as pessoas dessa lista. Com apenas alguns toques, eles poderão entrar em contato com uma mensagem (ou até mesmo uma amostra) que inspire clientes inativos a fazer um novo pedido.

Os clientes inativos devem ser vistos como parte integrante do mercado aquecido de um distribuidor. Incentive os distribuidores a entrar em contato com esses clientes e chegar à raiz do motivo pelo qual eles ficaram inativos. Para um toque ainda mais especial, eles podem até enviar um vídeo interativo personalizado com sugestões de produtos ou um link para conversar mais tarde.

3. Incentivar a Educação

Em 2017, estimou-se que cerca de 67% de todas as organizações ofereciam alguma forma de plataforma de aprendizagem móvel. Esse número provavelmente cresceu desde então. Para competir no mercado atual, você precisa de um sistema de ferramentas educacionais baseadas em recompensas que melhorem a experiência geral do cliente.

Gaste tempo para garantir que seus distribuidores e clientes tenham acesso a informações sobre sua empresa e seus produtos. O uso de um sistema de gerenciamento de aprendizado garante que seus distribuidores saibam exatamente o que estão vendendo e permite que eles vejam onde podem oferecer produtos ou promoções adicionais para melhorar a experiência do cliente.

Você também pode considerar o uso de um LMS para informar seus clientes sobre os produtos que eles encomendaram. Por exemplo, se você tem um produto de limpeza, um módulo sobre como ele pode ser usado pode motivar seus clientes a usar o produto com mais frequência.

4. Preste atenção aos dados

Aproveite o tempo para se certificar de que você sabe tudo o que há para saber sobre seus clientes. Veja quem está no envio automático, quem cancelou o envio automático, quem está esperando seu primeiro pedido e muito mais – tente descobrir os padrões. Outro ponto de dados importante é prestar atenção à retenção de clientes. Em que momento seus clientes cancelam o envio automático? Que tipo de recompensas e incentivos você pode oferecer a eles para continuar fazendo pedidos? Como você pode direcionar os comportamentos do campo para se envolver com esses clientes no momento em que eles podem estar pensando em cancelar seus pedidos de assinatura? Recursos como o PULSE fornecem à sua empresa uma mina de ouro de dados sobre clientes e seus padrões de compra, permitindo que você tome decisões baseadas em dados que criam uma jornada melhor. Por exemplo,

As empresas do setor que experimentam o maior sucesso são aquelas que têm um foco pesado na jornada do cliente. Preste atenção às suas necessidades e crie uma experiência poderosa para garantir que eles se tornem fãs delirantes de seus produtos e empresa.

Fonte: The World Of Direct Selling.

2022-06-09T17:12:36-03:00junho 9th, 2022|Categories: ABEVD News|

Presidente executiva da ABEVD palestra no maior evento mundial de Venda Direta

O DSA Engage 2022 ocorreu na Flórida, de 5 a 7 de junho, e uniu grandes executivos e Associações do setor ao redor do mundo

O evento anual da US Direct Selling Association (DSA) retornou à modalidade presencial, com três dias de palestras e workshops debatendo as mudanças e transformações da Venda Direta nos últimos tempos.

Reinventar a narrativa do setor, estabelecer conexões fortes e assertivas com as pessoas, foco no progresso e não perfeição, comportamentos dos consumidores, maneiras de atrair empreendedores da nova geração para a Venda Direta e tendências de pagamentos com criptomoedas, foram alguns dos temas abordados pelo DSA Engage 2022: Conversion.

A presidente executiva da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), Adriana Colloca participou do evento, abordando os desafios e benefícios de investir no Brasil, maior economia da América Latina e 6º colocado no mercado global de Venda Direta.

Adriana Colloca palestrando no DSA Engage,

O grande potencial de consumidores para o setor, considerando a população brasileira de 212 milhões, e ser o 4º maior destino de investimento direto estrangeiro em 2019, pré-pandemia, foram alguns dos benefícios apontados por Adriana em sua apresentação.

Em relação aos desafios foi abordada a necessidade de traduzir e adaptar materiais de marketing, entender se os produtos de uma empresa são adequados a uma cultura tropical, poder de compra dos consumidores, logística, importações, investimento a longo prazo e o mercado brasileiro competitivo etc.

“Representar o Brasil e apresentá-lo como uma oportunidade de investimento num evento desse porte é de suma importância”, pontuou Adriana Colloca. “A Venda Direta conversa diretamente com o perfil brasileiro: comunicativo e de grande socialização, tornando o setor sempre atual e importante economicamente”, finaliza a presidente executiva.

 

2022-06-07T15:04:03-03:00junho 7th, 2022|Categories: ABEVD News|

Maior evento mundial de Venda Direta volta ao modelo presencial

O evento DSA Engage 2022 abordou as principais mudanças do setor

A US Direct Selling Association (DSA) é a Associação estadunidense que reúne as empresas de Venda Direta atuantes no país, tal qual a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) é para o Brasil. Anualmente, a DSA realiza um evento repleto de palestras com executivos do setor e representantes das Associações ao redor do mundo de Venda Direta.

O ano de 2022 trouxe de volta o evento para o modelo presencial, após o cenário pandêmico estabelecido pelo Covid-19. Com três dias de duração, de 5 a 7 de junho, o tema principal do DSA Engage 2022: Conversion Immersion foram as recentes transformações que aconteceram no setor de Venda Direta.

A abertura do evento se deu com a autora best-seller Kindra Hall, palestrando sobre como a Venda Direta pode se reinventar e reorientar sua narrativa considerando todas as mudanças. O palestrante Jonathan Bradshaw, da Metology, apresentou ideias sobre como se conectar com outras pessoas de maneira assertiva com seus conhecidos, David Meltzer, da Sports1 Marketing, mostrou caminhos para desenvolver uma mentalidade focada no progresso e não na perfeição.

Adriana Colloca e presidentes das Associação Argentina e Colombiana.

São alguns exemplos das temáticas que guiaram o DSA Engage 2022, que também contou com a presença da presidente executiva da ABEVD, Adriana Colloca, que expôs motivos e benefícios de se investir no Brasil, maior economia da América Latina e 6º colocado no mercado global de Venda Direta.

“A importância de ter de volta ao presencial um evento dessa grandiosidade é indiscutível, e por mais que adaptamos as relações para o digital em um período de pandemia, sentíamos falta do olho no olho que essas reuniões proporcionam”, enfatizou Adriana.

2022-06-07T15:06:51-03:00junho 7th, 2022|Categories: ABEVD News|
Ir ao Topo