Iniciativas fundamentais para ajudar o mundo diante dessa pandemia

Estamos vivendo um período extremamente complicado por conta da pandemia de Covid-19, então toda ajuda nesse momento é bem-vinda. Marcas nacionais e estrangeiras estão unindo esforços para contribuírem no combate ao coronavírus, seja fabricando equipamentos de proteção individual para profissionais da saúde ou doando cestas básicas a pessoas desempregadas e em situação de vulnerabilidade. Separamos algumas dessas iniciativas incríveis que dão esperanças diante de um cenário tão difícil!

No Brasil
A Lojas Renner, que fechou todas as suas unidades físicas no país, fará o apoio por meio do seu braço social, o Instituto Lojas Renner. A doação de R$ 4,1 milhões será destinada a hospitais responsáveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que poderão adquirir suprimentos básicos para o tratamento da doença, são eles os hospitais de São José (em Criciúma – SC), São Donato (em Içara – SC), Conceição e Clínicas (Porto Alegre – RS) e InCor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP, em São Paulo). Além disso, parte do valor será direcionada a famílias da comunidade do bairro Bom Jesus, em Porto Alegre.

O Instituto Mary Kay, conhecido por apoiar causas que combatem a violência doméstica, doará parte de sua verba para a fabricação de 5 mil testes modernos, com resultados rápidos, do novo coronavírus, que serão distribuídos a hospitais públicos de todo o território nacional. Além disso, haverá uma contribuição para a ONG Fala Mulher, que ficará responsável por comprar materiais de prevenção do vírus (álcool em gel, luvas e máscaras) que, por sua vez, serão distribuídos a mulheres vítimas de violência doméstica.

Na semana passada, a Marisa entregou 15 mil camisetas brancas para profissionais da rede pública de saúde, por meio da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo (SES/SP). A ação tem como objetivo reforçar a quantidade de roupas que podem ser usadas pelos profissionais que estão na linha de frente do combate à Covid-19, considerando que eles devem trocar e lavar as peças com maior frequência.

As fábricas da Natura na América Latina vão se dedicar, gradativamente, à produção de itens essenciais de higiene pessoal, além de álcool em gel e líquido. A marca também se uniu à Avon para doar 2,8 milhões de sabonetes em barra a comunidades carentes nas cidades próximas das operações no Brasil e em outros países da América Latina.

Desde o dia 18 de março, a PatBO está revertendo 10% de suas vendas do e-commerce para compras de itens de higiene pessoal para moradores da comunidade Olga Benário, localizada na região do Capão Redondo, em São Paulo. A iniciativa é uma parceria com o Projeto Rizoma, que trabalha com crianças e adolescentes que vivem em condições precárias de saneamento básico, e vai até 30 de abril.

O grupo Arezzo & Co, dono de marcas como Fiever e Schutz, doou 10 mil pares de tênis brancos para profissionais da saúde e um respirador mecânico ao Hospital de Campo Bom. Também ocorreu uma mobilização dos fornecedores de tecidos, fábricas e a Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul para produzir 25 mil máscaras, que serão distribuídas pelas Secretarias de Saúde das cidades de Campo Bom, Novo Hamburgo e pela Secretaria de Saúde do Estado do RS.

A Maria Filó iniciou uma campanha com a ONG Ação da Cidadania para arrecadar e distribuir cestas básicas a comunidades carentes do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Brasília – e ainda deve ocorrer uma ampliação futura para o Sul e Nordeste. As doações são feitas através do site da ONG.

A Riachuelo já fabricou 12 mil aventais hospitalares para pacientes, que foram entregues às Secretarias de Saúde do Estado de São Paulo e do Rio Grande do Norte. Agora, em parceria com indústrias têxteis, a marca irá produzir e doar aos órgãos públicos 40 mil itens hospitalares, como máscaras, toucas e jalecos médicos.

A Isla, marca mineira de bolsas, está revertendo 10% das vendas realizadas até 30 de abril em seu e-commerce para a Fundação Amor Horizontal, que distribui cestas básicas e kits de higiene a crianças de São Paulo.

No mundo
O LVMH, um dos conglomerados mais poderosos da moda, que controla grifes como Louis Vuitton, Dior e Givenchy, está usando suas fábricas de cosméticos e perfumes para produzir cerca de 12 toneladas de álcool em gel, que serão doadas às autoridades francesas.

O grupo italiano Calzedonia, detentor de marcas no Brasil, como Intimissimi e Calzedonia, adaptou algumas de suas fábricas para a produção de 10 mil máscaras e aventais médicos por dia, que serão destinados aos serviços de saúde da Itália. Essa é uma quantidade inicial que pode ser aumentada gradativamente.

A Chanel anunciou uma produção de máscaras para reforçar os suprimentos básicos nos hospitais da França, país que está usando aproximadamente 40 milhões de máscaras por semana, segundo o Ministro da Saúde, Olivier Veran.

A espanhola Inditex, dona da Zara, Bershka, Pull and Bear e outras redes de fast-fashion, comunicou que deixou suas fábricas e times de logística à disposição do governo da Espanha para produzir e doar máscaras, jalecos, óculos protetores e luvas a pacientes e profissionais de saúde de hospitais do país.

A Uniqlo, principal etiqueta da japonesa Fast Retailing, comprometeu-se a doar 10 milhões de máscaras cirúrgicas a instituições médicas do mundo inteiro. A empresa ainda disse que, no futuro, conforme a demanda, oferecerá outros serviços para ajudar no combate ao vírus.

A Ralph Lauren vai doar US$ 10 milhões a um fundo que auxilia funcionários da própria empresa afetados pelo novo coronavírus e ao Fundo de Resposta Solidária da Organização Mundial da Saúde (OMS) à Covid-19. A marca também está produzindo 250 mil máscaras e 25 mil aventais.

O grupo Kering, dono da Saint Laurent, Gucci e Balenciaga, está fabricando três milhões de máscaras que serão entregues aos serviços de saúde franceses. Por sua vez, a Gucci vai produzir 1,1 milhão de máscaras cirúrgicas e 55 mil aventais, que serão destinados à Itália.

A Crocs anunciou a distribuição de 10 mil pares de sapatos para profissionais da saúde dos Estados Unidos que estão na linha de frente do combate à Covid-19. Esses calçados são usados nos hospitais por serem feitos de um material parecido com a borracha, que é à prova d’água e de fácil lavagem.

Outras marcas como H&M, Burberry, Mango, Valentino, Prada, Giorgio Armani, Versace, Bulgari e The Body Shop (US e UK) também estão contribuindo com equipamentos e doações financeiras para combater ao novo coronavírus.

Fonte: Capricho