Há oito anos, a empresária Rafaela Guimarães, 31, estava desempregada, grávida e com perspectiva limitada de futuro. Precisava de sustento e fazia questão de cuidar da filha de perto. Começou como empreendedora revendendo produtos de bem-estar e beleza da Akmos, holding multinível do setor de bem-estar e beleza.

E, depois de 3 anos trabalhando com vendas diretas e formando equipe de vendas, abriu a primeira franquia da marca em Goiânia (GO). Um ano depois, a segunda loja em Brasília (DF). Juntas, as duas unidades movimentam R$ 500 mil por mês. E ela agora tem cerca de 5 mil revendedoras empreendendo em seu time.

“O mercado de venda direta me empoderou em um momento de dificuldades financeiras e pessoais. E é isso que faço com minha equipe. Tenho maior prazer em ensinar, estimular e dar suporte porque sei como é desafiador o começo. Mas com técnicas, confiança e ótimos produtos todos podem chegar lá. E a Akmos oferece isso. Venci e quero levar aquelas que trabalham comigo ao mesmo lugar de sucesso.”

No ano passado, o Brasil bateu recorde histórico da quantidade de empreendedores da história nacional chegando a 52 milhões de brasileiros que possuem negócio próprio, segundo levantamento da Global Entrepreneurship Monitor (GEM). E cerca de 30% do PIB anual veio daí.

Edvaldo Francisco Dias tem três franquias da Akmos no Pará e uma em Manaus (AM). Ele diz que investiu em vendas pela internet e entrega em domicílio e conseguiu bons resultados até mesmo na pandemia “O cuidado com o bem-estar e a beleza está ainda mais necessário com a pandemia. As pessoas precisam ainda mais de cuidados e, por isso, vejo esse mercado como potencial para aqueles que precisam se reinventar também, sabe? O suporte da empresa é ótimo e tem cliente para comprar”, comenta animado.

Em 2020, foram comercializados bilhões de itens (produtos e serviços) por venda direta no Brasil, que geraram um volume de negócios de cerca de R$ 50 bilhões, ou seja, 10,5% maior que 2019. A força de vendas também cresceu 5,5% em 2020 sobre 2019, ultrapassando 4 milhões de empreendedores, que atuam como revendedores diretos das empresas, revelam dados da Associação Brasileira de Empresa de Venda Direta (Abeved).

A Akmos tem se destacado no segmento de venda direta. A empresa registrou o aumentou em 60% a quantidade de empreendedores individuais totalizando cerca de 16.000 no País no primeiro semestre de 2021 comparado com mesmo período de 2020. A quantidade de lojas aumentou 10% e as projeções são otimistas este ano: aumento de vendas de 40% sobre 2020.

“Nossa empresa cresce porque cada um dos nossos empreendedores cresce junto. Fazemos questão de dar suporte no contexto geral e também individualizado para aumentar as vendas no formato multinível. A liberdade de horários e as ferramentas digitais têm somado muito. E aqui tem espaço para todos os perfis de empreendedores e portes de empresários”, revela o CEO da Akmos, William Miranda.

Haender Fernandes, 44 anos, ex-jogador de futebol profissional, se encontrou como empreendedor em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Ele está construindo sua carreira com as vendas diretas e tem planos para o futuro. “Acredito neste tipo de negócio para promover minha independência financeira. Já estou colhendo os frutos mesmo em épocas tão difíceis como agora, mas o mercado e a excelência na prestação de serviços ajudaram muito. E quero crescer ainda mais”.

Para Eduardo Henrique Soares, gerente de comunicação do grupo Akmos, fazer parte da transformação pessoal de cada um por meio do trabalho é um valor da empresa. “Nossa força é realmente mudar a história das pessoas. Nós vivenciamos isso. E estamos aqui de portas abertas para quem desejar tornar a vida melhor”. Interessados em revender Akmos devem consultar o site.