A Natura anunciou que espera empregar em um ano cerca de 7 toneladas de plástico reciclado nas embalagens da linha de fragrâncias Kaiak Oceano, evitando que alcancem o destino mais comum: os mares. Ao se inspirar no universo aquático e marinho desde 1996, Kaiak, marca da Casa de Perfumaria do Brasil, faz um convite ao chamado do oceano, propondo um olhar mais consciente sobre o lixo gerado no meio ambiente e o impacto que tem sobre águas. Lançadas, respectivamente, em setembro de 2020 e em janeiro de 2021, as fragrâncias, em versão masculina e feminina, seguem os preceitos de circularidade e possuem até 50% de plástico reciclado na composição de suas tampas. Desse total, cerca de 8% advém da costa brasileira. “A sustentabilidade está no centro da estratégia da Natura. Acreditamos que um produto ou serviço só é inovador se gerar impacto positivo para as pessoas e para o planeta. Por isso, buscamos continuamente soluções que contemplem as questões socioambientais. Nesse sentido, as embalagens são um tema central para a organização, e entendemos que é nosso papel, como empresa de bens de consumo, garantir a sustentabilidade no processo de produção de nossas embalagens, de ponta a ponta. Com o lançamento de Kaiak Oceano, damos continuidade às ações de circularidade, que dão vida a uma das nossas principais causas, ‘Mais Beleza, Menos Lixo’, ao reaproveitar o plástico e o vidro que seriam descartados para oferecer o máximo, usando o mínimo e reduzindo os excessos”, diz Fernanda Rol, diretora de Marketing Brasil da Natura. Antes do lançamento de Kaiak Oceano, a Natura já havia trabalhado esse insumo em outros produtos, como o lançamento do desodorante corporal Deo Spray Corporal Humor, por exemplo, cujas tampas foram produzidas a partir de 2,5 milhões de copos plásticos descartados durante os sete dias do festival Rock in Rio, em 2019. No entanto, os desafios para o lançamento das fragrâncias de Kaiak Oceano eram ainda maiores: a tampa é uma peça complexa, composta por diversas partes distintas, e a cadeia de resina PP ainda é incipiente no Brasil em comparação com outras já estruturadas, como as de alumínio e PET. A solução foi apostar na capacitação de cooperativas parceiras de reciclagem e na obtenção do restante do material por meio de aterros sanitários. A Natura também promoveu a limpeza de uma área de cerca de cinco quilômetros na estação ecológica Juréia-Itatins, no litoral Sul de São Paulo, em parceria com o Instituto Ecosurf. Os dois dias de coleta na unidade de conservação resultaram na retirada de mais de 300 sacos contendo 100 litros de resíduos. Todo o material coletado ganhou a destinação adequada: os recicláveis foram enviados para recicladores e os não-recicláveis foram encaminhados para aterros sanitários. A operação demandou dez dias de preparação e cerca de 30 pessoas envolvidas. Outra decisão pioneira no lançamento de Kaiak Oceano foi eliminar um emblemático item da perfumaria: o celofane envolto nas embalagens. Embora seja usado por apenas alguns minutos, o famoso filme plástico – assim como qualquer outro plástico de uso único, como sacolinhas, garrafas PET, copos e canudos – pode levar centenas de anos para se decompor. Alinhada aos preceitos de economia circular, a Natura decidiu eliminá-lo da embalagem das duas versões de Kaiak Oceano, passando a usar, no lugar, um cartão mais resistente nas caixas e a lacrá-las com cola. Para isso, investiu na aquisição de máquinas para aplicar pegamento nas abas superior e inferior das embalagens, que são utilizadas no lugar dos tradicionais equipamentos para aplicação do celofane após a etapa de encartuchamento (colocação do perfume no cartucho). A adaptação foi feita na fábrica da Natura em Cajamar (SP) e em outras três fábricas de produção da empresa na Argentina, México e Colômbia. Segundo a Natura, a inovação valeu a pena. Em pesquisa realizada, 25% dos consumidores compraram Kaiak Oceano atraídos pela causa e 96% dos consumidores concordam que usando Kaiak Oceano cuidam de si e da natureza ao mesmo tempo. Entre a força de vendas, o produto também gerou impacto positivo: 88% das Consultoras consideraram a retirada do celofane da embalagem como algo positivo e 79% delas falaram sobre o produto para seus clientes, com destaque para as causas defendidas pela Natura. As metas da Natura incluem ainda inovar para garantir que 100% das embalagens plásticas de Kaiak possam ser reutilizadas, recicladas ou compostadas com facilidade e segurança, e circular o plástico produzido, aumentando consideravelmente a quantidade de plásticos reutilizados ou reciclados e transformados em novas embalagens ou produtos. Todos os frascos de perfumaria da Casa de Perfumaria do Brasil já são feitos com até 30% de vidro reciclado e as formulações das fragrâncias utilizam álcool 100% orgânico, medida que colabora contra a emissão de gases do efeito estufa. Além disso, a cada ano, a Natura utiliza 1,9 mil toneladas de plástico reciclado em suas embalagens, o que equivale a 62 milhões de garrafas PET de 1 litro que deixam de ir para o lixo.