2021 chega ao fim. Assim como o anterior, este também não foi um ano fácil e as adversidades ainda não acabaram.

Ao chegarmos ao final de mais um ano, perguntei a alguns dos nomes proeminentes da comunidade global de vendas diretas o que eles esperam em 2022.

“Qual será a questão mais importante, seja uma oportunidade ou uma ameaça, no setor de vendas diretas que precisará de um foco mais próximo no próximo ano?” foi a pergunta.

Você lerá suas respostas em um artigo de duas partes. A parte desta semana compreende oito opiniões perspicazes.

Laure Alexandre, Diretora Executiva da Seldia (The European Direct Selling Association)

“Na UE, a transição ‘Gêmea’ Verde e Digital é o principal foco de política ao qual as empresas de venda direta terão que se adaptar. As Leis de Serviços/Mercados Digitais regularão o conteúdo ilegal online, seja discurso, produtos ou práticas. A diretiva relativa aos trabalhadores de plataformas pode definir os direitos futuros dos trabalhadores independentes. O Regulamento de Isenção por Bloco Vertical revisado e as diretrizes estabelecerão requisitos para proibições de mercado online e acordos de agência. E sob o ‘Plano de Ação da Economia Circular’, a Iniciativa de Produtos Sustentáveis ​​promete estabelecer um Passaporte de Produto Digital reunindo dados ambientais e materiais de um produto ao longo de toda a sua cadeia de valor e ciclo de vida.”

Mona Ameli, fundadora e sócia-gerente da Ameli Global Partnerships

“Enquanto 2021 foi um ano de ajuste, 2022 será um ano de evolução para nossa indústria. Dados todos os desafios regulatórios, operacionais, de justiça social e relações públicas vivenciados por praticamente todas as empresas de venda direta este ano, para 2022 a capacidade de evoluir com sucesso nosso modelo de negócios será a verdadeira chave para o sucesso e a sustentabilidade. Esta seria uma evolução em três frentes para: Ter um verdadeiro plano de negócios e comp centrado no cliente e no produto omnicanal, criando uma marca autenticamente transparente que reflita confiança e promovendo uma cultura e comunidade inclusivas reais para funcionários, campo e clientes igualmente. Nossa agilidade para evoluir será essencial.”

Oscar Cano Arias, Diretor Geral de Venda Direta Europa

“2022 será um ano intenso para o setor na UE do ponto de vista regulatório. Em primeiro lugar, a Comissão da UE publicará em breve uma nova lei que altera o estatuto dos trabalhadores independentes. Certamente, isso impactará em empresas como Uber, Deliveroo etc. A DSE já está trabalhando para garantir que os interesses de nossos vendedores sejam devidamente levados em consideração. Além disso, a DSE continuará trabalhando para alterar a proposta de uma nova Diretiva de Crédito ao Consumidor da UE, para que os créditos não solicitados para vendas diretas continuem sendo possíveis. Por último, mas não menos importante, alguns países da UE terão novas disposições sobre vendas não solicitadas a partir de junho de 2022; vamos monitorizar os diferentes mercados para que as novas disposições estejam em conformidade com a legislação da UE.”

Adriana Colloca, Presidente da Brazil Direct Selling Association

“Acredito que o próximo ano será super para a venda direta, pois a atividade econômica está se recuperando gradativamente e a venda direta é uma excelente oportunidade de empreendedorismo. Para manter sua competitividade e relevância, a digitalização ainda é fundamental para o setor. Investimentos e foco devem ser direcionados para tornar a operação o mais digital possível e conquistar novos clientes.”

Brett Duncan, cofundador e diretor administrativo da Strategic Choice Partners

“As ameaças regulatórias são legítimas e forçarão grandes transições, especialmente para os modelos tradicionais de MLM, de uma forma ou de outra. Estou surpreso com a lentidão com que a maioria das empresas está respondendo a essas mudanças. As oportunidades existem para empresas que adotam a transição de forma proativa e rápida. O oceano azul espera!”

Sean Eggert, CEO da Hanna Shea Executive Search

“Os funcionários dos EUA estão deixando seus empregos em taxas recordes em busca de empregos que ofereçam maior flexibilidade de trabalho, incluindo não ter que trabalhar em um escritório. Nosso setor está perfeitamente posicionado para aproveitar essa mudança e oferecer a esses funcionários a liberdade que eles procuram. Temos uma grande oportunidade à nossa frente se conseguirmos entrar nesse mercado e mostrar a esses recém-chegados resultados positivos de forma ética e sustentável. Agora, mais do que nunca, é vital melhorar a experiência de integração e consultoria para garantir o máximo de sucesso possível para qualquer pessoa que decida ingressar em uma organização de venda direta.”

Tamuna Gabilaia, Diretora Executiva e COO da WFDSA (World Federation of Direct Selling Associations)

“À medida que 2021 chega ao fim e estamos ansiosos por um novo ano, vemos que, em geral, o crescimento global da indústria durante a pandemia ressalta a força e a adaptabilidade da indústria. As vendas globais de varejo totalizaram 179,3 bilhões de dólares, apresentando um aumento de 5,8% em relação ao ano anterior e o número de representantes independentes totalizou 125,4 milhões, o que representa um aumento de 4,3%. Apesar dos fatores universais que impactaram a maioria dos setores, incluindo bloqueios prolongados da comunidade, deslocamentos de empregos, interrupções na cadeia de suprimentos global, vimos muitas empresas de vendas diretas e seus representantes independentes se adaptarem e encontrarem novas maneiras de permanecer conectados com seus clientes e expandir seus negócios. positivo, esta tendência continuará no futuro.”

Jonathan Gilliam, fundador e presidente da Momentum Factor

“Inegavelmente, nossa ameaça mais significativa no momento é o ataque regulatório em andamento nos EUA. A Comissão Federal de Comércio tornou conhecido através da criação de regras, ações judiciais e novas táticas de fiscalização que tem pouca tolerância para o que percebe como deturpações por vendedores diretos e pelo campo. Suas iniciativas mais recentes, a Penalty Offense Authority e a Business Opportunity Rule, são particularmente onerosas, e qualquer executivo de vendas diretas deve se familiarizar com essas novas regras e aprender a adaptar a política da empresa, conformidade e métodos de treinamento a elas.”

https://worldofdirectselling.com/looking-ahead-to-2022-part-1/