A pandemia acelerou a transformação digital também das empresas de vendas diretas que tinham na tradicional de revista de papel e, depois, no site a vitrine de produtos. Há um mês, a Hinode, há 30 anos atua no mercado de venda direta de itens de higiene pessoal e cosméticos, lançou um catálogo virtual interativo. Teve 12 milhões de consultas e R$ 5 milhões em vendas, superando as expectativas.

Em alguns cliques, o cliente escolhe os produtos e envia automaticamente a lista de compras para o celular do consultor de vendas, via WhatsApp. Quase 70% dos acessos foram feitos por meio de dispositivos móveis e o valor médio de cada compra por cliente foi de R$ 214.

Empresa tentou preservar ganhos de vendedores porta a porta
O objetivo da nova ferramenta, segundo Liana Moreira, diretora de marketing da Hinode é criar uma alternativa de trabalho remoto para os 651 mil consultores da empresa em tempos de pandemia. O grupo brasileiro, que também atua na Bolívia, Colômbia, Equador, México e Peru, deve fechar este ano com faturamento de R$ 1,9 bilhão. O Brasil responde por 70% das vendas.

Fonte: Estadão