A taxa de desemprego do País no trimestre até janeiro ficou em 14,2%, conforme dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados na manhã desta quarta-feira, 31, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A população desocupada soma 14,3 milhões de pessoas no período. Já as ocupadas somam 86,025 milhões, no trimestre finalizado no primeiro mês do ano.

O dado divulgado nesta quarta-feira é maior que a variação de 13,9% vista no trimestre encerrado em dezembro e superior aos 11,2% do trimestre finalizado em janeiro do ano passado.

De acordo com os dados do IBGE, a população desocupada teve um aumento de 19,8% no último dado divulgado na comparação com o mesmo período do ano anterior. São mais 2,4 milhões de pessoas sem ocupação. A população ocupada teve redução de 8,6% frente ao mesmo período do ano anterior (trimestre terminado em janeiro de 2020), com 8,1 milhões de pessoas a menos em postos de trabalho.

No trimestre terminado em janeiro faltou trabalho para 32,380 milhões de pessoas no País, segundo os dados do IBGE. A taxa composta de subutilização da força de trabalho caiu de 29,5% no trimestre até outubro para 29,0% no trimestre até janeiro. O indicador inclui a taxa de desocupação, a taxa de subocupação por insuficiência de horas e a taxa da força de trabalho potencial – pessoas que não estão em busca de emprego, mas que estariam disponíveis para trabalhar. No mesmo perído do ano anterior, a taxa de subutilização da força de trabalho estava em 23,2%.

A população subutilizada caiu 0,5% ante o trimestre até outubro, 168 mil pessoas a menos. Em relação ao trimestre até janeiro de 2020, houve um avanço de 22,7%, ou mais 5,990 milhões de pessoas.

A quantidade de desalentados, que são pessoas desempregadas que não procuram mais por trabalho, aumentou 25,6% na comparação com o mesmo período do ano anterior (trimestre terminado em janeiro de 2020), e ficou em 5,9 milhões de pessoas.

Fonte: Estadão