Palestra do congresso da ABEVD debate presença feminina nas lideranças de vendas diretas

A palestra “Como inspirar novas lideranças” reuniu executivas de empresas de Venda Direta para debater a presença feminina nos cargos de liderança do setor, durante o 3º Congresso Nacional de Vendas Diretas, realizado em São Paulo, na tarde da última quinta-feira (20.10).

A presidente da Associação Brasileira de Empresas de Venda Direta (ABEVD), Adriana Colloca recebeu no painel a vice-presidente de Inovação de Produtos e Branding da Hinode Group, Erica Pagano; a presidente da Tupperware Brands Brasil, Paola Kiwi; a diretora de Vendas da Jeunesse do Brasil e Argentina, Flávia Zago e a sócia fundadora da Akmos, Carolina Saraiva para conversar sobre a presença feminina no setor.

De acordo com as cinco palestrantes, ser mulher em um cargo de liderança, não só nas Vendas Diretas, mas em todo o mercado é algo desafiador. “Quando falei que ia empreender, sofri preconceito de pessoas muito próximas, familiares, amigos. O engraçado é que quando um homem vai empreender ele é levado a sério e apoiado, as mulheres não”, comentou a fundadora da Akmos.

As Vendas Diretas são formadas majoritariamente por mulheres. Segundo dados da ABEVD, mais de 57% das empreendedoras individuais são do gênero feminino. “A Venda Direta tem capacidade de influenciar diretamente milhares de pessoas, principalmente as mulheres, onde faltam oportunidades”, afirmou a presidente da Tupperware Brands Brasil, Paola Kiwi.

Para a diretora de vendas da Jeunesse, a Venda Direta nasceu inspirando as mulheres a fazerem negócio.

Segundo a vice-presidente de Inovação de Produtos e Branding da Hinode Group, mesmo a Venda Direta tendo mais da metade de força de trabalho feminina, as mulheres poucas vezes conseguem enxergar o poder do setor como empreendedorismo, olham para o trabalho apenas como renda extra. “Homens são a maioria nos cargos de chefia e revenda, entendemos que as mulheres buscam mais revenda e que isso tem a ver com as redes de apoio”.

Para todas as palestrantes, a mulher ter uma rede de apoio é essencial para conseguir conciliar a vida de empreendedora com a de mãe, dona de casa, entre outros. “Todos sabemos que a mulher tem dupla, tripla jornada de trabalho”, explicou Erica Pagano.

“Quando um homem pensa em fazer negócio ele só pensa no negócio, em último lugar vai pensar onde vai deixar o filho e quem vai cuidar da casa”, comentou Flávia Zago.

De acordo com Flávia, as Vendas Diretas têm um poder muito grande para poder ajudar as mulheres a se tornarem grandes empreendedoras e líderes. “Estou na Venda Direta porque acho que tem uma causa social acima de onde estou. Você tem uma missão muito maior do que você mesmo e do cargo que ocupa”.

Segundo a presidente da Tupperware Brand, o que as empresas do setor precisam fazer é impulsionar as mulheres. “A maior ferramenta que podemos dar é impulso, habilidades interpessoais, focar não só em o que fazer e como fazer, mas ter a coragem para fazer”.

“Entendemos o poder que o multinível tem de ser uma renda que liberta mulheres. Temos um papel social muito grande como empresa”, afirmou Carolina Saraiva.

Encerrando o painel, Erica Pagano comentou que no final do dia não é sobre gêneros e sim sobre sonhos e oportunidades. “Temos que olhar as minorias e dar voz para essas pessoas”.

Fonte: Assessoria de imprensa da ABEVD