Em maio, despesas somaram US$ 1,1 bilhão. Foi a segunda vez que as despesas ultrapassaram a marca de US$ 1 bilhão desde o início da pandemia da Covid-19.

Os gastos de brasileiros no exterior somaram US$ 4,78 bilhões nos cinco primeiros meses deste ano, informou nesta sexta-feira (26) o Banco Central.

Com isso, as despesas mais do que triplicaram em relação ao mesmo período do ano passado (US$ 1,49 bilhão), período marcado pela pandemia da Covid-19.

Somente em maio, os gastos no exterior totalizaram US$ 1,1 bilhão, contra US$ 804 milhões em abril.

Esse foi o segundo mês, após a melhora das condições sanitárias, em que as despesas no exterior ficaram acima de US$ 1 bilhão, algo também registrado em março deste ano.

Os dados costumam ser divulgados a cada mês, mas greve dos servidores do BC, que durou de abril a julho deste ano, atrasou a divulgação.

Pandemia e alta do dólar

Além da pandemia, as despesas de brasileiros lá fora também são influenciadas por outros fatores, como o nível de atividade econômica e o preço do dólar, usado nas transações internacionais.

No meses seguintes ao início da pandemia, em março de 2020, o dólar disparou, e voos para diversos países foram suspensos. As fronteiras internacionais começaram a ser reabertas em 2021.

Antes da Covid-19, as despesas geralmente ficavam acima de US$ 1,3 bilhão, podendo superar US$ 2 bilhões em meses de alta temporada.

Passagens e despesas com hotéis, por exemplo, são cotadas em moeda estrangeira. Com isso, quando o dólar está alto, os brasileiros acabam gastando mais com esses itens.

Nas últimas semanas, a moeda norte-americana tem operado em queda. Na quinta-feira, o dólar fechou em R$ 5,1120. Com o resultado, acumulou queda de 1,07% na semana, e de 1,20% no mês. No ano, tem desvalorização de 8,30% frente ao real.