O setor calçadista prevê crescimento médio de 12,2% em 2021 e de 2,6% em 2022, segundo a Abicalçados, associação que representa essa indústria.

A estimativa da associação é de que no segundo semestre as taxas de crescimento do setor devem desacelerar em comparação a uma base mais forte mesmo período do ano passado, quando a atividade já dava sinais de retomada. Ainda assim, a perspectiva é de crescimento no consolidado do ano.

A projeção da Abicalçados é de que a produção total chegue a 857 milhões de pares em 2021, quase 100 milhões a mais do que no ano passado.

Mesmo com o resultado, a coordenadora de Inteligência de Mercado da Abicalçados, Priscila Linck, ressalta que o setor deve seguir abaixo do nível pré-pandemia, em 2019, em cerca de 8%. Entre janeiro e agosto, dado mais recente, o setor produziu 512 milhões de pares, 26% mais do que no mesmo período do ano passado e 15,5% menos do que no período correspondente de 2019.

O Brasil é o quinto maior produtor de calçados do mundo, atrás de China, Índia, Vietnã e Indonésia. A produção nacional, no entanto, diz a Abicalçados, está com recuperação mais lenta do que esses países.

Para 2022, a expectativa de crescimento médio de 2,6% na produção de calçados representa 879 milhões de pares. Ainda estaria 6% abaixo do nível pré-pandemia, em 2019. O cenário macroeconômico e as incertezas da recuperação limitam projeções mais otimistas, segundo a coordenadora da Abicalçados.

Por outro lado, a exportação mostra-se como fator de tração para a indústria nacional. Entre janeiro e setembro, foram embarcados 86,2 milhões de pares, que geraram US$ 618,5 milhões, incrementos de 33,7% em volume e de 26,3% em receita no comparativo com igual período do ano passado. Para o ano, a previsão é de um crescimento 25%, em pares, na relação com 2020.

Se confirmado o resultado, o setor exportador deve recuperar os níveis pré-pandemia, encerrando o ano com 118 milhões de pares embarcados. Estados Unidos e França são dois países que se destacam entre os compradores dos calçados brasileiros.

No ano que vem, as exportações, em volume, devem crescer 5,1%, ficando 7% acima do resultado de 2019. O setor deve exportar 124 milhões de pares, 6 milhões a mais do que a projeção de 2021. Com o resultado, o coeficiente de exportação (percentual da produção nacional exportado) deve pular de 12% para 14%.