Economia brasileira segue em compasso de espera
Enquanto espera uma definição do Congresso Nacional quanto à aprovação da Reforma da Previdência, a economia brasileira segue em marcha lenta.
O Produto Interno Bruto (PIB) encolheu 0,2% no 1º trimestre deste ano na comparação com os últimos 3 meses de 2018. Esta foi a primeira retração do índice desde 2016.
Para tentar estimular a economia, o governo federal estuda a liberação das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A medida – já adotada em outras gestões – só sairá do papel com a aprovação da Reforma da Previdência, garante a equipe econômica.
Já o desemprego parece ter saído da série de números negativos. A taxa teve um leve recuo e passou de 12,7% no trimestre encerrado em março para 12,5% no trimestre até abril, mas ainda há 13,2 milhões de brasileiros sem emprego. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Neste cenário, ao menos, a inflação parece controlada. Em maio, o IPCA (índice que serve de referência para a meta da inflação) ficou em 0,13%, menor resultado para o mês desde 2006.
Com a projeção de queda nos valores da gasolina e da conta de luz em junho, a expectativa é que haja corte na taxa básica de juros.
A situação política diante da aprovação da Reforma da Previdência ainda é incerta, mas algo é claro: a indefinição do tema vem prejudicando a tão esperada retomada do crescimento.
Fonte: ABEVD