Em busca do primeiro emprego e de independência financeira, perfil é o destaque dos dados apresentados pela ABEVD

Jovens entre 18 e 25 anos já representam 48,3% da força de venda no País e são maioria entre os empreendedores do segmento de vendas diretas no Brasil. Os números revelam um fenômeno particular na atual conjuntura econômica do País, que vive um cenário de estagnação e de pouco avanço na criação de novas vagas formais de trabalho: a busca pelo primeiro emprego e independência financeira por meio da revenda de produtos de marcas consolidadas no mercado.

De acordo com a presidente executiva da Associação, Adriana Colloca, essa realidade é recente, uma vez que até poucos anos atrás, a idade do empreendedor de vendas diretas estava alinhada à média nacional. “Os jovens são atraídos para esse segmento pela oportunidade de ser o próprio chefe, ter flexibilidade de horário e meritocracia, ou seja, os ganhos são conforme o tempo e energia dedicados, principalmente, por ser um negócio em que não é necessário ter muito dinheiro para começar”, explica.

Dados da GEM (Global Entrepreneurship Monitor), que realizou pesquisa em 49 países e que, no Brasil, contou com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), confirmam a tendência do empreendedorismo entre o público jovem, mostrando um crescimento de pessoas de 18 a 24 anos entre os novos empreendedores.

De 2017 para 2018, a participação dessa faixa etária no mercado empreendedor subiu de 18,9% para 22,2% do total de empreendedores que iniciavam uma atividade empresarial, com negócios (formais ou informais) de até 35 anos.

Na atualidade, uma das principais ferramentas de divulgação de produtos e prospecção de novos vendedores são as redes sociais. “Nesse quesito, os empreendedores jovens se destacam, já que eles dominam facilmente essas novas tecnologias”, afirma a executiva da ABEVD.

Fonte: Assessoria