Simples e rápido, o procedimento ajuda na detecção precoce do câncer de mama

O câncer de mama é o segundo mais comum em mulheres e o mais letal dentro desse público. Quando descoberto no início, no entanto, a possibilidade de cura é de 95%, segundo dados do INCA. Um dos aliados à detecção precoce da doença é o conhecido “autoexame”, que deve ser feito todo mês, idealmente 7 dias após o início da menstruação, ou 1 vez por mês à livre escolha, para quem está na menopausa.

Como fazer o autoexame?

O procedimento é bastante simples: a mulher, na posição que sentir-se confortável, deve apalpar as mamas em movimentos circulares, principalmente na parte de cima dos seios, para detectar possíveis nódulos e anormalidades. Um dos braços deve estar levantado, de modo que a mão fique atrás da cabeça.

Quais alterações nas mamas devem ser observadas?

O autoexame regular é fundamental para que a mulher adquira autoconhecimento, ou seja, saiba identificar alterações no próprio corpo. Além de nódulos e edemas, outros aspectos devem ser observados durante o processo: mudança no tamanho ou coloração das mamas, pele endurecida, com aspecto de “casca” ou retraída, saída de secreção pelo mamilo ou modificação no seu formato e ardência ou coceira que não melhora com pomadas.

O autoexame substitui a mamografia?

Mesmo com o autoexame sendo feito regularmente, é indicado para mulheres com mais de 40 anos, quando o risco do aparecimento da doença se torna mais alto, a realização de mamografias anualmente, exame que detecta tumores ainda não palpáveis.

 

Fonte: Assessoria