Conforme os dados da vacinação divulgados até quarta-feira (18), 165.375.069 pessoas (cerca de 82,62% da população vacinável) estão totalmente imunizadas contra a COVID-19. A dose de reforço foi aplicada em 90.305.663 pessoas (55,82% da população vacinável). Ainda, vale mencionar que 6.203.610 crianças entre 5 e 11 anos estão imunizadas com as duas doses (30,26% deste grupo). Ademais, nas últimas 24 horas, foram registrados 12.789 novos casos conhecidos, fazendo o Brasil alcançar a marca de 30.737.728 contaminados pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia. O país também registrou 99 mortes pela COVID-19 nas últimas 24 horas, totalizando 665.376 óbitos pela doença. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias é de 116 mortes, variação de +20% em relação há 2 semanas, indicando tendência de alta nos óbitos.

AVALIAÇÃO BMJ

Após um período de declínio na propagação da doença, o impacto da COVID-19 na população brasileira voltou a crescer nas últimas semanas. A variação apresentada no número de óbitos é reflexo direto do aumento da taxa de transmissão do vírus. A média de novos casos nos últimos 7 dias é de 17.666, o que indica uma variação de +17%, relação há 2 semanas. O cenário também se refletiu nos dados divulgados pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), em relação aos primeiros 15 dias de maio. De acordo com a entidade, mais de 23% de todos os testes de farmácia registrados pela associação resultaram em positivo, o que supera em 54% o acumulado de todo o mês de abril. Com isso, também cabe ressaltar que os números de abril já apresentavam crescimento em relação ao mês de março. Nesse contexto, o Ministério da Saúde incluiu idosos a partir de 60 anos na recomendação para a aplicação da segunda dose de reforço das vacinas. Enquanto isso, debates sobre o uso obrigatório de máscaras voltam à tona em cidades como Belo Horizonte (MG).

ANVISA REVISA NORMAS RELATIVAS À PANDEMIA

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou nesta semana três Resoluções de Diretoria Colegiada (RDCs) referentes a atos instituídos em decorrência da pandemia de COVID-19. No total, 18 RDCs tiveram suas vigências prorrogadas e 28 foram revogadas. Além disso, também foram atualizadas medidas a serem adotadas em aeroportos e aeronaves em virtude da crise sanitária, como o uso de máscaras.

AVALIAÇÃO BMJ

A revisão das medidas se fez necessária devido ao fim da Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (ESPIN), decretado no fim de abril pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Isso porque várias normas adotadas nos últimos 2 anos em caráter excepcional estavam atreladas à duração da ESPIN ou ao cenário epidemiológico no Brasil e no mundo. De acordo com o Diretor-Presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, a maior parte das portarias foram prorrogadas a pedido do Ministério da Saúde. Portanto, apesar dos embates que ocorreram desde o fim do ano passado entre Queiroga e Barra há certa concordância quando se trata normas sanitárias para o combate à pandemia.