Venda direta também precisa investir na marca

Empresas de vendas diretas precisam trabalhar na marca para construir uma imagem diferenciada

A venda direta vem registrando um crescimento superior ao varejo ao longo dos últimos anos, e está fazendo com que cada vez mais novos empreendimentos sejam abertos neste setor.  Entretanto, essas empresas se esquecem, muitas vezes, de cuidar da própria marca, talvez por não conhecer as vantagens que essa estratégia de branding pode trazer, ou por achar que na venda direta a divulgação boca a boca é o suficiente.

A construção de uma marca não é a criação do logotipo da empresa. Para Laís Carvalho, sócia-consultora da empresa Whynot?, trata-se de um estudo profundo para entender e traduzir a alma e propósito que o empresário quer para o negócio. A partir disso, uma estratégia de marca deve ser estruturada e que influenciará o desenvolvimento do empreendimento, atribuindo uma proposta de valor que possa ver percebida por cada integrante do canal de revendedores e será transmitida para os consumidores.

Para Marcelo Pinheiro, diretor de Negócios da DirectBiz Consultants, empresa de consultoria especializada em negócios por meio da venda direta, com o aumento da competitividade neste setor, há a necessidade da construção ou alavancagem de marcas fortes e inspiradoras, que toquem o coração de consumidores e revendedores, iniciando assim um relacionamento duradouro entre eles e a marca.

“Apenas as empresas líderes do segmento investem em branding como oportunidade concreta de alavancar seus negócios. Muitas empresas pequenas e médias ainda acreditam ser um investimento desnecessário e não utilizam essa estratégia, deixando de visualizá-la como um diferencial competitivo”, avalia Marcelo.