Quando a venda direta se torna social

Conheça a história da empresária americana que trocou o escritório pela venda direta de uma marca de joias que ela mesma criou

Um ano antes de começar a faculdade, Chantel Waterbury andou por todo o nordeste da Califórnia, nos Estados Unidos, vendendo faqueiros. Na época ela não percebeu, mas essa experiência trouxe um impacto para a sua vida atual, tanto profissional, quanto pessoal, pois em 2011 Chantel criou a sua própria empresa, a Chloe and Isabel.

Apesar de suas conexões no mercado de varejo Chantel optou pelo mercado de venda direta e desenvolveu a sua própria marca de joias.

A decisão dependeu, em grande parte, do seu desejo de ir além do vender joias. “Minha visão maior era empoderar mulheres ao dar a elas uma oportunidade de ganhar dinheiro e aprender habilidades que podem ser usadas em outros lugares”, conta Chantel.

Hoje, a empresa – que tem sede em Nova Iorque – emprega 85 funcionários e tem uma rede de revendedores com mais de 5 mil pessoas sendo que75% tem menos de 35 anos de idade.

 

Fonte: Revista Entrepreneur