Seminário discute ética e reputação em vendas diretas

Entre os inúmeros assuntos relevantes para o setor de vendas diretas, ética foi escolhido como o primeiro tema do encontro realizado no final do mês de outubro em São Paulo.

A ABEVD acredita que os modelos de negócios estão evoluindo e por isso a associação tem um papel importante na atualização dos profissionais, na divulgação e promoção das boas práticas para o setor e para a sociedade em geral.

Com cerca de 100 pessoas participantes e a capacidade total do local preenchida, o evento contou com a presença de executivos, tomadores de decisão ligados à área de vendas, marketing, comunicação, jurídico, compliance, diretores das empresas associadas, empreendedores independentes, parceiros e interessados em aderir ao setor de vendas diretas.

A abertura do evento foi feita por Ana Beatriz da Costa, presidente do Conselho Diretor da ABEVD. Em seguida, o primeiro painel “Aplicando na prática o Código de Ética” foi mediado pela presidente executiva da entidade, Adriana Colloca, e contou com a participação de Eduardo Vilhena (Mary Kay), Itamar Gaino Filho (Natura) e Paulo Polesi (Herbalife).

Ao citar o comportamento empresarial, Itamar Gaino falou que é preciso ir além do básico: “É necessário ter consciência sobre o tipo de consumo que você provoca, o impacto ambiental e as práticas de responsabilidade social que tornam a agenda muito mais ampla”, disse.

Também foram discutidos outros pontos que estão na cartilha de conduta mundial do setor e que é promovida pela WFDSA (World Federation Direct Selling Association), da qual a ABEVD é associada e signatária. Os associados à ABEVD se comprometem a seguir o código de ética da entidade. Os documentos estão disponíveis para download aqui.

Ao falar sobre a importância da ética na prática, os debatedores explicaram que o tema não pode ficar apenas no discurso e que é preciso fomentar esta cultura entre todos os envolvidos nas empresas, desde a diretoria até a força de vendas.

Ao abordar o tema, ficou claro que as empresas precisam estar atentas a todas as etapas do processo, desde a produção até a entrega, ou seja, não basta apenas ser ético nos treinamentos e no discurso, mas é preciso aplicar as ações éticas no dia a dia.

O painel abordou ainda questões fundamentais para o desenvolvimento do negócio das empresas do setor de vendas diretas como: aliciamento de força de vendas, obrigatoriedade da compra de kits, motivos que levam os empreendedores a estocarem produtos, pagamento de bônus pela entrada de revendedores e suas redes, comunicação enganosa, com empresas prometendo além do que podem entregar, entre outros.

No intervalo, houve o coffee break, com oferecimento do escritório de advocacia Derraik & Menezes Advogados. Este foi o momento ideal para o networking e bate-papo entre os participantes.

Já o segundo painel abordou as estratégias de reputação nas vendas diretas e discutiu a questão da comunicação e da construção da imagem das empresas no setor.

Com a participação de Adriana Paes (Amway), Juliana Ferrari (Avon), Paloma Doro (Jeunesse) e mediação de Gisele Lorenzetti, da LVBA Comunicação, as debatedoras mostraram o quanto é importante alinhar o discurso aos valores da empresa e que, neste quesito, o treinamento dos colaboradores é fundamental para propagar estas ideias entre os envolvidos.

“O papel do treinamento é este: não só treinar no que diz respeito ao produto, mas treinar para que seja realmente uma pessoa melhor”, mencionou Juliana Ferrari.

Ao falar sobre crise, as debatedoras explicaram que as crises no setor de vendas diretas são esperadas e para isso é preciso atuar em duas frentes: interna e externamente.

Enquanto que internamente, os executivos precisam estar alinhados com a mensagem a ser transmitida para saber como agir, a força de vendas tem que ter clareza de onde a empresa quer chegar. Com informações corretas, os representantes terão a noção da visão geral da companhia e assim poderão combater a propagação de notícias falsas.

“Temos que ter uma comunicação clara e transparente, com um canal aberto para sempre entregar a mesma mensagem”, finalizou Adriana Paes.

Também houve destaque para a importância de um canal aberto e transparente de contato entre as empresas e os empreendedores da força de vendas, para que não haja a possibilidade de ruído na comunicação.

Coube ao Prof. Dr. Robert Henry Srour encerrar a manhã de troca de conhecimentos e informações. Ao falar sobre os pequenos deslizes cometidos no dia a dia, o especialista mostrou a importância da ética em todas as esferas sociais: tanto no trabalho quanto na vida pessoal.

A ideia da ABEVD é ampliar o número de edições do evento em 2019 e convidar especialistas do mercado e representantes de empresas para debater outros assuntos importantes.

“O Seminário de Ética em Vendas Diretas mostrou que a escolha por este modelo de evento foi acertada. Estamos planejando outros encontros e vamos em busca de assuntos interessantes e profissionais respeitados para debatermos da melhor maneira possível temas importantes para o setor”, explica Adriana Colloca.

Para ver fotos do evento, clique aqui.

Seminário debate ética em vendas diretas em outubro

Como trabalhar a ética em vendas diretas? Você conhece os códigos de ética da ABEVD? Sabia que existe um aplicável a empresas associadas e ao empreendedor e outro direcionado ao consumidor final?

Para solucionar estas e outras dúvidas sobre estes importantes documentos para a atividade de vendas diretas no Brasil, a ABEVD promove, no dia 25 de outubro, o Seminário de Ética em Vendas Diretas.

Idealizado para disseminar a relevância dos códigos de ética do setor, o evento apontará como estes documentos foram construídos de forma coletiva e vão além da legislação vigente, seguindo as diretrizes internacionais da WFDSA.

Entre os convidados para compartilharem experiências positivas estão grandes profissionais do setor como: Paulo Polesi (Herbalife), Adriana Paes (Amway), Paloma Doro (Jeunesse) e Eduardo Vilhena (Mary Kay).

A mediação das mesas caberá a Adriana Collocca, presidente executiva da ABEVD e Gisele Lorenzetti, diretora executiva da LVBA Comunicação e especialista em compliance e reputação. Além dos painéis, a programação do encontro conta com uma palestra sobre gestão ética.

“Com este seminário queremos mostrar as boas ações em ética e compliance praticadas pelas empresas do setor. A ideia é apresentar exemplos positivos e disseminar a importância dos códigos de ética para os associados e todas as empresas”, fala Adriana Colloca.

Com intervalo reservado para networking, o café da manhã terá oferecimento da Derraik & Menezes Advogados. As empresas interessadas em patrocinar o evento podem entrar em contato com a ABEVD pelo e-mail: [email protected]

As inscrições do evento já estão abertas e podem ser realizadas aqui.

PROGRAMAÇÃO

8h30 às 9h00 Credenciamento
9h00 às 9h10 Abertura – Ana Beatriz da Costa | Presidente do Conselho diretor da ABEVD
9h10 às 10h10 Painel: Aplicando na prática o Código de Ética
Eduardo Vilhena | Legal and Government Relations Director | Mary Kay
Paulo Polesi | Director Member Practices and Compliance | Herbalife Nutrição
Moderadora: Adriana Colloca | Presidente da ABEVD
10h10 às 10h30 Coffee break – Oferecimento Derraik & Menezes Advogados
10h30 às 11h30 Painel: Estratégias de reputação das vendas diretas
Adriana Paes |Manager Strategic Planning | Amway
Paloma Doro |Marketing, Communication and Sales Manager | Jeunesse
Moderadora: Gisele Lorenzetti | Diretora executiva da LVBA Comunicação
11h30 às 12h00 Palestra: Reflexões sobre uma gestão ética

LOCAL

Rua: George Ohm, 230, Torre B, Cidade Monções, São Paulo-SP
Dia 25 de outubro das 8h30 às 12h

INVESTIMENTO

Associados ABEVD: R$ 200,00
Não associados: R$ 350,00

Treinamento da força de vendas do setor de vendas diretas

Por Eduardo Vilhena *

Em Junho de 2018, a Mary Kay completou 20 anos de presença no Brasil. Durante estas duas décadas muitas pessoas tornaram-se Consultoras de Beleza Independentes, fazendo parte da Força de Vendas Independente Mary Kay.

O treinamento da Força de Vendas Independente é um ponto primordial para o setor de Vendas Diretas. É crucial manter-se atento as oportunidades e principalmente as necessidades, a fim de garantir a melhor absorção possível do conteúdo para fortalecer as chances de aplicação prática. Vale lembrar que falamos de um universo de milhares e milhares de pessoas e quem não treina constantemente sua Força de Vendas Independente, abre caminho para ações indevidas, tais como: ofertas de oportunidade com promessas falsas ou de difícil alcance (de altos ganhos), abordagem indevida e/ou agressiva a membros de força de vendas independente de concorrentes, entre outros. Essas práticas citadas ferem os Códigos de Ética da ABEVD e colocam em risco todo o mercado de Vendas Diretas.

Para garantir que a Força de Vendas Independente tenha uma conduta adequada, a Mary Kay disponibiliza dois documentos: o “Seu Negócio Legal” que rege as diretrizes pelas quais devem conduzir seus negócios independentes e o “Guia de Uso das Redes Sociais” que traz a forma como podem ser usadas as mídias sociais para desenvolver seus Negócios Independentes.

O “Seu Negócio Legal” e o “Guia de Uso das Redes Sociais” são uma base sólida para direcionamento da conduta das Consultoras de Beleza Independentes da Mary Kay, incluindo tópicos importantes que refletem o código de ética da ABEVD, valendo ressaltar inclusive que este último foi atualizado recentemente.

Destaco os pontos mais importantes do “Seu Negócio Legal”:

Política de 100% de Satisfação – Caso, por qualquer motivo, um consumidor não esteja satisfeito com um produto, este poderá ser substituído sem custos ou o preço total de compra reembolsado, depois de sua devolução para a Consultora ou para a companhia (caso a Consultora não esteja mais ativa), mediante comprovante da compra;

Cobrança por sessões – Qualquer membro da Força de Vendas Independente nunca cobrará para oferecer Sessões de Beleza;

Mary Kay em estabelecimentos de varejo – É um ponto que gera muitas dúvidas, principalmente pelo movimento de multicanais que algumas empresas do setor estão adotando. Para ficar bem claro e objetivo, resumimos o conceito em uma frase de fácil assimilação para a Força de Vendas Independente: “A exibição ou a venda dos produtos da Mary Kay® em varejo ou estabelecimentos de qualquer tipo (incluindo sites de varejo e de leilão pela Internet) é proibida”.

Não poderia deixar de mencionar o incrível trabalho do time de Educação de Vendas da Mary Kay que oferece diversas orientações – remotas (pela web em vídeo) e também presenciais nas principais capitais – sobre temas presentes e complementares ao “Seu Negócio Legal” e ao “Guia de Uso das Redes Sociais”.

É por isso que o treinamento tem que ser amplo e constante, mostrando que a ética é a base e aqui na Mary Kay isso é um fato. Ainda que hoje entendamos que temos ótimos materiais, não nos acomodamos e estamos sempre desenvolvendo novos treinamentos e novas formas de apresenta-los à nossa Força de Vendas Independente.

* Eduardo Vilhena é Diretor Jurídico e de Relações Governamentais da Mary Kay do Brasil e membro da Diretoria da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD)

2019-12-20T14:38:49-03:00setembro 14th, 2018|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , , |
Ir ao Topo