Início/Adicionar código antes da tag </head>. Natura

Natura patrocina mostra sobre a arte viva de Roberto Burle Marx no Jardim Botânico de Nova York

Mostra reúne exemplos da diversidade artística de um dos paisagistas mais importantes da história, revelando seu processo criativo em diferentes mídias
Marca inconfundível do Rio de Janeiro, os ondulantes mosaicos preto e branco nas calçadas de Copacabana são apenas uma das fabulosas criações de Roberto Burle Marx (1909-1994). Ele se via como um artista acima de tudo e não acreditava na separação entre os campos de prática, jardins e paisagens. Intitulada “Contemporânea Brasileira: A Arte Viva de Roberto Burle Marx” e com início no sábado, 8 de junho, a exposição do Jardim Botânico de Nova York celebra um dos mais icônicos artistas brasileiros.
Burle Marx projetou milhares de jardins e paisagens ao longo de sua carreira e estava bastante ciente da importância da sustentabilidade antes que o tema fosse debatido pelo público em geral. Não por acaso, um dos focos da exibição será sua defesa apaixonada pela conservação dos ecossistemas nativos do Brasil.
“Seu projeto paisagístico é a pura expressão do espírito e do lugar brasileiro e, por isso, a Natura se orgulha de ser uma das patrocinadoras da exibição”, comenta Andrea Alvares, vice-presidente de Marketing, Inovação e Sustentabilidade da Natura. A executiva esteve no evento de lançamento da exposição, na última terça-feira, com a presença de convidados da imprensa e influenciadores. “Em particular, o legado do artista em relação a questões ecológicas urgentes ressoa no coração das nossas crenças”, ressalta.
A exibição celebra a exuberante interpretação do modernismo por Burle Marx, reunindo um formalismo com a exuberância das plantas nativas do Brasil – palmeiras, cicadáceas, Araceae, bromélias e muito mais. A mostra também contará com exemplos da variedade de sua arte – pinturas, desenhos e tecidos -, revelando seu processo criativo e como sua abordagem a diferentes mídias o ajudou a definir as formas, formatos e ideias de design em seus jardins. O centro dessa pesquisa e prática era seu sítio – um laboratório vivo onde ele viveu, trabalhou e hospedou amigos e colegas, liderando botânicos, artistas, poetas e figuras culturais de todo o mundo.

Burle Marx também foi pintor, ceramista, escultor, pesquisador, cantor, joalheiro, tapeceiro e cenógrafo. Começou a colecionar plantas na infância, aos sete anos de idade. E foi em uma viagem a Berlim, para visitar a família de seu pai alemão, após sua formatura na Escola Nacional de Belas Artes do Rio, em 1933, que ele reconheceu a flora brasileira em um Jardim Botânico. Isso inspirou a busca de um caçador de plantas, e cerca de 20 plantas levam seu nome.

O Jardim Botânico de Nova York está localizado no Bronx, bairro ao norte de Manhattan. Dedicado a preservar e proteger a biodiversidade e os recursos naturais do planeta em parceria com comunidades locais e globais, o espaço abriga o maior jardim dos Estados Unidos, com mais de 100 hectares, e é considerado um patrimônio nacional.
Confira o site do NYBG para o programa completo de apresentações de música e dança e desfiles. A exibição acontece até 29 de setembro. Para ingressos e programação, visite https://www.nybg.org
Fonte: @NaturaBrOficial

Natura inaugura primeira loja física em Vitória

Nova loja faz parte da estratégia multicanal da empresa, que pretende tornar a experiência de compra para o consumidor mais completa. O espaço contempla um novo conceito de loja que expressa um convite à construção de um mundo mais bonito

A Natura inaugura, nesta segunda-feira, a primeira loja física da marca no Espírito Santo. Situada no Shopping Vitória, a 39º loja própria reforça a estratégia multicanal da empresa, que busca atender todos os perfis de clientes em diferentes ocasiões de compra.

A loja já apresenta o novo conceito, inaugurado em maio, em Salvador, que traz a tecnologia a serviço da experiência do consumidor e permite maior interação com os produtos e com a história da marca.

“A chegada da marca ao Espírito Santo completa a nossa presença no Sudeste brasileiro e reforça o nosso compromisso em levar a melhor experiência de compra ao consumidor”, afirma Paula Andrade, diretora de Varejo da Natura.

Em uma ambiente que valoriza a jornada do consumidor, a tecnologia está a serviço do cliente, que tem a oportunidade de vivenciar uma experiência virtual de Ekos, conectando-se às comunidades extrativistas da Natura com um óculos de realidade virtual, experimentar vários looks num espelho virtual para maquiagem e fazer uma avaliação exclusiva de diagnóstico de pele para indicação da melhor solução de hidratação. Para facilitar a experiência do pagamento, ele também poderá ser feito por sistema mobile, que prescinde de caixa, trazendo uma experiência de compra mais dinâmica e fluída.

A loja está segmentada em três ilhas principais, que permitem maior experimentação de produtos e conhecimento dos ingredientes da biodiversidade por trás dos produtos icônicos da Natura. A primeira ilha, com produtos de cuidados pessoais, traz a linha Ekos, que é 100% vegana e conta com mais de 90% de ingredientes naturais, ao priorizar o uso de ativos da biodiversidade amazônica.

A Casa de Perfumaria do Brasil, que traz as fragrâncias exclusivas da Natura, com ingredientes da biodiversidade brasileira, álcool orgânico e vidro reciclado, ocupa a ilha central, e, para finalizar, a loja dispõe de uma estação de serviços de cuidados com o rosto e maquiagem, com todo o portfólio de Chronos disponível, além dos produtos de maquiagem que realçam as identidades e a beleza de cada um.

Outra novidade é o ponto para logística reversa. Neste novo modelo de loja, o consumidor poderá retornar a embalagem de qualquer produto cosmético já utilizado, que será transformado em novos frascos de produto reforçando o posicionamento da marca “O Mundo É Mais Bonito Com Você.”

No dia da inauguração, os 100 primeiros clientes que realizarem qualquer compra serão presenteados com uma Polpa Hidratante Ekos para Mãos Castanha 40g. Com óleo de castanha, a polpa hidratante de textura aveludada promove nutrição imediata e prolongada das mãos e cutículas.

Serviço:
Inauguração: 10 de junho – 10h
Shopping Vitória
Piso Térreo
Av. Américo Buaiz, 200 – Enseada do Suá – Vitória

Fonte: @NaturaBrOficial

2019-12-20T14:25:58-03:00junho 7th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , , |

Natura contribui para a conservação de 1,8 milhão de hectares na Amazônia junto a rede de parceiros locais

No Dia Mundial do Meio Ambiente, companhia reforça posicionamento sustentável e convida a conhecer o que uma marca de beleza pode fazer pela Amazônia

O Brasil registra números alarmantes de desmatamento ilegal na região Amazônica e a devastação tem se acelerado nos últimos meses. A cada hora, a Amazônia perde uma área verde do tamanho de 20 campos de futebol. De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), esse foi o ritmo do desmatamento registrado em maio passado nas Unidades de Conservação federais, que são áreas protegidas por lei.
Para reforçar a importância da biodiversidade nacional e do desenvolvimento sustentável da Amazônia, a Natura divulga neste Dia do Meio Ambiente dados inéditos do Programa Natura Amazônia de conservação da floresta.
Como parte integrante de uma rede atuante na região, a Natura contribui para a conservação de 1,8 milhão de hectares na Amazônia, área equivalente a 12 vezes o tamanho da cidade de São Paulo. O novo dado é resultado da reformulação da metodologia que calcula a área total conservada, antes de 257 mil hectares. Esse número compreendia a área de atuação com as cadeias da sociobiodiversidade de relacionamento direto com a Natura para compra de insumos. Agora, ele também incorpora outras áreas onde a Natura desenvolve iniciativas que geram impacto positivo para a conservação. Outra mudança foi a fonte de dados, que passou a utilizar informações atualizadas anualmente pelo projeto Prodes-INPE, responsável por realizar o mapeamento via satélite do desmatamento na Amazônia Legal.
Esse trabalho de conservação é realizado em parceria com organizações não governamentais e governamentais – em especial aos órgãos gestores onde atuamos com Unidades de Conservação de Uso Sustentável, como SEMA-AP (Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá), ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), SEMAS-AM (Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas) – além das comunidades agroextrativistas e organizações sociais da região.
“Acreditamos que uma marca de beleza deve fazer de tudo para deixar o mundo mais bonito e isso envolve o esforço de fazer uma floresta ficar maior, e não menor”, Andrea Alvares, vice-presidente de Marketing, Inovação e Sustentabilidade da Natura. “É por isso que desenvolvemos negócios que geram e compartilham valor com uma rede de 5,6 mil famílias de comunidades fornecedoras, sobretudo da Amazônia, contribuindo para o desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis e inclusivas na região e para a conservação de cerca de 1.8 milhão hectares de floresta.”
Em uma relação que já dura duas décadas, a Natura tem uma ligação com comunidades amazônicas que fornecem ingredientes por meio de sua atuação na região, com pesquisa de ingredientes naturais, desenvolvimento de técnicas de manejo em campo, a assessoria  direta em campo para orientar sobre questões de direitos trabalhistas, de saúde e segurança do trabalho, gestão organizacional, boas práticas de produção e apoio à redes territoriais.
Em 2011, a Natura reuniu as iniciativas na região sob o Programa Amazônia, com a meta de movimentar um valor acumulado de R$ 1 bilhão de reais na região até 2020, considerando todas as nossas iniciativas, que incluem o fornecimento de ingredientes e repartição de benefícios. Essa meta foi batida em no primeiro semestre de 2017 e hoje o volume de negócios movimentado na região passa de R$ 1,5 bilhão.
Ao longo de 2018, por exemplo, foram realizados treinamentos com mais de 370 pessoas, a fim de promover o desenvolvimento local e a melhoria na qualidade de trabalho das comunidades. O investimento em apoios técnicos e capacitações em 2018 foi de R$ 6,5 milhões. “Aumentamos consideravelmente os impactos positivos gerados nas comunidades. Com isso, seguimos comprometidos em potencializar o uso dos ingredientes da biodiversidade brasileira no portfólio e o comprometimento da Natura com o desenvolvimento das comunidades”, ressalta Mauro Costa, gerente de Relacionamento e Abastecimento da Sociobiodiversidade da Natura.
Iniciativas
Atualmente, existem cerca de 5,6 mil famílias fornecedoras da sociobiodiversidade, sendo 81% da região Amazônica – de comunidades no Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Rondônia (veja no mapa).
Órgãos gestores das unidades de conservação:  Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uacarí (Unidade de Conservação Estadual): Sema – Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas; Reserva Extrativista Médio Juruá (Unidade de Conservação Federal: ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade;     Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru (Unidade de Conservação Estadual): SEMA-AP -Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá.
Além da compra de insumos, a Natura reparte benefícios a partir do acesso ao patrimônio genético e do conhecimento tradicional das comunidades, e reverte uma porcentagem da venda de produtos com ingredientes da biodiversidade brasileira em apoio a iniciativas que geram impactos socioambientais. Ao todo, são mais de 90 contratos de repartição de benefícios. Em 2018, o investimento foi de R$ 18,7 milhões em projetos de conservação ambiental como ações de apoio à educação, infraestrutura de unidades de beneficiamento, fortalecimento institucional, entre outras. Além disso, a empresa apoia a educação no campo e na floresta, a articulação de redes territoriais – como o Território Médio Juruá e a Rede Jirau de Agroecologia, no Baixo Tocantins – e o empreendedorismo comunitário.
Exemplos emblemáticos da atuação da Natura na região
Carbono Circular
Primeiro Insetting carbon do Brasil, o projeto remunera pequenos agricultores da comunidade Reca – Reflorestamento Econômico Consorciado e Adensado pelo serviço de conservação ambiental, estimulando-os a manterem a Amazônia conservada.
Projeto SAF Dendê
União de cultivo de palma em modelo agroflorestal, que combina o cultivo da planta com outras culturas, como cacau, açaí e andiroba.
Abastecimento ético
Como forma de garantir o comércio ético e justo, toda a cadeia da sociobiodiversidade passa por auditorias anuais e cumpre critérios do Biocomércio Ético, o que inclui a rastreabilidade de todos os insumos garantidos nas comunidades. Por meio desse comprometimento, a Natura conquistou a certificação internacional da UEBT (União para o BioComércio Ético) para os produtos da linha Ekos. O selo atesta a sustentabilidade da cadeia de fornecimento de todos os ingredientes naturais da linha, reforçando o compromisso com o comércio justo, a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento social, decorrentes de relacionamentos de confiança com os fornecedores.
Fonte: @NaturaBrOficial
2019-12-20T15:05:01-03:00junho 5th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , |

Natura contribui para a conservação de 1,8 milhão de hectares na Amazônia junto a rede de parceiros locais

No Dia Mundial do Meio Ambiente, companhia reforça posicionamento sustentável e convida a conhecer o que uma marca de beleza pode fazer pela Amazônia

O Brasil registra números alarmantes de desmatamento ilegal na região Amazônica e a devastação tem se acelerado nos últimos meses. A cada hora, a Amazônia perde uma área verde do tamanho de 20 campos de futebol. De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), esse foi o ritmo do desmatamento registrado em maio passado nas Unidades de Conservação federais, que são áreas protegidas por lei.

Para reforçar a importância da biodiversidade nacional e do desenvolvimento sustentável da Amazônia, a Natura divulga neste Dia do Meio Ambiente dados inéditos do Programa Natura Amazônia de conservação da floresta.

Como parte integrante de uma rede atuante na região, a Natura contribui para a conservação de 1,8 milhão de hectares na Amazônia, área equivalente a 12 vezes o tamanho da cidade de São Paulo. O novo dado é resultado da reformulação da metodologia que calcula a área total conservada, antes de 257 mil hectares. Esse número compreendia a área de atuação com as cadeias da sociobiodiversidade de relacionamento direto com a Natura para compra de insumos. Agora, ele também incorpora outras áreas onde a Natura desenvolve iniciativas que geram impacto positivo para a conservação. Outra mudança foi a fonte de dados, que passou a utilizar informações atualizadas anualmente pelo projeto Prodes-INPE, responsável por realizar o mapeamento via satélite do desmatamento na Amazônia Legal.

Esse trabalho de conservação é realizado em parceria com organizações não governamentais e governamentais – em especial aos órgãos gestores onde atuamos com Unidades de Conservação de Uso Sustentável, como SEMA-AP (Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá), ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), SEMAS-AM (Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas) – além das comunidades agroextrativistas e organizações sociais da região.

“Acreditamos que uma marca de beleza deve fazer de tudo para deixar o mundo mais bonito e isso envolve o esforço de fazer uma floresta ficar maior, e não menor”, Andrea Alvares, vice-presidente de Marketing, Inovação e Sustentabilidade da Natura. “É por isso que desenvolvemos negócios que geram e compartilham valor com uma rede de 5,6 mil famílias de comunidades fornecedoras, sobretudo da Amazônia, contribuindo para o desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis e inclusivas na região e para a conservação de cerca de 1.8 milhão hectares de floresta.”

Em uma relação que já dura duas décadas, a Natura tem uma ligação com comunidades amazônicas que fornecem ingredientes por meio de sua atuação na região, com pesquisa de ingredientes naturais, desenvolvimento de técnicas de manejo em campo, a assessoria  direta em campo para orientar sobre questões de direitos trabalhistas, de saúde e segurança do trabalho, gestão organizacional, boas práticas de produção e apoio à redes territoriais.

Em 2011, a Natura reuniu as iniciativas na região sob o Programa Amazônia, com a meta de movimentar um valor acumulado de R$ 1 bilhão de reais na região até 2020, considerando todas as nossas iniciativas, que incluem o fornecimento de ingredientes e repartição de benefícios. Essa meta foi batida em no primeiro semestre de 2017 e hoje o volume de negócios movimentado na região passa de R$ 1,5 bilhão.

Ao longo de 2018, por exemplo, foram realizados treinamentos com mais de 370 pessoas, a fim de promover o desenvolvimento local e a melhoria na qualidade de trabalho das comunidades. O investimento em apoios técnicos e capacitações em 2018 foi de R$ 6,5 milhões. “Aumentamos consideravelmente os impactos positivos gerados nas comunidades. Com isso, seguimos comprometidos em potencializar o uso dos ingredientes da biodiversidade brasileira no portfólio e o comprometimento da Natura com o desenvolvimento das comunidades”, ressalta Mauro Costa, gerente de Relacionamento e Abastecimento da Sociobiodiversidade da Natura.

 

Iniciativas

Atualmente, existem cerca de 5,6 mil famílias fornecedoras da sociobiodiversidade, sendo 81% da região Amazônica – de comunidades no Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Rondônia (veja no mapa).

Órgãos gestores das unidades de conservação:  Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uacarí (Unidade de Conservação Estadual): Sema – Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas; Reserva Extrativista Médio Juruá (Unidade de Conservação Federal: ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade;     Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru (Unidade de Conservação Estadual): SEMA-AP -Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá.

Além da compra de insumos, a Natura reparte benefícios a partir do acesso ao patrimônio genético e do conhecimento tradicional das comunidades, e reverte uma porcentagem da venda de produtos com ingredientes da biodiversidade brasileira em apoio a iniciativas que geram impactos socioambientais. Ao todo, são mais de 90 contratos de repartição de benefícios. Em 2018, o investimento foi de R$ 18,7 milhões em projetos de conservação ambiental como ações de apoio à educação, infraestrutura de unidades de beneficiamento, fortalecimento institucional, entre outras. Além disso, a empresa apoia a educação no campo e na floresta, a articulação de redes territoriais – como o Território Médio Juruá e a Rede Jirau de Agroecologia, no Baixo Tocantins – e o empreendedorismo comunitário.

Exemplos emblemáticos da atuação da Natura na região

Carbono Circular

Primeiro Insetting carbon do Brasil, o projeto remunera pequenos agricultores da comunidade Reca – Reflorestamento Econômico Consorciado e Adensado pelo serviço de conservação ambiental, estimulando-os a manterem a Amazônia conservada.

 

Projeto SAF Dendê

União de cultivo de palma em modelo agroflorestal, que combina o cultivo da planta com outras culturas, como cacau, açaí e andiroba.

 

Abastecimento ético

Como forma de garantir o comércio ético e justo, toda a cadeia da sociobiodiversidade passa por auditorias anuais e cumpre critérios do Biocomércio Ético, o que inclui a rastreabilidade de todos os insumos garantidos nas comunidades. Por meio desse comprometimento, a Natura conquistou a certificação internacional da UEBT (União para o BioComércio Ético) para os produtos da linha Ekos. O selo atesta a sustentabilidade da cadeia de fornecimento de todos os ingredientes naturais da linha, reforçando o compromisso com o comércio justo, a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento social, decorrentes de relacionamentos de confiança com os fornecedores.

Fonte: @NaturaBrOficial

2019-12-20T15:05:01-03:00junho 5th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , |

Natura &Co e Avon unem forças para criar um grupo global de beleza, líder na relação direta com o consumidor

A Natura &Co (B3: NATU3) anuncia a aquisição da Avon Products, Inc. (NYSE: AVP), em uma operação de troca de ações, criando o quarto maior grupo exclusivo de beleza no mundo ao unir empresas de forte compromisso com a geração de impacto social positivo.

A combinação cria um grupo de excelência em cosméticos, multimarca e multicanal, e líder na relação direta com suas consumidoras, por meio das mais de 6,3 milhões de Representantes e Consultoras da Avon e da Natura, presença geográfica global, com 3,2 mil lojas, e uma crescente força digital. Com a Avon, a Natura &Co terá faturamento bruto anual superior a US$ 10 bilhões, mais de 40 mil colaboradores e presença em cem países.

A inclusão da Avon em um portfólio que já conta com Natura, The Body Shop e Aesop amplia a capacidade de Natura &Co de atender seus diferentes perfis de clientes, em diversos canais de distribuição, expandindo sua atuação para novas regiões. Essas marcas icônicas compartilharão a paixão pela beleza e pelos relacionamentos com mais de 200 milhões de consumidoras em todo o mundo, por meio de consultoras e representantes, lojas de varejo, plataformas digitais e e-commerce.

A Avon e a Natura foram fundadas por pessoas movidas por propósitos, atendendo consumidores por meio de uma rede de microempreendedoras independentes, que atuam como embaixadoras das marcas e consultoras de beleza. A Avon, marca com tradição de mais de 130 anos, é a principal plataforma de vendas diretas de produtos de beleza no mundo. Com marcas fortes nas principais categorias do setor e posições competitivas em vários mercados, a empresa tem grande potencial de crescimento futuro.

Natura &Co espera que a combinação desses negócios resulte em sinergias estimadas entre US$ 150 milhões e US$ 250 milhões anuais que serão parcialmente reinvestidos para aumentar ainda mais sua presença nos canais digitais e mídias sociais, em pesquisa e desenvolvimento, iniciativas de marca e expansão da presença geográfica do grupo.

“Sempre olhamos para a Avon com respeito e admiração. A Natura nasceu da paixão pela beleza e pelas relações. A união de hoje cria uma força importante no segmento. A venda direta já era uma rede social antes mesmo de a palavra existir, e a chegada da tecnologia e da globalização apenas multiplicou as oportunidades de se conectar com os consumidores de maneira significativa. O modelo de negócios está evoluindo para a venda por relações e o poder da era digital permite que o grupo vá além de fornecer produtos e consultoria, ampliando o empoderamento das mulheres por meio da independência financeira e do aumento da autoestima. Acreditamos que os negócios podem ser uma força para o bem e, com a Avon, ampliaremos nossos esforços pioneiros para levar valor social, ambiental e econômico a uma rede em constante expansão”, afirma Luiz Seabra, cofundador da Natura.

Segundo Roberto Marques, presidente executivo do Conselho de Natura &Co, “após as aquisições da Aesop em 2013 e da The Body Shop em 2017, Natura &Co está dando um passo decisivo para construir um grupo global, multimarca e multicanal, orientado por propósito. A Avon é uma empresa incrível, uma marca icônica, com colaboradores dedicados e mais de cinco milhões de Representantes que também acreditam no poder das relações. Juntos, aprimoraremos nossas crescentes capacidades digitais, nossa rede social de Consultoras e Representantes e alavancaremos nossa presença global de lojas e marcas diferenciadas, conectando e influenciando milhões de consumidores com diferentes perfis diariamente, tornando nosso grupo único, com uma plataforma formidável para o crescimento.”

“Esta combinação é o começo de um novo e animador capítulo na história de 130 anos da Avon. É um testemunho do progresso de nossos esforços de transformação da empresa, e acreditamos que isso permitirá acelerar significativamente nossa estratégia e expandir ainda mais nossa operação para o canal online. No ano passado, iniciamos uma jornada para fortalecer a competitividade da Avon ao renovarmos nosso foco na Revendedora, simplificando nossas operações e modernizando e digitalizando nossa marca. Juntamente com a Natura, teremos acesso mais amplo à inovação e a um portfólio de produtos, uma plataforma digital e de comércio eletrônico mais forte, além de dados e ferramentas aprimorados para que as Representantes liderem o crescimento e aumentem a geração de valor para os acionistas. Além disso, com o apoio da Natura, continuaremos a investir em tecnologia de ponta para aprimorar nossas capacidades digitais e a produtividade de nossas representantes. Tanto a Avon quanto a Natura são organizações orientadas por propósito, e a combinação nos permitirá melhor atender nossas milhões de representantes, alavancando a presença internacional da Avon com o mesmo forte comprometimento de melhorar a experiência e a renda da Revendedora”, afirma Jan Zijderveld, CEO da Avon.

“Nosso foco tem sido melhorar a experiência de nossas Representantes, acelerar a expansão internacional, melhorar nossa estrutura de custos, aumentar a flexibilidade financeira e, em última instância, posicionar a empresa para crescimento e sucesso no longo prazo. O Conselho está comprometido em aumentar o valor para os acionistas e essa combinação com a Natura representa uma nova era de crescimento para a Avon. O Conselho da Avon está confiante que a Natura será uma parceira poderosa para a marca, ao mesmo tempo em que oferece mais escala, operações e oportunidades ampliadas para colaboradores e Representantes, além de tremendo potencial de ganho para acionistas de ambas as empresas. Temos a satisfação de apoiar essa combinação transformadora”, reforça Chan Galbato, presidente do Conselho da Avon.

Como parte desta transação, foi criada uma nova holding brasileira,  Natura Holding S.A. Com base na relação de troca fixa de 0,300 ação de Natura Holding para cada ação da Avon, os acionistas de Natura &Co ficarão com 76% da companhia combinada, enquanto os acionistas da Avon terão aproximadamente 24%. Com base no preço de fechamento da Natura não influenciado por rumores de mercado, em 21 de março de 2019, um dia antes da data em que foi divulgado Fato Relevante confirmando as negociações entre Avon e Natura, a transação representa um prêmio de 28% para os acionistas da Avon e implica um múltiplo Ebitda de 9,5 vezes, ou de 5,6 vezes, presumindo o impacto total das sinergias esperadas. Com base nos preços de fechamento de 21 de maio, a transação avalia o enterprise value da Avon em US$ 3,7 bilhões, e o grupo combinado em aproximadamente US$ 11 bilhões. Após o fechamento da transação, as ações de Natura Holding S.A. serão listadas na B3, com 55% do capital em circulação, além de ADRs listadas na NYSE. Os acionistas da Avon terão a opção de receber ADRs negociados na NYSE ou ações listadas na B3. Outras informações estão no Fato Relevante, que podem ser acessadas pelo link: https://natu.infoinvest.com.br/ptb/7085/19550_691987.pdf

Após a conclusão da aquisição, o Conselho de Administração da empresa combinada será composto por 13 membros, três dos quais serão designados pela Avon. A transação permanece sujeita às condições finais habituais, incluindo a aprovação tanto pelos acionistas da Natura quanto da Avon, assim como das autoridades antitruste no Brasil e outras jurisdições. A conclusão da operação é esperada para o início de 2020.

A Natura &Co foi assessorada por UBS Investment Bank e Morgan Stanley e Avon foi assessorada por Goldman Sachs. Os membros do Conselho de Administração da Avon também foram assessorados financeiramente por PJT Partners.

2019-12-20T15:05:02-03:00maio 23rd, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , |

Líderes apontam caminhos para a venda direta no Brasil

Reunidos no painel “Estratégias dos Líderes das Empresas de Vendas Diretas” mediado pela presidente executiva da ABEVD, Adriana Colloca, o presidente da Avon Brasil, José Vicente Marino, o vice-presidente de venda direta da Natura, Erasmo Toledo e o presidente da Mary Kay Brasil, Alvaro Polanco, apresentaram ideias e perspectivas para o setor no país.

Questionado sobre o atual cenário econômico nacional, José Vicente cravou: “A venda direta vai crescer quando a economia voltar a crescer”. Ou seja, apesar de termos controlado os índices de inflação, ainda há outro dado macroeconômico que impacta diretamente no setor: a renda disponível para consumo. Segundo ele, as vendas esse ano devem continuar estáveis e próximas ao crescimento do PIB.

Com os índices de desemprego em alta, o setor de vendas diretas encara um cenário paradoxo: há mais chances das pessoas buscarem a atividade como alternativa de renda, mas por outro lado, com o baixo potencial de consumo, fica mais difícil realizar as vendas.

“A força das relações vem muito do estilo do brasileiro”, falou Erasmo Toledo, ao explicar um dos motivos que fazem a venda direta ser valorizada no Brasil. Para o executivo, o segredo está na proximidade que as vendas por relações proporcionam. Além disso há as oportunidades geradas pelo setor – principalmente para as mulheres – e a classe empresária do país que é competente.

Alvaro Polanco comentou sobre os desafios enfrentados pelo setor. Para ele, que sempre teve a impressão de que o “Brasil é o país da venda direta por seu potencial”, a queda no consumo pode ser vista como a maior barreira atualmente.

Para encarar esta situação, Alvaro comentou que a empresa trabalha pela valorização da mulher, mostrando o potencial de cada empreendedora para, assim, fortalecer o negócio e ajudar o país a voltar a crescer.

Ao analisar o atual mercado brasileiro de venda direta e o seu crescimento, José Vicente Marino, falou que muitas empresas entraram no setor nos últimos anos e com isso “o mercado hoje é muito mais competitivo do que foi no passado”. Demanda mais sabedoria dos players atuais.

Em plena evolução, segundo José Vicente, a venda direta atual é impactada pela tecnologia que serve como aliada e pela hiperconectividade que vem transformando as relações de venda no setor.

A mudança provocada pela tecnologia e vivenciada pelas vendas diretas pode ser vista por meio das conexões no mundo virtual. Segundo Erasmo Toledo, as vendas diretas podem ser consideradas redes sociais que quando se digitalizam potencializam e reforçam a rede.

“Reunir líderes como José Vicente, Erasmo e Alvaro no mesmo palco foi uma grande alegria. Com eles, que são profissionais super experientes na área, foi possível ver a visão de algumas das maiores empresas para o futuro, como a digitalização está sendo implementada, além é claro de conversar sobre a paixão que move o setor de vendas diretas. Além do conhecimento, os três são acessíveis e práticos. Acredito que assim como eu, todos saíram do painel com belos exemplos de liderança para a vida”, reflete Adriana Colloca, presidente executiva da ABEVD.

Fonte: ABEVD

2019-12-20T14:28:53-03:00maio 15th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , , , |

As 100 principais empresas de vendas diretas do mundo

A Direct Selling News (DSN), mais respeitável e reconhecida publicação sobre o setor no mundo, publica desde 2009 a lista com as 100 principais empresas de vendas diretas no mundo.

Vale ressaltar que os dados para a pesquisa são colhidos de forma voluntária e empresas importantes no mercado podem não figurar entre as mais bem posicionadas por não divulgarem as informações.

Os dados da pesquisa são referentes a 2018 e trazem a Amway como líder mundial de vendas diretas com US$ 8,8 bilhões de receita. Na segunda posição vem a Avon Products com US$ 5,57 bilhões e em terceiro a Herbalife Nutrition com US$ 4,9 bilhões.

Entre as 10 primeiras colocadas, a Natura ocupa a 6ª colocação no ranking com receita de US$ 3,67 bilhões e a Tupperware vem no 9º posto com faturamento de US$ 2 bilhões.

Para conferir a lista completa com as 100 maiores empresas de vendas diretas do mundo, clique aqui.

Fonte: DSN

2019-12-20T14:29:52-03:00maio 15th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , , , , |

Empresas divulgam resultados do 1º trimestre de 2019

No início do mês de maio Herbalife, Natura e Avon divulgaram os resultados financeiros referentes ao 1º trimestre de 2019.

A Herbalife Nutrition registrou vendas líquidas de US$ 1,2 bilhão no trimestre encerrado em 31 de março deste ano.

Houve um crescimento em quatro das seis regiões – Ásia-Pacífico, América do Norte, EMEA (Europa, Oriente Médio e África) e México e o resultado ficou praticamente estável na comparação com o primeiro trimestre do ano passado.

Com exceção da China, as vendas líquidas tiveram uma alta de 6% no comparativo com o mesmo período de 2018.

“No primeiro trimestre de 2019, o impulso de nossos negócios geograficamente diversificados continuou com o crescimento das vendas líquidas em quatro de nossas seis regiões. Estamos confiantes de que nossas estratégias impulsionarão o crescimento de volume em 2019,” disse Michael O. Johnson, presidente e CEO da Herbalife Nutrition em comunicado.

Lucro líquido da Natura & CO cresce 72,8%

O grupo Natura & CO apresentou outro sólido conjunto de resultados positivos no primeiro trimestre de 2019. Apesar das condições desafiadoras em alguns mercados-chave, principalmente no Brasil, o lucro líquido subiu 72,8%, para R$ 41,9 milhões nos 3 primeiros meses do ano demonstrando a resiliência do grupo e os benefícios de sua presença geográfica.

Duas marcas do grupo registraram crescimento de vendas: a receita líquida da Body Shop cresceu 10,2% no primeiro trimestre e a Aesop apresentou mais um trimestre de crescimento sólido de dois dígitos.

Já a Natura cresceu 10% na América Latina no primeiro trimestre de 2019. A empresa ainda registrou aumento da produtividade de suas consultoras em 1,5%. Se pensarmos que 60% delas já estão usando meios digitais para alavancar as vendas, a produtividade tende a ser ainda mais alta.

Avon Brasil mostra recuperação no 1º trimestre

A norte-americana Avon Products reportou prejuízo de US$ 32,7 milhões no período, uma alta de 61% na comparação com o mesmo trimestre do ano passado.

Em nota o presidente da companhia, Jan Zijderveld afirmou que “está satisfeito com o progresso no primeiro trimestre. A empresa teve melhora na receita em dólares constantes em três dos nossos quatro segmentos geográficos”.

De acordo com o relatório da empresa, as quedas na Europa, Oriente Médio e África foram compensados por aumentos de receita na Ásia-Pacífico, América do Sul e América do Norte.

Fonte: DSN

2019-12-20T14:30:40-03:00maio 15th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , |

Números mostram potencial das vendas diretas no Brasil e no mundo

Durante o 2º Congresso Nacional de Vendas Diretas, o diretor de governança corporativa da Natura & CO, Moacir Salzstein apresentou dados robustos que comprovam a força do setor e ainda relevam o grande potencial das vendas diretas para o futuro.

Informações computadas pela ABEVD mostram que o Brasil com 208 milhões de habitantes tinha em 2017 uma força de vendas de 4,1 milhões de empreendedores independentes que movimentaram R$ 45,2 bilhões.

No mesmo período, o mundo contava com 7,6 bilhões de pessoas, sendo que 107 milhões atuavam como empreendedores independentes e movimentaram R$ 602 bilhões em volume de negócios.

Em relação às categorias de produtos: os cosméticos correspondiam a 83%, enquanto bem-estar ocupava o 2º posto com 7%, seguido de utilidades domésticas com 5%.

Se comparado com o mundo, o setor brasileiro tem grande potencial de crescimento e muitos desafios para as empresas, já que os dados mundiais representam: bem-estar (34%), cosméticos (32%) e utilidades domésticas (11%).

A respeitável lista da Direct Selling News com as 100 maiores empresas de vendas diretas no mundo, com a Amway na liderança, seguida por Avon e Herbalife, também foi apresentada durante a palestra.

Sexto colocado no ranking de venda direta no mundo, o Brasil conta com a presença destas grandes companhias e para muitas, o país já é o principal mercado, superando até as matrizes.

A venda direta tem força para acompanhar o crescimento do varejo e por isso não há motivos para preocupação. A análise dos números convida a uma reflexão.

Se o varejo brasileiro movimentou R$ 1,236 trilhão em 2017, ainda há espaço para crescer, tendo em vista que as vendas diretas movimentaram R$ 45,2 bilhões.

Diversidade – As vendas diretas podem ser o canal de comercialização para qualquer tipo de produto. Como exemplo, nos Estados Unidos, até energia elétrica é vendida por meio do canal.

No Brasil, há diversas categorias que podem se expandir no futuro, com destaque para os serviços financeiros.

Fonte: ABEVD

2019-12-20T14:30:41-03:00maio 15th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , |

Natura inaugura novo conceito de loja no Nordeste

Com projeto arquitetônico inspirado no modernismo, nova loja expressa convite à construção de um mundo mais bonito e traz tecnologia a serviço da experiência do consumidor
A Natura inaugura, nesta sexta-feira, um novo conceito de loja, que valoriza a experiência do consumidor e permite maior interação com os produtos e com a história da marca. O novo conceito de loja também é mais uma expressão do novo posicionamento da marca, “O Mundo É Mais Bonito Com Você.”
Desenvolvido em parceria com a Metro Arquitetos, o projeto trouxe como inspiração os elementos da arquitetura modernista brasileira, as curvas dos jardins de Burle Marx e materiais que ao mesmo tempo reforçam o compromisso da Natura com a sustentabilidade e a inspiração na própria natureza.
Situada no Shopping Barra, em Salvador, a nova loja também marca a chegada das lojas próprias da Natura ao Nordeste, mercado-chave para a expansão nacional da empresa.
A abertura na capital da Bahia faz parte do plano de expansão multicanal da Natura, com mais aberturas previstas para o segundo trimestre do ano em diferentes Estados. As lojas próprias da Natura têm papel complementar ao da venda direta, principal canal da empresa, e também proporcionam experiência cada vez mais integrada ao mundo digital.
“No ano em que completamos 50 anos de história, optamos por lançar um novo conceito de loja, com inovações importantes na comunicação, tornando mais claros os nossos compromissos e causas para o consumidor, que busca uma experiência de compra cada vez mais prazerosa e complementar aos demais canais de venda, como a Venda por Relações e o e-commerce”, afirma Paula Andrade, diretora de Varejo da Natura.
A valorização de toda a jornada do consumidor foi o ponto de partida para o novo conceito, com a tecnologia a serviço da experiência do consumidor, que poderá vivenciar uma experiência virtual de Ekos, conectando-se às comunidades extrativistas da Natura com um óculos de realidade virtual, experimentar vários looks num Espelho virtual para maquiagem e fazer uma avaliação exclusiva de diagnóstico de pele para indicação da melhor solução de hidratação. Para facilitar a experiência do pagamento, ele também poderá ser feito por sistema mobile, que prescinde de caixa, trazendo uma experiência de compra mais dinâmica e fluída.
O novo conceito de loja também busca reforçar o convite da marca para a construção de um mundo mais bonito, com um ponto para logística reversa. Ali, o consumidor poderá retornar a embalagem de qualquer produto cosmético já utilizado, que será transformado em novos frascos de produto. Atualmente, por meio do uso de plástico reciclado em embalagens de linhas como Ekos e Sève, a Natura já evita que o equivalente a 9 milhões de garrafas PET sejam descartadas no meio ambiente anualmente.
A marca também segmentou a loja em três ilhas principais, que permitem maior experimentação de produtos e conhecimento dos ingredientes da biodiversidade por trás dos produtos icônicos da Natura. A primeira ilha, com produtos de cuidados pessoais, traz a linha Ekos, que é 100% vegana e conta com mais de 90% de ingredientes naturais, ao priorizar o uso de ativos da biodiversidade amazônica.
A Casa de Perfumaria do Brasil, que traz as fragrâncias exclusivas da Natura, com ingredientes da biodiversidade brasileira, álcool orgânico e vidro reciclado, ocupa outra ilha central no novo conceito. E, para finalizar, a nova loja dispõe de uma estação de serviços de cuidados com o rosto e maquiagem, com todo o portfolio de Chronos disponível, além dos produtos de maquiagem que realçam as identidades e a beleza de cada um.
“Usamos materiais em seu estado natural e formas orgânicas para criar um ambiente que apela a todos os sentidos, equilibrando exposição de produtos com informação e experiência”, afirma Martin Corullon, sócio do Metro Arquitetos.
Essa é a 38ª loja própria da Natura no Brasil, já presente em dez Estados. Além disso, a Natura conta também com nove lojas no exterior, em Paris, Nova York, Buenos Aires e Santiago.
Serviço:
Shopping Barra Salvador
Piso Térreo
Av. Centenário, 2992 – Chame-Chame, 40155-151
Salvador – BA
Lojas Natura:
Belo Horizonte – BH Shopping, Diamond Mall e Pátio Savassi
Brasília – Park Shopping
Campo Grande – Shopping Campo Grande
Curitiba – Mueller, Palladium, Pátio Batel e Park Shopping Barigui
Cuiabá – Estação Cuiabá
Florianópolis – Beiramar
Goiânia – Shopping Flamboyant, Goiânia Shopping e Buriti Shopping
Rio de Janeiro – Barra Shopping, Bossa Nova Mall, Gávea, Rio Design Barra, Rio Sul, Norte Shopping, Tijuca e Plaza Niterói
Salvador – Shopping Barra
São Paulo – Anália Franco, Center Norte, Cidade São Paulo, Eldorado, Higienópolis, Ibirapuera, Iguatemi Alphaville, Iguatemi Campinas, Jardim Sul, Morumbi, Pátio Paulista, Park Shopping São Caetano, Ribeirão Shopping e Villa Lobos
Exterior – Buenos Aires (2), EUA (2), Paris (3) e Santiago (2)
Fonte: @NaturaBrOficial
Ir ao Topo