Início/Adicionar código antes da tag </head>. pirâmide financeira

Qual a diferença entre Marketing Multinível e Pirâmide?

Dúvida recorrente no mercado de vendas diretas, a diferença entre Marketing Multinível e Pirâmide Financeira fica clara quando se analisa a relação entre os vendedores de uma mesma equipe.

Enquanto no Marketing Multinível a remuneração é feita de acordo com o volume de vendas, no sistema piramidal, geralmente, os ganhos são exclusivamente pela indicação de outros indivíduos.

Ou seja, para conquistar lucro no marketing multinível é preciso se empenhar e buscar ampliar a rede de vendas, para assim aumentar a quantidade de produtos comercializados e consequentemente a remuneração.

O sistema piramidal é considerado ilegal, pois, muitas vezes, há promessa de dinheiro fácil e quantias exorbitantes, mas quem realmente ganha são os primeiros a entrarem no negócio, já que não há esforço para ampliar a rede de vendas.

No marketing multinível todos os envolvidos no negócio podem ganhar, independentemente do tempo de entrada na empresa. Para alcançar lucros altos, no entanto, é preciso ampliar a rede de vendedores, oferecer treinamentos e oportunidades como incentivos.

Apesar de não existir uma lei no Brasil que regulamente o marketing multinível, a ABEVD conta com seus rigorosos Códigos de Ética. Estes instrumentos de trabalho são a base para as relações entre empresas e empreendedores e é por meio deles que os direitos dos envolvidos nos negócios são garantidos.

A empresa associada à ABEVD se compromete a seguir e difundir os Códigos de Ética e Conduta da entidade, garantindo segurança aos empreendedores e consumidores finais.

2019-12-20T14:40:12-03:00agosto 15th, 2018|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , |

Nove dicas para identificar uma pirâmide financeira

Veja como identificar ilegalidades e fuja das armadilhas que existem no mercado

Não caia no golpe! As famosas pirâmides financeiras são operações que se sustentam através do estelionato contra o cidadão e pela fraude contra o sistema financeiro em níveis setoriais.
A prática, muito comum nos anos 1990, voltou a crescer no Brasil devido à crise financeira. Pensando nisso, separamos algumas dicas para que você não caia no golpe e possa identificar uma companhia que está adotando pirâmide financeira. Confira:

1 – Atuação com um forte esquema de autopromoção de líderes
Normalmente são pessoas escolhidas estrategicamente para iniciar e propagar o golpe (são os únicos que de fato ganham dinheiro nas negociações).

2 – Promessa de recompensas grandiosas durante o recrutamento
Desconfie dos negócios que oferecem recompensas grandiosas como contrapartida para você entrar na equipe e para o desenvolvimento de novas redes.

3 – Rentabilidade absurdamente encantadora
É impossível que um negócio regulamentado consiga, em tão pouco tempo, resultado extraordinariamente acima da média praticada no mercado.

4 – Remuneração da empresa baseada na entrada de novas pessoas para o negócio
A sua remuneração deve estar relacionada à venda de produtos e serviços. Se você estiver em um negócio em que o pagamento é diretamente proporcional ao número de novas pessoas que você traz para a empresa, cuidado, você pode estar em uma pirâmide financeira.

5 – Atividades parcialmente ou totalmente ilícitas
Antes de atuar em qualquer empresa, verifique se as operações empresariais estão registradas no Município, Estado ou União. Pesquise também se existem denúncias ou relatos sobre atividades irregulares relacionadas a companhia.

6 – Ausência da emissão de nota fiscal na compra ou venda de produtos/serviços
Toda empresa precisa prestar contas sobre a origem de seus produtos e serviços, sem isso, o negócio fica desvinculado de obrigações legais e, você, desprotegido diante de situações adversas.

7 – Utilização de plataformas de pagamento não constituídas legalmente no Brasil
Certifique-se que a empresa segue plataformas legais para pagamento e registro de operações.

8 – Contratos falhos ou leoninos
Fuja de cláusulas contratuais abusivas, em que existem itens inseridos unilateralmente num contrato que lesa os direitos da outra parte, aproveitando-se normalmente de uma situação desigual entre contratado e contratante.

9 – Motivação acima da razão
Acima de qualquer outro fator, desconfie de organizações que não possuem uma razão bem definida. Dentro de um negócio, a motivação é importante, mas não pode ser maior que a missão e razão social da empresa.

Fonte: Estadão

2019-12-20T14:52:33-03:00janeiro 26th, 2017|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , , |
Ir ao Topo