Reforma tributária entra na pauta política e econômica

Com a Reforma da Previdência caminhando no Congresso Nacional, outra reforma estruturante entrou com força no radar do Legislativo brasileiro: a tributária.

A Câmara dos Deputados estuda a criação de um grupo de trabalho para analisar a reforma tributária, após a instalação da Frente Parlamentar Mista da Reforma Tributária presidida pelo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF).

A frente parlamentar conta com a participação de 187 deputados e 39 senadores e tem como um dos objetivos desonerar o consumo e aumentar a alíquota cobrada sobre a renda.

Uma das ideias do governo federal é reduzir a tributação sobre o lucro das pessoas jurídicas e criar uma tributação dos dividendos pagos às empresas.

A expectativa no Congresso é que a Reforma Tributária ganhe força apenas com a votação da Reforma Previdenciária, mas já há uma movimentação em torno do tema.

O tema tributação é de extrema importância para o setor de vendas diretas e a reforma tributária pode contribuir para acabar com o ambiente concorrencial desequilibrado que há entre os diversos tipos de canais de distribuição ao propor uma equidade de tributos entre as operações, mas para isso seria importante que fosse apreciada a reforma tributária total, não se limitando aos tributos federais, mas incluindo os impostos estaduais e municipais.

O grupo de trabalho deve aproveitar parte da PEC nº 293/04, aprovada no final de 2018 na Comissão Especial da Reforma Tributária e outras propostas apresentadas ao Parlamento como a discutida pelo Centro de Cidadania Fiscal. Com a participação de Bernardo Appy, a instituição busca contribuir para a simplificação do sistema tributário brasileiro e para o aprimoramento do modelo de gestão fiscal no país

Por esta razão, Bernardo Appy é um dos convidados para o 2º Congresso Nacional de Vendas Diretas que acontece no próximo dia 7 de maio, no Villa Blue Tree, em São Paulo.

Ao lado do diretor jurídico da Fiesp, Hélcio Honda, Bernardo Appy participará do talk show “Desafios Tributários nas Vendas Diretas” que será moderado pelo diretor jurídico e relações governamentais da Mary Kay Brasil, Eduardo Vilhena.

Para ver a programação completa do evento e mais informações, clique aqui e acesso o site.

Fonte: BMJ

Negócios, conhecimento e muito networking: o 2º Congresso Nacional de Vendas Diretas vem aí!

Está chegando a hora. O 2º Congresso Nacional de Vendas Diretas acontece no próximo dia 7 de maio, no Villa Blue Tree, em São Paulo e a expectativa é reunir mais de 500 executivos e tomadores de decisão do setor vindos de todo o Brasil e do exterior.

Pela primeira vez, o evento contará com a presença de palestrantes internacionais. O co-presidente e Chief Health and Nutrition Officer Herbalife Nutrition, John Agwunobi, falará sobre uma gestão de sucesso nas vendas diretas. A Herbalife teve resultados surpreendentes em 2018 e John vai falar sobre os passos da companhia, terceira maior empresa do mundo em vendas diretas, para atingir esse sucesso.

Juan Franco, vice-presidente de vendas da América do Sul da Royal Prestige, Miguel Beas, presidente América Latina da Jeunesse e Luiz Piccoli, da Cless, se unirão a Ivon Neves, presidente da Omnilife Brasil para debater sobre inspiração, motivação e comunicação para a força de vendas.

Estratégias de líderes

Moderado pela presidente executiva da ABEVD, Adriana Colloca, o painel com executivos de empresas de vendas diretas é um dos mais aguardados da programação.

Alvaro Polanco, presidente da Mary Kay Brasil, Erasmo Toledo, vice-presidente de venda direta da Natura e José Vicente Marino, presidente da Avon, se reúnem para falar sobre os principais desafios, perspectivas e tendências para o negócio.

Tributação em pauta

Além deste esperado encontro, outro tema sempre relevante para nosso setor são os desafios tributários. Para enfrentar esse tema contaremos com Bernard Appy, diretor do Centro de Cidadania Fiscal e mentor da proposta de reforma tributária apresentada pelo deputado Baleia Rossi e que contempla a unificação de tributos federais, estaduais e municipais: o IBS (Imposto sobre Operações com Bens e Serviços). Contribuindo para o debate, confirmou presença Hélcio Honda, diretor jurídico da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP). Tudo intermediado pelo diretor jurídico e relações governamentais da Mary Kay Brasil, Eduardo Vilhena.

Empreendedorismo e tecnologia

Mais do que estratégias e tributos, ainda haverá espaço para uma conversa sobre empreendedorismo e como fomentá-lo no setor. O painel Momento Empreendedor reunirá lideranças femininas: Ana Fontes, presidente do Instituto Rede Mulher Empreendedora e Rossana Sadir, presidente da Amway no Brasil. O bate-papo será mediado por Ana Costa, vice-presidente jurídica da Avon América Latina do Sul e presidente do Conselho Diretor da ABEVD. Pesquisas e desafios para mostrar as oportunidades de empreendedorismo de nosso setor vão embasar esse debate.

Pautas em alta na atualidade, a tecnologia, a inovação e a indústria 4.0 serão temas do painel “Estratégias Digitais para a Venda Direta” que terá a participação de Jordan Rizetto, vice-presidente e diretor geral da Herbalife Nutrition Brasil e Malte Horeyseck, presidente da Jafra Brasil. Professor de inovação, Luis Guedes, ex-Google, trará seu olhar de fora do setor sobre o tema e ajudará a enriquecer a discussão.

Números e transformações

Dados e números globais do setor também estão na pauta do evento. A palestra com o diretor de governança corporativa da Natura, Moacir Salzstein, apresentará informações sobre o desempenho do país em relação ao restante do mundo. Dados passados mostram tendências. Como cada participante vai lidar com essas tendências?

Para finalizar, uma palestra ministrada pelo neurocientista Pedro Calabrez que vem emocionando plateias inteiras de executivos com seu carisma e suas ideias para viver nesse mundo em constante transformação. Além de ideias inspiradoras, esse tema vai oferecer ferramentas para lidar com as relações, clientes e mercados do amanhã.

“A programação do Congresso Nacional de Vendas Diretas foi idealizada para contemplar diversas áreas das empresas e oferecer conteúdo abrangente e relevante. Temos a certeza que o evento trará um impacto positivo para todos, na medida que favorece novas ideias e melhores formas de lidarmos com os desafios de todos os dias”, diz Adriana Colloca, presidente executiva da ABEVD.

Não fique de fora deste momento único para o setor de vendas diretas no Brasil. Oportunidade para encontrar lideranças, promover negócios e adquirir conhecimento, o 2º Congresso Nacional de Vendas Diretas está com inscrições abertas e muitas oportunidades para expor sua marca.

Para saber mais detalhes, acesse o site ou envie um e-mail para [email protected]

Fonte: ABEVD

Herbalife Nutrition anuncia chegada de novos executivos

A Herbalife Nutrition, empresa global de nutrição, anuncia a contratação de Henrique Araújo Maia, que irá exercer o cargo de Diretor de Controladoria, e Antonio Fernandez, novo Gerente Sênior de Ética e Conformidade – Brasil, Américas do Sul e Central.

Graduado em Ciências Contábeis com MSc (Master of Science) em Controladoria e com mais de 17 anos de atuação na área, Henrique Araújo Maia está de volta à Herbalife Nutrition para, desta vez, assumir a Direção de Controladoria. O executivo, que permaneceu na companhia de março de 2013 a agosto de 2018, atuou anteriormente como Gerente de Contabilidade, Gerente Contábil Sênior e Gerente de Controladoria Sênior.

Já Antonio Fernandez ocupará o cargo de Gerente Sênior de Ética e Conformidade – Brasil, Américas do Sul e Central.  Com mais de 10 anos de experiência em Controles Internos, Auditoria Interna e SOX, incluindo a implementação do Programa de Compliance e Políticas de Ética. Antonio é Advogado e Contador Público. Antes de ir para a Herbalife Nutrition trabalhou na Alcon Pharmaceuticals, empresa do grupo Novartis, como Gerente Regional de Monitoramento de Compliance na América Latina e Caribe.

Fonte: Fonte: Herbalife Nutrition

2019-12-20T15:05:29-03:00abril 11th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , , |

Forever Living investe na capital do Piauí

Multinacional americana abre filial em Teresina

A multinacional americana Forever Living – líder mundial no cultivo, processamento e distribuição de produtos à base de Aloe Vera – chega a Teresina para atender à crescente demanda de produtos da marca no Nordeste.

Com 40 anos, a empresa expandiu-se globalmente e hoje, opera com sedes próprias em mais de 160 países e com um volume anual de vendas superior a 2 bilhões de dólares. Seus produtos são distribuídos por mais de 9 milhões de FBO’s (Forever Business Owner) nos cinco continentes.

O modelo de negócio adotado possibilita a melhora da qualidade de vida de inúmeras famílias. Quem desenvolve o negócio Forever Living não se beneficia somente das vendas, mas de um negócio sólido que pode oferecer às famílias renda residual por várias gerações, por meio das redes que vão se formando de acordo com as pessoas que vão sendo patrocinadas como FBOs.

O grande diferencial da marca está no seu conceito, que prega um estilo de vida mais saudável com consumo de produtos naturais e cruelty free, além de vitaminas, sucos e cápsulas nutricionais que colaboram com os esforços de manutenção de uma rotina saudável.

A Forever Living iniciou suas operações no país em 1996 e a matriz brasileira fica localizada em Botafogo, no Rio de Janeiro, em um palacete tombado pelo Patrimônio Arquitetônico da Cidade. A empresa atende seus FBO’s em todo o território nacional e já conta com filiais estabelecidas em São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, Curitiba, Natal, Salvador, Brasília, Arapiraca, Fortaleza, Maceió e Maranhão.

A filial de Teresina está localizada na Avenida Jóquei Clube e tem mais de 100 metros quadrados, com fachada nas cores amarela e preta, de acordo com o novo branding da marca.

Fonte: Forever Living

Expo ABEVD: novidade no Congresso Nacional de Vendas Diretas

Feira reunirá executivos, empreendedores, fornecedores e parceiros

A Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) preparou uma novidade para o público do 2º Congresso Nacional de Vendas Diretas: a Expo ABEVD que será realizada simultaneamente ao evento. A feira de negócios em vendas diretas reunirá executivos do setor.

Entre os expositores já confirmados, empresas do setor, de tecnologia da informação, serviços de pagamento, logística, instituições financeiras e muitos outros.

Espaço exclusivo para apresentar e divulgar projetos, novidades e tendências, a Expo ABEVD será o local para pessoas interessadas em trocar informações, realizar novos negócios e fazer networking.

A Expo ABEVD é aberta ao público em geral e tem entrada gratuita. Outras atrações que fazem parte do Congresso Nacional como palestras, painéis, coffee break e almoço estão disponíveis mediante o pagamento de inscrição.

O 2º Congresso Nacional de Vendas Diretas, organizado pela ABEVD, acontece no dia 7 de maio, no Villa Blue Tree, em São Paulo. O valor de investimento é de R$ 850,00 para não associados à ABEVD e R$ 500,00 (até 19/4) para associados. Entre 20/4 e 7/5, o valor para associados será de R$ 700,00.

Para mais informações, acesse o site da ABEVD: www.abevd.org.br ou envie um e-mail para [email protected]

SERVIÇO

2º Congresso Nacional de Vendas Diretas da ABEVD

Data: 7 de maio de 2019, das 8h30 às 17h30

Villa Blue Tree – R. Castro Verde, 266, Chácara Santo Antônio, São Paulo – SP

Inscrições pelo site: congressonacional.abevd.org.br

Associados ABEVD: R$ 500 (até 19/4); R$ 700 (entre 20/4 e 7/5)

Não Associados: R$ 850

Expo ABEVD: Gratuito (Entrada restrita apenas para feira de vendas diretas)

Mulheres nas vendas diretas: autoestima e independência financeira marcam vidas

Setor atua no fortalecimento do empreendedorismo feminino

Flexível e democrática, a venda direta é uma opção de renda para milhões de mulheres que encontraram na atividade autonomia e independência financeira.

De acordo com dados da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), 2,3 milhões de brasileiras atuam como empreendedoras independentes no país, o que representa 56,7% do total.

Este contingente tem muitas conquistas para comemorar, principalmente, neste mês de março, quando é celebrado o Dia Internacional da Mulher.

O empreendedorismo feminino ligado às vendas diretas não proporciona apenas uma renda extra às mulheres. A atividade atua em outro campo da vida feminina: a realização de sonhos.

A oportunidade gerada pelas vendas diretas ajudou muitas empreendedoras a elevarem a autoestima. Com a renda conquistada, algumas até conseguiram se libertar de uma das mazelas da sociedade atual: a violência contra a mulher, deixando para trás relacionamentos abusivos.

A questão do impacto social das vendas diretas também é relevante para empresas do setor. Algumas companhias oferecem descontos em cursos educacionais para as empreendedoras que também podem ser estendidos para os filhos.

Ao investir na educação da família, as mulheres contribuem para o desenvolvimento de mais pessoas, ampliando o número de ações positivas originadas a partir do seu trabalho com vendas diretas.

Já outras empreendedoras independentes encontraram no setor a oportunidade de melhorar a própria imagem. Muitas não conseguiam ver em si o potencial que tinham tanto para vendas quanto para os negócios. Foi por meio de treinamentos, que começaram a se sentir mais preparadas e passaram a transmitir mais autoconfiança.

Inclusivo, o setor de vendas diretas é e sempre foi um dos mais procurados pelas mulheres como alternativa para complementar a renda das famílias. Tanto que o cenário de apenas uma segunda ocupação está em transformação e para muitas mulheres, as vendas diretas já são a principal fonte de renda.

“Por ser democrático e inclusivo, o setor de vendas diretas atua para fortalecer o empoderamento feminino. Ao oferecer condições para que a mulher se desenvolva profissionalmente, as empresas mostram que esta valorização não está apenas no discurso, mas é realizada na prática diariamente”, enfatiza Adriana Colloca, presidente executiva da ABEVD.

 

Vem aí o 2º Congresso Nacional de Vendas Diretas – Marcado para o dia 7 de maio, o evento já está com inscrições abertas. Oportunidade para troca de conhecimento e networking, o encontro acontecerá em São Paulo.

Para mais informações, acesse: congressonacional.staging7.abevd.org.br

Comitê Institucional debate cenários para as vendas diretas em 2019

Na sexta-feira, 15 de março, a sede da ABEVD recebeu os representantes de mais de 15 associadas para a reunião do Comitê Institucional. Durante o encontro diversos assuntos relevantes para o setor de vendas diretas fossem discutidos.

A reunião foi iniciada com uma apresentação do sócio da BMJ Consultores Associados, Rodrigo Almeida, que nos contou sobre o cenário do Congresso Nacional, as perspectivas das principais reformas: Previdenciária e Tributária e a composição das comissões prioritárias do Senado Federal e da Câmara dos Deputados.

O conteúdo apresentado foi de extrema importância para todos os presentes, já que há alguns projetos de lei tramitando nas casas legislativas e que podem afetar diretamente o setor.

Nessa oportunidade, voltamos a discutir outros temas importantes para o setor a exemplo da atuação da ABEVD perante projetos de lei que pretendem regulamentar as vendas diretas.

Outro ponto analisado foi a lista de autoridades que serão convidados para participar do 2º Congresso Nacional de Vendas Diretas que acontecerá no dia 7 de maio, no Villa Blue Tree, em São Paulo.

Fonte: ABEVD

Início de ano em alta

Diferentemente da indústria, o comércio varejista começou 2019 crescendo. Suas vendas reais apresentaram um desempenho positivo tanto em relação a dezembro do ano passado (+0,4%, com ajuste sazonal) como na comparação com janeiro de 2019 (+1,9%). Consideradas as vendas de automóveis, autopeças e material de construção, o quadro é ainda mais favorável (+1% ante dez/18 e +3,5% ante jan/18).

Deste modo, o nível de atividade do setor na entrada de 2019 permanece muito próximo daquele registrado no final do ano passado, muito embora, devido ao segmento de veículos e autopeças, tenha havido alguma desaceleração no varejo ampliado.

O contraste do resultado obtido no 4º trim/18 e o de janeiro de 2019, em relação ao mesmo período do ano anterior, ilustra bem este ponto. Em seu conceito restrito, alta de +1,9% em jan/19, como mencionado anteriormente, e de +2,2% no 4º trim/18. Em seu conceito ampliado, essas variações são de +3,5% e +4,4%, respectivamente.

Ao continuar avançando, o desempenho do varejo tem descolado ainda mais daquele da indústria, que voltou a enfrentar uma nova etapa de recessão na virada de 2018 para 2019. O diferencial em favor do varejo ampliado já vinha ocorrendo desde o início da recuperação econômica em 2017, mas ao se intensificar já aparece na comparação 12 meses, que capta tendências de mais longo prazo.

Assim, entre fev/18 e jan/19, enquanto o varejo ampliado acumulou alta de +4,7% frente aos doze meses anteriores, a indústria variou somente +0,5%, isto é, uma diferença de 4,2 pontos percentuais. Essa diferença de ritmo para o período fev/17 e jan/18 era de apenas 1,7 p.p.. Não é de se estranhar, então, que as importações de manufaturados venham crescendo mais fortemente nos últimos meses.

Apesar deste comportamento geral, muitos segmentos do comércio não só tiveram seus resultados reduzidos com a entrada de 2019, mas chegaram a voltar ao vermelho, como mostram as variações interanuais abaixo.

  • Varejo restrito: +2,2% no 4º trim/18 e +1,9% em jan/19;
  • Varejo ampliado: +4,4% e +3,5%, respectivamente;
  • Supermercados, alimentos, bebidas e fumo: +2,1% e +2,2%;
  • Material de construção: +2,5% e +2,2%;
  • Outros artigos de uso pessoal e doméstico: +8,5% e +6,4%;
  • Veículos e autopeças: +13,3% e +8,8%;
  • Móveis e eletrodomésticos: -2,0% e -2,8%;
  • Tecidos, vestuário e calçados: +1,6% e -1,2%, respectivamente.

Pioraram seu desempenho de jan/19 a ponto de ficarem no negativo, o segmento de tecidos, vestuário e calçados, que também tinha perdido vendas reais em dez/18 (-1,5% ante dez/17), e o segmento de móveis e eletrodomésticos. Neste último caso, ocorre retração das vendas desde julho do ano passado, com exceção do mês de outubro (+1,5%), por isso, seu 4º trim/18 também já tinha sido ruim. Os juros do crédito às famílias, que pararam de cair, são fator importante para esta trajetória.

Outros também reduziram seu ritmo de expansão em relação ao último trimestre de 2018, mas ainda assim mantiveram taxas bastante positivas em jan/19, como o segmento de outros artigos de uso pessoal e doméstico (+6,4% ante jan/18) e veículos e autopeças (+8,8%).

Em linha com o varejo total, isto é, com relativa manutenção do crescimento na virada do ano, estão segmentos de peso, como o de supermercado, alimentos, bebidas e fumo, na faixa de +2%, e o de material de construção, na faixa entre +2% e +2,5%.

A partir dos dados de janeiro de 2019 da Pesquisa Mensal do Comércio divulgados hoje pelo IBGE, o índice de volume de vendas do comércio varejista nacional, na série com ajuste sazonal, registrou expansão de 0,4% frente a dezembro de 2018. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior aferiu-se acréscimo de 1,9% e no acumulado dos últimos doze meses verificou-se incremento de 2,2%.

No que se refere ao volume de vendas do comércio varejista ampliado, que inclui vendas de veículos, motos, partes e peças e de materiais de construção, registrou-se variação positiva de 1,0% em relação a dezembro de 2018, a partir de dados livres de influências sazonais. Com relação ao desempenho comparado ao mesmo mês de 2018, houve crescimento de 3,5%. Para o acumulado dos últimos 12 meses registrou-se crescimento de 4,7%.

A partir de dados dessazonalizados, sete dos oito setores registraram acréscimos em comparação ao mês imediatamente anterior: equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (8,2%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (7,2%), hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,6%), combustíveis e lubrificantes (0,5%), móveis e eletrodomésticos (0,4%) e livros, jornais, revistas e papelaria (0,2%), tecidos, vestuário e calçados (0,1%). Por outro lado, o seguimento de artigos farmacêuticos, médicos, ortopedia e de perfumaria apresentou retração de 0,5%. Para o comércio varejista ampliado, houve incremento de 1,0%, sendo que veículos, motos, partes e peças expandiu 5,7% e material de construção cresceu 0,1%.

Em relação ao mês de janeiro de 2018, registraram-se variação positiva em cinco das oito atividades que compõem o varejo: artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (7,2%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (6,4%), hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (2,2%), equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (1,6%) e combustíveis e lubrificantes (1,4%). Os demais setores apresentaram decréscimos: livros, jornais, revistas e papelaria (-27,3%), móveis e eletrodomésticos (-2,8%) e tecidos, vestuário e calçados (-1,2%). Ainda nessa base de comparação, no comércio varejista ampliado registrou-se incremento de 3,5%, com expansão de 8,8% em veículos e motos, partes e peças, e crescimento de 2,2% em material de construção.

Por fim, comparando a janeiro de 2019 com janeiro de 2018, 13 das 27 unidades federativas apresentaram crescimento do volume de comércio, sendo as maiores variações na ordem decrescente: Espírito Santo (9,7%), Santa Catarina (8,2%), Mato Grosso (7,5%), Acre (7,1%), Mato Grosso do Sul (6,5%), Rio Grande do Sul (5,2%) e Rondônia (4,0%). Por outro lado, 14 dos 27 estados registraram queda, com destaque para: Piauí (-6,9%), Tocantins (-5,0%), Paraíba (-4,1%), Pernambuco (-3,4%) e Amazonas (-3,2%).

 

Fonte: IEDI Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial

2019-12-20T14:32:04-03:00março 18th, 2019|Categories: ABEVD Clipping|Tags: , , , , |

A digitalização da Venda por Relações

* Por Erasmo Toledo

 

Mais de 4 milhões de pessoas no Brasil atuam no setor de vendas diretas. Deste número, mais de um quarto – 1,1 milhão – são Consultoras de Beleza Natura. Isso representa a força e o impacto que a atividade exerce na vida dos brasileiros. Somos uma empresa que nasceu da paixão pelas relações, e por isso a venda direta está no centro do nosso modelo de negócios.

Ao mesmo tempo, a venda direta passa por transformações intensas. Em um mundo cada vez mais digital, dar ferramentas para que as consultoras possam atender seus clientes onde quer que eles estejam é essencial para tornar a consultoria uma atividade cada vez mais profissional e moderna.

E é isso que buscamos fazer com a Venda por Relações, como passamos a chamar a venda direta na Natura a partir de 2017. Revitalizado, o novo modelo de negócio busca reforçar os três alicerces dessa relação: Propósito, Pertencimento e Prosperidade. O propósito nos conecta com a crença de que a cosmética é um caminho para construir um mundo mais bonito em todos os sentidos; o pertencimento se dá devido à rede viva de pessoas que celebram e acolhem a individualidade, a diversidade e a troca de experiências e ideias; a prosperidade, por fim, transforma a vida da Consultora, tornando-a mais completa e feliz.

A digitalização chega para aproximar e ampliar o contato entre Consultoras e consumidores. Graças à maior capacidade de interação, essas empreendedoras podem ampliar sua base de clientes e potencializar lucros. Sabemos que a relação se constrói também por meio do contato cada vez mais frequente, por isso os meios digitais contribuem para que a consultora seja cada vez mais assertiva em suas ofertas e serviços, ao administrar informações de clientes, realizar treinamentos para aumentar vendas e aumentar seu alcance geográfico.

Todo o esforço digital da Natura tem colhido resultados muito animadores para o crescimento da empresa e desenvolvimento de sua rede de relações. Já são mais de 860 mil consultoras com acesso à nossa plataforma online (web e aplicativo), pelo qual é possível postar pedidos, solicitar segunda via de boleto, renegociar dívidas e até mesmo contar com um serviço de CRM desenvolvido a partir do perfil de suas clientes.

Sabemos que as Consultoras que utilizam as ferramentas digitais oferecidas pela nossa plataforma têm um aumento médio de 10% em suas vendas. E, claro, com isso ainda conseguimos atingir outra meta importante de inclusão social, que é digitalizar todos os níveis de Consultoras – tanto aquelas que já tinham familiaridade com a internet e redes sociais, como aquelas que ainda tinham um caminho maior a ser seguido.

As mais de 500 mil Consultoras Digitais no Brasil e na América Latina, que atuam com a própria loja online, também encontram nessa atividade a oportunidade de aliar horários flexíveis com ganhos financeiros de acordo com o esforço empreendido. Ao apostar em vídeos tutoriais, vendas por WhatsApp e até mesmo em anúncios direcionados ao próprio e-commerce, as Consultoras conseguem ganhar escala e vender para clientes de todos os pontos do país, reforçando o empreendedorismo da rede.

Outra oportunidade, que fortalece nossa busca por oferecer a experiência de compra mais completa para o consumidor, são as franquias Aqui Tem Natura. Oferecidas com exclusividade para as Consultoras de Beleza Natura com melhor desempenho e relacionamento próximo com a marca, as franquias buscam atender um perfil de cliente que busca produtos de uso diário e maior conveniência nas compras. Para as consultoras, este é um novo caminho possível de desenvolvimento, que complementa o plano de crescimento para as consultoras de perfil mais empreendedor.

A jornada de digitação da empresa e as novas oportunidades oferecidas para a consultora fazem dessa uma atividade moderna, que atende a todos os perfis de clientes, o que é chave para o sucesso da profissão em um mundo em constante transformação.

* Erasmo Toledo é vice-presidente de venda direta da Natura

Março: mês de celebrar a força feminina

No mês de março celebra-se o Dia Internacional da Mulher e a força feminina é um dos motores das vendas diretas. Dos 4,1 milhões de brasileiros que atuam na atividade, 56,7% são do sexo feminino.

Este contingente de 2,3 milhões de pessoas encontrou nas vendas diretas a oportunidade de conciliar independência financeira com flexibilidade de horários.

Em depoimentos concedidos por empreendedoras e veiculados nas mídias da ABEVD, a maioria diz ter escolhido atuar no setor, pois a atividade lhe proporcionou a liberdade que não havia no mercado de trabalho tradicional.

As vantagens do setor de vendas diretas atraem pessoas decididas a buscarem autonomia financeira e que ainda assim conciliam com outras atividades.

Outro benefício do setor está relacionado ao fácil acesso. Com baixos investimentos iniciais, o setor mostra-se atrativo, pois permite que as pessoas iniciem com o seu círculo de amizades para depois, expandirem suas vendas e rede no sentido de conquistarem renda proporcional ao seu esforço.

“O empoderamento feminino, prosperidade e independência proporcionados pela atividade são uma marca constante do setor, pois além de fortalecer a atuação profissional das mulheres, ajuda a transformar vidas”, comenta Adriana Colloca, presidente executiva da ABEVD.

Fonte: ABEVD

Ir ao Topo