Gazeta do Povo – PR – OPINIÃO – 31/01/2014
É comum encontrar pessoas com especial vocação para desenvolver e fabricar produtos, mas com dificuldade em vender. Seja por não terem uma loja, ou pela falta de vocação para vendas. Mas existem alternativas. Basta pensar que o segredo está em expor o produto ao consumidor, utilizando outros pontos de venda, como as lojas multimarca, a venda direta ou o comércio eletrônico.
Lojas multimarcas
As lojas multimarcas conduzem toda administração do ponto comercial, e a venda ao consumidor. Em geral, são remuneradas em regime de consignação, comissão ou a um preço fixo, sobre o qual definem sua margem.
Flavia Batistella, criadora da marca Porqua de moda infantil, de Londrina, vem utilizando esse modelo com sucesso. Ela afirma que ainda não deseja ter uma loja própria, pois prefere direcionar recursos para o desenvolvimento das novas coleções e para a confecção. A Porqua vende para 12 lojas multimarcas espalhadas pelo país, e destaca que é importante manter um contato constante com as lojas, pois é assim que consegue boa exposição de seus produtos, e treina os vendedores com informações sobre a qualidade e o conceito das coleções, que são repassadas aos consumidores. Flavia finaliza dizendo que também é preciso acompanhar de perto o volume de vendas para repor estoque, ou propor ações de melhoria nas vendas.
Venda direta
Para alguns tipos de produtos, a venda direta pode ser uma alternativa viável, como já acontece nos mercados de cosméticos e de bijuterias, e inclusive com alimentos perecíveis, como fez a Danone ao iniciar teste com venda direta no Nordeste no fim de 2013. Vendedores independentes e bem comissionados sentem-se estimulados a vender em seu círculo social, e a receber treinamento necessário à demonstração do produto. Aliás, esses são fatores geralmente considerados cruciais para o sucesso desse modelo ? boa comissão, material de demonstração e treinamento.
Comércio eletrônico
Outra opção ainda é o comércio eletrônico, pelo seu custo reduzido, se comparado a uma estrutura física. A atividade comercial está concentrada em expor bem as imagens dos produtos, seus preços e formas de pagamento. Mas posicionar-se bem com uma loja virtual também vai envolver um esforço em ferramentas de marketing digital, incluindo a divulgação através das redes sociais, bem como uma logística de entrega bem resolvida.
Vá em frente
Não ter uma loja própria não é um limitador para vender seus produtos. Como vimos, existem alternativas, que inclusive podem ser utilizadas ao mesmo tempo. Para isso, o importante é ter segurança sobre o posicionamento desejado para seu produto e sua marca, e o bom estabelecimento das estratégias para colocá-los de forma competitiva nos diferentes canais de vendas.
Dê sua opinião
O que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.
Link para o artigo original