Revisão veio após bons resultados da indústria e do varejo em julho e indicadores que apontam a continuidade da recuperação da economia em agosto

 

O Bank of America revisou a estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de queda de 5,7% para recuo de 4,9% neste ano, após bons resultados da indústria e do varejo em julho e indicadores que apontam a continuidade da recuperação da economia em agosto.

 

O indicador do banco que acompanha a atividade econômica brasileira subiu 0,51 ponto em agosto, de um recuo de 0,05 ponto em julho. Essas leituras, diz o BofA em relatório, sugerem que o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) subiria 1,1% em julho e 3,6% em agosto, sobre os mesmos períodos do ano passado. Confirmados os números, a atividade já teria voltado aos níveis pré-pandemia em julho, observa o banco.

 

Além dos bons números da indústria e do comércio em julho, como divulgados pelo IBGE, os indicadores de confiança do mês de agosto apontam que a tendência positiva prosseguiu no mês passado, observam os economistas da casa.

 

A recuperação sugerida pelo indicador do BofA também aponta que o PIB do terceiro trimestre deve ter uma queda próxima de 1%, na comparação com o mesmo período do ano passado, ante recuo de 11,4% no segundo trimestre, uma recuperação considerada forte pelo banco.

 

A nova estimativa para o ano, de queda de 4,9%, assume uma desaceleração da atividade no quarto trimestre, para quando se espera a redução dos estímulos fiscais dados pelo governo e um aumento do desemprego.

 

No médio prazo, há incerteza sobre o potencial crescimento da economia por causa do risco fiscal, escrevem os economistas do BofA no relatório. Os riscos incluem a desancoragem das expectativas de inflação, que levaria a uma elevação dos juros básicos, a despeito do baixo crescimento da economia.

 

Fonte: Valor Investe