A casa espera uma contração econômica de 4,5% para este ano

Diante da perspectiva de imunização em relação à covid-19 e o melhor desempenho da economia global, o contorno para o processo de recuperação da atividade econômica do Brasil também se torna mais favorável, na avaliação de Legacy Capital. “Nosso entendimento é que a reabertura dos serviços, que estará associada a uma importante melhora do mercado de trabalho será, também no Brasil, a tendência do ano de 2021”, diz a gestora em carta referente a novembro. A Legacy espera uma contração econômica de 4,5% para este ano e expansão de 3,0% em 2021.

Ainda em relação ao cenário macro, os profissionais da Legacy apontam na carta que os riscos ao rompimento do teto de gastos diminuíram e que a situação se encaminha para o fim do programa de auxílio emergencial a partir de janeiro. Eles notam que a inflação “tem estado sujeita a diversos choques de demanda e oferta, que devem seguir influenciando em 2021, ainda que alguns venham a ter seu sentido invertido”. Para a Legacy, o IPCA deve terminar 2020 em 4,3%, acima do centro da meta, e ficar em 3,4% em 2021 “com riscos materiais em ambas as direções”.

“Nesse contexto, o Banco Central deverá iniciar um processo de normalização dos juros a partir do segundo trimestre de 2021”, diz a gestora, que projeta a Selic em 4,5% no fim do ano que vem.

A Legacy aponta que, em outubro e novembro, manteve posições “relativamente grandes” compradas em uma carteira diversificada de índices de ações globais e vendidas em dólar contra uma série de moedas, “mirando a iminência da divulgação de bons resultados nas vacinas e a consequente cristalização do cenário de reabertura da economia global”. Para a gestora, os preços dos ativos ainda não refletem a perspectiva econômica que se desenha para 2021, mas a assimetria de preços em algumas classes de ativos se reduziu, “justificando redução no volume das posições, que seguem, todavia, direcionadas às mesmas teses de investimento”.

Em relação a ativos brasileiros, a gestora segue com posições pequenas em NTN-Bs e em uma carteira de ações. Quanto a outros mercados emergentes, a Legacy também mantém posições aplicadas [aposta na queda das taxas] em juros nominais no México, “uma vez que o melhor comportamento dos índices de inflação deverá permitir a retomada dos cortes de juros pelo Banxico em 2021”.

Fonte: Valor Investe