Segundo a agência, embora ainda existam riscos na reorganização da Avon, a demanda na indústria de cosméticos vem se recuperando mais rápido do que o previsto

A agência de classificação de riscos S&P Global Ratings elevou os ratings da Natura Cosméticos de “BB-” para “BB” e da Avon de “‘B+” para “BB-”‘, após a oferta subsequente de ações da controladora Natura &Co captar cerca de R$ 5,6 bilhões, a serem utilizados em grande parte para reduzir a dívida da Avon.

A perspectiva dos ratings das duas empresas é estável, e indica, no caso da Avon, que a empresa se beneficiará da qualidade de crédito do grupo e do perfil do crédito da controladora. No caso da Natura Cosméticos, a perspectiva estável indica a desalavancagem significativa do grupo, a estrutura de capital mais forte e o colchão de liquidez, que reduziram a alavancagem consolidada para menos de 2,5 vezes.

Segundo a agência, embora ainda existam riscos na reorganização operacional da Avon e com uma potencial segunda onda da covid-19, a demanda em geral na indústria de cosméticos, fragrância e perfumes vem se recuperando mais rápido do que o previsto pelos analistas, e os resultados do grupo têm sido sólidos nos últimos meses graças às vendas digitais.

“A Natura&Co mostrou-se comprometida para conter a alavancagem por meio da capitalização de R$ 2 bilhões que os controladores fizeram ao grupo no segundo trimestre de 2020 e da oferta de ações de R$ 5,6 bilhões concluída na semana passada. O grupo planeja usar a maior parte dos R$ 7,6 bilhões para reduzir dívida, e anunciou que pretende pré-pagar as notas secured da Avon que vencem em 2022, o que reduzirá pela metade a dívida da subsidiária”, diz o relatório.

Este pagamento vai melhorar significativamente a flexibilidade financeira e a estrutura de capital da Avon e em termos consolidados, segundo a S&P.

“As notas remanescentes da Avon, que vencem em 2023 e 2043, são senior unsecured e não tem cláusulas contratuais restritivas (covenants), tendo a empresa tempo para lidar com refinanciamentos enquanto as operações melhoram gradativamente. A Natura tem debêntures que vencem em 2021 e um bond em 2023, e esperamos que a empresa os refinancie sem dificuldades após as recentes entradas em seu caixa e seu desempenho operacional melhor que o esperado”, completa.

Fonte: Valor Investe