Com o final do ano chegando e as comemorações se aproximando, o setor de varejo e serviços se prepara para o momento crucial de vendas com a contratação de novos trabalhadores. De acordo com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojista (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em conjunto o Sebrae, esperam-se cerca de 105 mil novas vagas até dezembro.

No levantamento, 69% dos empresários que pretendem contratar procuram se preparar para a demanda que o período costuma pedir. A porcentagem apresenta, contudo, uma diminuição de 19 pontos percentuais com relação ao final de 2019. Enquanto isso, 14% têm preferência em melhorar a qualidade dos seus serviços.

Entre os empresários que não contratarão, os motivos variam entre: achar que o aumento da demanda não será significativo a ponto de justificar contratações; não ter verba para contratar; e considerar os encargos trabalhistas muito altos, assim como estarem inseguros quanto ao histórico de vendas do ano até o momento.

Muitos empresários contratarão temporariamente, sem carteira assinada, e grande parte pretende contratar apenas um ou dois funcionários.

Segundo as formas de contratação das empresas, 57% abrirão vagas informais, 47% registrados em carteira de trabalho e 18% recorrerão à mão de obra terceirizada

Em relação ao perfil dos profissionais, as empresas têm preferência pelas mulheres. Ainda assim, as empresas afirmam que a questão do gênero não é relevante. Mais da metade das empresas prefere jovens entre 18 e 34 anos, com a faixa etária média de 28 anos.

Já a média salarial esperada é de R$ 1.463, enquanto a jornada de trabalho será majoritariamente concentrada entre 6h e 8h diárias.

Os meses mais movimentos para contratação serão outubro e novembro. Entre a variedade de cargos, as mais demandadas serão de vendedor, ajudante e balconistas.